Arquivo da categoria ‘Parte 14’

Pagina 596 – 640

Publicado: 14 de outubro de 2009 por tshingo em Parte 14

Para exibir a sintaxe do comando, clique em um comando:

add

add name

Adiciona um registro de nome ao banco de dados no servidor WINS especificado.

Sintaxe

add name [Name=]Nome_do_Computador [[EndChar=]16º_Carac_in_Hex] [[Scope=]Nome_do_Escopo] [[RecType=]{0 | 1}] [[Group=]{0 | 1 | 2 | 3 | 4}] [[Node=]{0 | 1 | 3}] [IP=]{Endereço_IP1[,Endereço_IP2,Endereço_IP3… ]}

Parâmetros

[ Name=]Nome_do_Computador

Obrigatório. Especifica o nome a ser adicionado e registrado no banco de dados do servidor WINS.

[ EndChar=]16º_Carac_in_Hex

Indica o 16º caractere do nome em hexadecimal. Se não for especificado, os tipos de registro são adicionados com base no valor de Group=. Para obter mais informações, consulte Comentários.

[ Scope=]Nome_do_Escopo

Especifica o nome do escopo NetBIOS.

[ RecType=]{0 | 1}

Indica o tipo de registro: 0-Estático (padrão), 1-Dinâmico.

[ Group=]{0 | 1 | 2 | 3 | 4}

Indica o tipo de grupo: 0-Único (padrão), 1-Grupo, 2-Internet 3-Hospedagem Múltipla, 4-Nome de Domínio.

[ Node=]{0 | 1 | 3}

Indica o tipo de nó NetBIOS: 0-Nó B, 1-Nó P (padrão), 3-Nó H.

[ IP=] {Endereço_IP1[ ,Endereço_IP2,Endereço_IP3…] }

Obrigatório. Especifica o endereço IP do registro de nome a ser adicionado. Se o computador tiver diversas bases, pode ser especificado mais de um endereço IP. Use chaves ({}) para delimitar um ou mais endereços IP e separe os diversos endereços IP por vírgulas.

Comentários

  • Se EndChar= e Group= forem usados em conjunto, EndChar= cancela Group=.
  • Quando EndChar= não for especificado, os tipos de registro a seguir são adicionados ao banco de dados WINS com base no valor de Group=:

 

Valor do parâmetro de grupo Tipo de registro adicionado
Grupo único (0) 03h, 20h, 00h
Grupo normal (1) 1eh
Grupo especial/Internet (2) 20h
Grupo com hospedagem múltipla (3) 03h, 20h, 00h
Grupo especial/domínio (4) 1ch

Exemplos

No primeiro exemplo, este comando adiciona um conjunto de registros NetBIOS padrão 00h, 03h e 20h de um computador denominado HOSTA com um endereço IP mapeado igual a10.0.0.1.

No segundo exemplo, este comando adiciona um registro 20h de HOSTB, um computador com hospedagem múltipla e endereços IP 10.0.0.2 e 10.0.0.3, na SUB-REDEA, com um tipo de registro estático e configuração de nó P.

add name IP={10.0.0.1}

add name HOSTB 20 SUB-REDEA 0 3 1{10.0.0.2,10.0.0.3}

add partner

Adiciona um parceiro de replicação à lista de parceiros de replicação no servidor WINS especificado.

Sintaxe

add partner [Server=]endereço_IP [[NetBIOS=]Nome_do_Servidor_NetBIOS] [[Type=]{0 | 1 | 2}]

Parâmetros

[ Server=]Endereço_IP

Obrigatório. Especifica o parceiro de replicação a ser adicionado ao servidor WINS. Identifica o servidor do parceiro por endereço IP.

[ NetBIOS=]Nome_do_Servidor_NetBIOS

Especifica o parceiro de replicação a ser adicionado ao servidor WINS. Identifica o servidor do parceiro pelo nome NetBIOS.

[ Type=]{0 | 1 | 2}

Indica o tipo de parceiro a ser adicionado: 0-Pull, 1-Push, 2-Both (padrão).

Comentários

  • Se o endereço IP não for resolvido, o parâmetro do nome NetBIOS será usado para criar o registro do parceiro. Caso contrário, o parâmetro NetBIOS não é usado.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando adiciona um parceiro de replicação para envio/recepção com um endereço IP 10.2.2.2 ao servidor WINS atual.

add partner 10.2.2.2

add pgserver

Adiciona uma lista de servidores Persona Grata ao servidor WINS especificado.

Sintaxe

add pgserver [Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Parâmetros

[ Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Necessário. Especifica os servidores Persona Grata ou os servidores a serem adicionados. Identifica cada servidor por seu endereço IP, delimitado por chaves ({}). Se você fornecer uma lista, os endereços IP devem ser separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

Comentários

  • Este comando adiciona os novos servidores após verificar as repetições. A lista Persona Grata (PG) é usada para especificar proprietários (outros servidores WINS) cujos registros serão aceitos durante a replicação.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando adiciona os servidores WINS 10.2.2.2 e 10.2.2.3 à lista Persona Grata do servidor WINS atual.

add pgserver {10.2.2.2,10.2.2.3}

add pngserver

Adiciona uma lista de servidores <b>Persona non grata</b> ao servidor WINS especificado.

Sintaxe

add pngserver [Servers=]{Lista_dos_Endereços_IP_dos_Servidores}

Parâmetros

[ Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Obrigatório. Especifica os servidores <b>Persona non grata</b> a serem adicionados. Identifica cada servidor por seu endereço IP, delimitado por chaves ({}). Se você fornecer uma lista, os endereços IP devem ser separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

Comentários

  • Este comando adiciona o(s) novo(s) servidor(es) após verificar as repetições. A lista <b>Persona non grata (PNG)</b> é usada para especificar proprietários (outros servidores WINS) cujos registros serão bloqueados durante a replicação.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando adiciona os servidores WINS 10.2.2.2 e 10.2.2.3 à lista <b>Persona non grata</b> do servidor WINS atual.

add pngserver {10.2.2.2,10.2.2.3}

check

check database

Verifica a consistência do banco de dados WINS. Quando usado sem parâmetros, é realizada uma verificação de consistência em todas as réplicas cujo intervalo de verificação se esgotou. A verificação de consistência não será executada imediatamente caso haja situação de sobrecarga, porém, ocorrerá após o intervalo de verificação configurado.

Sintaxe

check database [[All=]{1 | 0}] [[Force=]{1 | 0}]

Parâmetros

[ All=]{1 | 0}

Indica se a verificação de consistência deve ser executada em todas as réplicas ou nas réplicas cujo intervalo de verificação se esgotou: 1-Todas, 0-Caso contrário (padrão).

[ Force=]{1 | 0}

Indica se a verificação de consistência WINS deve ser cancelada em situações de sobrecarga: 1-Cancelar, 0-Caso contrário (padrão).

Comentários

  • A verificação da consistência de todas as réplicas é uma operação que exige muito da rede e dos recursos.
  • A situação de sobrecarga ocorre quando o comando de verificação de consistência é repetido dentro do período de uma hora.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando realiza uma verificação de consistência em todas as réplicas. Se houver uma situação de sobrecarga, a verificação de consistência é realizada após o término do intervalo de verificação configurado.

check database 1

check name

Verifica uma lista de registros de nome em relação a um conjunto de servidores WINS especificado.

Sintaxe

check name {NameFile=Nome_do_Arquivo | NameList={Lista_de_Nomes}} {ServerFile=FileName | ServerList={Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}}[InclPartner={Y | y}]

Parâmetros

{ NameFile=Nome_do_Arquivo | NameList={Lista_de_Nomes}}

Obrigatório. Especifica o arquivo que contém a lista de nomes a ser verificada ou especifica uma lista de nomes a ser verificada. Se você fornecer uma lista, os nomes deverão estar separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

{ ServerFile=Nome_do_Arquivo | ServerList={Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}}

Obrigatório. Especifica o arquivo com a lista de endereços IP do servidor ou especifica uma lista com os endereços IP do servidor a serem verificados. Se você fornecer uma lista, os endereços IP devem ser separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

InclPartner={Y | y}

Especifica se todos os parceiros serão incluídos na lista de servidores. Os parceiros não são incluídos por padrão.

Comentários

  • Este comando exige o uso de marcas. Sempre que forem encontradas inconsistências, haverá uma tentativa de reparo.
  • O formato de Nome tanto em Nome_do_Arquivo quanto em Lista_de_Nomes será nome*16º_carac, onde Nome é o nome do registro e 16º_carac é o 16º caractere do registro.
  • No arquivo, as entradas de nome são separadas por vírgulas ou retornos de carro/avanços de linha.

Exemplos

No primeiro exemplo, este comando verifica dados WINS em relação aos arquivos Nomes.txt e Servidores.txt, subentendendo-se que esses arquivos estão localizados no caminho especificado (a raiz da unidade D).

No segundo exemplo, este comando verifica os nomes Nome1 com 16º caractere 03, 00 e 20h, respectivamente, em relação aos servidores com endereços IP 10.2.2.2 e 10.2.2.3.

check name NameFile=D:\Nomes.txt ServerFile=D:\Servidores.txt

check name NameList={Nome1*03,Nome1*00,Nome1*20}ServerList={10.2.2.2,10.2.2.3}

check version

Verifica a consistência dos números de identificação de versão dos proprietários de registros WINS no banco de dados WINS.

Sintaxe

check version [Server=]Endereço_IP [[File=]Nome_do_Arquivo]

Parâmetros

[ Server=]Endereço_IP

Obrigatório. Especifica o endereço IP do servidor WINS inicial.

[ File=]Nome_do_Arquivo

Especifica o arquivo onde armazenar o índice para a tabela de endereços IP. Se omitido, check version cria o arquivo Wins.rec no diretório atual e armazena nele o índice para a tabela de endereços IP.

Comentários

  • Se for fornecido um nome de arquivo inválido, o Nome_do_Arquivo é definido como Wins.rec no diretório atual.
  • Convém aumentar a largura da janela de comando para permitir uma exibição correta da tabela.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando verifica a consistência do número de versão dos registros de um servidor WINS com o endereço IP 10.2.2.2 nos seus parceiros de replicação.

check version 10.2.2.2

delete

delete name

Exclui um nome registrado do banco de dados do servidor WINS.

Sintaxe

delete name [Name=]Nome_Registrado [EndChar=]16º_carac_in_hex [[Scope=]Nome_do_Escopo]

Parâmetros

[ Name=]Nome_Registrado

Obrigatório. Especifica o nome registrado a ser excluído.

[ EndChar=]16º_Carac_in_Hex

Obrigatório. Indica o 16º caractere do nome do registro a ser excluído em hexadecimal.

[ Scope=]Nome_do_Escopo

Especifica o identificador do escopo NetBIOS do registro a ser excluído.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exclui os registros (03h) de mensageiro com o nome de registro HOSTA do banco de dados WINS.

delete name EndChar=03

delete owners

Exclui ou marca para exclusão uma lista de proprietários e seus registros do banco de dados no servidor WINS especificado.

Sintaxe

delete owners [Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}[[Op=]{0 | 1}]

Parâmetros

[ Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Obrigatório. Especifica uma lista de servidores proprietários com registros a serem excluídos. Identifica os servidores pelos endereços IP que devem ser separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

[ Op=]{0 | 1}

Indica sua opção: 0-Marcar para exclusão (padrão), 1-Excluir.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exclui todos os registros pertencentes ao servidor WINS com o endereço IP 10.0.0.1.

delete owners Servers={10.0.0.1} Op=1

delete partner

Exclui todos os parceiros de replicação ou um parceiro de replicação especificado da lista de parceiros de replicação no servidor WINS especificado. Quando usado sem parâmetros, todos os parceiros de replicação são excluídos tanto da lista de parceiros de recepção quanto da lista de parceiros de envio sem um prompt de confirmação.

Sintaxe

delete partner [[Server=]Endereço_IP] [[Type=]{0 | 1 | 2}] [[Confirm=]{Y|y}]

Parâmetros

[ Server=]Endereço_IP

Especifica o parceiro a ser excluído. Identifica o parceiro por endereço IP.

[ Type=]{0 | 1 | 2}

Indica o tipo de lista de parceiros a ser excluído: 0-Pull, 1-Push, 2-Both (padrão).

[ Confirm=]{Y|y}

Inicia e conclui a operação sem solicitar confirmação.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exclui um parceiro do tipo envio/recepção com um endereço IP 10.0.0.1 do servidor WINS atual sem solicitar confirmação.

delete partner Server=10.0.0.1 Confirm=Y

delete pgserver

Exclui todos os servidores Persona Grata ou servidores Persona Grata específicos da lista de servidores Persona Grata no servidor WINS especificado.

Sintaxe

delete pngserver [Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Parâmetros

[ Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Necessário. Especifica uma lista de servidores Persona Grata a serem excluídos. Identifica servidores Persona Grata por endereços IP separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

Comentários

  • A lista Persona Grata (PG) especifica os proprietários (outros servidores WINS) cujos registros deverão ser bloqueados durante a replicação. Se você usar um par de chaves vazio ({}), delete pgserver excluirá todos os servidores na lista de servidores PG.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exclui os servidores WINS 10.2.2.2 e 10.2.2.3 da lista Persona Grata deste servidor WINS.

delete pgserver Servers={10.2.2.2,10.2.2.3}

delete pngserver

Exclui todos os servidores <b>Persona non grata</b> ou servidores <b>Persona non grata</b> específicos da lista de servidores <b>Persona non grata</b> no servidor WINS especificado.

Sintaxe

delete pngserver [Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Parâmetros

[ Servers=]{Lista_de_Endereços_IP_do_Servidor}

Obrigatório. Especifica uma lista de servidores <b>Persona non grata</b> a serem excluídos. Identifica servidores <b>Persona non grata</b> por endereços IP separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

Comentários

  • A lista <b>Persona non grata (PNG)</b> especifica os proprietários (outros servidores WINS) cujos registros deverão ser bloqueados durante a replicação. Se você usar um par de chaves vazio ({}), delete pngserver excluirá todos os servidores na lista de servidores PNG.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exclui os servidores WINS 10.2.2.2 e 10.2.2.3 da lista <b>Persona non grata</b> deste servidor WINS.

delete pngserver Servers={10.2.2.2,10.2.2.3}

delete records

Exclui todos os registros ou um conjunto de registros do servidor WINS atual ou marca registros para exclusão.

Sintaxe

delete records [MinVer=]{Alto,Baixo} [MaxVer=]{Alto,Baixo} [[Op=]{0 | 1}]

Parâmetros

[ MinVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica as versões de registro mínimas alta e baixa a partir das quais a exclusão terá início. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

[ MaxVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica as versões de registro máximas alta e baixa nas quais a exclusão terá fim. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

[ Op=]{0 | 1}

Indica sua opção: 0-Excluir (padrão), 1-Marcar para exclusão.

Comentários

  • Se você definir tanto MinVer= quanto MaxVer= como {0,0}, delete records excluirá todos os registros.

Exemplos

No primeiro exemplo, este comando define todos os registros no servidor WINS como marcados para exclusão.

No segundo exemplo, este comando exclui todos os registros entre 2de2d e 2de3f, inclusive ambos.

delete records MinVer={0,0} MaxVer={0,0} Op=1

delete records MinVer={0,2de2d} MaxVer={0,2de3f}

init

init backup

Inicia o backup do banco de dados WINS em uma pasta especificada. Usado sem parâmetros, este comando efetua um backup completo no caminho de backup padrão definido no momento.

Sintaxe

init backup [[Dir=]Diretório_de_Backup] [[Type=]{0 | 1}]

Parâmetros

[ Dir=]Diretório_de_Backup

Especifica a pasta onde são armazenados os backups. Se não for especificada, é usado o caminho de backup padrão definido no momento.

[ Type=]{0 | 1}

Indica o tipo de backup: 0-Backup completo (padrão), 1-Backup incremental.

Comentários

  • O backup para WINS só pode ser realizado a nível local, no mesmo servidor. Não há suporte para backup de servidores WINS remotos.
  • Os arquivos de backup serão criados automaticamente no subdiretório wins_bak da pasta Dir=.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando iniciará um backup completo do banco de dados WINS do servidor WINS local na pasta C:\ArqsWINS\wins_bak. WINS criará a sub-pasta wins_bak.

init backup Dir=C:\ArqsWINS

init import

Inicia a importação de mapeamentos estáticos de um arquivo Lmhosts.

Sintaxe

init import [File=]Arquivo_de_Importação

Parâmetros

[ File=]Arquivo_de_Importação

Obrigatório. Especifica o arquivo de texto formatado como Lmhosts usado para importar mapeamentos estáticos para o banco de dados WINS.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando importa os mapeamentos estáticos do arquivo IPfixo.sam, localizado no caminho C:\ArqsWINS, como novos mapeamentos estáticos no banco de dados WINS local.

init import File=C:\ArqsWINS\IPfixo.sam

init pull

Inicia e envia um disparador de recepção para outro servidor WINS.

Sintaxe

init pull [Server=]{Nome_do_Servidor_de_Recepção | Endereço_IP}

Parâmetros

[ Server=]{\\Nome_do_Servidor_de_Recepção | Endereço_IP}

Obrigatório. Especifica o servidor WINS para o qual enviar um disparador de recepção. Identifica o servidor pelo nome ou endereço IP.

Comentários

  • Se o nome de servidor fornecido não puder ser resolvido para um endereço IP, ocorrerá falha na operação.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando inicia e envia um disparador de recepção para o servidor WINS 10.2.2.2.

init pull Server=10.2.2.2

init pullrange

Inicia e recebe um intervalo de registros de outro servidor WINS.

Sintaxe

init pullrange [Owner=]IP_do_Servidor_Proprietário [Server=]IP_do_Servidor_de_Recepção [MaxVer=]{Alto,Baixo} [MinVer=]{Alto,Baixo}

Parâmetros

[ Owner=]IP_do_Servidor_Proprietário

Obrigatório. Especifica o servidor WINS com registros a serem retirados. Identifica o servidor pelo endereço IP.

[ Server=]IP_do_Servidor_de_Recepção

Obrigatório. Especifica o servidor WINS que recebe o intervalo de registros. Identifica o servidor pelo endereço IP.

[ MaxVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica o número de registros da versão máxima alta e versão máxima baixa a serem retirados. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

[ MinVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica o número de registros da versão mínima alta e versão mínima baixa a serem retirados. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

Comentários

  • Se tanto MaxVer= quanto MinVer= forem definidos como {0,0}, init pullrange receberá todo o intervalo de registros.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando inicia e envia um disparador de recepção para o servidor WINS 10.2.2.3 relativo a todos os registros pertencentes ao servidor WINS 10.2.2.2.

init pullrange Owner=10.2.2.2 Server=10.2.2.3 MaxVer={0,0} MinVer={0,0}

init push

Inicia e envia um disparador de envio para outro servidor WINS.

Sintaxe

init push [Server=]{\\Nome_do_Servidor_de_Recepção | Endereço_IP} [[PropReq=]{0 | 1}]

Parâmetros

[ Server=]{\\Nome_do_Servidor_de_Envio | Endereço_IP}

Obrigatório. Especifica o servidor WINS para o qual enviar um disparador de envio. Identifica o servidor pelo nome ou endereço IP.

[ PropReq=]{0 | 1}

Indica sua solicitação de propagação: 0-Enviar somente para o servidor especificado (padrão), 1-Fazer o servidor propagar o disparador de envio para todos os seus parceiros.

Comentários

  • Se o nome de servidor fornecido não puder ser resolvido para um endereço IP, ocorrerá falha na operação.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando inicia e envia um disparador de envio para o servidor WINS 10.2.2.2 e faz com que ele propague o disparo a todos os seus parceiros de replicação.

init push Server=10.2.2.2 PropReq=1

init replicate

Inicia e força uma replicação imediata do banco de dados com parceiros de replicação.

Sintaxe

init replicate

Parâmetros

none

Comentários

  • Este comando inicia uma replicação de envio/recepção com todos os parceiros de replicação do servidor.

init restore

Inicia a restauração do banco de dados WINS a partir de uma pasta e um arquivo no servidor WINS especificado.

Sintaxe

init restore [Dir=]Diretório_de_Restauração

Parâmetros

[ Dir=]Diretório_de_Restauração

Obrigatório. Especifica a pasta da qual os arquivos serão restaurados.

Comentários

  • Os backups do WINS só podem ser restaurados a nível local, no mesmo servidor. Não é possível restaurar o banco de dados WINS de um computador remoto
  • Dir= deve conter um subdiretório wins_bak, que conterá o arquivo do banco de dados, porém, esse subdiretório não deve ser incluído no parâmetro Dir=.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando restaura o banco de dados WINS a partir da localização do arquivo de backup do banco de dados em C:\ArqsWINS.

init restore Dir=C:\ArqsWINS

init scavenge

Inicia a eliminação do banco de dados WINS do servidor WINS especificado.

Sintaxe

init scavenge

Parâmetros

none

Comentários

  • Este comando remove informações desatualizadas do banco de dados WINS.

init search

Inicia uma pesquisa do nome de registro especificado no banco de dados WINS.

Sintaxe

init search [Name=]RecordName [[EndChar=]Caractere_Final] [[Case=]{0 | 1}] [[File=]Nome_do_Arquivo]

Parâmetros

[ Name=]Nome_do_Registro

Obrigatório. Especifica o nome do registro a ser pesquisado

[ EndChar=]Caractere_Final

Indica o 16º caractere do registro de nome NetBIOS. Se não for especificado, a pesquisa apresentará como resposta todos os registros correspondentes à seqüência inserida em Name=. Para obter mais informações, consulte Comentários.

[ Case=]{0 | 1}

Indica a preferência de maiúsculas e minúsculas para o nome: 0-Ignorar maiúsculas e minúsculas no nome (padrão), 1-Considerar maiúsculas e minúsculas no nome.

[ File=]Nome_do_Arquivo

Especifica o arquivo onde armazenar a saída de texto sem formatação ASCII. Se não for especificado, a saída é exibida na janela do prompt de comando.

Comentários

  • Se não for fornecido um valor para EndChar=, a pesquisa apresentará como resposta todos os registros correspondentes à seqüência inserida em Name=. Por exemplo, se o banco de dados contiver um registro denominado MYPC-1, uma pesquisa que utilize MYPC como valor do parâmetro nome apresentará como resposta todos os registros que começam com esse padrão de nome, independentemente do tipo de registro:

 

Nome do registro Tipo do registro
MYPC-1 [00h]Estação de trabalho
MYPC-1 [01h]Outros
MYPC-1 [03h]Mensageiro

Se você especificar um valor para EndChar=, somente os registros que corresponderem ao nome do registro e tipo do registro serão apresentados. Por exemplo, se o valor de Name= for MYPC e o valor de EndChar for 00, serão apresentados os seguintes resultados de pesquisa:

 

Nome do registro Tipo do registro
MYPC-1 [00h]Estação de trabalho

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando procura registros denominados dc1 com o caractere final 1c, ignora maiúsculas e minúsculas e envia as informações para o arquivo nomes.txt localizado em C:\ArqsWINS.

init search EndChar=1c Case=0 File=C:\ArqsWINS \nomes.txt

reset

reset statistics

Redefine as estatísticas do servidor WINS local.

Sintaxe

reset statistics

Parâmetros

none

set

set autopartnerconfig

Define as informações de configuração de parceiro de replicação automático para o servidor. Usado sem parâmetros, a configuração do parceiro automático é redefinida (desativada).

Sintaxe

set autopartnerconfig [[State=]{0 | 1}] [[Interval=]Valor] [[TTL=]Valor]

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Indica a configuração do parceiro de replicação automático: 0-Redefinir (padrão), 1-Definir.

[ Interval=]Valor

Especifica o valor do intervalo de difusão seletiva, em segundos.

[ TTL=]Valor

Especifica o valor do tempo de vida (TTL) dos datagramas de difusão seletiva entre servidores WINS parceiros. O valor TTL deve situar-se no intervalo de 1 a 32.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define as informações de configuração automática do servidor WINS para um intervalo de difusão seletiva de 3.600 segundos e um tempo de vida (TTL) de 20.

set autopartnerconfig State=0 Interval=3600 TTL=20

set backuppath

Define os parâmetros de backup para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

set backuppath [Dir=]Novo_Caminho [[Shutdown=]{0 | 1}]

Parâmetros

[ Dir=]Novo_Caminho

Obrigatório. Especifica o caminho de backup para o banco de dados do servidor. Se não for especificado, será usado o caminho padrão C:\.

[ Shutdown=]{0 | 1}

Indica a configuração para backup durante o desligamento: 0-Desabilita o backup do banco de dados WINS durante o desligamento (padrão), 1-Habilita o backup do banco de dados WINS durante o desligamento.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando configura o servidor WINS para fazer backup automático do banco de dados WINS em C:\ArqsWINS todas as vezes que o servidor for desligado.

set backuppath Dir=C:\ArqsWINS Shutdown=1

set burstparam

Define os parâmetros de tratamento intermitente para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

set burstparam [State=]{0 | 1} [[Value=]Tamanho_da_Fila]

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Obrigatório. Indica a configuração do tratamento intermitente: 0-Redefinir ou desabilitar o tratamento intermitente para o servidor WINS, 1-Definir ou habilitar o tratamento intermitente para o servidor WINS.

[ Value=]Tamanho_da_Fila

Especifica o tamanho da fila de intermitência. O tamanho da fila deve situar-se entre 50 e 5.000.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define o tamanho da fila de intermitência para permitir 1.000 solicitações de registro e renovação de clientes antes do servidor WINS usar tratamento intermitente.

set burstparam State=1 Value=1000

set defaultparam

Define os parâmetros padrão para configuração do servidor WINS.

Sintaxe

set defaultparam

Parâmetros

none

Comentários

  • Este comando define todos os parâmetros de configuração do servidor WINS segundo seus valores padrão. É recomendável que você execute esse comando após a instalação do serviço WINS para definir o servidor com as configurações padrão dos parâmetros.

set logparam

Define ou redefine os parâmetros de banco de dados e de log de eventos detalhado. Usado sem parâmetros, os valores atuais serão mantidos.

Sintaxe

set logparam [[DBChange=]{0 | 1}] [[Event=]{0 | 1}]

Parâmetros

[ DBChange=]{0 | 1}

Indica se você deseja registrar em log as alterações no banco de dados: 1-Habilitar o log das alterações de banco de dados para arquivos de log JET (padrão), 0-Redefinir esta opção.

[ Event=]{0 | 1}

Indica o detalhe dos eventos: 1-Fazer registro detalhado dos eventos no log de eventos do sistema, 0-Redefinir esta opção (padrão).

Comentários

  • O mecanismo do banco de dados WINS pode registrar as alterações do banco de dados em arquivos separados. Como essa opção melhora o desempenho das operações com bancos de dados, ela fica ativada por padrão.
  • O servidor WINS pode registrar informações sobre eventos detalhados no log de eventos do sistema. Como essa opção exige muito dos recursos, ela fica desativada por padrão.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define parâmetros de log para o servidor WINS de forma a permitir o registro em log das alterações de banco de dados em arquivos JET e fazer o registro de eventos detalhados no log de eventos do sistema.

set logparam Event=1

set migrateflag

Define o sinalizador de migração para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

set migrateflag [State=]{0 | 1}

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Obrigatório. Indica a configuração do sinalizador de migração: 0-Desabilitar (migração desativada), 1-Habilitar (migração ativada)

Comentários

  • O sinalizador de migração determina se os mapeamentos estáticos únicos podem ser substituídos por registros dinâmicos.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define o sinalizador de migração de forma a permitir a substituição de mapeamentos estáticos únicos por registros dinâmicos no servidor WINS especificado.

set migrateflag State=1

set namerecord

Define os intervalos que são usados para determinar quando os registros de nomes WINS são renovados, excluídos e verificados no servidor WINS especificado. Usado sem parâmetros, os valores atuais são mantidos.

Sintaxe

set namerecord [[Renew=]Valor] [[Extinction=]Valor] [[ExTimeout=]Valor] [[Verification=]Valor]

Parâmetros

[ Renew=]Valor

Especifica a taxa de renovação do intervalo, em segundos.

[ Extinction=]Valor

Especifica o intervalo de extinção, em segundos.

[ ExTimeout=]Valor

Especifica o tempo limite da extinção, em segundos

[ Verification=]Valor

Especifica o intervalo de verificação, em segundos.

Comentários

  • Todos os parâmetros são opcionais. No caso de parâmetros não utilizados, são mantidos os valores padrão ou previamente definidos.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define cada um dos valores de registros de nomes no servidor WINS.

set namerecord Renew=3600 Extinction=7200 ExTimeout=86400 Verification=2073600

set periodicdbchecking

Define os parâmetros de verificação periódica da consistência do banco de dados no servidor WINS especificado. Usado sem parâmetros, os valores atuais são mantidos.

Sintaxe

set periodicdbchecking [[State=]{0 | 1}] [[MaxRec=]Valor] [[CheckAgainst=]{0 | 1}] [[CheckEvery=]Valor] [[Start=]Valor]

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Obrigatório. Indica se a verificação do estado do banco de dados WINS deve ser efetuada: 0-Desabilitar, 1-Habilitar (padrão). Se o valor deste parâmetro for definido como 0, todas as verificações são desativadas independentemente do valor dos outros parâmetros.

[ MaxRec=]Valor

Especifica o número máximo de registros verificados a cada período. Se não for especificado, o padrão será 30.000.

[ CheckAgainst=]{0 | 1}

Indica o servidor que servirá de modelo para a verificação: 0-Servidor proprietário (padrão), 1-Servidor selecionado aleatoriamente.

[ CheckEvery=]Valor

Especifica a freqüência, em horas, para verificação da consistência do banco de dados WINS. Se não for especificado, o padrão será 24 horas.

[ Start=] Valor

Especifica a hora, em segundos, em que a verificação de consistência terá início.

Comentários

  • Para definir intervalos de verificação de consistência periódicos, é recomendável a especificação de valores para os parâmetros CheckEvery e Start. Para ajustar a configuração já existente da verificação de consistência periódica, especifique valores somente para State e o(s) parâmetro(s) que você desejar alterar. Os parâmetros para os quais você não fornecer um valor permanecerão inalterados.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando verifica o banco de dados WINS a cada hora em relação a um parceiro de replicação aleatório com início aos 3.600 segundos.

set periodicdbchecking State=1 MaxRec=1000 CheckAgainst=1 CheckEvery=1 Start=3600

set pgmode

Define o modo Persona Grata ou o modo Persona Non Grata.

Sintaxe

set pgmode [Mode=]{0 | 1}

Parâmetros

[ Mode=]{0 | 1}

Necessário. Especifica o modo a ser definido: 0-Define o modo Persona Non Grata (PNG), 1-Define o modo Persona Grata (PG).

Comentários

  • Use os comandos add pgserver e delete pgserver para atualizar a lista Persona Grata.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define o modo Persona Grata. Durante a replicação, o WINS aceitará somente os registros cujos proprietários são os servidores especificados na lista Persona Grata.

set pgmode Mode=1

set pullparam

Define os parâmetros padrão do parceiro de recepção para o servidor WINS especificado. Quando usado sem parâmetros, são mantidos os valores padrão ou previamente definidos.

Sintaxe

set pullparam [[State=]{0 | 1}] [[Strtup=]{0 | 1}] [[Start=]Valor] [[Interval=]Valor] [[Retry=]Valor]

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Obrigatório. Indica se você deseja que sejam usadas conexões persistentes com parceiros de recepção: 0-Não usar conexões persistentes com parceiros de recepção, 1-Usar conexões persistentes com parceiros de recepção.

[ Strtup=]{0 | 1}

Indica se a replicação de recepção deve ser iniciada na inicialização: 0-Não inicia a replicação de recepção na inicialização (padrão), 1-Inicia a replicação de recepção na inicialização .

[ Start=] Valor

Especifica a hora de início do disparador de recepção, em segundos.

[ Interval=]Valor

Especifica o intervalo de replicação, em segundos.

[ Retry=]Valor

Especifica o número de vezes que a replicação deve ser tentada.

Comentários

  • Se não for especificado um valor para Interval=, só ocorrerá uma replicação.
  • Se não for especificado um valor para Start=, a execução do comando iniciará o disparador de recepção.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define os parâmetros padrão do parceiro de recepção de forma que o servidor WINS utilize uma conexão persistente com seus parceiros de recepção, inicie a replicação na inicialização, inicie o disparador de recepção em 23.600 segundos a um intervalo de 259.200 segundos e tente a replicação sete vezes.

set pullparam State=1 Strtup=1 Start=23600 Interval=259200 Retry=7

set pullpartnerconfig

Define os parâmetros de configuração do parceiro de recepção especificado.

Sintaxe

set pullpartnerconfig [[State=]{0 | 1}] [Server=]Nome_do_Servidor [[Start=]Valor] [[Interval=]Valor]

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Indica o estado do sinalizador de conexão persistente: 0-Desabilitar, 1-Habilitar (padrão).

[ Server=]Nome_do_Servidor

Obrigatório. Especifica o parceiro de replicação de recepção por nome ou endereço IP.

[ Start=] Valor

Especifica a hora de início da replicação, em segundos.

[ Interval=]Valor

Especifica o intervalo entre replicações de recepção, em segundos.

Comentários

  • Se for fornecido um nome de servidor para Server= que não possa ser resolvido para um endereço IP, ocorrerá falha na função.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define a configuração do parceiro de recepção para o servidor WINS atual e para o servidor WINS parceiro 10.2.2.2. A replicação de recepção será iniciada em 3.600 segundos e executada a cada 4.320 segundos.

set pullpartnerconfig State=1 Server=10.2.2.2 Start=3600 Interval=4320

set pushparam

Configura os parâmetros padrão do parceiro de envio para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

set pushparam [State=]{0 | 1} [[Strtup=]{0 | 1}] [[AddChange=]{0 | 1}] [[Update=]Valor]

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Obrigatório. Indica se você deseja que sejam usadas conexões persistentes com parceiros de envio: 0-Não usar conexões persistentes com parceiros de envio, 1-Usar conexões persistentes com parceiros de envio.

[ Strtup=]{0 | 1}

Indica se você deseja que a replicação de envio tenha início na inicialização: 0-Não iniciar replicação de envio na inicialização (padrão), 1-Iniciar replicação de envio na inicialização.

[ AddChange=]{0 | 1}

Indica se você deseja que a replicação seja disparada em caso de alteração de endereço: 0-Não disparar replicação em caso de alteração de endereço (padrão), 1-Disparar replicação em caso de alteração de endereço .

[ Update=]Valor

Especifica o número de alterações na identificação da versão que ocorrerão antes da replicação.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define os parâmetros padrão do parceiro de envio para o servidor WINS de forma que use conexões persistentes com seus parceiros de envio, inicie replicação de envio na inicialização e em caso de alteração de endereço, e envio para parceiros depois que a identificação de versão tiver sido atualizada duas vezes para registros pertencentes a este servidor WINS.

set pushparam State=1 Strtup=1 AddChange=1 Update=2

set pushpartnerconfig

Define os parâmetros de configuração do parceiro de envio especificado.

Sintaxe

set pushpartnerconfig [[State=]{0 | 1}] [Server=]\\Nome_do_Servidor [Update=]Valor

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Indica o estado do sinalizador de conexão persistente: 0-Desabilitar, 1-Habilitar (padrão).

[ Server=]\\Nome_do_Servidor

Obrigatório. Especifica o servidor de parceiro de envio para o qual você deseja definir parâmetros de configuração. Identifica o servidor pelo nome ou endereço IP.

[ Update=]Valor

Obrigatório. Especifica o limite para atualizações.

Comentários

  • Se o nome fornecido no parâmetro do servidor não puder ser resolvido para um endereço IP, ocorrerá falha na função.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define a configuração do parceiro de envio para o servidor WINS atual de um servidor WINS parceiro com endereço IP 10.2.2.2 e define 2 como limite de alterações de identificação de versão permitidas antes que os parceiros de envio sejam informados sobre elas.

set pushpartnerconfig State=1 Server=10.2.2.2 Update=2

set replicateflag

Configura o sinalizador de replicação para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

set replicateflag [State=]{0 | 1}

Parâmetros

[ State=]{0 | 1}

Obrigatório. Indica a configuração do sinalizador de replicação: 0-Desabilitar (sinalizador de replicação desativado), 1-Habilitar (sinalizador de replicação ativado).

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando ativa o sinalizador de replicação para o servidor.

set replicateflag State=1

set startversion

Define o valor do número de identificação de versão inicial (início) do banco de dados.

Sintaxe

set startversion [Version=]{Alto,Baixo}

Parâmetros

[ Version=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica o número de identificação de versão inicial do banco de dados WINS. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando define o número de identificação de versão inicial do banco de dados WINS como sendo 0.

set startversion Version={0,0}

show

show browser

Exibe todos os registros [1Bh] ativos do navegador de domínio mestre relativos ao servidor WINS especificado.

Sintaxe

show browser

Parâmetros

none

show database

Exibe o banco de dados e os registros de uma lista parcial ou completa de servidores proprietários especificados.

Sintaxe

show database [Servers=]{Endereços_IP} [[RecType=]{0 | 1 | 2}] [[Count=]Contagem] [[Start=]{0 | 1}] [[EndChar=]16º_Carac_in_Hex] [[File=]Nome_do_Arquivo]

Parâmetros

[ Servers=]{Endereços_IP}

Obrigatório. Especifica uma lista de servidores proprietários cujos registros deverão ser exibidos. Identifica servidores proprietários por endereço IP, que devem ser separados por vírgulas e delimitados por chaves ({}).

[ RecType=]{0 | 1 | 2}

Indica o tipo de registro: 0-Ambos (padrão), 1-Estático, 2-Dinâmico.

[ Count=]Contagem

Especifica o número de registros que você deseja exibir. Se não for especificado, serão apresentados todos os registros que correspondam aos parâmetros de consulta.

[ Start=]{0 | 1}

Indica onde iniciar a classificação da tela: 0-Iniciar do começo do banco de dados (padrão), 1-Iniciar do final do banco de dados.

[ EndChar=]16º_Carac_in_Hex

Indica o 16º caractere dos registros, em hexadecimal. Esse número filtra os registros que são recuperados do banco de dados. Se não for especificado, são apresentados todos os tipos de registro.

[ File=]Nome_do_Arquivo

Especifica o arquivo no qual a saída formatada é armazenada. Se não for especificado, a saída será exibida na janela do prompt de comando.

Comentários

  • Se você especificar um conjunto vazio ({}) para Servers=, os registros de show database serão exibidos para todos os servidores proprietários.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando envia os 1000 primeiros registros dinâmicos no banco de dados WINS do servidor 10.2.2.2 para o arquivo de texto resultado.txt.

show database Servers={10.2.2.2} RecType=2 Count=1000 Start=0 Endchar=0 File=C:\ArqsWINS\resultado.txt

show info

Exibe informações de configuração do servidor WINS especificado.

Sintaxe

show info

Parâmetros

none

Comentários

  • Se definido, este comando exibe as seguintes informações de configuração WINS relativas ao servidor atual:
  • Caminho do backup
  • Configuração do registro de nome
  • Verificação periódica da consistência do banco de dados
  • Tratamento intermitente
  • Parâmetros de log
  • Contagem da versão inicial

show name

Consulta e exibe informações detalhadas relativas a um registro especificado no banco de dados do servidor WINS atual.

Sintaxe

show name [Name=]Nome_do_Registro [EndChar=]16º_carac_em_hex [[Scope=]Nome_do_Escopo]

Parâmetros

[ Name=]Nome_do_Registro

Obrigatório. Especifica o registro relativo à consulta.

[ EndChar=]16º_Carac_in_Hex

Obrigatório para todas as consultas, exceto registros de tipo único. Indica o 16º caractere em hexadecimal.

[ Scope=]Nome_do_Escopo]

Especifica o escopo NetBIOS, se utilizado.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exibe informações armazenadas no momento relativas ao registro de nome HOSTA, do tipo Servidor de arquivos, [20h] que existe no banco de dados WINS no servidor WINS especificado.

show name EndChar=20

show partner

Exibe todos os parceiros de recepção, parceiros de envio ou parceiros de recepção e envio relativos ao servidor WINS especificado. Quando usado sem parâmetros, este comando exibe todos os parceiros de recepção, parceiros de envio e parceiros de recepção/envio relativos ao servidor WINS especificado.

Sintaxe

show partner [[Type=]{0 | 1 | 2 | 3}]

Parâmetros

[ Type=]{0 | 1 | 2 | 3}

Indica o tipo de parceiro a ser exibido: 0-Todos (padrão), 1-Recepção, 2-Envio, 3-Envio e recepção.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exibe o nome do servidor, endereço IP e tipo de replicação de cada parceiro de replicação relativo ao servidor WINS.

show partner

show partnerproperties

Exibe informações de configuração do parceiro padrão para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

show partnerproperties

Parâmetros

none

Comentários

  • Este comando exibe a configuração automática de parceiro e os parâmetros de envio/recepção padrão para o servidor WINS atual.

show pullpartnerconfig

Exibe informações de configuração de um parceiro de recepção.

Sintaxe

show pullpartnerconfig [Server=]{nome | Endereço_IP}

Parâmetros

[ Server=]{nome | Endereço_IP}

Obrigatório. Especifica o parceiro de recepção sobre o qual você deseja exibir informações de configuração. Identifica o parceiro pelo nome ou endereço IP.

Comentários

  • Se o nome fornecido não puder ser resolvido para um endereço IP, ocorrerá falha na função.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exibe as informações de configuração de parceiro de recepção para o servidor WINS 10.2.2.2.

show pullpartnerconfig Server=10.2.2.2

show pushpartnerconfig

Exibe informações de configuração de um parceiro de envio.

Sintaxe

show pushpartnerconfig [Server=]{nome | Endereço_IP}

Parâmetros

[ Server=]{Nome | Endereço_IP}

Obrigatório. Especifica o parceiro de envio sobre o qual você deseja exibir informações de configuração. Identifica o parceiro de envio pelo nome ou endereço IP.

Comentários

  • Se o nome fornecido não puder ser resolvido para um endereço IP, ocorrerá falha na função.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exibe as informações de configuração de parceiro de envio para o servidor WINS 10.2.2.2.

show pushpartnerconfig Server=10.2.2.2

show recbyversion

Exibe o conjunto de registros de um proprietário, especificado como um intervalo de identificações de versão, e classifica os registros por versão.

Sintaxe

show recbyversion [Server=]Endereço_IP [MaxVer=]{Alto,Baixo} [MinVer=]{Alto,Baixo} [[Name=]Nome_do_Registro] [[EndChar=]16º_carac] [Case=]{0 | 1}

Parâmetros

[ Server=]Endereço_IP

Obrigatório. Especifica o servidor proprietário para o qual você deseja exibir um conjunto de registros. Identifica o servidor pelo endereço IP.

[ MaxVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica o intervalo de registros a ser apresentado pelo número de versão alto máximo e baixo máximo. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

[ MinVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica o intervalo de registros a ser apresentado pelo número de versão alto mínimo e baixo mínimo. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

[ Name=]Nome_do_Registro

Especifica os registros a serem procurados.

[ EndChar=]16º_carac

Indica o caractere a ser procurado, em hexadecimal.

[ Case=]{0 | 1}

Indica se deve ser criada uma comparação que diferencie maiúsculas de minúsculas: 0-Ignorar maiúsculas e minúsculas (padrão), 1-Criar uma comparação que diferencie maiúsculas de minúsculas.

Comentários

  • Se Name= não for especificado, EndChar= e Case= serão ignorados.
  • Se tanto MinVer= quanto MaxVer= forem definidos como {0,0}, show recbyversion exibirá todo o intervalo de registros.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exibe o número total de registros (por versão de registro) pertencentes ao servidor WINS 10.2.2.2.

show recbyversion Server=10.2.2.2 MaxVer={0,0} MinVer={0,0} EndChar=1c Case=0

show reccount

Exibe o número de registros pertencentes a um servidor WINS específico.

Sintaxe

show reccount [Server=]Endereço_IP [MaxVer=]{Alto,Baixo} [MinVer=]{Alto,Baixo}

Parâmetros

[ Server=]Endereço_IP

Obrigatório. Especifica o servidor proprietário para o qual você deseja exibir o número de registros. Identifica o servidor pelo endereço IP.

[ MaxVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica a versão alta máxima e baixa máxima dos registros a serem mostrados. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

[ MinVer=]{Alto,Baixo}

Obrigatório. Especifica a versão alta mínima e baixa mínima dos registros a serem mostrados. Os valores alto e baixo são separados por uma vírgula e delimitados por chaves ({}).

Comentários

  • Se tanto MinVer= quanto MaxVer= forem definidos como {0,0}, show reccount contará todo o intervalo de registros.

Exemplos

No exemplo a seguir, este comando exibe a contagem total de registros para o servidor WINS 10.2.2.2.

show reccount Server=10.2.2.2 MaxVer={0,0} MinVer={0,0}

show server

Exibe informações para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

show server

Parâmetros

none

Comentários

  • Este comando exibe o nome e endereço IP do servidor WINS especificado.

show serverstatistics

Exibe as estatísticas do servidor WINS especificado.

Sintaxe

show statistics

Parâmetros

none

show version

Exibe o valor atual máximo do contador de versão para o servidor WINS especificado.

Sintaxe

show version

Parâmetros

none

show versionmap

Exibe a tabela de mapeamentos de identificações de proprietários para números máximos de versão relativa ao servidor WINS especificado.

Sintaxe

show versionmap

Parâmetros

none

***

Netstat

Exibe as conexões TCP ativas, as portas nas quais o computador está escutando, as estatísticas Ethernet, a tabela de roteamento IP, as estatísticas IPv4 (para os protocolos IP, ICMP, TCP e UDP) e as estatísticas IPv6 (para os protocolos IPv6, ICMPv6, TCP via IPv6 e UDP via IPv6). Usado sem parâmetros, netstat exibe as conexões TCP ativas.

Sintaxe

netstat[-a] [-e] [-n] [-o] [-pProtocolo] [-r] [-s] [Intervalo]

Parâmetros

-a

Exibe todas as conexões TCP ativas e as portas TCP e UDP nas quais o computador está escutando.

-e

Exibe estatísticas Ethernet como, por exemplo, o número de bytes e pacotes enviados e recebidos. Este parâmetro pode ser combinado com -s.

-n

Exibe as conexões TCP ativas, porém, os endereços e números de porta são expressos em números, não sendo feita nenhuma tentativa no sentido de determinar nomes.

-o

Exibe conexões TCP ativas e inclui a identificação do processo (PID) de cada conexão. Você pode encontrar o aplicativo com base no PID na guia Processos do Gerenciador de Tarefas do Windows. Este parâmetro pode ser combinado com -a, -n e -p.

-p Protocolo

Exibe as conexões do protocolo especificado por Protocolo. Neste caso, o Protocolo pode ser tcp, udp, tcpv6 ou udpv6. Se este parâmetro for usado com -s para exibir estatísticas por protocolo, Protocolo poderá ser tcp, udp, icmp, ip, tcpv6, udpv6, icmpv6 ou ipv6.

-s

Exibe estatísticas por protocolo. Por padrão, são exibidas estatísticas para protocolos TCP, UDP, ICMP e IP. Se o protocolo IPv6 estiver instalado, serão exibidas estatísticas para os protocolos TCP sobre IPv6, UDP sobre IPv6, ICMPv6 e IPv6. O parâmetro -p pode ser utilizado para especificar um conjunto de protocolos.

-r

Exibe o conteúdo da tabela de roteamento IP. Equivale ao comando route print.

intervalo

Reexibe as informações selecionadas a cada intervalo definido em segundos. Pressione CTRL+C para interromper a reexibição. Se este parâmetro for omitido, netstat imprimirá as informações selecionadas somente uma vez.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Os parâmetros utilizados com este comando devem ser precedidos de um hífen () e não de uma barra (/).
  • Netstat fornece estatísticas para:
  • Proto
    O nome do protocolo (TCP ou UDP).
  • Endereço local
    O endereço IP do computador local e o número da porta em uso. Serão exibidos o nome do computador local que corresponde ao endereço IP e o nome da porta, a menos que o parâmetro -n seja especificado. Se a porta não tiver sido estabelecida, o número da porta será exibido como um asterisco (*).
  • Endereço externo
    O endereço IP e o número da porta do computador remoto ao qual o soquete está conectado. Serão exibidos os nomes que correspondem ao endereço IP e à porta, a menos que o parâmetro -n seja especificado. Se a porta não tiver sido estabelecida, o número da porta será exibido como um asterisco (*).
  • (estado)
    Indica o estado da conexão TCP. Os estados possíveis são os seguintes:
    CLOSE_WAIT
    CLOSED
    ESTABLISHED
    FIN_WAIT_1
    FIN_WAIT_2
    LAST_ACK
    LISTEN
    SYN_RECEIVED
    SYN_SEND
    TIMED_WAIT
    Para obter mais informações sobre os estados de uma conexão TCP, consulte RFC 793.
  • Este comando só estará disponível se o Protocolo de Internet (TCP/IP) estiver instalado como um componente nas propriedades de um adaptador de rede em Conexões de Rede.

Exemplos

Para exibir estatísticas Ethernet juntamente com estatísticas de todos os protocolos, digite:

netstat -e -s

Para exibir estatísticas somente para os protocolos TCP e UDP, digite:

netstat -s -p tcp udp

Para exibir conexões TCP ativas e as identificações de processos a cada 5 segundos, digite:

netstat -o 5

Para exibir conexões TCP ativas e as identificações de processos usando formato numérico, digite:

netstat -n -o

***

Nlb

Depois de instalar e configurar o Balanceamento de Carga de Rede, você pode controlar suas operações e modificar as configurações de parâmetros usando o seu programa de controle, nlb.exe, que é instalado na pasta raiz_do_sistema\System32. Para simplificar e centralizar a administração do sistema, você pode executar o nlb.exe nos hosts de cluster ou em qualquer computador remoto que executa um membro da família Windows Server 2003 que pode acessar o cluster sobre uma rede local ou de longa distância. No entanto, certas ações, como a modificação de parâmetros, pode ser executada somente nos hosts de cluster.

Para executar o nlb.exe de um computador remoto, o controle remoto deve ser habilitado. A opção de controle remoto do Balanceamento de carga de rede apresenta muitos riscos de segurança, incluindo a possibilidade de violação de dados, negação de acesso a serviços e divulgação de informações. Você deve usar apenas o controle remoto em um computador seguro dentro de seu firewall. Como o controle remoto apresenta vários riscos à segurança, é altamente recomendável que você não habilite esse recurso e use, em seu lugar, outras ferramentas de gerenciamento remoto, como o Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede ou o WMI.

Se optar por habilitá-lo, será imprescindível que você restrinja o acesso especificando uma senha de controle remoto de segurança. Você também deve usar um firewall para proteger as portas de controle UDP do Balanceamento de Carga de Rede (as portas que recebem os comandos do controle remoto) para protegê-las contra invasão externa. Por padrão, são as portas 1717 e 2504 no endereço IP do cluster. Para obter mais informações sobre senhas de alta segurança, consulte Senhas de alta segurança.

Como o programa nlb.exe é baseado em shell, ele não pode ser incorporado em scripts administrativos.

Sintaxe

nlbComando [Opções Remotas][/h]

Parâmetros

Comando

Especifica a ação do Balanceamento de carga de rede a ser executada. A tabela a seguir lista os possíveis valores.

 

Valor Descrição
Help Exibe a Ajuda on-line
suspend [{Cluster[:Host] | all {local | global}}] Suspende todas as operações de cluster até que o comando para continuar seja emitido. Suspende temporariamente as operações de cluster se já tiverem sido iniciadas anteriormente. A finalidade do comando é substituir os comandos do controle remoto que podem ser emitidos. Todos os comandos de controle de cluster subseqüentes, exceto resume e query, são ignorados. Os parâmetros opcionais permitem que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.
resume [{Cluster[:Host] | all {local | global}}] Retoma as operações de cluster depois de um comando suspend anterior. As operações de cluster não são reiniciadas, mas o uso de comandos de controle de cluster, incluindo os comandos de controle remoto, são habilitados. Os parâmetros opcionais permitem que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.
start [{Cluster[:Host] | all {local | global}}] Inicia as operações de cluster nos hosts especificados. Dessa forma, todas as portas que foram desabilitadas anteriormente são habilitadas. Os parâmetros opcionais permitem que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.
stop [{Cluster[:Host] | all {local | global}}] Interrompe as operações de cluster nos hosts especificados. Os parâmetros opcionais permitem que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.
drainstop [{Cluster[:Host] | all {local | global}}] Desabilita todo o tratamento de novo tráfego nos hosts especificados. Durante a descarga, os hosts continuam a operar conexões abertas e a interromper suas operações de cluster quando não há mais conexões ativas. O modo de descarga pode ser terminado encerrando-se explicitamente o modo de cluster com o comando de encerramento ou reiniciando-se o tratamento de novo tráfego com o comando para iniciar. Os parâmetros opcionais permitem que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.
enable {vip[{:Porta | :all}] | all[{:Porta | :all}]} {Cluster[:{Host]| all {local | global}}} Habilita o tratamento de tráfego da regra cujo intervalo de portas contém a porta especificada. O primeiro conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a cada endereço IP virtual (vip) ou a vips específicos em uma regra de porta específica ou em todas as portas. Os segundo conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster. Todas as portas especificadas pela regra de porta são afetadas. Se for especificado todas para a porta, este comando será aplicado às portas cobertas por todas as regras de porta. Este comando não terá efeito se os hosts especificados não tiverem iniciado operações de cluster.
disable {vip[{:Porta | :all}] | all[{:Porta | :all}]} {Cluster[:{Host]| all {local | global}}} Desabilita e bloqueia imediatamente todo o tratamento de tráfego da regra cujo intervalo de portas contém a porta especificada. O primeiro conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a cada endereço IP virtual (vip) ou a vips específicos em uma regra de porta específica ou em todas as portas. Os segundo conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster. Todas as portas especificadas pela regra de porta são afetadas. Se for especificado todas para a porta, este comando será aplicado às portas cobertas por todas as regras de porta. Todas as conexões ativas nos hosts especificados são bloqueadas. Para manter as conexões ativas, use a função de descarga. Isso não terá efeito se os hosts especificados não tiverem iniciado operações de cluster.
drain {vip[{:Porta | :all}] | all[{:Porta | :all}]} {Cluster[:{Host]| all {local | global}}} Desabilita o tratamento de novo tráfego da regra cujo intervalo de portas contém a porta especificada. O primeiro conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a cada endereço IP virtual (vip) ou a vips específicos em uma regra de porta específica ou em todas as portas. Os segundo conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster. Todas as portas especificadas pela regra de porta são afetadas. Se for especificado todas para a porta, este comando será aplicado às portas cobertas por todas as regras de porta. Não são permitidas novas conexões com os hosts especificados, mas todas as conexões ativas são mantidas. Para desativar as conexões ativas, use o comando de desativação. Este comando não terá efeito se os hosts especificados não tiverem iniciado operações de cluster.
query [{Cluster[:Host]| all {local | global}}] Exibe o estado do cluster atual e a lista de prioridades de host dos membros atuais do cluster. Os estados possíveis são: Desconhecido. O host que responde não iniciou operações de cluster e não pode determinar o seu estado. Convergindo. no momento, o cluster está tentando convergir para um estado consistente. Uma convergência demorada normalmente indica um problema nos parâmetros do cluster. Se isso ocorrer, verifique os logs de evento nos hosts de cluster das mensagens do Balanceamento de Carga de Rede que o avisam sobre a origem do problema. Descarregando. O cluster convergiu e o host que responde está descarregando as conexões ativas como resposta a um comando drainstop. Convergido como padrão. O cluster convergiu e o host que responde é o padrão atual (o host de prioridade mais alta sem um comando drainstop em andamento). O host padrão manipula o tráfego de rede de todas as portas TCP/UDP não cobertas pelas regras de porta. Convergido. O cluster convergiu e o host que responde não é o host padrão.

Os parâmetros opcionais permitem que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.

queryport [{vip:]Porta [Cluster[:Host] | all [{local | global}]}] Exibe informações sobre uma determinada regra de porta. O primeiro parâmetro especifica a regra de porta a ser consultada. Especifique a regra de porta usando um número de porta no intervalo da regra de porta que deseja consultar. Se necessário, você também pode especificar um endereço virtual IP (VIP). O padrão é todos os VIPs. No entanto, se uma regra de porta particular for atribuída somente a um VIP específico (em oposição a todos os VIPs) você deve especificar o VIP apropriado para que a regra de porta seja encontrada por este comando.

Os segundo conjunto de parâmetros opcionais permite que o comando faça referência a um cluster específico, um cluster específico em um host específico, todos os clusters do computador local ou a todos os computadores globais que fazem parte do cluster.

As informações retornadas incluem:

  • Informações que informam se a regra de porta foi encontrada ou uma indicação de que ela não foi encontrada
  • O estado da regra de porta (Habilitada, Desabilitada ou Descarregando)
  • Uma contagem de pacotes aceitos e ignorados nessa regra de porta. Esses contadores são redefinidos toda vez que o cluster reconverge. Por exemplo, se você adicionar um host ao cluster, você deve ver os contadores redefinidos em todos os hosts no cluster. Esses contadores podem ser usados como um método muito simples para calcular o equilíbrio de carga. Por exemplo, se um determinado host aceitou 5000 pacotes e ignorou cerca de 10000, esse host está lidando com aproximadamente 33% da carga dessa regra de porta. Lembre-se de que esses números dependem de vários fatores e devem ser usados apenas como uma estimativa do peso da carga real.
reload [{Cluster | all}] (somente local) Recarrega os parâmetros atuais do driver do Balanceamento de carga de rede do Registro. As operações de cluster no host local são encerradas automaticamente e reiniciadas se necessário. Se houver um erro nos parâmetros, o host não ingressará no cluster e um aviso é exibido. Se isso ocorrer, abra a caixa de diálogo <b>Propriedades de Balanceamento de carga de rede</b> para corrigir o problema.
display [{Cluster | all}] (somente local) Exibe várias informações sobre os parâmetros do Balanceamento de carga de rede atuais, o estado do cluster e a sua atividade passada. Os últimos registros de logs de evento produzidos pelo Balanceamento de carga de rede são mostrados, incluindo os dados binários anexados a esses registros. Esse comando é criado para auxiliar no suporte e na depuração técnica.

As informações do Registro recuperadas pelo comando display mostram qual seria o próximo estado do Balanceamento de Carga de Rede se um recarregamento ou alguma outra operação que fizesse com que o driver lesse o Registro fosse executada. As informações do Registro poderiam ou não ser o estado atual do Balanceamento de carga de rede.

params [{Cluster | all}] (somente local) Exibe informações sobre a configuração atual do Balanceamento de carga de rede. Esse comando é semelhante ao comando display; no entanto, em vez de recuperar as informações do Registro, o comando params consulta diretamente do driver do modo de kernel. As informações exibidas são, portanto, o estado atual do Balanceamento de carga de rede. (As informações do Registro recuperadas pelo comando display mostram qual seria o próximo estado do Balanceamento de Carga de Rede se um recarregamento ou alguma outra operação que fizesse com que o driver lesse o Registro fosse executada. As informações do Registro poderiam ou não ser o estado atual do Balanceamento de carga de rede.) Além das informações sobre a configuração, nlb params exibe variáveis de estado do kernel, incluindo o número atual de conexões mantidas pelo Balanceamento de Carga de Rede e o número de alocações dinâmicas que foram necessárias para o controle da conexão.
ip2macCluster Exibe o endereço de controle de acesso da mídia correspondente ao nome de cluster ou endereço IP especificado. Se o suporte à multicast estiver habilitado, o endereço de controle de acesso da mídia de multicast é usado pelo Balanceamento de carga de rede para operações de cluster. Caso contrário, o endereço de controle de acesso da mídia de unicast é usado. Esse comando é útil para criar uma entrada ARP estática no roteador se necessário.

[ opções remotas]

Especifica as opções remotas quando estiver usando operações de controle remoto. A tabela a seguir descreve as opções possíveis.

 

Valor Descrição
/PASSWSenha Especifica a senha do controle remoto
/PORTPorta Especifica a porta UDP do controle remoto do cluster.
/local Executa as operações somente no computador local.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • O comando nlb.exe substitui wlbs.exe. WLBS significa Serviço de Balanceamento de carga de rede no Windows NT, o nome anterior do Balanceamento de carga de rede no Windows NT 4.0. Para fins de compatibilidade com versões anteriores, WLBS continuará a ser usado em determinadas instâncias.
  • O parâmetro do cluster pode ser o nome de Internet completo do cluster ou o endereço IP primário do cluster. Para obter mais informações, consulte Parâmetros do Balanceamento de Carga de Rede.
    Você pode omitir a opção de cluster quando estiver executando o nlb.exe diretamente em um host de cluster. Nesta instância, o comando se aplica somente ao host de cluster local.
    Para abordar o cluster como um todo ou um host diferente no cluster, você também deverá especificar o cluster de destino ou o cluster de destino e o host específico em conjunto.
  • O parâmetro do host especifica o host no cluster ao qual o comando deve ser aplicado. Se o parâmetro do host for omitido, o comando é aplicada a todos os hosts no cluster.
    Você pode especificar o nome do host usando o nome de host de Internet, o endereço IP ou as prioridades de host exclusivas atribuídas na caixa de diálogo Propriedades do Balanceamento de Carga de Rede. Você pode usar o valor da prioridade do host especial 0 (zero) para se referir ao host padrão em um cluster.
    Você pode omitir a opção de host quando estiver executando o nlb.exe diretamente em um host de cluster. Nesta instância, o comando se aplica somente ao host de cluster local.
    Para abordar o cluster como um todo ou um host diferente no cluster, você também deverá especificar o cluster de destino ou o cluster de destino e o host específico em conjunto.
  • Alguns comandos podem ser chamados somente em hosts de cluster (chamados acima como “somente local”).
  • Os hosts do Balanceamento de Carga de Rede podem ser configurados para ingressar o cluster automaticamente na inicialização ou para aguardar o comando nlb start habilitando a opção do estado de host inicial na caixa de diálogo Propriedades do Balanceamento de Carga de Rede. Você pode usar esse comando com o comando nlb stop para alterar os parâmetros de cluster do host local sem colocar todo o cluster offline. Para obter mais informações, consulte Parâmetros do Balanceamento de Carga de Rede.
  • Você pode modificar os parâmetros do Balanceamento de Carga de Rede (por exemplo, para adicionar uma regra de porta) sem interromper o serviço do cluster para os clientes. Para isso, tire um host do cluster, atualize seus parâmetros e o retorne ao cluster. Durante esse processo, outros hosts de cluster detectarão inconsistências nas regras e eles tratarão essas inconsistências de uma forma que minimize a interrupção do serviço para os clientes. Para obter mais informações sobre como as inconsistências são tratadas pelo Balanceamento de Carga de Rede, consulte Detecção e tratamento de erros.
  • Você pode usar os comandos nlb disable e nlb enable para personalizar as respostas do cluster para várias falhas. Por exemplo, se o programa de monitoramento SNMP indicar que um programa do servidor Web em um dos hosts falhou, você pode emitir o comando nlb disable 80 para impedir que um host aceite quaisquer solicitações cliente para a porta do servidor Web especificado, fazendo com que outros hosts de cluster manipulem sua carga. Depois que o servidor Web for reiniciado, o comando nlb enable 80 pode ser emitido para permitir que o host retome o tratamento de uma parte da carga de rede do cluster da porta.

Exemplos

A tabela a seguir fornece alguns exemplos de como esses comandos são usados:

 

Exemplo Descrição
nlb help Retornar as informações da Ajuda.
nlb query <mycluster> Consulta o status de todos os hosts em meu_cluster.
nlb stop Interrompe as operações de cluster no host do cluster local.
nlb stop <mycluster> Interrompe as operações de cluster de todos os hosts de cluster em meu_cluster.
nlb start <mycluster>:2 Reinicia as operações de cluster do host 2 em meu_cluster.
nlb disable 80 Desativa o tratamento do host local do novo tráfego de rede da porta do servidor Web (porta 80).
nlb ip2mac <mycluster> Exibe os endereços de controle de acesso da mídia correspondente ao meu_cluster.

A tabela a seguir resume as formas que os parâmetros do cluster e do host podem ter:

 

Parâmetro do cluster e do host Exemplo Ação
(omitido) nlb stop Chama o comando no host de cluster atual.
Cluster nlb stop <mycluster> Chama o comando em todos os hosts de cluster.
Cluster:Host nlb stop \

<mycluster>:<host1>

Chama o comando no host de cluster específico.

A tabela a seguir fornece exemplos de possibilidade de identificação diferentes para clusters e hosts:

 

Exemplo Descrição
<mycluster>:<host1> Nomes de host de Internet
<w>.<x>.<y>.<z>:<w>.<x>.<y>.<z> Endereços IP
<mycluster>:<w>.<x>.<y>.<z> Mistura de nome e endereço IP
<mycluster>:1 Host 1 em meu_cluster
<mycluster>:0 Host padrão em meu_cluster
<mycluster> Todos os hosts em meu_cluster

 

***

Nlbmgr

Nlbmgr

Usando o Gerenciador de balanceamento de carga de rede, você pode configurar e gerenciar os clusters do Balanceamento de carga de rede e todos os hosts de cluster de um único computador e também pode replicar a configuração do cluster para outros hosts. Você pode iniciar o Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede a partir da linha de comando usando o comando nlbmgr.exe, que é instalado na pasta raizdosistema\System32 na família de produtos Windows Server 2003.

Sintaxe

nlbmgr [/help] [/noping] [/hostlistNome_do_Arquivo] [/autorefresh [Intervalo]]

Parâmetros

/help

Exibe ajuda no prompt de comando.

/noping

O Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede não executará ping nos hosts antes de tentar contatá-los por meio do WM (Instrumentação de Gerenciamento do Windows). Use essa opção se tiver desabilitado o ICMP em todos os adaptadores de rede disponíveis. Se você usar essa opção, sofrerá um atraso se o Gerenciador de balanceamento de carga de rede tentar contatar um host que não está disponível.

/hostlistNome_de_Arquivo

Depois que o Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede for iniciado, os hosts especificados em Nome_de_Arquivo serão carregados no Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede.

/autorefresh [Intervalo]

Faz com que o Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede atualize seu host e as informações de cluster a cada [Intervalo] segundos. Se nenhum intervalo for especificado, as informações são atualizadas a cada 60 segundos.

Comentários

  • Como parte do Pacote de Ferramentas de Administração do Windows Server 2003, o Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede também poderá ser instalado e usado no Windows XP Professional. É possível usar o Gerenciador de Balanceamento de Carga de Rede no Windows XP Professional somente para gerenciar clusters de Balanceamento de Carga de Rede em computadores remotos que executam a família de produtos Windows Server 2003. Não é possível instalar o serviço de Balanceamento de Carga de Rede propriamente dito no Windows XP Professional.

***

Nslookup

Exibe informações que você pode usar para diagnosticar a infra-estrutura do sistema de nomes de domínios (DNS). Antes de utilizar esta ferramenta, você deve estar familiarizado com o funcionamento do DNS. A ferramenta de linha de comando Nslookup só estará disponível se você tiver instalado o protocolo TCP/IP.

Sintaxe

nslookup [Subcomando] [{Computador_a_Ser_Localizado | Servidor}]

Parâmetros

Subcomando

Especifica um ou mais subcomandos nslookup como uma opção de linha de comando. Para obter uma lista de subcomandos, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

computador_a_ser_localizado

Pesquisa informações do Computador_a_Ser_Localizado utilizando o servidor de nomes DNS padrão atual, se nenhum outro servidor tiver sido especificado. Para pesquisar um computador que não esteja no domínio DNS atual, acrescente um ponto ao nome.

Servidor

Especifica o uso deste servidor como o servidor de nomes DNS. Se você omitir Servidor, será utilizado o servidor de nomes DNS padrão.

{ help | ?}

Exibe um breve resumo dos subcomandos de nslookup.

Comentários

  • Se Computador_a_Ser_Localizado for um endereço IP e a consulta for para um tipo de registro de recurso A ou PTR, será apresentado o nome do computador. Se Computador_a_Ser_Localizado for um nome e não possuir um ponto à direita, o nome do domínio DNS padrão será anexado ao nome. Este comportamento depende do estado dos seguintes subcomandos de set: domain, srchlist, defname e search.
  • Se você digitar um hífen (-) no lugar de Computador_a_Ser_Localizado, o prompt de comando passa ao modo interativo de nslookup.
  • O comprimento da linha de comando deve ser inferior a 256 caracteres.
  • Nslookup possui dois modos: interativo e não interativo.
    Se você precisar pesquisar somente uma única informação, utilize o modo não interativo. Como primeiro parâmetro, digite o nome ou endereço IP do computador a ser pesquisado. Como segundo parâmetro, digite o nome ou endereço IP de um servidor de nomes DNS. Se você omitir o segundo argumento, nslookup utilizará o servidor de nomes DNS padrão.
    Se você precisar pesquisar mais de uma informação, utilize o modo interativo. Digite um hífen (-) como primeiro parâmetro e o nome ou endereço IP de um servidor de nomes DNS como segundo parâmetro. Ou omita ambos os parâmetros para que nslookup utilize o servidor de nomes DNS padrão. Veja abaixo algumas dicas de como trabalhar no modo interativo:
  • Para interromper comandos interativos a qualquer momento, digite Ctrl+B.
  • Para sair, digite exit.
  • Para tratar um comando interno como um nome de computador, preceda o comando de um caractere de escape (\).
  • Um comando não reconhecido é interpretado como um nome de computador.
  • Se a solicitação de pesquisa falhar, nslookup imprimirá uma mensagem de erro. A tabela a seguir lista as possíveis mensagens de erro.

 

Mensagem de erro Descrição
Timed out O servidor não respondeu a uma solicitação depois de certo período de tempo e certo número de tentativas. O período de tempo limite pode ser definido pelo subcomando set timeout. O número de tentativas pode ser definido pelo subcomando set retry.
No response from server Nenhum servidor de nomes DNS está sendo executado no computador servidor.
No records O servidor de nomes DNS não possui registro de recurso do tipo de consulta atual ao computador, embora o nome do computador seja válido. O tipo de consulta é especificado pelo comando set querytype.
Nonexistent domain O computador ou nome DNS do domínio não existe.
Connection refused

-ou-

Network is unreachable

A conexão com o servidor de nomes DNS ou servidor finger não pôde ser estabelecida. Este erro costuma ocorrer com solicitações ls e finger.
Server failure O servidor de nomes DNS encontrou uma inconsistência interna em seu banco de dados e não pôde apresentar uma resposta válida.
Refused O servidor de nomes DNS recusou-se a atender à solicitação.
Format error O servidor de nomes DNS descobriu que o pacote de solicitação não estava no formato apropriado. Isso pode indicar um erro em nslookup.
  • Para obter mais informações sobre o comando nslookup e DNS, consulte os seguintes recursos:
  • Usando o Windows Deployment and Resource Kits
  • DNS (sistema de nomes de domínios)
  • Lee, T., Davies, J. 2000. Microsoft Windows 2000 TCP/IP Protocols and Services Technical Reference. Redmond, Washington: Microsoft Press.
  • Albitz, P., Loukides, M. e C. Liu. 2001. DNS and BIND, Fourth Edition. Sebastopol, California: O’Reilly and Associates, Inc.
  • Larson, M. e C. Liu. 2001. DNS on Windows 2000. Sebastopol, California: O’Reilly and Associates, Inc.

Exemplos

Cada opção de linha de comando consiste em um hífen (-) seguido imediatamente do nome do comando e, em alguns casos, de um sinal de igual (=) e, em seguida, um valor. Por exemplo, para alterar o tipo de consulta padrão para informações do (computador) host e o tempo limite inicial para 10 segundos, digite:

nslookup -querytype=hinfo -timeout=10

Formatando legenda

Formato Significado
Itálico Informações que o usuário deve fornecer
Negrito Elementos que o usuário deve digitar exatamente como é exibido
Reticências (…) Parâmetro que pode ser repetido várias vezes em uma linha de comando
Entre colchetes ([]) Itens opcionais
Entre chaves ({}); opções separadas por barra vertical (|). Exemplo: {even|odd} Conjunto de opções entre as quais o usuário deve escolher apenas uma
Courier font Saída de código ou de programa

 

Subcomandos do nslookup

Para obter mais informações, clique no comando:

***

Ntbackup

Realiza operações de backup em um prompt de comando ou a partir de arquivos em lotes usando o comando ntbackup seguido de vários parâmetros.

Sintaxe

ntbackup backup [systemstate]”@Nome_do_Arquivo.bks” /J{Nome_do_Trabalho} [/P {Nome_do_Pool}] [/G {Nome_do_GUID}] [/T {Nome_da_Fita}] [/N {Nome_da_Mídia}] [/F {Nome_do_Arquivo}] [/D {Definir_Descrição}] [/DS {Nome_do_Servidor}] [/IS {Nome_do_Servidor}] [/A] [/V:{yes | no}] [/R:{yes | no}] [/L:{f | s | n}] [/M {Tipo_de_Backup}] [/RS:{yes | no}] [/HC:{on | off}]

Parâmetros

systemstate

Especifica que você deseja fazer backup dos dados do Estado do sistema. Quando essa opção for selecionada, o tipo de backup será normal ou cópia.

@Nome_do_Arquivo.bks

Especifica o nome do arquivo de seleção de backup (arquivo .bks) a ser usado para essa operação de backup. O caractere @ deve preceder o nome do arquivo de seleção de backup. Um arquivo de seleção de backup contém informações sobre os arquivos e pastas selecionados para backup. O arquivo deve ser criado com o uso da versão de interface gráfica do usuário (GUI) do Backup.

/J {“Nome_Do_Trabalho“}

Especifica o nome do trabalho a ser usado no arquivo de relatório de backup. Normalmente, o nome do trabalho descreve os arquivos e pastas que estão sofrendo backup no trabalho de backup atual.

/P {“Nome_Do_Pool“}

Especifica o pool de mídia no qual está a mídia que você deseja usar. Em geral, será um subpool do pool de mídia de backup, por exemplo, 4mm DDS. Se você fizer essa seleção, não poderá usar as opções de linha de comando /A, /G, /F ou /T.

/G {“Nome_do_GUID“}

Substitui ou acrescenta a essa fita. Não use essa opção junto com /P.

/T {“Nome_Da_Fita“}

Substitui ou acrescenta a essa fita. Não use essa opção junto com /P.

/N {“Nome_Da_Mídia“}

Especifica o novo nome de fita. Não use /A com essa opção.

/F {“Nome_Do_Arquivo“}

Caminho do disco lógico e nome do arquivo. Você não deve usar as opções a seguir com essa opção: /P /G /T.

/D {“Definir_Descrição“}

Especifica um rótulo para cada conjunto de backup.

/DS {“Nome_Do_Servidor“}

Faz backup do arquivo do serviço de diretório do Microsoft Exchange Server especificado.

/IS {“Nome_Do_Servidor“}

Faz backup do arquivo de Armazenamento de informações do Microsoft Exchange Server especificado.

/A

Executa uma operação de acréscimo. /G ou /T devem ser usados junto com essa opção. Não use essa opção junto com /P.

/V:{yes | no}

Verifica se há erros no disco que poderiam ter ocorrido quando os arquivos foram copiados em uma fita. Isso pode aumentar consideravelmente o tempo necessário à execução de um backup.

/R:{yes | no}

Restringe o acesso a essa fita ao proprietário ou aos membros do grupo Administradores.

/L:{f | s | n}

Especifica o tipo de arquivo de log: f=completo, s=resumo, n=nenhum (nenhum arquivo de log é criado).

/M {Tipo_De_Backup}

Especifica o tipo de backup. O tipo de backup deve ser um dos seguintes: cópia, diferencial, normal, incremental e diário.

/RS:{yes | no}

Faz backup dos arquivos de dados migrados localizados no <b>Armazenamento Remoto</b>. A opção de linha de comando /RS não precisa ser usada para fazer backup do banco de dados local Armazenamento Removível (que contém os arquivos de espaço reservado do Armazenamento Remoto). Quando você faz backup da pasta %systemroot%, também é feito um backup automático do banco de dados do Armazenamento Removível.

/HC:{on | off}

Usa compactação de hardware, se estiver disponível, na unidade de fita.

/M {Tipo_De_Backup}

Especifica o tipo de backup. O tipo de backup deve ser um dos seguintes: cópia, diferencial, normal, incremental e diário.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Você não pode restaurar arquivos a partir da linha de comando usando o comando ntbackup.
  • As opções de linha de comando a seguir têm como padrão o que você tiver definido através da versão de interface gráfica do usuário (GUI) do Backup, a menos que sejam alteradas por uma opção de linha de comando: /V /R /L /M /RS /HC. Por exemplo, se a compactação de hardware tiver sido ativada na caixa de diálogo Opções do Backup, ela será usada se a opção /HC não for especificada na linha de comando. Porém, se você especificar a opção /HC:off na linha de comando, a definição da caixa de diálogo Opções será ignorada e a compactação não será usada.
  • Se o Windows Media Services estiver sendo executado no computador e você desejar fazer backup dos arquivos associados a esse serviço, consulte “Executar backup com o Windows Media Services ” na documentação on-line do Windows Media Services. Siga os procedimentos descritos na documentação on-line antes fazer backup ou restaurar arquivos associados ao Windows Media Services.
  • Você só pode fazer backup dos dados do Estado do Sistema em um computador local. Não é possível fazê-lo em um computador remoto.
  • Se você estiver usando o Armazenamento Removível para gerenciar mídia, ou se estiver usando o Armazenamento Remoto para armazenar dados, deve fazer regularmente o backup dos arquivos que estão nas seguintes pastas:
    raiz_do_sistema\System32\Ntmsdata
    raiz_do_sistema\System32\Remotestorage
    Esse procedimento garantirá que todos os dados do <b>Armazenamento Remoto</b> e do <b>Armazenamento Removível</b> possam ser restaurados.

Exemplos

Os quatro exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando ntbackup:

Para executar um backup comum

O exemplo a seguir executa um backup normal denominado “Meu trabalho 1” do compartilhamento remoto \\iggy-multi\c$. Este exemplo puxa uma fita do pool de mídia do Backup e dá a ela o nome de “Backup de Linha de Comando 1”. A descrição do trabalho de backup será “Funcionalidade da linha de comando”. O backup será verificado após a conclusão do trabalho de backup, o acesso não será restrito ao proprietário/administrador, o nível de log será definido para somente resumo, não será feito backup dos dados do Armazenamento Remoto e a compactação de hardware será habilitada.

ntbackup backup \\iggy-multi\c$ /m normal /j “Meu trabalho 1” /p “Backup” /n “Backup de linha de comando 1” /d “Funcionalidade da linha de comando” /v:yes /r:no /l:s /rs:no /hc:on

Para executar um backup de cópia

O exemplo a seguir executa um backup de cópia denominado “Meu Trabalho 2” na unidade D:\ local. Os arquivos e pastas de backup serão acrescentados a uma fita denominada “Backup de linha de comando 1”. Todas as outras opções serão padrão, de acordo com a especificação do programa Backup.

ntbackup backup d:\ /j “Meu trabalho 2” /a /t “Backup de linha de comando 1” /m copy

Para executar um backup usando o tipo de backup especificado em Backup

O exemplo a seguir executa um backup usando o tipo de backup especificado no programa Backup. Será usado o arquivo de seleção de backup denominado Linhadecomando.bks, localizado na pasta C:\Arquivos de programas\Windows NT\ntbackup\data\ para escolha dos arquivos para backup. O nome do trabalho de backup será “Meu trabalho 3” e a fita denominada “Backup de linha de comando 1” terá seu nome alterado para “Backup de linha de comando 2”.

ntbackup backup “@C:\Arquivos de Programas\Windows NT\ntbackup\data\linhadecomando.bks” /j “Meu trabalho 3” /t “Backup de linha de comando 1” /n “Backup de linha de comando 2”

Para executar um backup em um arquivo da linha de comando

Os exemplos a seguir mostram como executar um backup para um arquivo a partir de uma linha de comando. Os três exemplos usam os valores padrão do programa Backup para tipo de backup, definições de verificação, nível de log, compactação de hardware e quaisquer outras restrições. O primeiro exemplo mostra como fazer backup de \\iggy-multi\d$ para o arquivo D:\Backup.bkf. O segundo exemplo mostra como anexar o mesmo backup ao mesmo arquivo. O terceiro exemplo mostra como substituir o arquivo pelo mesmo backup. Nos três exemplos, um nome UNC completo poderia ser substituído pelas letras de unidade (isto é, em vez de d:\backup.bkf, o usuário podia especificar \\iggy-multi\d$\backup.bkf como destino de backup).

ntbackup backup \\iggy-multi\d$ /j “Backup de linha de comando 4” /f “D:\backup.bkf”

ntbackup backup \\iggy-multi\d$ /j “Backup de linha de comando 5” /f “D:\backup.bkf” /a

ntbackup backup \\iggy-multi\d$ /j “Backup de linha de comando 6” /f “D:\backup.bkf”

***

Ntcmdprompt

Executa o interpretador de comandos Cmd.exe em vez do Command.com, depois de executar um TSR ou depois de iniciar o prompt de comando a partir de um aplicativo do MS-DOS.

Sintaxe

ntcmdprompt

Parâmetros

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Quando o Command.com está sendo executado, alguns recursos do Cmd.exe como, por exemplo, a exibição do histórico de comandos do doskey, não ficam disponíveis. Se você preferir executar o interpretador de comandos Cmd.exe depois de ter iniciado um TSR ou o prompt de comando a partir de um aplicativo baseado no MS-DOS, poderá utilizar o comando ntcmdprompt. No entanto, lembre-se que o TSR poderá não estar disponível para uso quando você estiver executando o Cmd.exe. Você pode incluir o comando ntcmdprompt no arquivo Config.nt ou no arquivo de inicialização personalizado equivalente especificado em um arquivo de informações de programa (PIF) do aplicativo.

Exemplos

Para incluir ntcmdprompt no arquivo Config.nt ou no arquivo de inicialização de configuração especificado no PIF, digite:

ntcmdprompt

***

Ntdsutil

Ntdsutil.exe é uma ferramenta de linha de comando que oferece recursos de gerenciamento para o Active Directory. Use o Ntdsutil.exe para executar a manutenção do banco de dados do Active Directory, gerenciar e controlar operações mestre simples e remover metadados deixados por controladores de domínio que foram removidos da rede sem serem desinstalados de forma correta. Esta ferramenta deve ser usada por administradores experientes.

Para exibir a sintaxe do comando, clique em um comando:

Authoritative restore

Restaura controladores de domínio a um ponto específico no tempo e marca objetos no Active Directory como tendo autorização em relação aos seus parceiros de replicação. Nas florestas que tiverem um nível funcional do Windows Server 2003 ou Windows Server 2003 interim, essa opção também restaurará backlinks para os vínculos criados após a elevação do nível funcional. Por exemplo, os atributos de membros de grupos aos quais um objeto de usuário pertence são atualizados. Nos controladores de domínio que executam a versão do Ntdsutil incluída no Windows Server 2003 Service Pack 1 (SP1), a opção authoritative restore cria um arquivo LDIF (LDAP Data Interchange Format) que pode ser usado para restaurar backlinks referentes a links criados antes da elevação do nível funcional.

Em authoritative restore: digite qualquer um dos parâmetros listados em Sintaxe.

Sintaxe

{create ldif file(s) from %s|restore database|restore database verinc %d|restore object %s|restore object verinc %d|restore subtree %s|restore subtree %s verinc %d}

Parâmetros

create ldif file(s) from %s

Disponível na versão de Ntdsutil fornecida com o Windows Server 2003 SP1. Essa opção cria um arquivo LDIF de atualizações de vínculo com base no arquivo de texto gerado por Ntdsutil nomeado em %s. Esse arquivo poderá ser usado para atualizar backlinks nos objetos em um domínio que não seja o do objeto restaurado. Por exemplo, esse arquivo pode ser usado para restaurar o grupo de um usuário que pertença a um domínio diferente daquele do usuário.

restore database

Marca todo o Ntds.dit (as partições de diretório de domínio e de configuração mantidas pelo controlador de domínio) como autoritárias. O esquema não pode ser restaurado de forma autoritária.

restore database verinc %d

Marca todo o Ntds.dit (as partições de diretório de domínio e de configuração mantidas pelo controlador de domínio) como autoritário e incrementa o número da versão em %d vezes o número de dias desde o backup. Use esta opção somente para restaurar, de forma autoritária, uma restauração autoritária anterior incorreta como, por exemplo, uma restauração autoritária de um backup que contém o problema que você deseja restaurar.

%d

Um valor numérico que substitui o padrão de 100.000. O número da versão do objeto ou banco de dados restaurado com autorização será aumentado com esse valor vezes o número de dias desde o backup.

restore object %s

Marca o objeto %s como tendo autorização. Quando você usa a versão de Ntdsutil fornecida com o Windows Server 2003 SP1, essa opção também gera um arquivo de texto que contém o nome distinto do objeto restaurado e um arquivo LDIF que pode ser usado para restaurar backlinks para objetos sendo restaurados com autorização (como usuários de grupos).

restore object %s verinc %d

Marca o objeto %scomo tendo autorização e atualiza os vínculos conforme descrito em restore object %s e incrementa o número da versão  %d vezes o número de dias desde o backup. Use esta opção somente para restaurar, com autorização, uma restauração autoritária anterior incorreta como, uma restauração de autorização de um backup que contém o problema que você deseja restaurar.

restore subtree %s

Marca a subárvore %s (e todos os seus filhos) como tendo autorização. Quando você usa a versão de Ntdsutil fornecida com o Windows Server 2003 SP1, essa opção também gera um arquivo de texto que contém os nomes distintos dos objetos restaurados e um arquivo LDIF que pode ser usado para restaurar backlinks para objetos sendo restaurados com autorização (como usuários de grupos).

restore subtree %s verinc %d

Marca a subárvore %s (e todos os seus filhos) como tendo autorização e atualiza os vínculos conforme descrito em restore subtree %s, além de incrementar o número da versão em %d vezes o número de dias desde o backup. Use esta opção somente para restaurar, com autorização, uma restauração autoritativa anterior incorreta, por exemplo, uma restauração autoritativa de um backup que contém o problema que você deseja restaurar.

%s

Uma variável alfanumérica, um nome distinto para uma subárvore ou objeto restaurado ou um nome para um arquivo de texto usado na criação de um arquivo LDIF.

quit (encerrar)

Leva você de volta ao menu anterior ou sai do utilitário.

? ou help

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Quando você está restaurando o controlador de domínio usando programas de backup e de restauração, como o Ntbackup ou os de outros provedores, o modo padrão da restauração é o não autoritário. Isso significa que o servidor restaurado é atualizado com suas réplicas por meio de um mecanismo de replicação normal. Por exemplo, se um controlador de domínio for restaurado de uma fita de backup que tem duas semanas, quando você reiniciá-lo, o mecanismo de replicação normal o atualizará em relação aos parceiros de replicação.
  • Pode ser necessário executar uma restauração autoritária se um administrador excluir de forma inadvertida uma unidade organizacional que contém um grande número de usuários. Se restaurar o servidor da fita, o processo de replicação normal não restaurará a unidade organizacional excluída inadvertidamente. A restauração autoritária permite que você marque a unidade organizacional como autoritária e force o processo de replicação para restaurar todos os outros controladores de domínio no domínio.

Configurable settings (configurações personalizáveis)

Ajuda na modificação da TTL dos dados dinâmicos armazenados no Active Directory. No prompt configurable setting:, digite qualquer um dos parâmetros listados em Sintaxe.

Sintaxe

{cancel changes|connections|list|set %s to %s|show values}

Parâmetros

cancel changes (cancelar alterações)

Cancela as alterações feitas, mas ainda não confirmadas.

connections (conexões)

Chama o submenu conexões do servidor.

list (listar)

Lista os nomes das definições configuráveis para as quais há suporte.

set %s to %s

Define as configurações %s1 como o valor %s2.

show values (exibir valores)

Exibe os valores das definições configuráveis.

%s

Uma variável alfanumérica, como o nome do domínio ou do controlador de domínio.

quit (encerrar)

Leva você de volta ao menu anterior ou sai do utilitário.

? ou help

Exibe ajuda no prompt de comando.

Domain management (gerenciamento do domínio)

Permite que os administradores membros do grupo Administradores de empresas preparem objetos de referência cruzada e de servidor no diretório. No prompt domain management:, digite qualquer um dos parâmetros listados em Sintaxe.

Sintaxe

{add nc replica %s %s|connections|create nc %s %s|remove nc replica %s %s|list|list nc information %s|list nc replicas %s|precreate %s %s|delete NC %s|select operation target|set nc reference domain %s %s|set nc reference domain %s %s|set nc replicate notification delay %s %d %d}

Parâmetros

add nc replica %s %s

Adiciona o controlador de domínio %s2 ao conjunto de réplicas do Contexto de Nomeação sem Domínio %s1. Se %s2 não for especificado, o controlador de domínio ao qual você está conectado é usado como padrão.

connections (conexões)

Chama o submenu Conexões do servidor.

create nc %s %s

Cria o Contexto de Nomeação sem Domínio %s1, no CD %s2. Se %s2 não for especificado, o controlador de domínio conectado no momento será usado. Para não especificar nenhum argumento, digite (NULL).

remove nc replica %s %s

Remove o controlador de domínio %s2 do conjunto de réplicas do Contexto de Nomeação sem Domínio %s1. Se %s2 não for especificado, o controlador de domínio conectado no momento será usado.

list (listar)

Lista todos os contextos de nomeação que existem na empresa, os contextos de esquema e de nomeação da configuração e os contextos de nomeação de domínio.

list nc information %s

Imprime o domínio de referência e os atrasos de replicação do contexto de nomeação sem domínio.

list nc replicas %s

Imprime a lista de controladores de domínio no conjunto de réplicas do Contexto de Nomeação sem Domínio %s. Lembre-se de que essa é a lista de controladores de domínio que mantêm, normalmente, as réplicas dos contextos de nomeação sem domínio e que essas réplicas podem não ter sido totalmente replicadas ainda.

precreate %s %s

Cria um objeto de referência cruzada para o domínio %s1 que permite que um servidor chamado %s2 seja promovido como o controlador de domínio do domínio. O nome de domínio deve ser especificado através de um nome totalmente distinto e o servidor deve ser nomeado com o nome DNS totalmente qualificado.

delete nc %s

Remove o Contexto de Nomeação sem Domínio %s. Antes de removê-lo, todas as réplicas devem ser removidas e a remoção deve ser replicada de volta ao mestre de operações de nomeação de domínio.

select operation target (selecionar destino da operação)

Chama o submenu Selecionar destino da operação.

set nc reference domain %s %s

Define o domínio de referência do Contexto de Nomeação sem Domínio %s1 como %s2. O domínio %s2 deve ser especificado em um formato de nome DNS de domínio. Exemplo: widgets.microsoft.com.

set nc replicate notification delay %s %d %d

Define os atrasos de notificação do contexto de nomeação sem domínio %s como %d1 e %d2 para o atraso decorrido entre a notificação das alterações do primeiro controlador de domínio e o atraso da notificação das alterações dos controladores de domínio subseqüentes respectivamente.

%s

Uma variável alfanumérica, como o nome do domínio ou do controlador de domínio.

%d

Uma variável numérica, como períodos de atraso na replicação.

quit (encerrar)

Leva você de volta ao menu anterior ou sai do utilitário.

? ou help

Exibe ajuda no prompt de comando.

Files (Arquivos)

Fornece comandos para gerenciar os dados de serviços de diretório e os arquivos de log. O arquivo de dados é chamado Ntds.dit. No prompt files:, digite qualquer um dos parâmetros listados em Sintaxe.

Sintaxe

{compact to %s|header|info|integrity|move DB to %s|move logs to %s|recover|set path backup %s|set path db %s|set path logs %s|set path working dir %s}

Anúncios