Arquivo da categoria ‘Parte 19’

Pagina 821 – 865

Publicado: 14 de outubro de 2009 por tshingo em Parte 19

Comentários

  • Os usuários devem receber o direito Desligar para que possam desligar um computador administrado local ou remotamente utilizando o comando shutdown. Para obter mais informações, consulte “Visão geral sobre o controle de acesso” e “Privilégios” em <b>Tópicos relacionados</b>.
  • Os usuários devem fazer parte do grupo Administradores para anotar um desligamento inesperado de um computador administrado local ou remotamente. Se o computador for integrado a um domínio, os membros do grupo Admins. do Domínio deverão ser capazes de realizar esse procedimento. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão e Grupos padrão.
  • Se você quiser desligar mais de um computador de uma vez, poderá chamar shutdown para cada computador usando um script ou poderá utilizar shutdown /i para exibir a caixa de diálogo de desligamento remoto.
  • Se você indicar um código de razão principal e um secundário, defina-os primeiro em cada computador para o qual pretende usar a razão específica. Se os códigos de razão não forem definidos no computador de destino, o <b>Controlador de eventos de desligamento</b> não poderá registrar o texto de razão correto.
  • Lembre-se de indicar se um desligamento é planejado usando o parâmetro p: . A omissão de p: indica que um desligamento não é planejado. Se você digitar p: seguido do código da razão de um desligamento não planejado, o comando não realizará o desligamento Por outro lado, se você omitir p: e digitar o código de razão de um desligamento planejado, o comando não realizará o desligamento.

Exemplos

Para fazer com que os aplicativos fechem e reiniciem o computador local após um atraso de um minuto com a razão Aplicativo: manutenção (planejada) e o comentário “Reconfigurando myapp.exe” type:

shutdown /r /t 60 /c “Reconfiguring myapp.exe” /f /d p:4:1

Para reiniciar o computador remoto \\ServerName com os mesmos parâmetros, digite:

shutdown /r /m \\servername /t 60 /c “Reconfiguring myapp.exe” /f /d p:4:1

***

Sintaxe

Classificar

Lê os dados de entrada, classifica-os e exibe os resultados na tela ou grava-os em um arquivo ou em outro dispositivo

Sintaxe

sort[/r] [/+N] [/m Kilobytes] [/l Localidade] [/rec Caracteres] [[Unidade_1:][Caminho_1]Nome_do_Arquivo_1] [/t [Unidade_2:][Caminho_2]] [/o [Unidade_3:][Caminho_3]Nome_do_Arquivo_3]

[Comando |] sort [/r] [/+N] [/m Kilobytes] [/l Localidade] [/rec Caracteres] [[Unidade_1:][Caminho_1]Nome_do_Arquivo_1][/t [Unidade_2:][Caminho_2]] [/o [Unidade_3:][Caminho_3]Nome_do_Arquivo_3]

Parâmetros

/r

Inverte a ordem de classificação (isto é, classifica de Z a A e, em seguida, de 9 a 0).

/+N

Especifica o número da posição do caractere, N, no qual sort inicia cada comparação.

/mKilobytes

Especifica a quantidade de memória principal a ser usada na classificação, em quilobytes (KB).

/lLocalidade

Substitui a ordem de classificação de caracteres definida pela localidade padrão do sistema (isto é, o idioma e o país/região selecionados durante a instalação).

/recCaracteres

Especifica o número máximo de caracteres em um registro ou uma linha do arquivo de entrada (o padrão é 4.096 e o máximo é 65.535).

[Unidade_1:][Caminho_1]Nome_do_Arquivo_1

Especifica o arquivo a ser classificado. Se nenhum nome de arquivo for especificado, a entrada padrão será classificada. A especificação do arquivo de entrada é mais rápida do que o redirecionamento do mesmo arquivo como entrada padrão.

/t [Unidade_2:][Caminho_2]

Especifica o caminho da pasta que manterá armazenado o funcionamento do comando sort, caso os dados não caibam na memória principal. O padrão é usar a pasta temporária do sistema.

/o [Unidade_3:][Caminho_3]Nome_do_Arquivo_3

Especifica o arquivo onde a entrada classificada será armazenada. Se ele não for especificado, os dados serão gravados na saída padrão. A especificação do arquivo de saída é mais rápida do que o redirecionamento da saída padrão para o mesmo arquivo.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando a opção de linha de comando /+N
    Quando a opção de linha de comando /+N é usada, /+3, por exemplo, indica que cada comparação deverá ser iniciada no terceiro caractere em cada linha. Linhas com menos de N caracteres agrupam-se antes de outras linhas. Por padrão, as comparações são iniciadas no primeiro caractere em cada linha.
  • Usando a opção de linha de comando /m Kilobytes
    A memória usada tem sempre um mínimo de 160 KB. Se o tamanho da memória for especificado, a quantidade exata especificada (no mínimo 160 KB) será usada para a classificação, independentemente da quantidade de memória principal disponível.
    O tamanho máximo da memória padrão quando nenhum tamanho for especificado será 90% da memória principal disponível se as entradas e as saídas forem arquivos; caso contrário, será 45% da memória principal. A configuração padrão oferece normalmente o melhor desempenho.
  • Usando a opção de linha de comando /l Localização
    Atualmente, a única alternativa para a localidade padrão é a localidade “C”, que é mais rápida do que a classificação do idioma nativo e classifica caracteres de acordo com a codificação binária.
  • Especificando uma origem
    A não ser que você especifique o parâmetro Comando ou Nome_do_Arquivo, sort agirá como um filtro e usará os dados provenientes da entrada padrão (isto é, geralmente do teclado, de um pipe ou de um arquivo).
  • Usando símbolos de redirecionamento com o comando sort
    É possível usar o símbolo pipe (|) para direcionar dados de outro comando através do comando sort ou direcionar a saída de classificação para outro comando (por exemplo, para o comando more a fim de exibir informações, uma tela por vez). O uso do símbolo menor que (<) ou maior que (>) para especificar o arquivo de entrada ou de saída pode não ser muito eficiente; em vez disso, especifique o arquivo de entrada diretamente (conforme definido na sintaxe do comando) e especifique o arquivo de saída usando o parâmetro /o. Isso pode ser muito mais rápido, principalmente com arquivos grandes.
  • Letras maiúsculas vs. letras minúsculas
    O comando sort não faz distinção entre letras maiúsculas e minúsculas.
  • Limites ao tamanho de arquivo
    O comando sort não limita o tamanho de arquivo.
  • Seqüência de agrupamento
    O programa de classificação usa a tabela de seqüência de agrupamento que corresponde ao código de país/região e às configurações de página de códigos. Os caracteres maiores do que o código 127 da tabela ASCII são classificados com base nas informações do arquivo Country.sys ou em um outro arquivo especificado pelo comando country em seu arquivo Config.nt.
  • Uso da memória
    Se a classificação couber na memória (isto é, tanto o tamanho máximo da memória padrão como a especificação do parâmetro /m), ela será executada em uma passagem. Caso contrário, será executada em duas passagens, de modo que as quantidades de memória usadas para as passagens de classificação e mesclagem sejam iguais. Quando duas passagens são executadas, os dados parcialmente classificados são armazenados em um arquivo temporário no disco. Se não houver memória suficiente para executar a classificação em duas passagens, um erro de tempo de execução será emitido. Se a opção de linha de comando /m for usada para especificar mais memória do que a realmente disponível, o desempenho poderá ser prejudicado ou um erro de tempo de execução poderá ocorrer.

Exemplos

Classificando um arquivo

O comando a seguir lê o arquivo Despesas.txt, classifica os dados em ordem inversa e exibe-os na tela:

sort /r expenses.txt

Classificando a saída de um comando

Para pesquisar o texto “Jorge” em um arquivo extenso denominado Maladir.txt e classificar os resultados da pesquisa, use o pipe (|) para direcionar a saída de um comando find para o comando sort, da seguinte maneira:

find "Jones" maillist.txt | sort

O comando cria uma lista classificada de linhas que contêm o texto especificado.

Classificando a entrada do teclado

Para classificar a entrada do teclado e exibir os resultados em ordem alfabética na tela, você pode usar primeiro o comando sort sem parâmetros, da seguinte maneira:

sort

Em seguida, digite o texto a ser classificado, pressionando ENTER no final de cada linha. Ao terminar de digitar o texto, pressione CTRL+Z e, em seguida, pressione ENTER. O comando sort exibirá o texto digitado, classificado em ordem alfabética.

Também é possível redirecionar a entrada classificada do teclado para um arquivo. Para obter mais informações, clique em redirect na lista Tópicos Relacionados.

***

Start

Inicia uma janela separada do prompt de comando para executar um programa ou comando especificado. Usado sem parâmetros, start abre uma segunda janela do prompt de comando.

Sintaxe

start [Título] [/dCaminho] [/i] [/min] [/max] [{/separate | /shared}] [{/low | /normal | /high | /realtime | /abovenormal | belownormal}] [/wait] [/b] [Nome_do_Arquivo] [Parâmetros]

Parâmetros

Título

Especifica o título a ser exibido na barra de título da janela do prompt de comando.

/dCaminho

Especifica a pasta de inicialização.

/i

Transfere o ambiente de inicialização do Cmd.exe para a nova janela do prompt de comando.

/min

Inicia uma nova janela minimizada do prompt de comando.

/max

Inicia uma nova janela maximizada do prompt de comando.

/separate

Inicia programas de 16 bits em um espaço separado de memória.

/shared

Inicia programas de 16 bits em um espaço compartilhado de memória.

/low

Inicia um aplicativo com classe de prioridade ociosa.

/normal

Inicia um aplicativo com classe de prioridade normal.

/high

Inicia um aplicativo com classe de prioridade alta.

/realtime

Inicia um aplicativo com classe de prioridade tempo real.

/abovenormal

Inicia um aplicativo com classe de prioridade acima do normal.

/belownormal

Inicia um aplicativo com classe de prioridade abaixo do normal.

/wait

Inicia um aplicativo e aguarda que ele seja finalizado.

/b

Inicia um aplicativo sem abrir uma nova janela do prompt de comando. A manipulação das teclas CTRL+C é ignorada a menos que o aplicativo ative o processamento de CTRL+C. Use CTRL+BREAK para interromper o aplicativo.

nome_de_arquivo

Especifica o comando ou o programa a ser iniciado.

Parâmetros

Especifica os parâmetros a serem passados para o comando ou programa.

Comentários

  • É possível executar arquivos não executáveis através de suas associações de arquivos digitando o nome do arquivo como um comando. Para obter mais informações sobre como criar essas associações em um script de comando usando assoc e ftype, consulte Tópicos Relacionados.
  • Quando você executa um comando cujo primeiro símbolo é a seqüência “CMD” sem uma extensão ou qualificador de caminho, o “CMD” é substituído pelo valor da variável COMSPEC. Isso impede que os usuários obtenham o cmd da pasta atual.
  • Quando você executa um aplicativo de interface gráfica do usuário (GUI) de 32 bits, o cmd não aguarda que ele seja finalizado para retornar para o prompt de comando. Esse novo comportamento não ocorrerá se o aplicativo for executado a partir de um script de comando.
  • Quando você executa um comando cujo primeiro símbolo não contém uma extensão, o Cmd.exe usa o valor da variável de ambiente PATHEXT para determinar quais extensões procurar e em que ordem. O valor padrão da variável PATHEXT é: .COM;.EXE;.BAT;.CMD (isto é, a sintaxe é a mesma da variável PATH, com ponto-e-vírgula separando os diferentes elementos).
  • Quando você pesquisa um executável e não é encontrada uma correspondência em nenhuma extensão, start pesquisa o nome da pasta. Se isso ocorrer, start abrirá o Explorer.exe nesse caminho.

Exemplos

Para iniciar o programa Meu_apl no prompt de comando e continuar a usar a janela do prompt de comando atual, digite:

start meu_apl

***

Subst

Associa um caminho a uma letra de unidade. Usado sem parâmetros, subst exibe os nomes das unidades virtuais válidas.

Sintaxe

subst [Unidade1: [Unidade2:]Caminho]

subst Unidade1:/d

Parâmetros

Unidade1:

Especifica a unidade virtual à qual você deseja atribuir um caminho.

Unidade2:

Especifica a unidade física que contém o caminho especificado (se for diferente da unidade atual).

Caminho

Especifica o caminho que você deseja atribuir a uma unidade virtual.

/d

Exclui uma unidade virtual.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Os comandos a seguir não funcionam, ou não devem ser usados, em unidades utilizadas no comando subst:
  • chkdsk
  • diskcomp
  • diskcopy
  • format
  • label
  • recover
  • O parâmetro Unidade1 deverá estar no intervalo especificado pelo comando lastdrive. Caso contrário, subst exibirá a seguinte mensagem de erro:
    Invalid parameter - drive1:

Exemplos

Para criar uma unidade virtual Z para o caminho B:\Usuário\Bia\Forms, digite:

subst z: b:\usuário\betty\forms

Agora, em vez de digitar o caminho completo, você pode chegar a essa pasta digitando a letra da unidade virtual, seguida por dois-pontos, como no exemplo a seguir:

z:

***

Sysocmgr

Instala um conjunto limitado de componentes opcionais.

Sintaxe

sysocmgr[.exe] /i:InfFile.inf [/u:AnswerFilePathAndName [/q][/w]] [/r] [/z] [/n] [/f] [/c] [/x] [/l]

Parâmetros

/i:InfFile.inf

Obrigatório. Designa InfFile.inf especificado como arquivo .inf principal.

/u:AnswerFilePathAndName

Especifica o caminho e o nome de um arquivo de resposta opcional que contém parâmetros para instalação automática.

/q

Executa a instalação automática sem uma interface de usuário. Você não pode usar /q sem /u.

/w

Avisa ao usuário antes de reinicializar, apenas se a reinicialização for necessária. Você não pode usar /w sem /u.

/r

Elimina a reinicialização. Se a reinicialização não for necessária, esta opção de linha de comando não apresenta nenhum efeito.

/z

Indica que os argumentos seguintes não são argumentos de componentes opcionais e devem ser passados aos componentes.

/n

Faz com que o arquivo .inf principal seja tratado como novo.

/f

Indica que todos os estados de instalação de componentes devem ser inicializados como se os instaladores nunca tivessem sido executados.

/c

Desautoriza o cancelamento durante a fase de instalação final.

/x

Elimina a faixa de inicialização.

/l

Instalações em vários idiomas.

[/?] [/h] [IncorrectSyntax]

Exibe a ajuda em uma janela separada, não no prompt de comando.

Comentários

  • Para obter exemplos de como usar sysocmgr, pesquise na Microsoft Knowledge Base (site em inglês) utilizando a palavra-chave sysocmgr.

Exemplos

O seguinte exemplo mostra como você pode usar sysocmgr:

sysocmgr.exe /i:sysoc.inf /u:unattend.txt

***

Systeminfo – Mostra informações sobre o sistema

***

Verificador de arquivos de sistema (sfc)

Examina e verifica as versões de todos os arquivos protegidos do sistema depois que o computador é reiniciado.

Sintaxe

sfc[/scannow] [/scanonce] [/scanboot] [/revert] [/purgecache] [/cachesize=x]

Parâmetros

/scannow

Verifica todos os arquivos protegidos do sistema imediatamente.

/scanonce

Verifica todos os arquivos protegidos do sistema uma vez.

/scanboot

Verifica todos os arquivos protegidos do sistema sempre que o computador é reiniciado.

/revert

Retorna a verificação para a sua operação padrão.

/purgecache

Limpa o cache de arquivos da Proteção de arquivos do Windows e verifica todos os arquivos protegidos do sistema imediatamente.

/cachesize=x

Define o tamanho, em MB, do cache de arquivos da Proteção de arquivos do Windows.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Você deverá fazer logon como um membro do grupo Administradores para executar osfc.
  • Se sfc descobrir que um arquivo protegido foi substituído, ele recuperará a versão correta do arquivo na pasta systemroot\system32\dllcache e substituirá o arquivo incorreto.
  • Se a pasta systemroot\system32\dllcache for corrompida ou tornar-se inútil, use sfc /scannow, sfc /scanonce ou sfc /scanboot para reparar o conteúdo do diretório Dllcache.

 

***********************************************************************************

“T”

Takeown

Permite que um administrador recupere o acesso a um arquivo que foi negado anteriormente fazendo com que o administrador seja o proprietário do arquivo.

Sintaxe

takeown [/sComputer [/u [Domain\User [/p [Password]]]] /fFileName [/a] [/r] [/d {Y | N}]

Parâmetros

/scomputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não utilize barras invertidas). O padrão é o computador local. Este parâmetro se aplica a todos os arquivos e pastas especificados no comando.

/uDomain\User

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. O padrão é permissões do sistema.

/p [Password]

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/fFileName

Especifica o padrão de nome do arquivo ou de diretório. Você pode usar o caractere curinga “*” ao especificar o padrão. Também é possível usar ShareName\FileName.

/a

Fornece a propriedade para o grupo de administradores, em vez do usuário atual.

/r

Realiza uma operação recursiva em todos os arquivos no diretório e subdiretórios especificados.

/d {Y | N}

Prompt padrão usado quando o usuário atual não tem permissões para exibir pastas em um diretório. Use Y para assumir a propriedade e N para eliminar o prompt de confirmação.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • Normalmente, este comando é usado em arquivos em lotes.
  • Usando as opções de linha de comando /s, /u e /p. As opções de linha de comando /u e /p estão disponíveis apenas quando você usa /s. É necessário utilizar /p com /u para fornecer a senha do usuário.
  • Se /a não for especificado, a propriedade do arquivo será atribuída ao usuário atualmente conectado ao computador.
  • Não há suporte para o uso de padrões mistos que utilizam o ponto de interrogação (?) e o caractere curinga (*).
  • Se você instalar um sistema operacional <NOLOC>Windows Server 2003</NOLOC> em um computador com outro sistema operacional <NOLOC>Windows Server 2003</NOLOC> já instalado e tentar excluí-lo, não poderá excluir todo o diretório. Um dos diretórios ocultos, chamado <b>\Installer</b>, contém alguns arquivos .msi e .ico bloqueados, e é necessário formatar a unidade para excluí-los. Isso ocorre porque os sistemas operacionais <NOLOC>Microsoft® Windows® Server 2003</NOLOC> aplicam atributos de segurança ao arquivo de forma que apenas a conta do sistema da instalação anterior possa acessar os arquivos. Nem mesmo um administrador deste computador pode redefinir essas permissões. Você deve executar takeown para excluir esses arquivos.
  • Após excluir o bloqueio com takeown, talvez você precise usar o Windows Explorer ou <b>cacls</b> para obter permissões completas para os arquivos e diretórios antes de excluí-los. Para obter mais informações sobre cacls, consulte Tópicos Relacionados.

Exemplos

Para assumir a propriedade de um arquivo usando o padrão de nome Lostfile, digite:

takeown /f lostfile

***

Tapicfg

Cria, remove ou exibe uma partição de diretório de aplicativos TAPI (aplicativo de telefonia) ou define uma partição de diretório de aplicativos TAPI padrão. Os clientes TAPI 3.1 podem usar as informações nesta partição de diretório de aplicativos com o localizador de serviço de diretório para localizar diretórios TAPI e estabelecer comunicações com eles.

Também é possível usar Tapicfg para criar ou remover pontos de conexão de serviço que permitem aos clientes TAPI localizar, de maneira eficiente, partições de diretório de aplicativos TAPI em um domínio. Para obter mais informações, consulte <b>Comentários</b>.

Para exibir a sintaxe do comando, clique em um comando.

tapicfg install

Cria uma partição de diretório de aplicativos TAPI.

Sintaxe

tapicfg install /directory:Nome_da_Partição[/server:Nome_do_DC] [/forcedefault]

Parâmetros

install /directory:Nome_da_Partição

Obrigatório. Especifica o nome DNS da partição de diretório de aplicativos TAPI a ser criada. Este nome deve ser um nome de domínio totalmente qualificado.

/server:Nome_do_DC

Especifica o nome DNS do controlador de domínio no qual a partição de diretório de aplicativos TAPI é criada. Se o nome do controlador de domínio não for especificado, será usado o nome do computador local.

/forcedefault

Especifica que este diretório é a partição de diretório de aplicativos TAPI padrão do domínio. Pode haver várias partições de diretório de aplicativos TAPI em um domínio. Se este diretório for a primeira partição de diretório de aplicativos TAPI criada no domínio, ela será definida automaticamente como o padrão, independentemente do uso da opção /forcedefault.

tapicfg remove

Remove uma partição de diretório de aplicativos TAPI.

Sintaxe

tapicfg remove /directory:Nome_da_Partição

Parâmetros

remove /directory:Nome_da_Partição

Obrigatório. Especifica o nome DNS da partição de diretório de aplicativos TAPI a ser removida. Observe que esse nome dever ser um nome de domínio totalmente qualificado.

tapicfg publishscp

Cria um ponto de conexão de serviço para publicar uma partição de diretório de aplicativos TAPI.

Sintaxe

tapicfg publishscp /directory:Nome_da_Partição[/domain:Nome_do_Domínio] [/forcedefault]

Parâmetros

publishscp /directory:Nome_da_Partição

Obrigatório. Especifica o nome DNS da partição de diretório de aplicativos TAPI que o ponto de conexão de serviço publicará.

/domain:Nome_do_Domínio

Especifica o nome DNS do domínio no qual o ponto de conexão de serviço é criado. Se o nome de domínio não for especificado, será usado o nome do domínio local.

/forcedefault

Especifica que este diretório é a partição de diretório de aplicativos TAPI padrão do domínio. Pode haver várias partições de diretório de aplicativos TAPI em um domínio.

tapicfg removescp

Remove um ponto de conexão de serviço para uma partição de diretório de aplicativos TAPI.

Sintaxe

tapicfg removescp /directory:Nome_da_Partição[/domain:Nome_do_Domínio]

Parâmetros

removescp /directory:Nome_da_Partição

Obrigatório. Especifica o nome DNS da partição de diretório de aplicativos TAPI da qual o ponto de conexão de serviço é removido.

/domain:Nome_do_Domínio

Especifica o nome DNS do domínio do qual o ponto de conexão de serviço é removido. Se o nome de domínio não for especificado, será usado o nome do domínio local.

tapicfg show

Exibe os nomes e localizações das partições de diretório de aplicativos TAPI no domínio.

Sintaxe

tapicfg show [/defaultonly][/domain:Nome_do_Domínio]

Parâmetros

/defaultonly

Exibe os nomes e localizações apenas da partição de diretório de aplicativos TAPI padrão no domínio.

/domain:Nome_do_Domínio

Especifica o nome DNS do domínio para o qual as partições de diretório de aplicativos TAPI são exibidas. Se o nome de domínio não for especificado, será usado o nome do domínio local.

tapicfg makedefault

Define a partição de diretório de aplicativos TAPI padrão do domínio.

Sintaxe

tapicfg makedefault /directory:Nome_da_Partição[/domain:Nome_do_Domínio]

Parâmetros

makedefault /directory:Nome_da_Partição

Obrigatório. Especifica o nome DNS da partição de diretório de aplicativos TAPI definida como a partição padrão do domínio. Observe que esse nome dever ser um nome de domínio totalmente qualificado. Especifica o nome DNS do domínio para o qual a partição de diretório de aplicativos TAPI está definida como padrão. Se o nome de domínio não for especificado, será usado o nome do domínio local.

tapicfg /?

Exibe a ajuda no prompt de comando.

Comentários

Você deve fazer parte do grupo Administração de Empresa no Active Directory para executar tapicfg install (para criar uma partição de diretório de aplicativos TAPI) ou tapicfg remove (para remover uma partição de diretório de aplicativos TAPI).

Esta ferramenta de linha de comando pode ser executada em qualquer computador que faça parte do domínio.

O texto fornecido pelo usuário (como os nomes de partições de diretórios de aplicativos TAPI, servidores e domínios) com caracteres internacionais ou Unicode só será exibido corretamente se as fontes apropriadas e o suporte ao idioma correto estiverem instalados.

Você ainda pode usar os servidores ILS (serviço de localização na Internet) na sua organização, se o ILS for necessário para oferecer suporte a certos aplicativos, porque os clientes TAPI executando o Windows XP ou um sistema operacional Windows Server 2003 podem consultar os servidores ILS ou as partições de diretório de aplicativos TAPI.

Você pode usar Tapicfg para criar ou remover pontos de conexão de serviço. Se a partição de diretório de aplicativos TAPI for renomeada por qualquer razão (por exemplo, se você renomear o domínio no qual ela reside), será necessário remover o ponto de conexão de serviço existente e criar um novo ponto que contenha o novo nome DNS da partição de diretório de aplicativos TAPI a ser publicada. Caso contrário, os clientes TAPI não conseguirão localizar nem acessar a partição de diretório de aplicativos TAPI. Também é possível remover um ponto de conexão de serviço para fins de manutenção ou segurança (por exemplo, se você não quiser expor os dados TAPI em uma determinada partição de diretório de aplicativos TAPI).

Exemplos

Para criar uma partição de diretório de aplicativos TAPI chamada tapifiction.testdom.microsoft.com em um servidor chamado testdc.testdom.microsoft.com e defini-la como a partição de diretório de aplicativos TAPI padrão do novo domínio, digite:

tapicfg install /directory:tapifiction.testdom.microsoft.com /server:testdc.testdom.microsoft.com /forcedefault

Para exibir o nome da partição de diretório de aplicativos TAPI padrão do novo domínio, digite:

tapicfg show /defaultonly

***

Taskkill

Finaliza uma ou mais tarefas ou processos. Os processos podem ser eliminados pela identificação do processo ou pelo nome da imagem.

Sintaxe

taskkill [/s Computador [/u Domínio\Nome_do_Usuário [/p Senha]]] {[/fi Filtro [/fi Filtro [ … ]]] [{/pid ID_do_Processo | /im Nome_da_Imagem}] | /pid ID_do_Processo | /im Nome_da_Imagem} [/f] [/t]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou o endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Nome_do_Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificada por Nome_do_Usuário ou Domínio\Nome_do_Usuário. /u pode ser especificado somente quando /s é especificado. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/fiFiltro

Especifica os tipos de processo(s) que serão ou não finalizados. É possível especificar mais de um filtro. Use o curinga (*) para especificar todas as tarefas ou nomes de imagem. Os nomes de filtro, operadores e valores válidos são mostrados a seguir.

 

Nome Operadores Valor
Status eq, ne RUNNING | NOT RESPONDING | UNKNOWN
Imagename eq, ne Qualquer seqüência válida.
PID eg, ne, gt, lt, ge, le Qualquer inteiro positivo válido.
Session eg, ne, gt, lt, ge, le Qualquer número de sessão válido.
CPUTime eq, ne, gt, lt, ge, le O horário válido no formato HH:MM:SS. Os parâmetros MM e SS devem estar entre 0 e 59 e HH pode ser qualquer valor numérico válido não assinado.
Memusage eg, ne, gt, lt, ge, le Qualquer número inteiro válido.
Username eq, ne Qualquer nome de usuário válido ([Domínio\]Nome_de_Usuário).
Services eq, ne Qualquer seqüência válida.
Windowtitle eq, ne Qualquer seqüência válida.
Módulos eq, ne Qualquer seqüência válida.

/pidID_do_processo

Especifica a identificação do processo que será finalizado.

/imnome_da_imagem

Especifica o nome da imagem do processo que será finalizado. Use o curinga (*) para especificar todos os nomes de imagem.

/f

Especifica a finalização forçada do(s) processo(s). Este parâmetro é ignorado para processos remotos; a finalização de todos os processos remotos é forçada.

/t

Termina o processo especificado e quaisquer processos filhos iniciados por esse processo.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Não há suporte para os filtros “WindowTitle” e “Status” quando um sistema remoto é especificado.
  • O caractere curinga (*) é aceito somente quando especificado com os filtros.
  • A finalização de processos remotos será sempre forçada, independentemente do parâmetro /f ter sido ou não especificado.
  • Ao fornecer um nome de computador ao filtro HOSTNAME fará com que o computador seja desligado e todos os processos serão interrompidos.
  • Use tasklist para determinar a identificação de processo (PID) do processo que será finalizado.
  • Taskkill substitui a ferramenta kill.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando taskkill:

taskkill /pid 1230 /pid 1241 /pid 1253

taskkill /f /fi “USERNAME eq NT AUTHORITY\SYSTEM” /im notepad.exe

taskkill /s srvmain /f /im notepad.exe

taskkill /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /fi “IMAGENAME eq note*” /im *

taskkill /s srvmain /u maindom\hiropln /fi “USERNAME ne NT*” /im *

taskkill /pid 2134 /t /fi “username eq administrator”

taskkill /f /fi “PID ge 1000” /im *

***

Tasklist

Exibe uma lista dos processos em execução no momento em um computador local ou remoto.

Sintaxe

tasklist [/s Computador [/u Domínio\Usuário [/p Senha]]] [{/m Módulo | /svc | /v}] [/fo {TABLE | LIST | CSV}] [/nh] [/fi Filtro [/fi Filtro [ … ]]]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou o endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário fornecida no parâmetro /u.

/mMódulo

Lista todas as tarefas que possuem módulos DLL carregados correspondentes ao nome padrão determinado. Se o nome do módulo não for especificado, esta opção exibirá todos os módulos carregados por cada tarefa.

/svc

Lista todas as informações de serviço de cada processo sem truncamento. Válido somente quando o parâmetro /fo é definido como TABLE.

/v

Especifica que as informações de tarefa sejam exibidas com detalhes na saída. Para exibir a saída detalhada completa e sem truncamento, utilize-o com o parâmetro /svc.

/fo {TABLE| LIST| CSV}

Especifica o formato de saída a ser utilizado. Os valores válidos são TABLE, LIST e CSV. O formato padrão de saída é TABLE.

/nh

Elimina cabeçalhos de coluna na saída. Válido quando o parâmetro /fo é definido como TABLE ou CSV.

/fiFiltro

Especifica os tipos de processo(s) a serem incluídos ou excluídos da consulta. A tabela a seguir lista nomes de filtro, operadores e valores válidos.

 

Nome Operadores Valor
Status eq, ne RUNNING | NOT RESPONDING | UNKNOWN
Imagename eq, ne Qualquer seqüência válida.
PID eq, ne, gt, lt, ge, le Qualquer inteiro positivo válido.
Session eq, ne, gt, lt, ge, le Qualquer número de sessão válido.
SessionName eq, ne Qualquer seqüência válida.
CPUTime eq, ne, gt, lt, ge, le Hora válida no formato hh:mm:ss. Os parâmetros mm e ss devem ter um valor entre 0 e 59, e hh pode ser qualquer valor numérico válido não assinado.
Memusage eq, ne, gt, lt, ge, le Qualquer número inteiro válido.
Username eq, ne Qualquer nome de usuário válido ([Domínio\]Usuário).
Services eq, ne Qualquer seqüência válida.
Windowtitle eq, ne Qualquer seqüência válida.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Não há suporte para os filtros “WindowTitle” e “Status” durante a consulta a um sistema remoto.
  • Tasklist substitui a ferramenta tlist.

Exemplos

Os seguintes exemplos mostram como é possível usar o comando tasklist:

tasklist /v /fi “PID gt 1000” /fo csv

tasklist /fi “USERNAME ne NT AUTHORITY\SYSTEM” /fi “STATUS eq running”

tasklist /v /fi “STATUS eq running”

tasklist /s srvmain /nh tasklist /s srvmain /svc /fi “Modules eq ntdll*”

tasklist /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /nh

***

Tcmsetup

Configura ou desativa o cliente TAPI.

Sintaxe

tcmsetup [/q] [/x] /cservidor1 [servidor2…]

tcmsetup [/q] /c /d

Parâmetros

/q

Impede a exibição de caixas de mensagem.

/x

Especifica que retornos de chamada orientados por conexão serão usados para redes de tráfego pesado em que a perda de pacotes é alta. Quando este parâmetro é omitido, serão usados retornos de chamada sem conexão.

/c

Obrigatório. Especifica a configuração do cliente.

servidor1

Obrigatório. Especifica o nome do servidor remoto que possui os provedores de serviços TAPI a serem usados pelo cliente. O cliente usará linhas e telefones dos provedores de serviços. Ele precisa estar no mesmo domínio do servidor ou em um domínio que tenha um relacionamento de confiança bidirecional com o domínio que contém o servidor.

servidor2…

Especifica um ou mais servidores adicionais que estarão disponíveis para este cliente. Se você especificar uma lista de servidores, use um espaço para separar os nomes de servidor.

/d

Limpa a lista de servidores remotos. Desativa o cliente TAPI impedindo-o de usar provedores de serviços TAPI nos servidores remotos.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • Para que a TAPI funcione corretamente, execute tcmsetup para especificar os servidores remotos que serão usados pelos clientes TAPI.
  • Antes que um usuário cliente possa usar um telefone ou uma linha em um servidor TAPI, o administrador do servidor de telefonia deverá atribuir o usuário ao telefone ou à linha.
  • A lista de servidores de telefonia criada por este comando substituirá qualquer lista existente de servidores de telefonia disponível ao cliente. Não é possível usar este comando para adicionar à lista existente.

 

Utilitários e serviços TCP/IP

Os utilitários TCP/IP oferecem conexões de rede para outros computadores, como estações de trabalho UNIX. É necessário que você tenha o protocolo de rede TCP/IP instalado para usar os utilitários TCP/IP. Para obter informações sobre como iniciar os serviços TCP/IP a partir do prompt de comando, consulte Net start. Para obter informações sobre como interromper os serviços TCP/IP a partir do prompt de comando, consulte Net stop.

Para obter mais informações, clique em um utilitário ou serviço:

***

Referência de linha de comando para servidor Telnet

Administra um computador local ou remoto executando o servidor Telnet. Usado sem parâmetros, tlntadmn exibe as configurações do servidor local.

Para administrar um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] [start] [stop] [pause] [continue] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

start

Inicia o servidor Telnet.

stop

Pára o servidor Telnet.

pause

Interrompe o servidor Telnet.

continue

Continua a operação do servidor Telnet.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Para administrar sessões Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] [-s] [-k{ID_da_Sessão | all}] [-m {ID_da_Sessão | all} Mensagem]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

-s

Exibe sessões Telnet ativas.

-k{ID_da_sessão | all}

Finaliza sessões. Digite a identificação da sessão para finalizar uma sessão específica ou digite all para finalizar todas as sessões.

-m {ID_da_sessão | all} “mensagem

Envia uma mensagem a uma ou mais sessões. Digite a identificação da sessão para enviar uma mensagem a uma sessão específica ou digite all para enviar uma mensagem para todas as sessões. Digite a mensagem que deseja enviar entre aspas (isto é, mensagem).

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para usar esses parâmetros durante a administração de um servidor remoto, você deve fazer logon nesse servidor com credenciais administrativas.

Para definir o domínio padrão em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [dom=Nome_do_Domínio] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

dom=Nome_do_Domínio

Especifica o domínio que será o domínio padrão.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Para que Server1 seja o domínio padrão no servidor local, digite:

tlntadmn config dom=Server1

Para mapear a tecla Alt em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [ctrlakeymap={yes | no}] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

ctrlakeymap={yes | no}

Especifica se você deseja que o servidor Telnet interprete CTRL+A como ALT. Digite yes para mapear a tecla de atalho ou no para evitar o mapeamento.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Se você não mapear a tecla ALT, o servidor Telnet não a enviará para aplicativos que possam precisar dessa tecla.

Para definir o número máximo de conexões em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [maxconn=Inteiro_Positivo] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

maxconn=Inteiro_Positivo

Define o número máximo de conexões. Você precisa especificar esse número com um inteiro positivo menor do que 10 milhões.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Para definir o número máximo de tentativas malsucedidas de logon em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [maxfail=Inteiro_Positivo] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

maxfail=Inteiro_Positivo

Define o número máximo de tentativas malsucedidas de logon permitidas a um usuário. Você precisa especificar esse número com um inteiro positivo menor do que 100.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Para definir o modo de operação em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [mode={console | stream}] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

mode={console | stream}

Especifica o modo de operação.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Para definir a porta Telnet em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [port=Valor_Inteiro] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

port=Valor_Inteiro

Define a porta Telnet. Especifique a porta com um inteiro menor do que 1.024.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Para definir os métodos de autenticação em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [sec=[{+ | }ntlm][{+ | }passwd]] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

sec=[{+ | -}ntlm][{+ | -}passwd]

Especifica se você deseja usar NTLM, uma senha ou ambos para autenticar tentativas de logon. Para usar um determinado tipo de autenticação, digite um sinal de mais (+) antes do tipo desejado. Para impedir a utilização de um determinado tipo de autenticação, digite um sinal de menos (-) antes do tipo desejado.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • NTLM é o protocolo de autenticação para transações entre dois computadores em que um ou ambos os computadores estão executando o Windows NT. Além disso, NTLM é o protocolo de autenticação para os computadores que não estão participando de um domínio, como servidores e grupos de trabalho autônomos.

Para definir o tempo limite de sessões ociosas em um computador que esteja executando o servidor Telnet

Sintaxe

tlntadmn [\\Servidor_Remoto] config [timeout=hh:mm:ss] [-u Nome_do_Usuário-p Senha]

Parâmetros

\\Servidor_Remoto

Especifica o nome de um servidor remoto que você deseja administrar. Se você não especificar um servidor, o servidor local será usado.

timeout=hh:mm:ss

Define o tempo limite em horas, minutos e segundos.

-uNome_do_Usuário-pSenha

Especifica as credenciais administrativas de um servidor remoto que você deseja administrar. Este parâmetro será necessário se você quiser administrar um servidor remoto ao qual esteja conectado com credenciais administrativas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Tanto o computador que você está administrando quanto o computador no qual você usa o comando tlntadmn devem estar executando o Windows NT, Windows 2000, Windows XP ou devem ser membros da família Windows Server 2003. Se um dos computadores estiver executando o Windows NT ou Windows 2000, também deverá estar executando os serviços do Windows para UNIX 2.0.
  • Para usar o comando tlntadmn, faça logon no computador local com credenciais administrativas. Para administrar um computador remoto, também é necessário fornecer credenciais administrativas. Para isso, faça logon no computador local com uma conta que tenha credenciais administrativas para os computadores local e remoto. Se você não conseguir utilizar esse método, use os parâmetros -u e -p para fornecer credenciais administrativas para o computador remoto.

***

Comandos dos serviços de terminal

Para obter mais informações, clique em um comando:

***

Tftp

Transfere arquivos de e para um computador remoto, geralmente um computador em que o UNIX está em execução, no qual está sendo executado o daemon ou o serviço do protocolo de transferência de arquivos simples (TFTP). Usado sem parâmetros, tftp exibe ajuda.

Sintaxe

tftp [-i] [Host] [{get | put}] [Origem] [Destino]

Parâmetros

-i

Especifica o modo de transferência de imagem binária (também chamado modo de octeto). No modo de imagem binária, o arquivo é transferido em unidades de um byte. Utilize esse modo quando transferir arquivos binários. Se -i for omitido, o arquivo será transferido em modo ASCII. Esse é o modo de transferência padrão. Ele converte os caracteres de fim de linha (EOL) em um formato apropriado para o computador especificado. Utilize esse modo quando transferir arquivos de texto. Se uma transferência de arquivos obtiver êxito, a taxa de transferência de dados será exibida.

Host

Especifica o computador local ou remoto.

put

Transfere o Destino do arquivo no computador local para a Origem do arquivo no computador remoto. Como o protocolo TFTP não dá suporte à autenticação do usuário, o usuário deverá ter feito logon no computador remoto e os arquivos precisam permitir a gravação nesse computador.

get

Transfere o Destino do arquivo no computador remoto para a Origem do arquivo no computador local.

Origem

Especifica o arquivo a ser transferido.

Destino

Especifica para onde o arquivo será transferido. Se o Destino é omitido, supõe-se que ele tenha o mesmo nome que a Origem.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando o parâmetro get
    Especifique put se estiver transferindo o arquivo Arquivo_Dois no computador local para o arquivo Arquivo_Um no computador remoto. Especifique get se estiver transferindo o arquivo Arquivo_Dois no computador remoto para o arquivo Arquivo_Um no computador remoto.
  • A família de produtos Windows Server 2003 e o Windows 2000 não oferecem um servidor TFTP para fins gerais. O Windows 2000 fornece um serviço de servidor TFTP somente para oferecer recursos de inicialização remota para computadores clientes com o Windows XP e o Windows 2000.
  • Este comando só estará disponível se o Protocolo de Internet (TCP/IP) estiver instalado como um componente nas propriedades de um adaptador de rede em Conexões de rede.

Exemplos

Para transferir o arquivo Usuários.txt do computador local para o arquivo Usuários19.txt em um computador remoto chamado vax1, digite:

tftp vax1 put usuários.txt usuários19.txt

***

Time

Exibe ou define a hora do sistema. Usado sem parâmetros, time exibe a hora do sistema e solicita que você digite uma nova hora.

Sintaxe

time [/t] [/time] [Horas:[Minutos[:Segundos[.Centésimos]]][{A | P}]]

Parâmetros

/t

Exibe a hora atual do sistema, sem solicitar que você digite uma nova hora.

/time

O mesmo que /t.

Hours

Especifica a hora. Os valores válidos estão no intervalo de 0 a 23.

Minutes

Especifica minutos. Os valores válidos estão no intervalo de 0 a 59.

Seconds

Especifica segundos. Os valores válidos estão no intervalo de 0 a 59.

Hundredths

Especifica centésimos de um segundo. Os valores válidos estão no intervalo de 0 a 99.

{A|P}

Especifica A.M. ou P.M. para o formato de 12 horas. Se você digitar uma hora válida no formato de 12 horas e não digitar A ou P, time usará A (para A.M.).

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Quando utilizar time sem parâmetros, pressione ENTER para manter a mesma hora.
  • Usando o parâmetro /t
    A opção de linha de comando /t estará disponível somente se as extensões de comando estiverem habilitadas (isto é, o padrão). Para obter mais informações sobre como habilitar e desabilitar extensões de comandos, consulte cmd em Tópicos Relacionados.
  • Especificando um formato de hora inválido
    Se você especificar a hora em um formato inválido, a mensagem a seguir será exibida e o sistema esperará que você especifique a hora no formato correto:
    Invalid time
    Enter new time:_
  • Alterando o formato de hora
    É possível alterar o formato de time alterando a configuração em Data e Hora no Painel de Controle. No subsistema MS-DOS somente, altere a configuração de country no arquivo Config.nt. Dependendo do país/região selecionado, a hora será exibida no formato de 12 ou 24 horas. Se você estiver definindo a hora no formato de 12 horas, especifique P para horários depois do meio-dia.

Exemplos

Para definir o relógio do computador como 13:36, digite um dos seguintes comandos:

time 13:36

time 1:36P

***

Timeout

Pausa o processador do comando durante o número de segundos especificado.

Sintaxe

timeout/tTempo_Limite_em_Segundos [/nobreak]

Parâmetros

/tTempo_Limite_em_Segundos

Especifica o número decimal de segundos (entre -1 e 99999) que o computador deve aguardar até que o processador de comandos continue o processamento. O valor -1 faz com que o computador espere indefinidamente por um pressionamento de tecla.

/nobreak

Especifica que o computador ignore um pressionamento de tecla.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Normalmente, o comando timeout é usado em arquivos em lotes.
  • O pressionamento de uma tecla pelo usuário retoma a execução do processador de comandos imediatamente, mesmo que o período de tempo limite não tenha expirado.
  • Timeout é semelhante ao comando pause do MS-DOS quando você o utiliza em conjunto com sleep.

Exemplos

Para pausar o processador de comandos por dez segundos, digite:

timeout /t 10

Para pausar o processador de comandos por 100 segundos e ignorar qualquer pressionamento de tecla, digite:

timeout /t 100 /nobreak

Para pausar o processador de comandos indefinidamente até que uma tecla seja pressionada, digite:

timeout /t -1

***

Título

Define o título da janela do prompt de comando.

Sintaxe

title [String]

Parâmetros

String

Especifica o título da janela do prompt de comando.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para usar o título da janela para programas em lotes, inclua o comando title no início de um programa em lotes.
  • Após definido, o título da janela somente pode ser redefinido com o comando title.

Exemplos

Para definir o título da janela para um programa em lotes, digite:

Copiar Código

rem Este programa em lotes atualiza os dados do funcionário: cls @echo off title Updating Files copy \\server\share\*.xls c:\users\common\*.xls echo Files Updated. title Command Prompt

 

****

Tracerpt

Processa logs de rastreamento de eventos ou dados em tempo real de provedores de rastreamento de eventos instrumentados e permite gerar relatórios de análise de rastreamento e arquivos CSV (delimitados por vírgulas) relativos aos eventos gerados.

Sintaxe

tracerpt [Nome_do_Arquivo [Nome_do_Arquivo …]] [-o [Nome_do_Arquivo]][-report [Nome_do_Arquivo]][-rt Nome_da_Sessão [Nome_da_Sessão …]][-summary [Nome_do_Arquivo]] [-config [Nome_do_Arquivo] [-f {XML | TXT | HTML}] [-y]

Parâmetros

Nome_do_Arquivo [Nome_do_Arquivo …]

Especifica o nome do arquivo para a sessão de rastreamento de eventos. Você pode especificar vários arquivos.

-o [Nome_do_Arquivo]

Especifica o nome do arquivo .csv (delimitado por vírgulas). Se nenhum arquivo for especificado, o padrão será Dumpfile.csv e não Summary.txt.

-report [Nome_do_Arquivo]

Especifica o nome do arquivo do relatório de saída. O padrão é workload.txt.

-rtNome_da_Sessão[Nome_da_Sessão …]

Obtém dados da fonte de dados em tempo real. Para usar esta opção, inclua a sessão de rastreamento de eventos.

-summary [Nome_do_Arquivo]

Especifica o nome do arquivo de resumo de saída. O padrão é summary.txt.

-configNome_do_Arquivo

Especifica o nome do caminho do arquivo de configurações que contém parâmetros de linha de comando. Use este parâmetro para inserir opções de linha de comando em um arquivo.

-f {XML | TXT | HTML}

Especifica o formato do relatório. O formato padrão é o TXT.

-y

Use esta opção para responder sim para todas as perguntas sem ser necessário solicitação.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Visualizando arquivos Dumpfile.csv no Microsoft Excel
    Ao ser aberto no Microsoft Excel, o formato Dumpfile.csv permite a visualização de eventos em ordem cronológica. Os arquivos incluem registros de cabeçalho seguidos de texto delimitado por vírgulas. Os campos de cabeçalho são listados abaixo:

 

Campo Descrição
TID Identificador de segmentos
Hora do relógio Carimbo de data/hora do evento
Núcleo (ms) Hora do processador em modo de núcleo
Usuário (ms) Hora do processador em modo de usuário
Dados do usuário Parte variável dos dados de cabeçalho com base na estrutura de formato de objeto gerenciado (MOF).
IID Identificação da instância
PIID Identificação da instância pai
  • Usando a opção -report
    Para usar a opção <b>report</b>, você deve incluir na linha de comando um arquivo de rastreamento de kernel do Windows e qualquer outro arquivo de rastreamento de eventos. Caso isso não seja feito, será emitida uma mensagem de erro.
  • Usando a opção -summary
    Quando você usa a opção -summary, o seguinte arquivo é gerado:

Copiar Código

Files processed  (lista de arquivos) Total buffers processed N Total events processed N Total events lost N Start time DATA_DATALONGA End time DATA_DATALONGA Elapsed time N seg
  • Usando a opção -config
    O conteúdo do arquivo de configuração usado com a opção -config deve ter o seguinte formato:
    [Opção_de_Comando]
    Valor
    onde Opção_de_Comando é uma opção de linha de comando e Valor especifica o valor. Por exemplo:
    [o]
    output.txt
    [report]
    report.txt
    [summary]
    summary.txt
  • Para obter mais informações sobre como incorporar Tracerpt aos scripts de WMI, consulte “Scripting WMI” no site Microsoft Windows Resource Kits (site em inglês).

***

Tracert

Determina o caminho adotado até um destino enviando mensagens de solicitação de eco do protocolo de mensagens de controle da Internet (ICMP) ou ICMPv6 para o destino com valores cada vez maiores do campo <b>Tempo de vida (TTL)</b>. O caminho exibido é a lista de interfaces próximas dos roteadores no caminho entre um host de origem e um destino. A interface próxima é a interface do roteador que está mais perto do host de envio no caminho. Usado sem parâmetros, tracert exibe ajuda.

Sintaxe

tracert [-d] [-hMáximo_de_Saltos] [-jLista_de_Hosts] [-wTempo_Limite] [-R] [-SEndereço_de_Origem] [-4][-6] Nome_do_Destino

Parâmetros

-d

Impede que tracert tente resolver os endereços IP de roteadores intermediários para os respectivos nomes. Isso pode acelerar a exibição dos resultados de tracert.

-hmáximo_de_saltos

Especifica o número máximo de saltos no caminho para pesquisar o destino. O padrão é 30 saltos.

-jlista_de_hosts

Especifica que as mensagens de solicitação de eco utilizem a opção Rota Ampliada de Origens no cabeçalho IP com o conjunto de destinos intermediários especificado em Lista_de_Hosts. Com o roteamento ampliado de origens, é possível separar destinos intermediários sucessivos por um ou vários roteadores. O número máximo de endereços ou nomes na lista de hosts é 9. A Lista_de_Hosts é uma seqüência de endereços IP (em notação decimal pontilhada) separados por espaços. Use este parâmetro somente durante o rastreamento de endereços IPv4.

-w Tempo_Limite

Especifica o tempo, em milissegundos, de espera pela mensagem ICMP do tipo “Time Exceeded” (Término de tempo) ou “Echo Reply” (Resposta ao eco) que corresponde a uma determinada mensagem de solicitação de eco a ser recebida. Se a mensagem não for recebida no tempo limite, será exibido um asterisco (*). O tempo limite padrão é 4000 (4 segundos).

-R

Especifica que o cabeçalho de extensão de roteamento IPv6 será usado para enviar uma mensagem de solicitação de eco ao host local, utilizando o destino como um destino intermediário e testando a rota inversa.

-S

Especifica o endereço de origem a ser usado nas mensagens de solicitação de eco. Use este parâmetro somente durante o rastreamento de endereços IPv6.

-4

Especifica que Tracert.exe só pode usar IPv4 para este rastreamento.

-6

Especifica que Tracert.exe só pode usar IPv6 para este rastreamento.

nome_do_destino

Especifica o destino, identificado pelo endereço IP ou pelo nome do host.

-?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Esta ferramenta de diagnóstico determina o caminho adotado até um destino enviando mensagens de solicitação de eco ICMP com valores Vida útil (TTL) diferentes para o destino. Cada roteador no caminho é solicitado a diminuir o TTL em um pacote IP em pelo menos 1 unidade antes de encaminhá-lo. De fato, o TTL é o contador máximo de links. Quando o TTL em um pacote alcança 0, o roteador deve retornar uma mensagem ICMP do tipo “Time Exceeded” para o computador de origem. O comando <b>tracert </b>determina o caminho enviando a primeira mensagem de solicitação de eco com um TTL de 1 e aumentando o TTL em 1, em cada transmissão subseqüente, até que o destino responda ou o número máximo de saltos seja alcançado. Por padrão, o número máximo de saltos é 30 e é possível especificá-lo com o parâmetro -h. O caminho é determinado através da análise das mensagens ICMP do tipo “Time Exceeded” retornadas por roteadores intermediários e da mensagem do tipo “Echo Reply” retornada pelo destino. No entanto, alguns roteadores não retornam mensagens do tipo “Time Exceeded” para pacotes com valores TTL expirados e são invisíveis ao comando <b>tracert</b>. Nesse caso, uma linha de asteriscos (*) é exibida para esse salto.
  • Para rastrear um caminho e fornecer latência de rede e perda de pacote para cada roteador e link no caminho, utilize o comando pathping.
  • Este comando só estará disponível se o Protocolo de Internet (TCP/IP) estiver instalado como um componente nas propriedades de um adaptador de rede em Conexões de rede.

Exemplos

Para rastrear o caminho para o host chamado corp7.microsoft.com, digite:

tracert corp7.microsoft.com

Para rastrear o caminho para o host chamado corp7.microsoft.com e impedir a resolução de cada endereço IP para o respectivo nome, digite:

tracert -d corp7.microsoft.com

Para rastrear o caminho para o host chamado corp7.microsoft.com e utilizar a rota ampliada de origens 10.12.0.1-10.29.3.1-10.1.44.1, digite:

tracert -j 10.12.0.1 10.29.3.1 10.1.44.1 corp7.microsoft.com

***

Tree

Árvore

Exibe graficamente a estrutura de pastas de um caminho ou do disco em uma unidade.

Sintaxe

tree [Unidade:][Caminho] [/f] [/a]

Parâmetros

Unidade:

Especifica a unidade que contém o disco cuja estrutura de pastas você deseja exibir.

caminho

Especifica a pasta cuja estrutura você deseja exibir.

/f

Exibe os nomes dos arquivos de cada pasta.

/a

Especifica que o comando tree deve utilizar caracteres de texto, em vez de caracteres gráficos, para mostrar as linhas que vinculam as subpastas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • A estrutura exibida por tree depende dos parâmetros especificados na linha de comando. Se você não especificar uma unidade ou um caminho, o comando tree exibirá a estrutura em árvore, iniciando pela pasta atual da unidade atual.

Exemplos

Para exibir os nomes de todas as subpastas do disco na unidade atual, digite:

tree \

Para exibir, tela a tela, os arquivos de todas as pastas da unidade C, digite:

tree c:\ /f | more

Para imprimir a mesma lista que o exemplo anterior exibiu, digite:

tree c:\ /f prn

***

Tsecimp

Importa as informações de atribuição de um arquivo XML para o arquivo de segurança do servidor TAPI (Tsec.ini). Também é possível usar este comando para exibir a lista de provedores TAPI e os dispositivos de linha associados a cada um deles, validar a estrutura do arquivo XML sem importar o conteúdo e verificar a participação no domínio.

Sintaxe

tsecimp-fNome_do_Arquivo [{-v | -u}]

Parâmetros

-fNome_do_Arquivo

Obrigatório. Especifica o nome do arquivo XML que contém as informações de atribuição que você deseja importar.

-v

Valida a estrutura do arquivo XML sem importar as informações para o arquivo Tsec.ini.

-u

Verifica se os usuários participam do domínio especificado no arquivo XML. O computador no qual você usa esse parâmetro deve estar conectado à rede. Esse parâmetro poderá reduzir o desempenho de forma significativa se você estiver processando uma grande quantidade de informações de atribuição do usuário.

Sintaxe

tsecimp-d

Parâmetros

-d

Exibe uma lista de provedores de telefonia instalados. Para cada provedor de telefonia, são listados os dispositivos de linha associados, assim como es endereços e os usuários associados a cada dispositivo de linha.

Comentários

  • O arquivo XML do qual você deseja importar as informações de atribuição deve estar de acordo com a estrutura descrita a seguir.
  • Elemento UserList
    UserList é o elemento superior do arquivo XML.
  • Elemento User
    Cada elemento User contém informações sobre um usuário que faz parte de um domínio. Cada usuário pode receber um ou mais dispositivos de linha.
    Além disso, cada elemento User pode ter um atributo chamado NoMerge. Quando esse atributo é especificado, todas as atribuições de dispositivos de linha atuais do usuário são removidas antes da definição de novas atribuições. Você pode usar esse atributo para remover atribuições indesejadas de usuário com facilidade. Por padrão, esse atributo não é definido.
    O elemento User deve conter um único elemento DomainUserName, que especifica o domínio e o nome do usuário. O elemento User também pode conter um elemento FriendlyName, que especifica um nome amigável para o usuário.
    O elemento User pode conter um elemento LineList. Se um elemento LineList não estiver presente, todos os dispositivos de linha do usuário serão removidos.
  • Elemento LineList
    O elemento LineList contém informações sobre cada linha ou dispositivo que pode ser atribuído ao usuário. Cada elemento LineList pode conter mais de um elemento Line.
  • Elemento Line
    Cada elemento Line especifica um dispositivo de linha. Você deve identificar cada dispositivo de linha adicionando um elemento Address ou PermanentID ao elemento Line.
    Para cada elemento Line, você pode definir o atributo Remove. Se você definir esse atributo, o dispositivo de linha não será mais atribuído ao usuário. Se esse atributo não for definido, o usuário receberá acesso a esse dispositivo de linha. Nenhum erro será mostrado se o dispositivo de linha não estiver disponível para o usuário.
  • Este código remove todos os dispositivos de linha atribuídos a User1:
  • Os exemplos de segmentos de código XML a seguir demonstram o uso correto dos elementos definidos acima.

Copiar Código

<UserList> <User NoMerge="1"> <DomainUser>domain1\user1</DomainUser> </User> </UserList>
  • O código a seguir remove todos os dispositivos de linha atribuídos a User1 antes da atribuição de uma linha com o endereço 99999. User1 não terá outros dispositivos de linha atribuídos, independentemente de qualquer dispositivo de linha atribuído antes.

Copiar Código

<UserList> <User NoMerge="1"> <DomainUser>domain1\user1</DomainUser> <FriendlyName>User1</FriendlyName> <LineList> <Line> <Address>99999</Address> </Line> </LineList> </User> </UserList>
  • O código a seguir adiciona um dispositivo de linha a User1 sem excluir nenhum dispositivo de linha atribuído anteriormente.

Copiar Código

<UserList> <User> <DomainUser>domain1\user1</DomainUser> <FriendlyName>User1</FriendlyName> <LineList> <Line> <Address>99999</Address> </Line> </LineList> </User> </UserList>
  • O código a seguir adiciona o endereço de linha 99999 e remove o endereço de linha 88888 do acesso de User1.

Copiar Código

<UserList> <User> <DomainUser>domain1\user1</DomainUser> <FriendlyName>User1</FriendlyName> <LineList> <Line> <Address>99999</Address> </Line> <Line Remove="1"> <Address>88888</Address> </Line> </LineList> </User> </UserList>
  • O código a seguir adiciona o dispositivo permanente 1000 e remove a linha 88888 do acesso de User1.

Copiar Código

<UserList> <User> <DomainUser>domain1\user1</DomainUser> <FriendlyName>User1</FriendlyName> <LineList> <Line> <PermanentID>1000</PermanentID> </Line> <Line Remove="1"> <Address>88888</Address> </Line> </LineList> </User> </UserList>
 
 
 
  • O exemplo de saída a seguir aparece depois que a opção de linha de comando -d é especificada para exibir a configuração TAPI atual. Em cada provedor de telefonia, são listados os dispositivos de linha associados, assim como os endereços e os usuários associados a cada dispositivo de linha.

Copiar Código

Linha do Provedor de Serviços da TAPI NDIS Proxy: "WAN Miniport (L2TP)" Permanent ID: 12345678910
 
 
 
Linha do Provedor de Serviços da TAPI NDIS Proxy: "LPT1DOMAIN1\User1" Permanent ID: 12345678910
 
 
 
Linha do Provedor de Serviços de Telefonia Microsoft H.323: "H323 Line" Permanent ID: 123456 Addresses: BLDG1-TAPI32

 

***

Tipo

Exibe o conteúdo de um arquivo de texto. Utilize o comando type para exibir um arquivo de texto sem modificá-lo.

Sintaxe

type [Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo

Parâmetros

[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo

Especifica o local e o nome do arquivo ou arquivos a serem exibidos. Separe vários nomes de arquivos com um espaço.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Se você estiver usando uma unidade NTFS e o Nome_do_Arquivo contiver espaços, coloque o texto entre aspas (isto é, Nome_do_Arquivo).
  • Se você exibir um arquivo binário ou um arquivo criado por um programa, poderá notar caracteres estranhos na tela, inclusive caracteres de avanço de linha e símbolos de seqüência de escape. Esses caracteres representam códigos de controle utilizados no arquivo binário. Em geral, evite a utilização do comando type para exibir arquivos binários.

Exemplos

Para exibir o conteúdo de um arquivo denominado Feriado.mar, digite:

type feriado.mar

Para exibir o conteúdo de um arquivo extenso, tela a tela, digite:

type feriado.mar | more

***

Typeperf

Grava dados do contador de desempenho na janela de comando ou em um formato de arquivo de log suportado. Para interromper Typeperf, pressione CTRL+C.

Sintaxe

Typeperf [Caminho [Caminho …]] [-cf Nome_do_Arquivo][-f {csv | tsv | bin}][-si [MM:]SS][-o Nome_do_Arquivo][-q [Objeto]][-qx [Objeto]][-sc Amostras][-config Nome_do_Arquivo][-s Nome_do_Computador] [-y]

Parâmetros

-c {Caminho[ Caminho …] | -cfNome_do_Arquivo}

Especifica o caminho do contador de desempenho a ser registrado. Para listar vários caminhos de contador, separe cada caminho de comando com um espaço.

-cfNome_do_Arquivo

Especifica o nome do arquivo que contém os caminhos de contador que você deseja monitorar, um por linha.

-f {csv | tsv | bin}

Especifica o formato do arquivo de saída. Os formatos de arquivo são os seguintes: csv (delimitado por vírgulas), tsv (delimitado por tabulações) e bin (binário). O formato padrão é csv.

-si [MM:]SS

Especifica o tempo entre amostras no formato [MM:]SS. O padrão é um segundo.

-oNome_do_Arquivo

Especifica o nome do caminho do arquivo de saída. O padrão é Stdout.

-q [Objeto]

Exibe e consulta contadores disponíveis sem instâncias. Para exibir contadores para um objeto, inclua o nome do objeto.

-qx [Objeto]

Exibe e consulta todos os contadores disponíveis com instâncias. Para exibir contadores para um objeto, inclua o nome do objeto.

-scAmostras

Especifica o número de amostras a serem coletadas. O padrão é coletar amostras até que CTRL+C seja pressionado.

-configNome_do_Arquivo

Especifica o nome do caminho do arquivo de configurações que contém parâmetros de linha de comando.

-sNome_do_Computador

Especifica o sistema a ser monitorado caso nenhum servidor seja especificado no caminho atual.

-y

Use esta opção para responder sim para todas as perguntas sem ser necessário solicitação.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Formato do caminho do contador
    O formato geral dos caminhos de contadores é o seguinte: [\\Computador]\Objeto[Pai/Instância#Índice]\Contador] onde os componentes pai, instância, índice e contador do formato podem conter um nome válido ou um caractere curinga. Os componentes computador, pai, instância e índice não são necessários a todos os contadores.
    Você determina os caminhos de contador a serem usados com base no próprio contador. Por exemplo, o objeto LogicalDisk tem um Índice de instância, sendo assim, você deve fornecer #Índice ou um curinga. Portanto, você poderia usar o seguinte formato:
    \disco_lógico(*/*#*)\*
    Por outro lado, o objeto Process não requer um Índice de instância. Portanto, você poderia usar o seguinte formato:
    \processo(*)\identificação processo
    Segue-se uma lista dos possíveis formatos:
  • \\computador\objeto(pai/instância#índice)\contador
  • \\computador\objeto(pai/instância)\contador
  • \\computador\objeto(instância#índice)\contador
  • \\computador\objeto(instância)\contador
  • \\computador\objeto\contador
  • \objeto(pai/instância#índice)\contador
  • \objeto(pai/instância)\contador
  • \objeto(instância#índice)\contador
  • \objeto(instância)\contador
  • \objeto\contador

Se for especificado um caractere curinga no nome do pai, serão apresentadas como resposta todas as instâncias do objeto especificado que correspondam à instância especificada e aos campos do contador.
Se for especificado um caractere curinga no nome da instância, serão apresentadas como resposta todas as instâncias do objeto especificado e do objeto pai se todos os nomes de instância relativos ao índice especificado corresponderem ao caractere curinga.
Se for especificado um caractere curinga no nome do contador, serão apresentados como resposta todos os contadores do objeto especificado.
Não foi previsto suporte para seqüências parciais de caminhos de contadores (por exemplo, pro*).

  • Formatos de consulta
    Para consultas de caminho do contador, digite:
    Typeperf [{-q | -qx [\\Computador\] [Objeto] [-o Arquivo_de_Saída}]
    Use as seguintes linhas de comando para consultas completas:
    Typeperf [\\Computador]\Objeto[Instância]\Contador]
    Typeperf-cfArquivo_de_Entrada
  • Usando a opção -config
    O conteúdo do arquivo de configuração usado com a opção -config deve ter o seguinte formato:
    [Opção_de_Comando]
    Valor
    onde Opção_de_Comando é uma opção de linha de comando e Valor especifica o valor. Por exemplo:
    [c]
    \\Windows\mypath
    [o]
    report.csv
    [s]
    mysystem
  • Para obter mais informações sobre como incorporar Typeperf aos scripts do WMI, consulte “Scripting WMI” no site Microsoft Windows Resource Kits (em inglês).

Exemplos

Para exibir contadores de processador e memória, digite:

typeperf “\Memory\Available bytes” “\processor(_total)\% processor time”

Para exibir contadores de processos do Explorer a cada três segundos em um formato de arquivo de saída CSV, digite:

typeperf “\Process(Explorer)\Thread Count” -si 3 -o typeperf.csv

Para exibir 50 amostras de contadores RAS no computador Nome_do_servidor, digite:

typeperf “\RAS port(LPT1)\Bytes Transmitted” -sc 50 -s Nome_do_servidor

Para exibir valores de contador para 50 amostras de contadores listados no arquivo Input.txt, a intervalos de amostra de 120 segundos, digite:

typeperf -cf input.txt -si 120 -sc 50 -f TSV -o domain2.tsv

Para consultar contadores instalados com instâncias, digite o comando a seguir. Lembre-se de que o parâmetro -qx apresentará como resposta um número muito maior de contadores de desempenho do que o parâmetro -q.

typeperf -qx

Para consultar contadores de discos físicos sem instâncias no computador Server5 e gravá-los em um arquivo denominado Diskctrs.txt, digite:

typeperf -q \\Server5\PhysicalDisk -o ctrsdisc.txt

***********************************************************************************

“U”

Unlodctr

Remove nomes de contadores de desempenho e texto explicativo para um serviço ou driver de dispositivo do Registro do sistema.

Sintaxe

UnlodctrNome_do_Driver

Parâmetros

DriverName

Remove as configurações de nome do contador de desempenho e texto explicativo referentes ao driver ou ao serviço Nome_do_Driver do Registro da família Windows Server 2003.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Cuidado

  • A edição incorreta do Registro pode causar danos graves ao sistema. Antes de alterar o Registro, faça backup de todos os dados importantes do computador.

Comentários

  • Se as informações que você fornecer contiverem espaços, use aspas para delimitar o texto (por exemplo, Nome do Driver).

Exemplos

Para remover as configurações atuais de desempenho do Registro e o texto explicativo do contador para o serviço SMTP, digite:

unlodctr SMTPSVC

***********************************************************************************

“V”

Ver

Exibe o número da versão do sistema operacional.

Sintaxe

ver

Parâmetros

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Para obter o número da versão do sistema operacional, digite:

Ver

***

Verify

Verificar

O Windows XP e a família de produtos Windows Server 2003 não usam esse comando. Ele é incluído apenas para preservar a compatibilidade com arquivos do MS-DOS existentes, mas não tem qualquer efeito na linha de comando, pois a funcionalidade é automática.

***

Vol

Exibe o rótulo de volume e o número de série do disco, se existirem. Um número de série é exibido para discos formatados com a versão 4.0 ou posterior do MS-DOS.

Sintaxe

vol [unidade:]

Parâmetros

unidade:

Especifica a unidade que contém o disco cujo rótulo de volume e número de série você deseja exibir.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

***

Vssadmin

Exibe os backups de cópia de volume atuais e todos os gravadores e provedores de cópia instalados na janela do comando. A versão deste comando na família Windows Server 2003 contém mais parâmetros do que no Windows XP.

Para exibir a sintaxe do comando, clique em um comando:

vssadmin add shadowstorage

Adiciona uma associação de armazenamento de cópia de sombra a ForVolumeSpec no volume de armazenamento de cópia de sombra da OnVolumeSpec.

Sintaxe

vssadmin add shadowstorage/for=ForVolumeSpec/on=OnVolumeSpec [/MaxSize=MaxSizeSpec]

Comentários

  • O espaço máximo que a associação pode ocupar no volume de armazenamento de cópia de sombra é MaxSizeSpec. Se MaxSizeSpec não for especificada, não há limite para a quantidade de espaço que pode ser usada. Se o número máximo de associações de armazenamento de cópia de sombra já tiver sido atingido, um erro será apresentado. MaxSizeSpec deve ter 100 MB ou mais e aceita estes sufixos: KB, MB, GB, TB, PB e EB. Se não for fornecido um sufixo, MaxSizeSpec estará em bytes.

vssadmin create shadow

Cria uma nova cópia de sombra do tipo especificado para &lt;i&gt;ForVolumeSpec&lt;/i&gt;.

Sintaxe

vssadmin create shadow/for=ForVolumeSpec [/AutoRetry=MaxRetryMinutes]

Comentários

  • ForVolumeSpec deve ser uma letra de unidade de volume local volume ou ponto de montagem. Se a opção MaxRetryMinutes for especificada e se houver outro processo criando uma cópia de sombra, vssadmin continuará tentando criar a cópia de sombra durante os minutos especificados em MaxRetryMinutes.

Vssadmin delete shadows

Exclui todas as cópias de sombra existentes de uma determinada ForVolumeSpec.

Sintaxe

vssadmin delete shadows/for=Para_Espec_de_Volume [/oldest | /all | /shadow=Identificação_de_sombra] [/quiet]

Comentários

  • Se você usar /oldest, a cópia de sombra mais antiga será excluída.
  • Se você usar /Shadow=ShadowId, a cópia de sombra que que tiver essa identificação será excluída.
  • Você só poderá excluir cópias de sombra que tiverem o tipo acessível pelo cliente.
  • É possível obter a identificação da cópia de sombra usando o comando list shadows. Para digitar uma identificação de cópia de sombra, use o seguinte formato: {XXXXXXXX-XXXX-XXXX-XXXX-XXXXXXXXXXXX}, onde X representa caracteres hexadecimais.

vssadmin delete shadowstorage

Exclui associações de armazenamento de cópia de sombra de volume.

Sintaxe

vssadmin delete shadowstorage/for=ForVolumeSpec [/on=OnVolumeSpec] [/quiet]

Comentários

  • Exclui uma associação existente de armazenamento de cópia de sombra entre ForVolumeSpec e OnVolumeSpec.
  • Se você não usar /on, todas as associações de armazenamento de cópia de sombra serão excluídas para a ForVolumeSpec determinada.

vssadmin list providers

Lista o nome, o tipo, a identificação do provedor e a versão de todos os provedores de cópia de sombra instalados.

vssadmin list shadows

Lista as cópias de sombra de volume existentes.

Sintaxe

vssadmin list shadows [/for=ForVolumeSpec] [/shadow=ShadowId]

Comentários

  • Sem nenhuma opção, todas as cópias de sombra no sistema são exibidas em ordem de conjunto de cópias de sombra.
  • É possível obter a identificação da cópia de sombra ou do provedor usando o comando list shadows. Para digitar uma identificação de provedor, sombra e de conjunto de sombra, use o seguinte formato: {XXXXXXXX-XXXX-XXXX-XXXX-XXXXXXXXXXXX}, onde X representa caracteres hexadecimais.

vssadmin list shadowstorage

Exibe todas as associações de armazenamento de cópia de sombra no sistema.

Sintaxe

vssadmin list shadowstorage {/for=ForVolumeSpec | /on=OnVolumeSpec}

Comentários

  • Para listar todas as associações de um determinado volume, especifique ForVolumeSpec e não use a opção de linha de comando /on.
  • Para listar todas as associações de um determinado volume, especifique OnVolumeSpec e não use a opção de linha de comando /for.

vssadmin list volumes

Lista os volumes que podem ter cópias de sombra.

vssadmin list writers

Lista os autores de cópias de sombra inscritos.

vssadmin resize shadowstorage

Redimensiona o tamanho máximo de uma associação de armazenamento de cópia de sombra entre ForVolumeSpec e OnVolumeSpec.

Sintaxe

vssadmin resize shadowstorage/for=ForVolumeSpec/on=OnVolumeSpec [/maxsize=MaxSizeSpec]

Comentários

  • O redimensionamento da associação de armazenamento pode fazer com que as cópias de sombra desapareçam.
  • Se você não especificar MaxSizeSpec, não haverá limite para a quantidade de espaço que poderá ser utilizada. À medida que certas cópias de sombra são excluídas, o espaço de armazenamento de cópia diminui.
  • MaxSizeSpec deve ter 1MB ou mais e aceita estes sufixos: KB, MB, GB, TB, PB e EB. Se não for fornecido um sufixo, MaxSizeSpec estará em bytes.

Comentários

  • A entrada que tiver espaços deverá ficar entre aspas (“).

 

***********************************************************************************

“W”

W32tm

Uma ferramenta usada para diagnosticar problemas que ocorrem com o horário do Windows

Sintaxe

{/config [/computer:Nome_do_Computador] [ [/update] [/manualpeerlist:Lista_de_Nomes_de_Computadores] ] [/syncfromflags:Lista_de_Sinalizadores] ] | /monitor | /ntte | /ntpte | /register|/resync [{:Nome_do_Computador] [/nowait] | [/rediscover}] | /tz | /unregister}

Parâmetros

/config [/computer:Nome_do_Computador] [ [/update] [/manualpeerlist:Lista_de_Nomes_de_Computador] ] [/syncfromflags:Lista_de_Sinalizadores]

Ajusta as configurações de hora no computador local ou de destino. É possível definir os outros computadores de sincronização de horário com a opção /manualpeerlist. As alterações na configuração não são usadas pelo serviço de Tempo do Windows a menos que ele seja reiniciado ou a opção /update seja usada. Você pode usar /syncfromflags para definir os tipos de origens utilizadas para sincronização e pode definir essa opção como MANUAL para usar a lista de outros computadores manual ou DOMHIER para sincronizar a partir de um controlador de domínio.

/monitor

Monitora o computador de destino ou a lista de computadores.

/ntte

Converte um horário do sistema NT em um formato legível.

/ntpte

Converte um horário NTP em um formato legível.

/register

Efetua o registro para execução como um serviço e adiciona a configuração padrão ao Registro.

/resync [{:Nome_do_Computador] [/nowait] | [/rediscover}]

Sincroniza o relógio novamente assim que possível, desconsiderando todas as estatísticas de erro acumuladas. Se nenhum computador for especificado, será feita a sincronização do computador local novamente. O comando aguardará a nova sincronização a menos que a opção /nowait seja usada. Os recursos de tempo em uso no momento serão utilizados, a menos que /rediscover seja usado, o que forçará a nova detecção de recursos de rede antes de a sincronização ser realizada novamente.

/ tz

Exibe as configurações de fuso horário atuais.

/ unregister

Cancela o registro do serviço e remove todas as informações de configuração do Registro.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Cuidado

  • A edição incorreta do Registro pode causar danos graves ao sistema. Antes de alterar o Registro, faça backup de todos os dados importantes do computador.

Comentários

  • Esta ferramenta foi desenvolvida para ser usada por administradores de rede a fim de diagnosticar problemas com o serviço de tempo do Windows.
    Para obter mais informações, consulte net time em Tópicos Relacionados.
  • Para que o serviço de tempo do Windows utilize as alterações feitas com W32tm, ele precisa ser notificado das alterações. Para notificar esse serviço, no prompt de comando, digite w32tm /config /update.

Exemplos

Para exibir as configurações de fuso horário atuais, digite:

w32tm /tz

***

Waitfor

Sincroniza vários computadores em uma rede usando sinais.

Sintaxe

waitfor [/sComputador [/u[Domínio\]Usuário[/p [Senha]]]] /siNome_do_Sinal

waitfor [/tTempo_Limite_em_Segundos] Nome_do_Sinal

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não utilize barras invertidas). O padrão é o computador local. Este parâmetro se aplica a todos os arquivos e pastas especificados no comando.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. O padrão é permissões do sistema.

/p[ Senha]

Especifica a senha da conta de usuário fornecida no parâmetro /u.

/tTempo_Limite_em_Segundos

Especifica por quantos segundos aguardar. O padrão é indefinido.

/si

Envia Nome_do_Sinal em vez de esperar.

SignalName

Especifica o sinal pelo qual waitfor espera ou envia. Nome_do_Sinal não diferencia maiúsculas de minúsculas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Apenas uma instância de waitfor pode esperar um determinado sinal em um dado computador.
  • Os nomes de sinais não diferenciam maiúsculas de minúsculas.
  • Os nomes de sinais não podem ter mais de 225 caracteres e só podem conter a-z, A-Z, 0-9 e caracteres ASCII na faixa de 128-255.
  • Se você não usar /s, o sinal será transmitido para todos os computadores do mesmo domínio que o computador responsável pelo envio. Se você usar /s, o sinal só será enviado ao computador especificado.
  • Você pode executar várias instâncias de waitfor em um único computador, mas cada uma deverá esperar um sinal diferente. É possível disparar um sinal utilizando a opção de linha de comando /si.
  • Waitfor só é executado no Windows XP e em servidores com um sistema operacional Windows Server 2003, mas pode enviar sinais para qualquer computador com o sistema operacional Windows.
  • Os computadores só poderão receber sinais se estiverem no mesmo domínio que o computador enviando o sinal.
  • É possível usar waitfor durante o teste de builds de software. Por exemplo, o computador que está fazendo a compilação pode enviar um sinal para vários computadores executando waitfor após a conclusão bem-sucedida da compilação. Ao receber o sinal, o arquivo em lotes que inclui waitfor pode instruir os computadores a começarem imediatamente a instalar softwares ou executar testes no build compilado.

Exemplos

Para esperar 10 segundos ou até que o sinal “espresso\compile007” seja disparado, digite:

waitfor /t 10 espresso\build007

Para esperar para sempre (o padrão) ou até que o sinal “espresso\build007” seja disparado, digite:

waitfor espresso\build007

Para disparar o sinal “espresso\build007”, digite:

waitfor /si espresso\build007

***

Where

Localiza e exibe todos os arquivos correspondentes ao parâmetro determinado. Por padrão, a pesquisa é feita no diretório atual e na variável de ambiente <b>PATH</b>.

Sintaxe

where [/r Dir] [/q] [/f] [/t] Padrão

Parâmetros

/rDir

Indica uma pesquisa recursiva, iniciando com o diretório Dir especificado.

/q

Retorna um código de saída de 0 para êxito ou 1 para falha, sem exibir os arquivos.

/f

Exibe o nome do arquivo de saída entre aspas.

/t

Exibe o tamanho e o carimbo de data/hora do arquivo.

Pattern

Especifica o nome de um diretório, arquivo ou conjunto de arquivos a ser encontrado. É possível usar caracteres curinga (isto é, ? ou *).

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Anúncios