Arquivo da categoria ‘Parte 01’

Pagina 001 – 045

Publicado: 10 de outubro de 2009 por tshingo em Parte 01

Usando filtros

Usado em conjunto com o caractere de pipe de redirecionamento ( | ), um filtro de comando é um comando dentro de outro que lê a entrada do comando, transforma essa entrada e grava a saída. Os comandos de filtragem ajudam a classificar, exibir e selecionar partes da saída de um comando.

Os comandos de filtragem dividem ou reorganizam as informações que passam por eles ou extraem partes dessas informações. A tabela a seguir lista os comandos de filtragem disponíveis na família Windows Server 2003.

 

Comando Descrição
More Exibe o conteúdo de um arquivo ou a saída de um comando, em uma janela do prompt de comando por vez.
Localizar Procura por caracteres especificados em arquivos e saídas de comando.
Classificar Ordena alfabeticamente os arquivos e as saídas de comando.

Para enviar os dados de entrada de um arquivo para um comando de filtragem, utilize o sinal menor que (<). Se desejar que o comando de filtragem obtenha dados de outro comando, utilize o caractere de pipe ( | ).

Usando o comando more

O comando more exibe o conteúdo de um arquivo ou as saídas de um comando, uma janela do Prompt de Comando por vez. Por exemplo, para exibir o conteúdo de um arquivo chamado Lista.txt em uma janela do prompt de comando por vez, digite:

more < list.txt

É exibida uma janela de informações do prompt de comando com o prompt -- More -- na parte inferior da tela. Para exibir a janela seguinte, pressione qualquer tecla no teclado, exceto PAUSE. Para parar o comando sem exibir mais informações, pressione as teclas CTRL+C.

Você pode usar o comando more quando trabalhar com um comando que produza mais de uma janela de saída do Prompt de Comando. Por exemplo, suponha que você deseje exibir uma árvore de pastas do disco rígido. Se houver mais diretórios do que a janela possa exibir, você poderá utilizar o comando tree com um caractere de pipe ( | ) e o comando more, da seguinte maneira:

tree c:\ | more

A primeira janela de saída do comando tree é exibida, seguida do prompt -- More --. A saída fará uma pausa até que você pressione qualquer tecla no teclado, exceto a tecla PAUSE.

Usando o comando find

O comando find procura pelo texto especificado nos arquivos. O Cmd.exe exibe cada linha que corresponda ao texto que você especificar na janela do prompt de comando. Você pode usar o comando find como um comando de filtragem ou como um comando padrão. Para obter mais informações sobre o comando find como um comando padrão, consulte Localizar.

Para usar find como comando de filtragem, é necessário incluir o sinal de menor que (<) e a seqüência ou o texto a ser procurado. Por padrão, as pesquisas de find fazem distinção entre maiúsculas e minúsculas. Por exemplo, o comando a seguir localiza ocorrências da seqüência de caracteres “Costa do Pacífico” no arquivo Comerc.txt:

find “Costa do Pacífico” < trade.txt

A saída não inclui nenhuma ocorrência de “costa do pacífico”. Só inclui ocorrências de “Costa do Pacífico” com iniciais maiúsculas.

Para salvar a saída do comando find em vez de exibi-la na janela do prompt de comando, use o sinal maior que (>) e o nome do arquivo que deverá armazenar a saída. Por exemplo, o comando a seguir localiza ocorrências de “Costa do Pacífico” no arquivo Comerc.txt e as salva no arquivo Nvcomerc.txt:

find “Costa do Pacífico” < trade.txt > nwtrade.txt

Usando o comando sort

O comando sort coloca um arquivo de texto ou a saída de um comando em ordem alfabética. Por exemplo, o comando a seguir classifica o conteúdo de um arquivo denominado Lista.txt e exibe o resultado na janela do prompt de comando:

sort < list.txt

Neste exemplo, o comando sort classifica as linhas do arquivo Lista.txt em ordem alfabética e exibe os resultados sem alterar o arquivo. Para salvar a saída do comando sort em vez de exibi-la, digite o sinal maior que (>) e um nome de arquivo. Por exemplo, o comando a seguir colocar em ordem alfabética as linhas do arquivo Lista.txt e armazenar os resultados no arquivo Alfalista.txt:

sort < list.txt > alphlist.txt

Para classificar a saída de um comando, digite o comando, um caractere de pipe ( | ) e, em seguida, sort (ou seja, Comando | sort). Por exemplo, o comando a seguir classifica em ordem alfabética as linhas que incluem a seqüência de caracteres “Jones” (isto é, a saída do comando find).

find “Jorge” maladir.txt | sort

 

***

Ferramentas de linha de comando do serviço de diretório

Ferramentas de linha de comando de serviço de diretório

As ferramentas de linha de comando de serviço de diretório constituem um conjunto de ferramentas que pode ser utilizado para gerenciar os vários objetos do Active Directory e fazer consultas para obter informações no diretório. A lista a seguir fornece uma breve descrição de cada ferramenta de linha de comando e sua funcionalidade:

  • dsadd–Adiciona objetos ao diretório. Para obter mais informações, consulte Dsadd.
  • dsget–Exibe as propriedades dos objetos no diretório. Para obter mais informações, consulte Dsget.
  • dsmod–Modifica atributos selecionados de um objeto existente no diretório. Para obter mais informações, consulte Dsmod.
  • dsquery–Localiza objetos no diretório que correspondam a um critério de pesquisa especificado. Para obter mais informações, consulte Dsquery.
  • dsmove–Move um objeto de seu local atual para um novo local pai. Para obter mais informações, consulte Dsmove.
  • dsrm–Remove um objeto, a subárvore completa abaixo de um objeto no diretório ou ambos. Para obter mais informações, consulte Dsrm.

Tipos de objeto de destino

Todas as ferramentas de linha de comando podem operar em diversos tipos de objeto no diretório. Cada comando que aceita argumentos específicos de objeto permite a entrada de um tipo de objeto de destino como um argumento junto com a identidade do objeto de destino sobre o qual o comando irá atuar. O tipo de objeto de destino é especificado como uma sequência literal que representa a classe do objeto a partir de um conjunto pré-definido de seqüências literais. Por exemplo, no comando dsmod computer, computer é a sequência literal que especifica o tipo de objeto.

A identidade do objeto de destino é especificada a partir do tipo de objeto no formato de um nome distinto (o valor do atributo do nome distinto do objeto). Por exemplo, o nome distinto de um objeto de usuário pode ser CN=Jeff Smith,OU=Sales,DC=microsoft,DC=com.

No comando a seguir, computer especifica o tipo de objeto que está sendo modificado e CN=Jeff Smith,OU=Sales,DC=microsoft,DC=com identifica o objeto de destino a ser modificado:

Copiar Código

dsmod computador CN=Jeff Smith,OU=Sales,DC=microsoft,DC=com -disabled yes

Executando comandos na rede

Cada ferramenta dispõe de parâmetros que permitem especificar servidor, domínio, nome de usuário e senha a ser utilizado(a) quando o comando é executado. Por exemplo, a sintaxe para o comando dsadd computer é:

dsadd computer Objeto_DN

[-samid Nome_SAM]

[-desc Descrição]

[-loc Local]

[-memberof Grupo…]

[(-sServer |dDomain)]

[-u Nome_do_Usuário]

[-p (Senha|*)]

[-q]

Se esses parâmetros não forem inseridos, a ferramenta utilizará servidor, domínio, nome de usuário e senha locais.

Sintaxe de comandos

As seguintes convenções são utilizadas para documentar a sintaxe das ferramentas de linha de comando do serviço de diretório:

  • A opção para um atributo de nome distinto de objeto de destino é exibida como Objeto_ND ou Objeto_ND … quando for possível especificar vários objetos.
  • Um comando só realiza uma operação com um tipo de objeto, como computer, e com os parâmetros necessários ao tipo de objeto, como o nome distinto de um objeto de destino, ND_Objeto.
  • No caso de certos comandos, se o usuário não especificar um objeto de destino no prompt de comando, o objeto de destino será obtido a partir de uma entrada padrão. A obtenção de valores dessa forma permite seqüenciar a saída de um comando para outro.
  • As sintaxes de objeto de destino que utilizam o símbolo de “…” (reticências) indicam que é possível especificar uma lista de nomes distintos, sendo cada nome separado por um espaço, a menos que seja especificado de outra forma. Por exemplo, o parâmetro a seguir aceita vários nomes distintos:
    -memberofGrupo …
    Se os próprios nomes distintos contiverem espaços, eles deverão ser colocados entre aspas (” “).
    As vírgulas que não forem utilizadas como separadores em nomes distintos devem ser precedidas de barra invertida(\) (por exemplo, “CN=Companhia\, Ltda.,CN=Usuários,DC=microsoft,DC=com”). As barras invertidas utilizadas em nomes distintos devem ser precedidas de uma barra invertida (por exemplo, “CN=Vendas\\ América Latina,OU=Listas distribuição,DC=microsoft,DC=com”).

Entrada de comandos

  • nenhum parâmetro distingue maiúsculas de minúsculas;
  • os parâmetros de linha de comando podem ser especificados com um hífen () ou uma barra (/);
  • um parâmetro de linha de comando e e seus respectivos valores devem ser separados por pelo menos um espaço;
  • quando lidos a partir de uma entrada padrão, os caracteres de espaço e de nova linha são tratados como separadores de argumentos;
  • um valor de sequência vazio ou nulo pode ser especificado por aspas ( ) sem caracteres entre os sinais; um valor de sequência vazio especificado não é o mesmo que um valor ausente; um valor de parâmetro “” (sequência NULA) será tratado como uma solicitação para excluir valores de atributo do objeto de destino;
  • a Ajuda para qualquer comando pode ser requisitada através de /? (por exemplo, dsadd computer /?).

Saída de comandos

São as seguintes as convenções para exibição de dados, mensagens de status, erros e avisos oriundos da execução de comandos:

  • as mensagens de status de conclusão bem-sucedida de comandos são gravadas na saída padrão;
  • os dados exibidos por um comando são gravados na saída padrão;
  • as mensagens de aviso ou erro são gravadas no erro padrão;
  • os códigos de saída (níveis de erro) utilizam o 0 para indicar êxito. Se uma operação não for bem sucedida, o código de saída será um valor no formato HRESULT. Por exemplo, o valor para o HRESULT E_FAIL é 0x80004005.
  • se o modo silencioso for especificado para um comando (utilizando o parâmetro -q), tudo que for enviado para a saída padrão será eliminado. No entanto, as mensagens para erro padrão não serão eliminadas em decorrência do modo silencioso.

 

***

Visão geral sobre o shell de comandos

Visão geral sobre o shell de comando

O shell de comando é um software independente que oferece comunicação direta entre o usuário e o sistema operacional. A interface de usuário não gráfica do shell de comando é o ambiente propício para a execução de aplicativos e utilitários baseados em caracteres. O shell de comando executa programas e exibe os dados de saída em uma tela usando caracteres individuais de forma idêntica ao interpretador de comandos do MS-DOS, o Command.com. O shell de comando do sistema operacional de servidor Windows usa o interpretador de comandos Cmd.exe, que carrega aplicativos e direciona o fluxo de informações entre aplicativos, para transformar entradas de usuário em um formato que possa ser compreendido pelo sistema operacional.

Você pode usar o shell de comando para criar e editar arquivos em lotes (também denominados de scripts) e, assim, automatizar tarefas rotineiras. Por exemplo, você pode usar scripts para automatizar o gerenciamento de contas de usuários ou backups noturnos. Você também pode usar a versão de linha de comando do Host de scripts do Windows, CScript.exe, para executar scripts mais sofisticados no shell de comando. Para obter mais informações, consulte Executar host de scripts do Windows. O uso de arquivos em lotes possibilita a realização de operações mais eficientes do que através da interface do usuário. Os arquivos em lotes aceitam todos os comandos disponíveis na linha de comando. Para obter mais informações sobre arquivos em lotes, consulte Usando arquivos em lotes.

Você pode personalizar a janela do prompt de comando para obter uma melhor visualização e aumentar o controle sobre como são executados os programas. Para obter mais informações sobre a personalização da janela do prompt de comando, consulte Configurar o prompt de comando.

Usando a sintaxe dos comandos

A sintaxe indica a ordem na qual você deve digitar um comando e seus parâmetros. O exemplo a seguir do comando xcopy ilustra diversos formatos de texto de sintaxe:

xcopyOrigem [Destino] [/w] [/p] [/c] [/v] [/q] [/f] [/l] [/g] [/d[:MM-DD-AAAA]] [/u] [/i] [/s [/e]] [/t] [/k] [/r] [/h] [{/a | /m}] [/n] [/o] [/x] [/exclude:Arquivo1[+[Arquivo2]][+[Arquivo3]] [{/y | /-y}] [/z]

A tabela a seguir explica como interpretar os diversos formatos de texto.

Legenda da formatação

Formato  Significado 
Itálico Informações que o usuário deve fornecer
Negrito Elementos que o usuário deve digitar exatamente como é exibido
Reticências (…) Parâmetro que pode ser repetido várias vezes em uma linha de comando
Entre colchetes ([]) Itens opcionais
Entre chaves ({}); opções separadas por barra vertical (|). Exemplo: {even|odd} Conjunto de opções entre as quais o usuário deve escolher apenas uma
Fonte Courier Saída de código ou de programa

Usando diversos comandos e símbolos de processamento condicional

Você pode executar diversos comandos a partir de uma única linha de comando ou script usando símbolos de processamento condicional. Quando você executa diversos comandos com símbolos de processamento condicional, os comandos à direita do símbolo atuam com base nos resultados do comando à esquerda do símbolo de processamento condicional. Por exemplo, se você quiser executar um comando somente quando o comando anterior falhar. Ou, se quiser executar um comando somente quando o comando anterior tiver sido executado corretamente.

Você pode usar os caracteres especiais listados na tabela a seguir para passar vários comandos.

 

Caractere  Sintaxe  Definição 
& [] Comando1 &Comando2 Use para separar vários comandos em uma linha de comando. O Cmd.exe executa o primeiro comando e, em seguida, o segundo.
&& [] Comando1 &&Comando2 Use para executar o comando posterior ao && somente se o comando anterior ao símbolo tiver sido executado corretamente. O Cmd.exe executa o primeiro comando e somente executará o segundo se o primeiro tiver sido concluído com êxito.
|| [] Comando1 || Comando2 Use para executar o comando posterior ao || somente se o comando anterior ao || falhar. O Cmd.exe executa o primeiro comando e somente executará o segundo se o primeiro tiver sido concluído com êxito (recebe um código de erro superior a zero).
( ) [] (Comando1 & Comando2) Use para agrupar ou aninhar vários comandos.
; ou , Comando1 Parâmetro1;Parâmetro2 Use para separar parâmetros do comando.

Observações

  • O ‘e’ comercial (&), a barra vertical ( | ) e os parênteses ( ) são caracteres especiais que devem ser precedidos do caractere de escape ( ^ ) ou de aspas quando forem passados como argumentos.
  • Se um comando for executado corretamente, apresentará como resposta um código de saída zero (0) ou nenhum código de saída. Para obter mais informações sobre códigos de saída, consulte Usando o Windows Deployment and Resource Kits.

Aninhando Shells de comandos

Você pode aninhar shells de comandos no Cmd.exe abrindo uma nova instância do Cmd.exe no prompt de comando. Por padrão, cada instância do Cmd.exe herda o ambiente do aplicativo Cmd.exe pai. Ao aninhar instâncias de Cmd.exe, você poderá fazer alterações no ambiente local sem afetar o aplicativo pai do Cmd.exe. Isso permite preservar o ambiente original do Cmd.exe e retornar a ele depois de encerrar o shell de comando aninhado. As alterações efetuadas no shell de comando aninhado não são salvas.

Para aninhar um shell de comando, no prompt de comando, digite:

cmd

Será exibida uma mensagem idêntica a que se segue:

Microsoft (R) Windows Server 2003, Standard Edition (TM)(C) Copyright 1985-2002 Microsoft Corp.

Para fechar o shell de comando aninhado, digite exit.

Você pode limitar ainda mais a pesquisa das alterações em uma instância do Cmd.exe (ou em um script) usando os comandos setlocal e endlocal. Setlocal cria um escopo local e endlocal encerra o escopo local. Quaisquer alterações efetuadas dentro do escopo setlocal e endlocal serão eliminadas, deixando assim o ambiente original inalterado. Você pode aninhar esses dois comandos até um máximo de 32 níveis. Para obter mais informações sobre os comandos setlocal e endlocal, consulte Setlocal e Endlocal.

Usando variáveis de ambiente com Cmd.exe

O ambiente do shell de comando Cmd.exe é definido por variáveis que determinam o comportamento do shell de comandos e do sistema operacional. Você pode definir o comportamento do ambiente do shell de comando ou de todo o ambiente do sistema operacional usando dois tipos de variáveis de ambiente: de sistema e local. As variáveis de ambiente de sistema definem o comportamento do ambiente do sistema operacional global. As variáveis de ambiente locais definem o comportamento do ambiente da instância atual do Cmd.exe.

As variáveis de ambiente de sistema estão predefinidas no sistema operacional e disponíveis a todos os processos do sistema operacional de servidor Windows. Somente usuários com credenciais administrativas podem alterar variáveis de sistema. Essas variáveis são usadas com mais freqüência em scripts de logon.

As variáveis de ambiente locais só ficam disponíveis quando o usuário para o qual elas são criadas encontra-se conectado com o computador. As variáveis locais definidas na seção HKEY_CURRENT_USERsó serão válidas para o usuário atual, mas definem o comportamento do ambiente do sistema operacional global.

A lista a seguir descreve os diversos tipos de variáveis em ordem decrescente de precedência:

  1. Variáveis internas do sistema
  2. Variáveis de sistema encontradas na seção HKEY_LOCAL_MACHINE
  3. Variáveis locais encontradas na seção HKEY_CURRENT_USER
  4. Todas as variáveis de ambiente e caminhos definidos no arquivo Autoexec.bat
  5. Todas as variáveis de ambiente e caminhos definidos em um script de logon (caso haja algum)
  6. Variáveis usadas de forma interativa em um script ou arquivo em lotes

No shell de comando, cada instância do Cmd.exe herda o ambiente de seu aplicativo pai. Portanto, você pode alterar as variáveis no novo ambiente Cmd.exe sem afetar o ambiente do aplicativo pai.

A tabela a seguir lista as variáveis de ambiente de sistema e locais do Windows Server.

 

Variável Tipo Descrição
%ALLUSERSPROFILE% Local Apresenta a localização de todos os perfis de usuários.
%APPDATA% Local Apresenta a localização onde os aplicativos armazenam dados por padrão.
%CD% Local Apresenta a seqüência da pasta atual.
%CMDCMDLINE% Local Apresenta a linha de comando exata usada para iniciar o Cmd.exe atual.
%CMDEXTVERSION% Sistema Apresenta o número de versão das extensões do Processador de comandos atual.
%COMPUTERNAME% Sistema Apresenta o nome do computador
%COMSPEC% Sistema Apresenta o caminho exato até o executável do shell de comando.
%DATE% Sistema Apresenta a data atual. Usa o mesmo formato que o comando date /t. Gerado por Cmd.exe. Para obter mais informações sobre o comando date, consulte Date.
%ERRORLEVEL% Sistema Apresenta o código de erro do último comando usado. Um valor diferente de zero geralmente indica um erro.
%HOMEDRIVE% Sistema Apresenta a letra da unidade da estação de trabalho local que está conectada à pasta base do usuário. Definida com base no valor da pasta base. A pasta base do usuário é especificada em <b>Usuários e grupos locais</b>.
%HOMEPATH% Sistema Apresenta o caminho completo da pasta base do usuário. Definido com base no valor da pasta base. A pasta base do usuário é especificada em <b>Usuários e grupos locais</b>.
%HOMESHARE% Sistema Apresenta o caminho de rede até a pasta base compartilhada do usuário. Definido com base no valor da pasta base. A pasta base do usuário é especificada em <b>Usuários e grupos locais</b>.
%LOGONSERVER% Local Apresenta o nome do controlador de domínios que validou a sessão de logon atual.
%NUMBER_OF_PROCESSORS% Sistema Especifica o número de processadores instalados no computador.
%OS% Sistema Apresenta o nome do sistema operacional. O Windows 2000 exibe o sistema operacional como Windows NT.
%PATH% Sistema Especifica o caminho de pesquisa para arquivos executáveis.
%PATHEXT% Sistema Apresenta uma lista de extensões de arquivos que o sistema operacional considera como executáveis.
%PROCESSOR_ARCHITECTURE% Sistema Apresenta a arquitetura do chip do processador. Valores: x86 ou IA64 (baseado em Itanium).
%PROCESSOR_IDENTFIER% Sistema Apresenta uma descrição do processador.
%PROCESSOR_LEVEL% Sistema Apresenta o número do modelo do processador instalado no computador.
%PROCESSOR_REVISION% Sistema Apresenta o número de revisão do processador.
%PROMPT% Local Apresenta as configurações do prompt de comando do intérprete atual. Gerado pelo Cmd.exe.
%RANDOM% Sistema Apresenta um número decimal aleatório entre 0 e 32767. Gerado pelo Cmd.exe.
%SYSTEMDRIVE% Sistema Apresenta a unidade que contém o diretório raiz do Windows Server (ou seja, a raiz do sistema).
%SYSTEMROOT% Sistema Apresenta a localização do diretório raiz do sistema operacional Windows Server.
%TEMP% e %TMP% Sistema e usuário Apresenta as pastas temporárias padrão usadas pelos aplicativos disponíveis aos usuários que estiverem conectados no momento. Alguns aplicativos exigem TEMP e outros TMP.
%TIME% Sistema Apresenta a hora atual. Usa o mesmo formato do comando time /t. Gerado pelo Cmd.exe. Para obter mais informações sobre o comando time, consulte Time.
%USERDOMAIN% Local Apresenta o nome do domínio que contém a conta do usuário.
%USERNAME% Local Apresenta o nome do usuário conectado no momento.
%USERPROFILE% Local Apresenta a localização do perfil do usuário atual.
%WINDIR% Sistema Apresenta a localização da pasta do sistema operacional.

Definindo variáveis de ambiente

Use o comando set para criar, alterar, excluir ou exibir variáveis de ambiente. O comando set altera variáveis somente no ambiente shell atual.

Para exibir uma variável, no prompt de comando, digite:

setNome_da_Variável

Para adicionar uma variável, no prompt de comando, digite:

setNome_da_Variável=Valor

Para excluir uma variável, no prompt de comando, digite:

setNome_da_Variável=

Você pode usar a maioria dos caracteres como valores de variáveis, mesmo o espaço em branco. Se forem usados caracteres especiais <, >, |, &, ou ^, use o caractere de escape ou aspas antes deles. Se usar aspas, elas serão incluídas como parte do valor porque tudo que segue o sinal de igual é entendido como valor. Considere os seguintes exemplos:

  • Para criar o valor de variável novo&nome, digite:
    set varname=novo^&nome
  • Para criar o valor de variável “novo&nome”, digite:
    set varname=”novo&nome”
  • Se você digitar set varname=novo&nome no prompt de comando, será exibida uma mensagem de erro similar a que se segue:

Copiar Código

"'nome' não é reconhecido como um comando interno ou externo, nem como programa operável ou arquivo em lotes."

Os nomes de variáveis não diferenciam maiúsculas de minúsculas. Porém, set exibe a variável exatamente da forma como tiver sido digitada. Você pode combinar letras maiúsculas e minúsculas nos nomes das variáveis para tornar o código mais legível (por exemplo, NomeDoUsuário).

Observações

  • O tamanho máximo de uma variável de ambiente individual é 8.192 bytes.
  • O tamanho total máximo para todas as variáveis de ambiente, o que inclui nomes de variáveis e o sinal de igual, é 65.536 KB.

Substituindo valores de variáveis de ambiente

Para permitir a substituição de valores de variáveis na linha de comando ou em scripts, coloque o nome da variável entre símbolos de porcentagem (ou seja, %Nome_da_Variável%). Ao usar os símbolos de porcentagem, você garante que o Cmd.exe faça referência aos valores das variáveis em vez de fazer uma comparação literal. Depois de definir valores de variável para um nome de variável, coloque o nome da variável entre símbolos de porcentagem. O Cmd.exe tenta localizar todas as instâncias do nome da variável e substitui-lo pelo valor de variável definido. Por exemplo, se você criar um script que contenha valores diferentes (por exemplo, nomes de usuários) e quiser definir a variável de ambiente USERNAME para cada usuário com esses valores, você poderá gravar um script usando a variável USERNAME entre símbolos de porcentagem. Quando você executa esse script, o Cmd.exe substitui %USERNAME% pelos valores das variáveis, o que elimina a necessidade de executar essa tarefa manualmente para cada usuário. A substituição de variáveis não é recursiva. O Cmd.exe verifica as variáveis uma vez. Para obter mais informações sobre substituição de variáveis, consulte Para e Call.

 

 

 

COMANDOS DE A a Z

 

Legenda da formatação

 

Formato Significado
Itálico Informações que o usuário deve fornecer
Negrito Elementos que o usuário deve digitar exatamente como é exibido
Reticências (…) Parâmetro que pode ser repetido várias vezes em uma linha de comando
Entre colchetes ([]) Itens opcionais
Entre chaves ({}); opções separadas por barra vertical (|). Exemplo: {even|odd} Conjunto de opções entre as quais o usuário deve escolher apenas uma
Courier font Saída de código ou de programa

 

*********************************************************************

“A”

Adprep

Adprep

Prepara os domínios e florestas do Windows 2000 para uma atualização para o Windows Server 2003, Standard Edition, Windows Server 2003, Enterprise Edition ou Windows Server 2003, Datacenter Edition. Dentre suas tarefas, o adprep estende o esquema, atualiza os descritores de segurança padrão de objetos selecionados e adiciona novos objetos de diretórios conforme requerem alguns aplicativos.

Sintaxe

Adprep {/forestprep | /domainprep | /gpprep}

Observações

  • Quando você atualizar o Windows 2000 Server para o Windows Server 2003 sem um service pack instalado, prepare a floresta usando adprep /forestprep e cada domínio usando o adprep /domainprep. O Adprep /domainprep prepara o domínio para a atualização e adiciona ACEs (entradas de controle de acesso herdáveis) aos GPOs (objetos da Diretiva de Grupo) na pasta compartilhada SYSVOL, ocasionando a replicação em todo o domínio. A quantidade de tráfego de replicação gerada por essa operação pode afetar negativamente as condições de rede.
  • Quando você atualizar o Windows 2000 Server para o Windows Server 2003 com o Service Pack 1 (SP1), prepare a floresta usando adprep /forestprep e cada domínio usando adprep /domainprep. O Adprep /domainprep no Windows Server 2003 com o SP1 não adiciona ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL e não ocasiona a replicação em todo o domínio.
    Quando as condições de rede forem ótimas ou se uma sincronização total da pasta compartilhada SYSVOL não afetar negativamente uma largura de banda de rede, execute adprep /domainprep /gpprep para adicionar as ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL.

Parâmetros

/forestprep

Prepara a atualização de uma floresta do Windows 2000 para uma floresta do Windows Server 2003.

/domainprep

Prepara a atualização de uma domínio do Windows 2000 para um domínio do Windows Server 2003.

/domainprep /gpprep

Disponível apenas quando você prepara a atualização de um domínio do Windows 2000 para um domínio do Windows Server 2003 com o SP1. Adiciona as ACEs herdáveis aos GPOs localizados na pasta compartilhada SYSVOL, sincronizando-a com os controladores de domínio presentes no domínio.

/?

Exibe a Ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • O Adprep.exe pode ser encontrado na pasta \i386 nos CD-ROMs do Windows Server 2003, Standard Edition, Windows Server 2003, Enterprise Edition e Windows Server 2003, Datacenter Edition. Para obter informações sobre como usar o adprep, consulte os tópicos da seção “Consulte também”.
  • Para executar adprep /forestprep, você precisa ser membro dos grupos Administradores de Empresa e Administradores de Esquemas no Active Directory ou deve ter sido delegado a autoridade apropriada. Como uma prática recomendada de segurança, use a opção Executar como para executar esse comando. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão, Grupos padrão e Usando Executar como.
  • Para executar adprep /domainprep, você precisa ser membro do grupo Admins. do domínio ou do grupo Administração de Empresa no Active Directory ou precisa receber a delegação de autoridade apropriada. Como uma prática recomendada de segurança, use a opção Executar como para executar esse comando. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão, Grupos padrão e Usando Executar como.
  • Para executar adprep /domainprep /gpprep, é necessário ser membro do grupo Admins. do Domínio ou do grupo Administração de Empresa no Active Directory ou receber a delegação de autoridade apropriada. Como uma prática recomendada de segurança, use a opção Executar como para executar esse comando. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão, Grupos padrão e Usando Executar como.
  • Execute adprep a partir da mídia de instalação do Windows Server 2003, como um CD-ROM ou um recurso de rede compartilhado.
  • Todos os controladores de domínio na floresta devem ser atualizados para o Windows 2000 Service Pack 2 ou posterior antes que a floresta seja preparada para uma atualização para a família Windows Server 2003.
  • O Adprep /forestprep deve ser executado no mestre de esquema.
  • O Adprep /domainprep deve ser executado em cada mestre de infra-estrutura em cada domínio, e somente depois que o adprep /forestprep tiver sido executado com êxito para a floresta.
  • O Adprep /domainprep /gpprep deve ser executado no mestre de infra-estrutura de cada domínio. Ele pode ser executado a qualquer momento depois da execução de adprep /forestprep e de adprep /domainprep, quando a largura de banda permitir a replicação de todos os GPOs entre os controladores de domínio presentes no domínio.
  • Será preciso aguardar que as alterações efetuadas pelo adprep /forestprep sejam replicadas do mestre de esquema para os mestres de infra-estrutura antes que o adprep /domainprep seja executado. Se você tentar executar o adprep /domainprep em um mestre de infra-estrutura antes que as alterações do adprep /forestprep tenham sido replicadas, receberá notificação informando que a preparação da floresta não foi concluída.
  • Depois de preparar as florestas e domínios com o adprep, você pode deixar os controladores de domínio executando o Windows 2000 por um período indefinido ou pode iniciar imediatamente a atualização dos controladores de domínio.
  • Depois de executar o adprep, os arquivos de log do aplicativo podem ser encontrados em raiz_do_sistema\System32\Debug\Adprep\Logs.
  • Para obter mais informações sobre os aprimoramentos do Adprep.exe no Windows Server 2003 com o SP1, consulte o artigo 324392, sobre “Aperfeiçoamentos ao Adprep.exe no Windows Server 2003 Service Pack 1 e no hotfix 324392,” no Microsoft Knowledge Base (site em inglês).
  • Para obter mais informações sobre como preparar a floresta e os domínios usando o Adprep.exe, consulte o item sobre “Visão geral: atualizando os controladores de domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003” no artigo 325379 e “Como atualizar os controladores de domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003,” no Microsoft Knowledge Base (site em inglês).

Exemplos

Para preparar a atualização de uma floresta do Windows 2000 para a família Windows Server 2003, digite:

adprep /forestprep

Para preparar a atualização de um domínio do Windows 2000 para a família Windows Server 2003, digite:

adprep /domainprep

Observação

  • Se estiver preparando a atualização de um domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003 sem o SP1, esse comando ocasionará a adição de ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL, que será sincronizada, podendo causar atrasos significativos na rede.

Para preparar a atualização de um domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003 com SP1, adicionando ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL e sincronizando-a com os controladores de domínio presentes no domínio, digite:

adprep /domainprep /gpprep

***

Arp

Arp

Exibe e modifica entradas no cache do protocolo de resolução de endereços (ARP), que contém uma ou mais tabelas que são usadas para armazenar endereços IP e seus endereços físicos Ethernet ou Token Ring resolvidos. Há uma tabela separada para cada adaptador de rede Ethernet ou Token Ring instalado no computador. Quando utilizado sem parâmetros, arp exibe informações de ajuda.

Sintaxe

arp[-a [End_IP_da_rede] [-NEnd_da_interface]] [-g [End_IP_da_rede] [-NEnd_da_interface]] [-dEnd_IP_da_rede [End_da_interface]] [-sEnd_IP_da_rede End_Ether [End_da_interface]]

Parâmetros

-a[ End_IP_da_rede] [ -NEnd_da_interface]

Exibe as tabelas do cache ARP atual para todas as interfaces. Para exibir a entrada de cache ARP de um endereço IP específico, use arp -a com o parâmetro End_IP_Da_Rede, onde End_IP_Da_Rede é um endereço IP. Se End_IP_Da_Rede não for especificado, será utilizada a primeira interface aplicável. Para exibir a tabela de cache ARP de uma interface específica, use o parâmetro -NEnd_da_interface em conjunto com o parâmetro -a, onde End_da_interface é o endereço IP atribuído à interface. O parâmetro -N diferencia maiúsculas de minúsculas.

-g[ End_IP_da_rede] [ -NEnd_da_interface]

Idêntico a -a.

-dEnd_IP_da_rede [End_da_interface]

Exclui uma entrada com um endereço IP específico, onde End_IP_da_rede é o endereço IP. Para excluir uma entrada de uma tabela para uma interface específica, use o parâmetro End_da_interface onde End_da_interface é o endereço IP atribuído à interface. Para excluir todas as entradas, use o caractere curinga asterisco (*) em vez de End_IP_da_rede.

-sEnd_IP_da_rede End_Ether [End_da_interface]

Adiciona uma entrada estática ao cache ARP que resolve o endereço IP End_IP_da_rede para o endereço físico End_Ether. Para adicionar uma entrada estática do cache ARP à tabela para uma interface específica, use o parâmetro End_da_interface onde End_da_interface é um endereço IP atribuído à interface.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Os endereços IP de End_IP_da_rede e End_da_interface são expressos em notação decimal pontilhada.
  • O endereço físico de End_Ether consiste em seis bytes expressos em notação hexadecimal e separados por hífens (por exemplo, 00-AA-00-4F-2A-9C).
  • As entradas adicionadas com o parâmetro -s são estáticas e não atingem o tempo limite no cache ARP. As entradas serão removidas se o protocolo TCP/IP for interrompido e iniciado. Para criar entradas de cache ARP estáticas permanentes, coloque os comandos arp adequados em um arquivo em lotes e use Tarefas agendadas para executar esse arquivo na inicialização.

Exemplos

Para exibir as tabelas do cache ARP para todas as interfaces, digite:

arp -a

Para exibir a tabela do cache ARP para a interface a que está atribuído o endereço IP 10.0.0.99, digite:

arp -a -N 10.0.0.99

Para adicionar uma entrada estática do cache ARP que resolva o endereço IP 10.0.0.80 para o endereço físico 00-AA-00-4F-2A-9C, digite:

arp -s 10.0.0.80 00-AA-00-4F-2A-9C

***

Assoc

Assoc

Exibe ou modifica as associações de extensão de nome de arquivo. Quando utilizado sem parâmetros, assoc exibe uma lista de todas as associações de extensão de nome de arquivo atuais.

Sintaxe

assoc [.ext[=[TipoDeArquivo]]]

Parâmetros

.ext

Especifica a extensão de nome de arquivo.

TipoDeArquivo

Especifica o tipo de arquivo ao qual você deseja associar a extensão de nome de arquivo especificada.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para excluir a associação de tipo de arquivo referente a uma extensão de nome de arquivo, crie um espaço em branco após o sinal de igual pressionando a BARRA DE ESPAÇOS.
  • Para exibir os tipos de arquivo atuais com seqüências de comando abertas definidas, use o comando ftype.
  • Para redirecionar a saída de assoc para uma arquivo de texto, use o operador de redirecionamento >.

Exemplos

Para exibir a associação de tipo de arquivo atual referente à extensão de nome de arquivo .txt, digite:

assoc .txt

Para excluir a associação de tipo de arquivo referente à extensão de nome de arquivo .txt, digite:

assoc .txt=

Para exibir as associações de tipo de arquivo tela a tela, digite:

assoc| more

Para enviar a saída de assoc para o arquivo Assoc.cfg, digite:

assoc>assoc.cfg

***

At

At

Agenda a execução de comandos e programas em um computador em uma data e hora especificadas. Você só poderá usar o comando at quando o serviço de agendamento estiver sendo executado. Quando utilizado sem parâmetros, at lista os comandos agendados.

Sintaxe

at [\\Nome_do_Computador] [{[ID] [/delete] | /delete [/yes]}]

at [[\\Nome_do_Computador] Horas:Minutos [/interactive] [{/every:Data[,…] | /next:Data[,…]}] Comando]

Parâmetros

\\Nome_do_Computador

Especifica um computador remoto. Se esse parâmetro for omitido, at agendará os comandos e programas no computador local.

id

Especifica o número de identificação atribuído a um comando agendado.

/delete

Cancela um comando agendado. Se ID for omitido, todos os comandos agendados no computador serão cancelados.

/yes

Fornece uma resposta afirmativa a todas as consultas do sistema quando você excluir eventos agendados.

Horas:Minutos

Especifica a hora em que o comando deve ser executado. A hora é expressa como Horas:Minutos na notação de 24 horas (isto é, 00:00 [meia-noite] a 23:59).

/interactive

Permite a interação entre o Comando e a área de trabalho do usuário que estiver conectado durante a execução do Comando.

/every:

Executa o Comando em todos os dias especificados da semana ou do mês (por exemplo, todas as quintas-feiras ou no terceiro dia de cada mês).

Data

Especifica a hora em que o comando deve ser executado. Você pode especificar um ou mais dias da semana (isto é, digite seg,ter,qua,qui,sex,sáb,dom) ou um ou mais dias do mês (isto é, digite 1 a 31). Separe as várias entradas de data com vírgulas. Se você omitir Data, at usará o dia atual do mês.

/next:

Executa o Comando na próxima ocorrência do dia (por exemplo, na próxima quinta-feira).

Comando

Especifica o comando, programa (isto é, arquivo .exe ou .com) ou programa em lotes (isto é, arquivo .bat ou .cmd) do Windows que você deseja executar. Quando o comando exigir um caminho como argumento, utilize o caminho absoluto (isto é, o caminho completo, começando com a letra da unidade). Se o comando estiver em um computador remoto, especifique a notação da convenção universal de nomenclatura (UNC) referente ao nome do servidor e do compartilhamento, em vez de uma letra de unidade remota.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Schtasks é outra ferramenta de agendamento de linha de comando que pode ser utilizada para criar e gerenciar tarefas agendadas. Para obter mais informações sobre schtasks, consulte Tópicos Relacionados.
  • Usando at
    Para usar at, é necessário que você seja membro do grupo Administradores local.
  • Carregando Cmd.exe
    O comando at não carrega automaticamente Cmd.exe, o interpretador de comando, antes de executar comandos. Se não estiver executando um arquivo executável (.exe), você deverá carregar explicitamente Cmd.exe no início do comando da seguinte forma:
    cmd /c dir > c:\test.out
  • Exibindo comandos agendados
    Quando você usa at sem opções de linha de comando, as tarefas agendadas são exibidas em um formato de tabela semelhante ao formato a seguir:

Copiar Código

Status  ID   Dia        Hora        Linha de Comando
OK      1    Toda sex     4:30 PM     net send group leads status due
OK      2    Toda seg     12:00 AM    chkstor > check.file
OK      3    Toda sex     11:59 PM    backup2.bat
  • Incluindo o número de identificação (id)
    Quando você inclui o número de identificação (ID) com at em um prompt de comando, as informações referentes a uma única entrada são exibidas em um formato semelhante ao seguinte:

Copiar Código

ID da tarefa:      1
 
Status:       OK
 
Agenda:     Toda sex
 
Hora do dia:  4:30 PM
 
Comando:      net send group leads status due

Depois de agendar a execução de um comando com at, especialmente um comando que tenha opções de linha de comando, verifique se a sintaxe do comando está correta digitando at sem opções de linha de comando. Se as informações da coluna “Linha de comando” não estiverem corretas, exclua o comando e digite-o novamente. Se continuarem incorretas, redigite o comando com menos opções de linha de comando.

  • Exibindo resultados
    Os comandos agendados por meio de at são executados como processos em segundo plano. A saída não é exibida na tela do computador. Para redirecionar a saída para um arquivo, utilize o símbolo de redirecionamento (>). Se você redirecionar a saída para um arquivo, precisará usar o símbolo de escape (^) antes do símbolo de redirecionamento, independentemente de estar usando at na linha de comando ou em um arquivo em lotes. Por exemplo, para redirecionar a saída para Output.text, digite:
    at 14:45 c:\test.bat ^>c:\output.txt
    A pasta atual do comando que está sendo executado é a pasta systemroot.
  • Alterando a hora do sistema
    Se você alterar a hora do sistema em um computador depois de agendar um comando a ser executado com at, sincronize o agendador de at com a hora do sistema modificada digitando at sem opções de linha de comando.
  • Armazenando comandos
    Os comandos agendados são armazenados no Registro. Conseqüentemente, você não perderá tarefas agendadas se reiniciar o serviço de agendamento.
  • Conectando-se a unidades de rede
    Não use uma unidade redirecionada para tarefas agendadas que acessem a rede. É possível que o serviço de agendamento não consiga acessar a unidade redirecionada ou ela poderá estar ausente se outro usuário conectar-se quando a tarefa agendada estiver sendo executada. Em vez disso, use caminhos UNC para as tarefas agendadas. Por exemplo:
    at 1:00pm meu_backup \\servidor\compartilhamento
    Não use a seguinte sintaxe, em que x: é uma conexão feita pelo usuário:
    at 1:00pm meu_backup x:
    Se você agendar um comando at que utilize a letra de uma unidade para conectar-se a uma pasta compartilhada, deverá incluir um comando at para desconectar a unidade quando terminar de usá-la. Se a unidade não for desconectada, a letra atribuída a ela não estará disponível no prompt de comando.
  • Tarefas a serem interrompidas depois de 72 horas
    Por padrão, as tarefas agendadas com o comando at são interrompidas após 72 horas. Esse valor pode ser alterado no Registro.
  1. Inicie o Editor do Registro (Regedit.exe).
  2. Localize e clique na seguinte chave do Registro: HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlSet\Services\Schedule
  3. No menu Editar, clique em <b>Adicionar valor</b> e forneça o seguinte valor de Registro: Nome do valor: AtTaskMaxHours Data type: REG_DWORD Radix: Decimal Value Data: 0. O valor de 0 no campo de dados de valor indica que não há limite, não há término. Valores de 1 a 99 indicam o número de horas.

Cuidado

  • A edição incorreta do Registro pode danificar gravemente o sistema. Antes de alterar o Registro, faça um backup de todos os dados importantes que estiverem no computador.
  • O Agendador de Tarefas e o comando at
    Você pode usar a pasta Tarefas Agendadas para exibir ou modificar as configurações de uma tarefa que tenha sido criada com o comandoat. Quando você agenda uma tarefa com o comando at, a tarefa é listada na pasta Tarefas Agendadas, com um nome semelhante a At3478. Entretanto, se você modificar uma tarefa através da pasta <b>Tarefas agendadas</b>, ela será atualizada para uma tarefa agendada normal. A tarefa não será mais visível para o comando at e a configuração de conta não se aplicará mais a ela. Será necessário digitar explicitamente uma conta de usuário e senha para a tarefa.

Exemplos

Para exibir uma lista de comandos agendados no servidor Marketing, digite:

at \\marketing

Para saber mais sobre um comando com o número de identificação 3 no servidor Corp, digite:

at \\corp 3

Para agendar a execução de um comando <b>net share</b> no servidor Corp às 8:00 A.M. e redirecionar a listagem para o servidor Manutenção, na pasta compartilhada <b>Relatórios</b>, e o arquivo Corp.txt, digite:

at \\corp 08:00 cmd /c “net share reports=d:\marketing\reports >> \\maintenance\reports\corp.txt”

Para fazer backup da unidade de disco rígido do servidor Marketing em uma unidade de fita à meia-noite, de cinco em cinco dias, criar um programa em lotes denominado Arquivo.cmd contendo os comandos de backup e depois agendar esse programa para ser executado, digite:

at \\marketing 00:00 /every:5,10,15,20,25,30 arquivo

Para cancelar todos os comandos agendados no servidor atual, limpe a informação de agendamento de at digitando:

at /delete

Para executar um comando que não seja um arquivo executável (isto é, .exe), digite cmd /c antes do comando para carregar Cmd.exe conforme especificado a seguir:

cmd /c dir > c:\test.out

***

Atmadm

Atmadm

Monitora conexões e endereços registrados pelo <b>Gerenciador de chamadas ATM</b> em uma rede de modo de transferência assíncrona (ATM). Você pode usar o comando atmadm para exibir estatísticas de chamadas de entrada e de saída em adaptadores ATM. Quando usado sem parâmetros, atmadm exibe estatísticas para a monitoração do status das conexões ATM ativas.

Sintaxe

atmadm [/c][/a] [/s]

Parâmetros

/c

Exibe informações de chamadas referentes a todas as conexões atuais com o adaptador de rede ATM instalado neste computador.

/a

Exibe o endereço do ponto de acesso a serviços de rede (NSAP) ATM registrado para cada adaptador instalado nesse computador.

/s

Exibe estatísticas para a monitoração do status das conexões ATM ativas.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Exemplos

As tarefas a seguir ilustram como é possível usar o comando atmadm.

Para exibir informações de chamadas

Para exibir informações de chamadas referentes a todas as conexões atuais com o adaptador de rede ATM instalado neste computador, digite:

atmadm /c

A saída do comando atmadm /c é semelhante a esta:

Copiar Código

Estatísticas do Gerenciador de Chamadas ATM do Windows
 
Conexões ATM na interface: Adaptador [009] Olicom ATM PCI 155
 
   Connection   VPI/VCI   Remote Address/ Media Parameters (rates in bytes/sec) In  PMP SVC    0/193   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Out P-P SVC    0/192   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 In  PMP SVC    0/191   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Out P-P SVC    0/190   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 In  P-P SVC    0/475   47000580FFE1000000F21A2E180000C110081501 Tx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9188 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 9188 Out PMP SVC    0/194   47000580FFE1000000F21A2E180000C110081501 (0) Tx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9180 Rx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 0 Out P-P SVC    0/474   4700918100000000613E5BFE010000C110081500 Tx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9188 Rx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9188 In  PMP SVC    0/195   47000580FFE1000000F21A2E180000C110081500 Tx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 0 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 9180

A tabela a seguir contém as descrições de cada elemento no exemplo de saída de atmadm /c.

 

Tipo de dados Exibição na tela Descrição
Informações de conexão Entrada/Saída Direção da chamada. In é para o adaptador de rede ATM proveniente de outro dispositivo. In é proveniente do adaptador de rede ATM para outro dispositivo.
  PMP Chamada ponto a vários pontos.
  P-P Chamada ponto a ponto.
  SVC A conexão é em um circuito virtual comutado.
  PVC A conexão é em um circuito virtual permanente.
Informação VPI/VCI VPI/VCI Caminho virtual e canal virtual da chamada de entrada ou de saída.
Endereço remoto/Parâmetros de mídia 47000580FFE10

00000F21A2E1

80000C110081500

Endereço NSAP do dispositivo ATM que efetua a chamada (In) ou que recebe a chamada (Out).
  Tx O parâmetro Tx inclui os três elementos a seguir:

  • Tipo de taxa em bits padrão ou especificada (UBR, CBR, VBR ou ABR)
  • Velocidade de linha especificada ou padrão.
  • Tamanho da unidade de dados de serviço (SDU) especificada
  Rx O parâmetro Rx inclui os três elementos a seguir:

  • Tipo de taxa em bits padrão ou especificada (UBR, CBR, VBR ou ABR)
  • Velocidade de linha padrão ou especificada.
  • Tamanho de SDU especificado

Para listar todos os endereços registrados

Para exibir o endereço do ponto de acesso a serviços de rede (NSAP) ATM registrado para cada adaptador instalado neste computador, digite:

atmadm /a

A saída do comando atmadm /c é semelhante a esta:

Copiar Código

Estatísticas do Gerenciador de Chamadas ATM do Windows
 
Endereços ATM da interface: Adaptador [009] Olicom ATM PCI 155
 
47000580FFE1000000F21A2E180000C110081500

Para exibir estatísticas

Para exibir estatísticas para a monitoração do status das conexões ATM ativas, digite:

atmadm /s

A saída do comando atmadm /s é semelhante a esta:

Copiar Código

Estatísticas do Gerenciador de Chamadas ATM do Windows
 
Estatísticas do Gerenciador de chamadas ATM para a interface: Adaptador [009] Olicom ATM PCI 155
 
Current Active calls                        = 4 Total successful Incoming calls             = 1332 Total successful Outgoing calls             = 1297 Unsuccessful Incoming calls                 = 1 Unsuccessful Outgoing calls                 = 1 Calls Closed by Remote                      = 1302 Calls Closed Locally                        = 1323 Signalling and ILMI Packets Sent            = 33655 Signalling and ILMI Packets Received        = 34989

A tabela a seguir contém as descrições de cada elemento no exemplo de saída de atmadm /c.

 

Estatística do Gerenciador de chamadas Descrição
As chamadas ativas atuais As chamadas ativas no momento no adaptador ATM instalado no computador.
Total de chamadas recebidas com êxito As chamadas recebidas com êxito de outros dispositivos nesta rede ATM.
Total de chamadas enviadas com êxito As chamadas concluídas com êxito para outros dispositivos ATM nesta rede a partir deste computador.
Chamadas recebidas sem êxito As chamadas de entrada que não estabeleceram a conexão com este computador.
Chamadas enviadas sem êxito As chamadas de saída que não estabeleceram a conexão com outro dispositivo na rede.
Chamadas encerradas remotamente As chamadas encerradas por um dispositivo remoto na rede.
Chamadas encerradas localmente As chamadas encerradas por este computador.
Pacotes de sinal e ILMI enviados O número de pacotes de interface de gerenciamento local integrado (ILMI) enviados ao comutador ao qual esse computador está tentando se conectar.
Pacotes de sinal e ILMI recebidos O número de pacotes ILMI recebidos do comutador ATM.

***

Attrib

Attrib

Este comando exibe, define ou remove os atributos somente leitura, arquivo morto, sistema e oculto atribuídos a arquivos ou pastas. Quando utilizado sem parâmetros, attrib exibe os atributos de todos os arquivos na pasta atual.

Sintaxe

attrib [{+r | -r}] [{+a | -a}] [{+s | -s}] [{+h | -h}] [[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo] [/s[/d]]

Parâmetros

+r

Define o atributo de arquivo somente leitura.

-r

Limpa o atributo de arquivo somente leitura.

+a

Define o atributo de arquivo morto.

-a

Limpa o atributo de arquivo morto.

+s

Define o atributo de arquivo de sistema.

-s

Limpa o atributo de arquivo de sistema.

+h

Define o atributo de arquivo oculto.

-h

Limpa o atributo de arquivo oculto.

[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo

Especifica o local e o nome da pasta, arquivo ou conjunto de arquivos cujos atributos você deseja exibir ou alterar. É possível utilizar caracteres curinga (isto é, ? e *) no parâmetro Nome_de_Arquivo para exibir ou alterar os atributos de um grupo de arquivos.

/s

Aplica attrib e quaisquer opções de linha de comando aos arquivos correspondentes na pasta atual e a todas as suas subpastas.

/d

Aplica attrib e quaisquer opções de linha de comando às pastas.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Trabalhando com grupos de arquivos
    É possível utilizar caracteres curinga (isto é, ? e *) com o parâmetro Nome_de_Arquivo para exibir ou alterar os atributos de um grupo de arquivos. Se o atributo de sistema ou oculto estiver definido para um arquivo, limpe esses atributos antes de alterar qualquer outro atributo do arquivo.
  • Usando o atributo de arquivo morto
    O atributo de arquivo morto (isto é, +a) marca os arquivos que foram alterados desde o último backup. O comando xcopy utiliza atributos de arquivo morto. Para obter informações sobre atributos de arquivo morto e xcopy, consulte Tópicos Relacionados.
  • O comando attrib, com diferentes parâmetros, está disponível no Console de Recuperação.

Exemplos

Para exibir os atributos de um arquivo denominado Infos86, localizado na unidade atual, digite:

attrib infos86

Para atribuir o atributo somente leitura ao arquivo Relatório.txt, digite:

attrib +r relatório.txt

Para remover o atributo somente leitura dos arquivos na pasta <b>\Público\Oliveira</b> de um disco na unidade B e dos arquivos de todas as subpastas dessa pasta, digite:

attrib -r b:\público\oliveira\*.* /s

Suponha que você queira dar a um colega um disco contendo todos os arquivos da pasta padrão de um disco na unidade A, com exceção dos arquivos com a extensão .bak. Como só é possível usar o comando xcopy para copiar os arquivos marcados com o atributo de arquivo morto, você deverá definir o atributo de arquivo morto para os arquivos a serem copiados. Primeiro, é necessário definir esse atributo para todos os arquivos contidos na unidade A. Depois, é necessário limpar esse atributo dos arquivos com a extensão .bak. Por exemplo, digite:

attrib +a a:*.* attrib -a a:*.bak

Em seguida, utilize o comando xcopy para copiar os arquivos do disco na unidade A para o disco da unidade B. A opção de linha de comando /a no comando a seguir faz com que xcopy copie somente os arquivos marcados com o atributo de arquivo morto: Por exemplo, digite:

xcopy a: b: /a

Para que xcopy limpe o atributo arquivo morto de cada arquivo depois de copiar os arquivos, utilize a opção de linha de comando /m em vez de /a. Por exemplo, digite:

xcopy a: b: /m

***********************************************************************************

“B”

Bootcfg

Configura, consulta ou altera configurações do arquivo Boot.ini.

bootcfg addsw

Adiciona opções de carregamento do sistema operacional a uma entrada do sistema operacional especificada.

Sintaxe

bootcfg/addsw [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/mm RAM_Máxima] [/bv] [/so] [/ng]/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/mmRAM_Máxima

Especifica a quantidade máxima de RAM que pode ser utilizada pelo sistema operacional. O valor deve ser igual ou superior a 32 Megabytes.

/bv

Adiciona a opção /basevideo ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado, instruindo o sistema operacional a usar o modo VGA padrão para o driver de vídeo instalado.

/so

Adiciona a opção /sos ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado, instruindo o sistema operacional a exibir os nomes dos drivers de dispositivo enquanto estiverem sendo carregados.

/ng

Adiciona a opção /noguiboot ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado, desabilitando a barra de progresso do Windows XP Professional exibida antes do prompt de logon de CTRL+ALT+DEL.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, à qual as opções de carregamento do sistema operacional serão adicionadas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /addsw:

bootcfg /addsw /mm 64 /id 2

bootcfg /addsw /so /id 3

bootcfg /addsw /so /ng /s srvmain /u hiropln /id 2

bootcfg /addsw /ng /id 2

bootcfg /addsw /mm 96 /ng /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 2

bootcfg clone

Cria uma cópia de entrada de inicialização da Interface de Firmware Extensível (EFI) para ser usada em um volume de inicialização espelhado em computadores com base no Itanium .

Sintaxe

bootcfg /clone /tgGUID [/sgGUID | /idbootid [/ddescrição | /d+descrição]] [/upddrv]

Parâmetros

/clone

Cria uma entrada de inicialização da EFI para uma partição espelhada contendo um sistema operacional Windows.

/sgGUID

Especifica o identificador global exclusivo (GUID) da partição contendo o sistema operacional do qual a entrada de reinicialização está sendo copiada.

/tgGUID

Especifica o identificador global exclusivo (GUID) da partição contendo o sistema operacional para o qual a entrada de inicialização clonada está sendo criada.

/idbootid

Especifica a entrada de inicialização a ser copiada.

/ddescrição

Aplica o nome amigável especificado à entrada de inicialização clonada.

/d+descrição

Anexa o texto especificado ao nome amigável existente da entrada de inicialização definida com o parâmetro /id. Quando /d+ é usado com o parâmetro /sg, o texto especificado é anexado à seqüência (clone).

/upddrv

Atualiza o caminho do dispositivo para os drivers da EFI.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /clone:

bootcfg /clone /tgGUID/d+ test

Recomendado se quiser clonar uma partição da EFI. É melhor usar argumentos explícitos quando houver diversas partições da EFI com várias entradas de inicialização de partição da EFI para evitar confusões.

bootcfg /clone /sgGUID/tgGUID/d+ descrição

Recomendado se houver diversas partições da EFI com várias entradas de inicialização para cada partição.

bootcfg /clone /tgGUID/idbootid/d descrição

Clona somente a entrada do argumento /id. Essa opção é útil se você tiver uma partição da EFI com diversas entradas e quiser clonar apenas uma delas (e não todas). Para clonar todas as entradas de uma partição da EFI, use o exemplo 1 ou 2.

bootcfg /clone /upddrvGUID

Atualiza somente o driver de ponto flutuante. Nenhuma nova entrada de inicialização será adicionada como resultado do /upddrv. Essa opção é usada se você adicionar um novo driver de ponto flutuante a uma partição da EFI e quiser atualizá-lo em outra partição da EFI.

bootcfg copy

Faz uma cópia de uma entrada de inicialização existente, à qual podem ser adicionadas opções de linha de comando.

Sintaxe

bootcfg/copy [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/d Descrição] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/ddescrição

Especifica a descrição da nova entrada do sistema operacional.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será copiada na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /copy:

bootcfg /copy /d “\ABC Server\” /id 1

bootcfg /copy /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /d “ Windows XP ” /id 2

bootcfg /copy /u hiropln /p p@ssW23 /d “AB Ver 1.001” /id 2

bootcfg dbg1394

Configura a depuração de porta 1394 para uma entrada do sistema operacional especificada.

Sintaxe

bootcfg/dbg1394 {ON | OFF}[/s Computador[/u Domínio\Usuário/p Senha]] [/ch Canal] /id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op

Parâmetros

{ON | OFF}

Especifica o valor da depuração de porta 1394.

 

Valor descrição
ON Habilita o suporte à depuração remota adicionando a opção /dbg1394 ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.
OFF Desabilita o suporte à depuração remota removendo a opção /dbg1394 do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/chCanal

Especifica o canal a ser usado na depuração. Os valores válidos são números inteiros entre 1 e 64. Não use o parâmetro /chCanal se a depuração de porta 1394 estiver sendo desabilitada.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, à qual as opções de depuração de porta 1394 serão adicionadas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /dbg1394:

bootcfg /dbg1394 /id 2

bootcfg /dbg1394 on /ch 1 /id 3

bootcfg /dbg1394 edit /ch 8 /id 2

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /dbg1394 off /id 2

bootcfg debug

Adiciona ou altera as configurações de depuração de uma entrada do sistema operacional especificada.

Sintaxe

bootcfg/debug {ON | OFF | EDIT}[/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4}] [/baud {9600 | 19200 | 38400 | 57600 | 115200}] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

{ON | OFF | EDIT}

Especifica o valor da depuração.

 

Valor descrição
ON Habilita o suporte à depuração remota adicionando a opção /debug ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.
OFF Desabilita o suporte à depuração remota removendo a opção /debug do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.
EDIT Permite modificações nas configurações de porta e taxa de transmissão por meio da alteração dos valores associados à opção /debug do valor especificado em Núm_Linha_Entrada_Sist_Op.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4}

Especifica a porta COM a ser usada na depuração. Não use o parâmetro /port se a depuração estiver sendo desabilitada.

/baud {9600| 19200| 38400| 57600| 115200}

Especifica a taxa de transmissão a ser usada na depuração. Não use o parâmetro /baud se a depuração estiver sendo desabilitada.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, à qual as opções de depuração serão adicionadas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Se a depuração de porta 1394 for necessária, use bootcfg /dbg1394.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /debug:

bootcfg /debug on /port com1 /id 2

bootcfg /debug edit /port com2 /baud 19200 /id 2

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /debug off /id 2

bootcfg default

Especifica a entrada do sistema operacional a ser designada como padrão.

Sintaxe

bootcfg/default [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será designada como padrão na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /default:

bootcfg /default /id 2

bootcfg /default /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 2

bootcfg delete

Exclui uma entrada do sistema operacional na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini.

Sintaxe

bootcfg/delete [/s Computador [/u Domain\Usuário /p Senha]] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será excluída na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /delete:

bootcfg /delete /id 1

bootcfg /delete /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 3

bootcfg ems

Permite que o usuário adicione ou altere configurações para redirecionar o console dos <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b> para um computador remoto. Ao habilitar os <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b>, você adiciona uma linha “redirect=Port#” à seção [boot loader] do arquivo Boot.ini e uma opção /redirect à linha da entrada do sistema operacional especificada. O recurso <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b> só é habilitado em servidores.

Sintaxe

bootcfg/ems {ON | OFF | EDIT} [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4 | BIOSSET}] [/baud {9600 | 19200 | 38400 | 57600 | 115200}] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

{ON | OFF | EDIT}

Especifica o valor do redirecionamento dos <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b>.

 

Valor descrição
ON Habilita a saída remota para o núm_linha_entrada_sist_op especificado. Adiciona uma opção /redirect ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado e uma configuração redirect=comX à seção [boot loader]. O valor de “comX“é definido pelo parâmetro /port.
OFF Desativa a saída de um computador remoto Remove a opção /redirect do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado e a configuração redirect=comX da seção [boot loader].
EDIT Permite modificações nas configurações de porta por meio da alteração da configuração redirect=comX na seção [boot loader]. O valor de “comX” é redefinido como o valor especificado pelo parâmetro /port.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4 | BIOSSET}

Especifica a porta COM a ser usada no redirecionamento. BIOSSET instrui os Serviços de Gerenciamento de Emergência a obterem as configurações do BIOS a fim de determinar a porta que deve ser usada no redirecionamento. Não use o parâmetro /port se a saída administrada remotamente for desabilitada.

/baud {9600| 19200| 38400| 57600| 115200}

Especifica a taxa de transmissão a ser usada no redirecionamento. Não use o parâmetro /baud se a saída administrada remotamente estiver sendo desabilitada.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional à qual a opção <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b> será adicionada na seção [operating systems] do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção [operating systems] é 1. Esse parâmetro será necessário quando o valor dos Serviços de Gerenciamento de Emergência estiver definido como ON ou OFF.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para obter mais informações sobre como usar os <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b>, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando bootcfg /ems:

bootcfg /ems on /port com1 /baud 19200 /id 2

bootcfg /ems on /port biosset /id 3

bootcfg /s srvmain /ems off /id 2

bootcfg /ems edit /port com2 /baud 115200

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /ems off /id 2

bootcfg list

Lista as informações de partição para o disco especificado em computadores baseados no Itanium.

Sintaxe

bootcfg /list [número_do_disco]

Parâmetros

/listnúmero_do_disco

Lista as informações da partição para o disco especificado. Padrões para o disco 0.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /list:

bootcfg /list

bootcfg /list 1

bootcfg mirror

Adiciona uma entrada de inicialização para uma unidade espelhada em computadores baseados no Itanium.

Sintaxe

bootcfg /mirror /addGUID [/d] [/id]

Parâmetros

/addGUID

Adiciona uma nova entrada de inicialização para a partição espelhada com o GUID especificado.

/ddescrição

Especifica a descrição da entrada de inicialização sendo adicionada.

/idbootid

Especifica o caminho do carregador da entrada de inicialização. Padrões para a identificação de entrada de inicialização atual.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /mirror:

bootcfg /mirror /addGUID/d “Entrada de SO espelhada” /id 3

bootcfg /mirror /addGUID/id 2

bootcfg query

Consulta e exibe as entradas das seções do carregador de inicialização e de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini.

Sintaxe

bootcfg/query [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • A seguir, há um exemplo de saída do comando bootcfg /query:

Copiar Código

Configurações do carregador de inicialização
 
--------------------
 
Tempo limite: 30
 
padrão: multi(0)disk(0)rdisk(0)partition(1)\WINDOWS
 
 
 
Entradas de inicialização
 
------------
 
Identificação de entrada de inicialização:   1
 
Nome amigável:   ""
 
Caminho:            multi(0)disk(0)rdisk(0)partition(1)\WINDOWS
 
Opções de carregamento do sistema operacional: /fastdetect /debug /debugport=com1:
  • A parte referente às Configurações do Carregador de Inicialização da saída de bootcfg query exibe cada entrada na seção do carregador de inicialização do arquivo Boot.ini.
  • A parte referente às entradas de inicialização da saída de bootcfg query exibe os seguintes detalhes para cada entrada do sistema operacional na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini: Identificação de entrada de inicialização, Nome amigável, Caminho e Opções de carregamento do sistema operacional.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando bootcfg /query:

bootcfg/query

bootcfg /query /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23

bootcfg /query /u hiropln /p p@ssW23

bootcfg raw

Adiciona opções de carregamento do sistema operacional especificadas como uma seqüência para uma entrada do sistema operacional na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini.

Sintaxe

bootcfg/raw [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] Seq_Opções_Carreg_Sist_Op [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op] [/a]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

seq_opções_carreg_sist_op

Especifica as opções de carregamento do sistema operacional a serem adicionadas à entrada do sistema operacional. Essas opções de carregamento substituirão quaisquer opções de carregamento existentes associadas à entrada do sistema operacional. Não será feita nenhuma validação de opções_carreg_sist_op.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será atualizada na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/a

Especifica que as opções de sistema operacional que estão sendo adicionadas devem ser acrescentadas a todas as opções de sistema operacional existentes.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Bootcfg raw é usado para adicionar texto ao final de uma entrada do sistema operacional, substituindo quaisquer opções de entrada do sistema operacional existentes. Esse texto deve conter Opções de Carregamento de SO válidas, como /debug, /fastdetect, /nodebug, /baudrate, /crashdebug e /sos. Por exemplo, o comando a seguir adiciona “/debug/fastdetect” ao final da primeira entrada do sistema operacional, substituindo quaisquer opções de entrada do sistema operacional anteriores:
    bootcfg /raw “/debug /fastdetect” /id 1
  • Para obter mais informações sobre opções facultativas de carregamento do sistema operacional e como o Windows utiliza o arquivo Boot.ini durante a inicialização, consulte o artigo Q170756, “Available Switch Options for Windows NT Boot.ini File”, no Microsoft Knowledge Base (site em inglês).

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando bootcfg /raw:

bootcfg /raw “/debug /sos” /id 2

bootcfg /raw /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 “/crashdebug ” /id 2

bootcfg rmsw

Remove opções de carregamento do sistema operacional de uma entrada especificada do sistema operacional.

Sintaxe

bootcfg/rmsw [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/mm] [/bv] [/so] [/ng] /id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/mm

Remove a opção /maxmem e seu valor de memória máximo associado do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. A opção /maxmem especifica a quantidade máxima de RAM que pode ser utilizada pelo sistema operacional.

/bv

Remove a opção /basevideo do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. A opção /basevideo instrui o sistema operacional a usar o modo VGA padrão do driver de vídeo instalado.

/so

Remove a opção /sos do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. Essa opção instrui o sistema operacional a exibir nomes de drivers de dispositivo enquanto estão sendo carregados.

/ng

Remove a opção /noguiboot do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. Essa opção desabilita a barra de progresso do Windows XP Professional exibida antes do prompt de logon de CTRL+ALT+DEL.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, da qual as opções de carregamento do sistema operacional serão removidas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg rmsw:

bootcfg /rmsw /mm 64 /id 2

bootcfg /rmsw /so /id 3

bootcfg /rmsw /so /ng /s srvmain /u hiropln /id 2

bootcfg /rmsw /ng /id 2

bootcfg /rmsw /mm 96 /ng /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 2

bootcfg timeout

Altera o valor do tempo limite do sistema operacional.

Sintaxe

bootcfg/timeoutValor_Do_Tempo_Limite [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]]

Parâmetros

/timeoutValor_do_Tempo_Limite

Especifica o valor do tempo limite na seção do carregador de inicialização. O Valor_do_Tempo_Limite é o número de segundos de que o usuário dispõe para selecionar um sistema operacional na tela do carregador de inicialização antes de NTLDR carregar o sistema operacional padrão. O intervalo válido para Valor_do_Tempo_Limite é 0-999. Se o valor for 0, o NTLDR iniciará imediatamente o sistema operacional padrão sem exibir a tela do carregador de inicialização.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /timeout:

bootcfg /timeout 30

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /timeout 50

bootcfg update

Atualiza as informações da entrada de inicialização em computadores baseados no Itanium.

Sintaxe

bootcfg /updateGUID

Parâmetros

/updateGUID

Modifica a entrada de inicialização com o identificador global exclusivo (GUID) e atualiza o número da partição na entrada da inicialização, se necessário.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /update:

bootcfg /updateGUID

***

Break

Interrupção

O Windows XP e a família de produtos Windows Server 2003 não usam esse comando. Ele é incluído apenas para preservar a compatibilidade com arquivos do MS-DOS existentes, mas não tem qualquer efeito na linha de comando, pois a funcionalidade é automática.

***********************************************************************************

 “C”

Cacls

Cacls

Exibe ou modifica listas de controle de acesso discricional (DACLs) em arquivos especificados.

Sintaxe

caclsNome_do_Arquivo [/t] [/e [/rUsuário […]]] [/c] [/gUsuário:Permissão ] [/pUsuário:Permissão […]] [/dUsuário […]]

Parâmetros

nome_de_arquivo

Necessário. Exibe as DACLs dos arquivos especificados.

/t

Altera as DACLs dos arquivos especificados na pasta atual e em todas as subpastas.

/e

Edita uma DACL em vez de substituí-la.

/rUsuário

Revoga os direitos de acesso do usuário especificado. Não é valido sem /e.

/c

Continua a alterar as DACLs, ignorando os erros.

/gUsuário:Permissão

Concede direitos de acesso ao usuário especificado. A tabela a seguir lista os valores válidos para Permissão.

 

Valor Descrição
n Nenhum
r Ler
w Gravar
c Alteração (gravação)
f Controle total

/pUsuário:Permissão

Substitui os direitos de acesso do usuário especificado. A tabela a seguir lista os valores válidos para Permissão.

 

Valor Descrição
n Nenhum
r Ler
w Gravar
c Alteração (gravação)
f Controle total

/dusuário

Nega o acesso ao usuário especificado.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Use a tabela a seguir para interpretar os resultados.

 

Saída A ACE aplica-se a
OI Esta pasta e arquivos.
CI Esta pasta e subpastas.
IO A ACE não se aplica ao arquivo/pasta atual.
Nenhuma mensagem de saída Somente esta pasta.
(IO)(CI) Esta pasta, subpastas e arquivos.
(OI)(CI)(IO) Subpastas e arquivos somente.
(CI)(IO) Subpastas somente.
(OI)(IO) Arquivos somente.
  • Você pode utilizar caracteres curingas (isto é, ? e *) para especificar vários arquivos.
  • É possível especificar mais de um usuário.

***

Call

Chama um programa em lotes a partir de outro, sem interromper o programa em lotes pai. O comando call aceita rótulos como o destino da chamada. Call não tem efeito na linha de comando quando usado fora de um script ou arquivo em lotes.

Sintaxe

call [[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo [Parâmetros_em_Lotes]] [:Rótulo [Argumentos]]

Parâmetros

[ Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo

Especifica o local e o nome do programa em lotes a ser chamado. O parâmetro Nome_do_Arquivo deve ter uma extensão .bat ou .cmd.

parâmetros_em_lotes

Especifica qualquer informação de linha de comando exigida pelo programa em lotes, incluindo opções de linha de comando, nomes de arquivos, parâmetros em lotes (isto é, %0 a %9) ou variáveis (por exemplo, %taxa_de_transmissão%).

:Rótulo

Especifica o rótulo para o qual o controle do programa em lotes deverá saltar. O uso do comando call com esse parâmetro criará um novo contexto de arquivo em lotes e passará o controle para a instrução posterior ao rótulo especificado. Na primeira vez em que o final do arquivo em lotes for encontrado (isto é, após o controle saltar para o rótulo), o controle retornará para a instrução após a instrução call. Na segunda vez que o final do arquivo em lotes for encontrado, o script em lotes será finalizado. Para obter uma descrição da extensão de goto :eof que permite retornar de um script em lotes, consulte Tópicos Relacionados.

Argumentos

Especifica qualquer informação de linha de comando passada para a nova instância do programa em lotes que começa por :Rótulo, incluindo opções de linha de comando, nomes de arquivo, parâmetros em lotes (isto é, %1 a %9) ou variáveis (por exemplo, %taxa_de_transmissão%).

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando parâmetros em lotes
    Os parâmetros em lotes podem conter qualquer informação que pode ser passada para um programa em lotes, incluindo opções de linha de comando, nomes de arquivo, parâmetros em lotes (isto é, %0 a %9) ou variáveis (por exemplo, %taxa_de_transmissão%). Para obter mais informações sobre parâmetros em lotes, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.
  • Usando pipes e símbolos de redirecionamento
    Não utilize pipes e símbolos de redirecionamento com o comando call.
  • Fazendo uma chamada recursiva
    É possível criar um programa em lotes que chama a si mesmo, porém, é necessário fornecer uma condição de saída. Caso contrário, os programas em lotes pai e filho poderão permanecer em loop indefinidamente.
  • Trabalhando com extensões de comando
    Com as extensões de comando habilitadas (isto é, o padrão), o comando call aceita um Rótulo como destino da chamada. A sintaxe correta é a seguinte:
    call:Rótulo Argumentos
    Para obter mais informações sobre como habilitar e desabilitar extensões de comandos, consulte cmd em Tópicos Relacionados.

Exemplos

Para executar o programa Verifnov.bat a partir de outro programa em lotes, digite o comando a seguir no programa em lotes pai:

call verifnov

Se o programa em lotes pai aceitar dois parâmetros em lotes e você desejar passar esses parâmetros para o arquivo Verifnov.bat, use o comando a seguir no programa em lotes pai:

call verifnov %1 %2

***

Certreq

Solicita certificados de uma autoridade de certificação.

Para enviar uma solicitação para uma autoridade de certificação

Sintaxe

certreq[-submit] [-attrib Seqüência_de_Atributo] [-binary] [-config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA] [-crl] [-rpc] [Arquivo_de_Entrada_Solicitado [Arquivo_de_Saída_do_Certificado[Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados [Resposta_Completa_do_Arquivo_de_Saída]]]]

Parâmetros

-submit

Envia uma solicitação para uma autoridade de certificação.

-attrib Seqüência_de_Atributo

Especifica os pares de seqüências Nome e Valor, separados por dois-pontos. Separe os pares de seqüência de caracteres Nome e Valor com \n (por exemplo, Nome1:Valor1\nNome2:Valor2).

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-configCAMachineName\CAName

processa a operação usando a autoridade de certificação especificada na cadeia de caracteres de configuração (ou seja, Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA).

-crl

Inclui CRLs (listas de revogação de certificados) na saída para o arquivo PKCS #7 codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados ou para o arquivo codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_Solicitado.

-rpc

Instrui os Serviços de certificado a usarem uma conexão de servidor de chamada RPC (procedimento remoto) em vez de DCOM.

ArqSolicitEnt

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar. O arquivo pode ser uma solicitação de certificado PKCS #10, uma solicitação de renovação de certificado PKCS #7, uma solicitação de certificado de formato de marca KEYGEN ou um protocolo de gerenciamento de certificados usando a solicitação de sintaxe de mensagens criptográficas (CMS) (este protocolo também é conhecido como CMC).

ArqCertifSaída

Especifica o arquivo X.509 v3 binário ou codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqCadeiaCertifSaída

Especifica o arquivo PKCS #7 binário ou codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqRespComplSaída

Especifica o arquivo de resposta completa binário ou codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Comentários

  • Você deve especificar o Nome_do_Computador_da_CA ou o Nome_da_CA em -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA. Caso contrário, a caixa de diálogo Selecionar autoridade de certificação aparecerá e exibirá uma lista de todas as autoridades de certificação disponíveis.
  • Se você usar -config – em vez de -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA, a operação será processada usando a autoridade de certificação padrão.

Para recuperar uma resposta a uma solicitação anterior de uma autoridade de certificação

Sintaxe

certreq-retrieve[-binary] [-config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA] [-crl] [-rpc] Identificação_da_Solicitação[Arquivo_de_Saída_do_Certificado[Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados [Resposta_Completa_do_Arquivo_de_Saída]]]

Parâmetros

-retrieve

Recupera uma resposta.

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-configCAMachineName\CAName

processa a operação usando a autoridade de certificação especificada na cadeia de caracteres de configuração (ou seja, Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA). Sem essa opção, a autoridade de certificação padrão processará a solicitação.

-crl

Inclui CRLs (listas de revogação de certificados) na saída para o arquivo PKCS #7 codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados ou para o arquivo codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_Solicitado.

-rpc

Instrui os Serviços de certificado a usarem uma conexão de servidor de chamada RPC (procedimento remoto) em vez de DCOM.

IdDaSolicitação

Especifica a solicitação ou certificado que você deseja recuperar.

ArqCertifSaída

Especifica o arquivo X.509 v3 binário ou codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqCadeiaCertifSaída

Especifica o arquivo PKCS #7 binário ou codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqRespComplSaída

Especifica o arquivo de resposta completa binário ou codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Comentários

  • Você deve especificar o Nome_do_Computador_da_CA ou o Nome_da_CA em -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA. Caso contrário, a caixa de diálogo Selecionar autoridade de certificação aparecerá e exibirá uma lista de todas as autoridades de certificação disponíveis.
  • Se você usar -config – em vez de -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA, a operação será processada usando a autoridade de certificação padrão.
  • Você pode usar certreq -retrieveIdentificação_da_Solicitação para recuperar o certificado depois que a autoridade de certificação for realmente emitida. Também pode ser usado para recuperar qualquer certificado que já foi emitido pela autoridade de certificação (mesmo certificados revogados ou expirados), independentemente de a solicitação do certificado ter estado pendente alguma vez.
  • Se você submeter uma solicitação à autoridade de certificação, o módulo de diretiva da autoridade de certificação poderá deixar a solicitação em um estado de pendência e retornar o ID_da_Solicitação ao chamador Certreq para exibição. Normalmente, o administrador da autoridade de certificação emitirá um certificado ou negará a solicitação.

Para criar uma nova solicitação de um arquivo .inf

Sintaxe

certreq-new[-attrib Seqüência_de_Atributo] [-binary] [-cert Identificação_do_Certificado] [Arquivo_de_Entrada_da_Diretiva [Arquivo_de_Saída_da_Solicitação]]

Parâmetros

-new

Cria uma nova solicitação.

-attribSeqAtrib

Especifica os pares de seqüências de Nome e Valor, separados por dois-pontos. Separe os pares de seqüência de caracteres Nome e Valor com \n (por exemplo, Nome1:Valor1\nNome2:Valor2).

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-certID_do_Certificado

Especifica o certificado de autenticação pelo nome comum, número de série, chave de algoritmo de hash seguro (SHA-1) ou hash de certificado.

ArqDiretEnt

Especifica o arquivo de entrada .inf que contém as definições de extensão que você deseja usar para qualificar uma solicitação.

ArqSolicitSaída

Especifica o arquivo codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Para aceitar e instalar uma resposta para uma nova solicitação anterior

Sintaxe

certreq-accept [{Arquivo_de_Entrada_da_Cadeia_de_Certificados | Resposta_Completa_do_Arquivo_de_Entrada | Arquivo_de_Entrada_do_Certificado}]

Parâmetros

-accept

Aceita e instala uma resposta.

ArquivoDeEntradaDaCadeiaDeCertificados

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar.

RespostaCompletaDoArquivoDeEntrada

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar.

ArquivoDeEntradaDoCertificado

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Para construir uma certificação cruzada ou solicitação de subordinação qualificada de um certificado de autoridade de certificação ou solicitação existente

Sintaxe

certreq-policy [-attrib Seqüência_de_Atributo] [-binary] [-cert Identificação_do_Certificado] [Arquivo_de_Entrada_da_Solicitação [Arquivo_de_Entrada_da_Diretiva[Arquivo_de_Saída_da_Solicitação [Arquivo_de_Saída_PKCS10]]]]

Parâmetros

-policy

Define a diretiva para uma solicitação.

-attribSeqAtrib

Especifica os pares de seqüências de Nome e Valor, separados por dois-pontos. Separe os pares de seqüência de caracteres Nome e Valor com \n (por exemplo, Nome1:Valor1\nNome2:Valor2).

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

Anúncios