Pagina 226 – 270

Publicado: 10 de outubro de 2009 por tshingo em Parte 06

Comentários

  • Forfiles é usado com mais freqüência em arquivos em lotes.
  • Forfiles /s é semelhante a dir /s.
  • A tabela a seguir lista as variáveis que podem ser utilizadas na seqüência de comando /cComando.

 

Variável Descrição
@file Nome do arquivo
@fname Nome do arquivo sem extensão
@ext Extensão de arquivo
@path Caminho completo do arquivo
@relpath Caminho relativo do arquivo
@isdir Avalia como VERDADEIRO se um tipo de arquivo for um diretório, caso contrário, avalia como FALSO
@fsize Tamanho do arquivo, em bytes
@fdate Carimbo de data modificado por último no arquivo
@ftime Carimbo de hora modificado por último no arquivo
  • Com forfiles, você pode executar um comando ou passar argumentos para vários arquivos. Por exemplo, você pode executar o comando TYPE sobre todos os arquivos em uma árvore com a extensão *.txt. Ou pode executar todos os arquivos em lotes (*.bat) na unidade C:\ com o nome de arquivo “MinhaEntrada.txt” como primeiro argumento.
  • Com forfiles, você pode executar qualquer dos procedimentos a seguir:
  • Selecionar arquivos por data absoluta ou relativa usando /d.
  • Criar uma árvore de arquivamento de arquivos usando variáveis como @fsize (tamanho do arquivo) e @fdate (data do arquivo).
  • Diferenciar arquivos de diretórios usando a variável @isdir.
  • Formatar saída incluindo caracteres especiais na linha de comando e delimitando os caracteres com o código hexadecimal 0xHH.
  • Forfiles funciona implementando o sinalizador recurse subdirectories em ferramentas concebidas para processar um único arquivo.

Exemplos

Para listar todos os arquivos em lotes na unidade C:, digite:

forfiles /p c:\ /s /m*.bat /c”cmd /c echo @file é um arquivo em lotes”

Para listar todos os diretórios na unidade C:, digite:

forfiles /p c:\ /s /m*.* /c”cmd /c if @isdir==true echo @file é um diretório”

Para listar todos os arquivos com mais de 100 dias na unidade C:, digite:

forfiles /p c:\ /s /m*.* /dt-100 /c”cmd /c echo @file : data >= 100 dias”

Para listar todos os arquivos anteriores a 1 de janeiro de 1993 na unidade C: e, em seguida, exibir “arquivo é muito antigo!” para os arquivos com uma data anterior a 01/01/1993, digite:

forfiles /p c:\ /s /m*.* /dt-01011993 /c”cmd /c echo @file é muito antigo!”

Para listar todos as extensões de todos os arquivos na unidade C: em formato de coluna, digite:

forfiles /p c:\ /s /m*.* /c “cmd /c echo extensão de @file é 0x09@ext0x09” Com:

Para listar todos os arquivos em lotes na unidade C:, digite:

forfiles /p c:\ /s /m *.bat /c “cmd /c echo @file é um arquivo em lotes”

Para listar todos os diretórios na unidade C:, digite:

forfiles /p c:\ /s /m *.* /c “cmd /c if @isdir==true echo @file é um diretório”

Para listar todos os arquivos com mais de 100 dias na unidade C:, digite:

forfiles /p c:\ /s /m *.* /d t-100 /c “cmd /c echo @file : data >= 100 dias”

Para listar todos os arquivos anteriores a 1 de janeiro de 1993 na unidade C: e, em seguida, exibir “arquivo é muito antigo!” para os arquivos com uma data anterior a 01/01/1993, digite:

forfiles /p c:\ /s /m *.* /d t-01011993 /c “cmd /c echo @file é muito antigo!”

Para listar todos as extensões de todos os arquivos na unidade C: em formato de coluna, digite:

forfiles /p c:\ /s /m*.* /c “cmd /c echo extensão de @file é 0x09@ext0x09”

***

Format

Formata o disco no volume especificado para aceitar arquivos do Windows.

Sintaxe

formatVolume [/fs:Sistema_de_Arquivos] [/v:Rótulo] [/q] [/a:Tamanho_da_Unidade] [/c] [/x]

formatVolume [/v:Rótulo] [/q] [/f:Tamanho]

formatVolume [/v:Rótulo] [/q] [/t:Trilhas/n:Setores]

formatVolume [/v:Rótulo] [/q]

formatVolume [/q]

Parâmetros

Volume

Especifica o ponto de montagem, nome do volume ou letra de unidade (seguida de dois-pontos) da unidade a ser formatada. Se nenhuma das opções de linha de comando a seguir for especificada, format usará o tipo de volume para determinar o formato padrão do disco.

/fs:Sistema_de_Arquivos

Especifica o sistema de arquivos a usar a tabela de alocação de arquivos: FAT, FAT32 ou NTFS. Os disquetes só podem utilizar o sistema de arquivos FAT.

/v:Rótulo

Especifica o rótulo do volume. Se você omitir a opção de linha de comando /v ou usá-la sem especificar um rótulo de volume, o comando format solicitará o rótulo do volume depois que a formatação for concluída. Use a sintaxe /v: para evitar que o sistema solicite um rótulo de volume. Se você formatar mais de um disco usando somente um comando format, todos os discos receberão o mesmo rótulo de volume. Para obter mais informações sobre rótulos de volumes de disco, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

/a:Tamanho_da_Unidade

Especifica o tamanho de unidade de alocação a ser utilizado em volumes FAT, FAT32 ou NTFS. Se Tamanho_da_Unidade não for especificado, ele será escolhido com base no tamanho do volume. A tabela a seguir lista valores válidos para Tamanho_da_Unidade.

 

Valor Descrição
512 Cria 512 bytes por cluster.
1024 Cria 1024 bytes por cluster.
2048 Cria 2048 bytes por cluster.
4096 Cria 4096 bytes por cluster.
8192 Cria 8192 bytes por cluster.
16K Cria 16 quilobytes por cluster.
32K Cria 32 quilobytes por cluster.
64K Cria 64 quilobytes por cluster.

/q

Realiza uma formatação rápida. Exclui a tabela de arquivos e a pasta raiz de um volume formatado anteriormente, mas não realiza uma busca em cada setor por áreas danificadas. Você deve usar a opção de linha de comando /q para formatar somente os volumes já formatados anteriormente e que você sabe que estão em boas condições.

/f:Tamanho

Especifica o tamanho do disquete a ser formatado. Quando possível, use esta opção de linha de comando em vez das opções de linha de comando /t e /n. O Windows aceita os seguintes valores para tamanho:1440 ou 1440k ou 1440kb ou 1,44 ou 1,44m ou 1,44mb disco de 3,5 polegadas, densidade quádrupla, dois lados, 1,44 MB

/t:Trilhas

Especifica o número de trilhas do disco. Quando possível, use a opção /f em vez desta opção de linha de comando. Se usar a opção de linha de comando /t, deverá usar também a opção /n. Essas duas opções de linha de comando oferecem um método alternativo para especificar o tamanho do disco que está sendo formatado. Não é possível usar a opção de linha de comando /f com a opção /t.

/n:Setores

Especifica o número de setores por trilha. Quando possível, use a opção /f em vez desta opção de linha de comando. Se usar a opção de linha de comando /n, deverá usar também a opção /t. Essas duas opções de linha de comando oferecem um método alternativo para especificar o tamanho do disco que está sendo formatado. Não é possível usar a opção de linha de comando /f com a opção /n.

/c

Somente NTFS. Os arquivos criados no novo volume serão compactados por padrão.

/x

Faz o volume ser desmontado, se necessário, antes de ser formatado. Os identificadores abertos para o volume não serão mais válidos.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando format no <b>Console de recuperação</b>
    O comando format, com parâmetros diferentes, está disponível no Console de Recuperação.
  • Credenciais administrativas
    Para formatar um disco rígido, é necessário ser membro do grupo <b>Administradores</b>.
  • Usando format.
    O comando format cria uma nova pasta raiz e o sistema de arquivos para o disco. Ele também pode procurar áreas danificadas no disco e excluir todos os dados do disco. Para usar um novo disco, você deve, primeiro, utilizar este comando para formatar o disco.
  • Digitando um rótulo de volume
    Depois de formatar um disquete, o comando format exibirá a seguinte mensagem:
    Volume label (11 characters, ENTER for none)?
    O rótulo do volume pode ter no máximo 11 caracteres (inclusive espaços). Se você não desejar que o disco tenha um rótulo de volume, bastará pressionar a tecla ENTER. Para obter informações sobre rótulos de volumes, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.
  • Formatando um disco rígido
    Quando você utiliza o comando format para formatar um disco rígido, o format exibe uma mensagem como a seguinte antes de tentar formatar o disco rígido:

Copiar Código

AVISO, TODOS OS DADOS NA UNIDADE DE DISCO RÍGIDO x: SERÃO PERDIDOS! Prosseguir com a formatação (S/N)? _

Para formatar o disco rígido, pressione S; se não quiser formatar o disco, pressione N. É necessário ter direitos de administrador para formatar um disco rígido.

  • Tamanho de unidade
    O sistema de arquivos FAT restringe o número de clusters a não mais que 65526. Os sistemas de arquivos FAT32 restringem o número de clusters entre 65527 e 4177917.
    Não há suporte para compactação NTFS para alocação de tamanhos de unidade acima de 4096.
  • Mensagens do comando format
    Quando a formatação for concluída, format exibirá mensagens mostrando o espaço total em disco, os espaços marcados como defeituosos e o espaço disponível para arquivos.
  • Formatação rápida
    Você pode acelerar o processo de formatação utilizando a opção de linha de comando /q. Só utilize essa opção se não houver setores defeituosos no disco rígido.
  • Usando <b>format</b> com uma unidade reatribuída ou com uma unidade de rede
    Você não deve utilizar o comando format em uma unidade preparada com o comando subst. Não é possível formatar discos através de uma rede.
  • Códigos de saída do format
    A tabela a seguir lista cada código de saída e uma breve descrição de seu significado.

 

Código de saída Descrição
0 A operação de formatação teve êxito.
1 Foram fornecidos parâmetros incorretos.
4 Ocorreu um erro fatal (qualquer erro diferente de 0, 1 ou 5).
5 O usuário pressionou N em resposta à mensagem “Prosseguir com a formatação (S/N)?” para interromper o processo.

Você pode verificar esses códigos de saída utilizando a condição errorlevel com o comando em lote if.

Exemplos

Para formatar um novo disquete na unidade A, utilizando o tamanho padrão, digite:

format a:

Para executar uma operação de formatação rápida em um disquete na unidade A formatado anteriormente, digite:

format a: /q

Para formatar um disquete na unidade A e atribuir a ele o rótulo de volume “DADOS”, digite:

format a: /v:DADOS

***

Freedisk

Verifica se a quantidade de espaço em disco especificada encontra-se disponível antes de continuar com um processo de instalação.

Sintaxe

freedisk [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p [Senha]]]] [/d Unidade] [Valor]

Parâmetros

/s Computador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não utilize barras invertidas). O padrão é o computador local. Este parâmetro se aplica a todos os arquivos e pastas especificados no comando.

/u[ Domínio\] Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. O padrão é permissões do sistema.

/p [Senha]

Especifica a senha da conta de usuário especificada em /u.

/d Unidade

Especifica a unidade para a qual você deseja descobrir a disponibilidade de espaço livre. Você deve especificar Unidade para um computador remoto.

Valor

Verifica se há uma determinada quantidade de espaço em disco livre. Valor pode ser especificado em bytes, KB, MB, GB, TB, PB, EB, ZB ou YB.

Comentários

  • Usando as opções de linha de comando /s, /u e /p. As opções de linha de comando /u e /p estão disponíveis apenas quando você usa /s. É necessário utilizar /p com /u para fornecer a senha do usuário.
  • No caso de instalações autônomas, é possível usar freedisk em arquivos de instalação em lotes para verificar se o espaço em disco predeterminado existe antes de continuar com a instalação.
  • Ao usar freedisk em um arquivo em lotes, ele apresentará um 0 se houver espaço suficiente e um 1 se não houver.

Exemplos

Para determinar se há pelo menos 50 MB de espaço livre na unidade C:, digite:

freedisk 50mb

Será exibida uma saída semelhante à seguinte na tela:

Copiar Código

INFO: The specified 52,428,800 byte(s) of free space is available on current drive.

 

***

Fsutil

Fsutil é um utilitário de linha de comando que pode ser usado para realizar várias tarefas relacionadas a sistemas de arquivo FAT e NTFS, como gerenciar pontos de nova análise, gerenciar arquivos esparsos ou desmontar um volume. Como o fsutil é um aplicativo poderoso, só deve ser utilizado por usuários avançados que tenham conhecimento amplo do Windows XP ou da família Windows Server 2003 de sistemas operacionais. Além disso, você precisa fazer logon como administrador ou como membro do grupo de Administradores para usar o fsutil.

A tabela a seguir lista os subcomandos do fsutil.

 

Comando Descrição
Fsutil: comportamento Consulta, altera, habilita ou desabilita as configurações para gerar nomes de arquivo com 8.3 caracteres de comprimento, aceitar caracteres estendidos em nomes de arquivos com 8.3 caracteres de comprimento em volumes NTFS, atualizar o carimbo de data/hora de último acesso nos volumes NTFS, a freqüência com que os eventos de cota são gravados no log do sistema, os níveis do cache interno da memória de pool paginada NTFS e da memória de pool não-paginada NTFS, e a quantidade de espaço em disco reservada para a zona MFT.
Fsutil: dirty Pesquisa se foi definido o bit com problemas no volume. Define o bit com problemas em um volume. Se for definido um bit com problemas no volume, autochk verificará automaticamente o volume em busca de erros na próxima vez em que o computador for reiniciado.
Fsutil: file Normalmente usado por profissionais de suporte. Localiza um arquivo por nome de usuário (caso as cotas de disco estejam habilitadas), consulta intervalos alocados para um arquivo, define o nome curto de um arquivo, define o comprimento de dados válido para um arquivo ou define uma quantidade de dados nula para um arquivo.
Fsutil: fsinfo Normalmente usado por profissionais de suporte. Lista todas as unidades, pesquisa o tipo de unidade, pesquisa informações sobre o volume, pesquisa informações sobre volumes NTFS ou pesquisa estatísticas do sistema de arquivos.
Fsutil: hardlink Cria um vínculo físico. O vínculo físico é uma entrada de pasta para um arquivo. Considera-se que todo arquivo tem pelo menos um vínculo físico. Em volumes NTFS, cada arquivo pode ter vários vínculos físicos, portanto, um único arquivo pode aparecer em várias pastas (ou até na mesma pasta com nomes diferentes). Como todos os vínculos fazem referência ao mesmo arquivo, os programas podem abrir qualquer um dos vínculos e modificar o arquivo. Um arquivo é excluído do sistema de arquivos somente depois que todos os seus vínculos forem excluídos. Uma vez criado um vínculo físico, os programas poderão usá-lo como qualquer outro nome de arquivo.
Fsutil: objectid Normalmente usado por profissionais de suporte. Gerencia identificadores de objetos, que são usados pelo Windows XP e pela família Windows Server 2003 de sistemas operacionais para controlar objetos como arquivos e pastas.
Fsutil: quota Gerencia as cotas de disco em volumes NTFS para fornecer um controle mais preciso do armazenamento na rede. As cotas de disco são implementadas por volume e permitem que os limites físicos e lógicos para armazenamento sejam implementados por usuário.
Fsutil: reparsepoint Normalmente usado por profissionais de suporte. Consulta ou exclui pontos de nova análise, que são objetos de sistema de arquivos NTFS com um atributo definível contendo dados controlados pelo usuário, e são usados para estender a funcionalidade no sub-sistema de entrada/saída (E/S). Os pontos de nova análise são usados nos pontos de junção de pasta e pontos de montagem de volume. Além disso, são usados por drivers de filtro de sistema de arquivos para marcar determinados arquivos como especiais para esse driver.
Fsutil: sparse Gerencia arquivos esparsos. O arquivo esparso é um arquivo com uma ou mais regiões com dados não alocados. Um programa verá essas regiões não alocadas como contendo bytes com valor zero, mas na verdade não há espaço em disco usado para representar esses zeros. Em outras palavras, todos os dados significativos ou diferentes de zero estão alocados, ao passo que todos os dados não significativos (grandes seqüências de caracteres de dados compostos de zeros) não estão alocados. Quando um arquivo esparso é lido, os dados alocados são retornados como armazenados, e os dados não alocados são retornados, por padrão, como zeros, de acordo com a especificação de requisição de segurança C2. O suporte a arquivos esparsos permite que dados sejam desalocados de qualquer lugar do arquivo.
Fsutil: usn Normalmente usado por profissionais de suporte. Gerencia o diário de alteração do número de atualização de seqüência (USN), que fornece um log persistente de todas as alterações feitas nos arquivos do volume.
Fsutil: volume Gerencia um volume. Desmonta um volume ou faz uma consulta para verificar a quantidade de espaço livre em um disco.

 

***

Ftp

Transfere arquivos de um computador e para um computador que execute o serviço de servidor protocolo de transferência de arquivo (FTP) como os Serviços de informações da Internet. O comando Ftp pode ser usado interativamente ou em modo de lotes processando arquivos de texto ASCII.

Sintaxe

ftp [-v] [-d] [-i] [-n] [-g] [-s:Nome_do_Arquivo] [-a] [-w:Tamanho_da_Janela] [-A] [Host]

Parâmetros

-v

Suprime a exibição de respostas do servidor FTP.

-d

Ativa a depuração, exibindo todos os comandos passados entre o cliente FTP e o servidor FTP.

-i

Desativa o prompt interativo durante as transferências de vários arquivos.

-n

Suprime a possibilidade de fazer logon automático quando a conexão inicial é feita.

-g

Desativa o mascaramento do nome de arquivo. Glob permite a utilização do asterisco (*) e do ponto de interrogação (?) como caracteres curinga em nomes de arquivo e caminhos locais. Para obter mais informações, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

-s:Nome_do_Arquivo

Especifica um arquivo de texto que contém comandos ftp. Esses comandos são executados automaticamente depois que o ftp é iniciado. Este parâmetro não permite espaços. Utilize este parâmetro no lugar do redirecionamento (<).

-a

Especifica que qualquer interface local pode ser usada para vincular a conexão de dados do FTP.

-w:Tamanho_da_Janela

Especifica o tamanho do buffer de transferência. O tamanho de janela padrão é 4096 bytes.

-A

Faz logon no servidor FTP como anônimo.

host

Especifica o nome do computador, o endereço IP ou endereço IPv6 do servidor FTP a ser conectado. O nome ou endereço do host, se especificado, deve ser o último parâmetro na linha.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Os parâmetros do ftp devem ser antecedidos por um hífen () e não por uma barra (/).
  • Os parâmetros da linha de comando do ftp diferenciam maiúsculas de minúsculas.
  • Este comando estará disponível somente se o Protocolo Internet (TCP/IP) estiver instalado como um componente nas propriedades de um adaptador de rede em Conexões de Rede.
  • O ftp pode ser utilizado interativamente. Após ser iniciado, o ftp cria um subambiente no qual os comandos ftp podem ser usados. É possível retornar ao prompt de comando digitando o comando quit. Quando o subambiente ftp estiver em execução, ele será indicado pelo prompt de comando ftp >.
  • Para obter mais informações sobre os subcomandos ftp, consulte Tópicos Relacionados.
  • O ftp oferece suporte para a utilização de IPv6 quando o protocolo IPv6 estiver instalado. Para obter mais informações, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

Exemplos

Para fazer logon no servidor FTP denominado ftp.exemplo.microsoft.com.br, digite:

ftp ftp.exemplo.microsoft.com.br

Para fazer logon anônimo no servidor FTP denominado ftp.exemplo.microsoft.com.br, digite:

ftp -A ftp.exemplo.microsoft.com.br

Para fazer logon no servidor FTP denominado ftp.exemplo.microsoft.com.br e executar os comandos ftp contidos em um arquivo denominado Sincr.txt, digite:

ftp -s:sincr.txt ftp.exemplo.microsoft.com.br

///

Subcomandos de Ftp

Para obter mais informações, clique em um comando:

***

Ftype

Exibe ou modifica tipos de arquivos utilizados em associações de extensões de nomes de arquivos. Quando usado sem parâmetros, ftype exibe os tipos de arquivos que tenham seqüências de comando abertas definidas.

Sintaxe

Ftype [Tipo_de_Arquivo[=[Seqüência_do_Comando_Open]]]

Parâmetros

tipo_de_arquivo

Especifica o tipo de arquivo que você quer exibir ou alterar.

seqüência_do_comando_open

Especifica o comando <b>open</b> a ser utilizado quando abrir arquivos deste tipo.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • A tabela a seguir lista como ftype substitui variáveis em uma Seqüência_do_Comando_Open.

 

Variável Valor substituto
%0 ou %1 Substituída pelo nome de arquivo que você desejar abrir.
%* Substituída por todos os parâmetros.
%~N Substituída por todos os parâmetros restantes, iniciando com o parâmetro N, onde N pode ser qualquer número de 2 a 9.
%2 Substituída pelo primeiro parâmetro, %3 pelo segundo, e assim sucessivamente.

Exemplos

Para exibir os tipos de arquivo atuais que possuem seqüências do comando <b>open</b> definidas, digite:

ftype

Para exibir a seqüência do comando <b>open</b> atual para um tipo de arquivo especificado, digite:

ftypeTipo_de_Arquivo

Para excluir a seqüência do comando <b>open</b> para um tipo de arquivo especificado, digite:

ftypeTipo_de_Arquivo=

Digite:

ASSOC .pl=PerlScript FTYPE PerlScript=perl.exe %1 %*

Para chamar o script Perl, digite:

script.pl 1 2 3

Para eliminar a necessidade de digitar extensões, digite:

set PATHEXT=.pl;%PATHEXT%

Para chamar o script Perl, digite:

script 1 2 3

***********************************************************************************

“G”

Getmac

Retorna o endereço do controle de acesso à mídia (MAC) e a lista dos protocolos de rede associados a cada endereço referente a todas as placas de rede de cada computador, local ou em toda a rede.

Sintaxe

getmac[.exe][/sComputador [/uDomínio\Usuário [/pSenha]]][/fo {TABLE | LIST | CSV}][/nh][/v]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou o endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/fo {TABLE | LIST | CSV}

Especifica o formato a ser usado para a saída da consulta. Os valores válidos são TABLE, LIST e CSV. O formato padrão de saída é TABLE.

/nh

Suprime o cabeçalho de coluna na saída. É válido quando o parâmetro /fo é definido como TABLE ou CSV.

/v

Especifica que a saída exiba informações detalhadas.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Getmac pode ser útil quando você quiser inserir o endereço MAC em um analisador de rede, ou quando você precisar saber quais protocolos estão em uso no momento em cada adaptador de rede em um computador.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar o comando getmac:

getmac /fo table /nh /v

getmac /s srvmain

getmac /s srvmain /u maindom\hiropln

getmac /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23

getmac /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /fo list /v

getmac /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /fo table /nh

***

Gettype

Define a variável de ambiente do sistema %ERRORLEVEL% para o valor associado ao sistema operacional Windows especificado.

Sintaxe

gettype [/s Computador [/u [Domínio\]User [/p [Senha]]]] {/role | /sp | /ver | /minv | /majv | /type | /build}

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não utilize barras invertidas). O padrão é o computador local. Este parâmetro se aplica a todos os arquivos e pastas especificados no comando.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. O padrão é permissões do sistema.

/p [Senha]

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/role

Apresenta a função do sistema operacional.

/sp

Apresenta o service pack instalado por último.

/ver

Apresenta Informações sobre a versão.

/minv

Apresenta somente a versão secundária.

/majv

Apresenta somente a versão principal.

/type

Apresenta o tipo de sistema operacional instalado.

/build

Apresenta o número da compilação do sistema operacional instalado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Os administradores podem usar gettype para detectar as instalações do software Windows em um ambiente misto antes de executar uma ação em um arquivo em lotes. Certas vezes, será necessário executar um software ou scripts somente em computadores clientes ou servidores que estejam executando um sistema operacional Windows específico.
  • Gettype reconhece os seguintes sistemas operacionais:
  • Windows XP Home Edition
  • Windows XP Professional
  • Windows Server 2003, Standard Edition
  • Windows Server 2003, Enterprise Edition
  • Windows Server 2003, Datacenter Edition
  • Windows Server 2003, Web Edition
  • Diferentemente da maioria das ferramentas de linha de comando, gettype não apresenta 0 ao concluir suas atividades com êxito. Em vez disso, apresenta um código que especifica o tipo de produto do sistema operacional atual.
    Gettype determina o tipo de sistema operacional consultando o Registro para obter o tipo de instalação e, em seguida, definindo o valor do erro conforme a tabela a seguir.

 

ERRORLEVEL Descrição
1 Windows XP Home Edition
2 Windows XP Professional
3 Windows Server 2003, Standard Edition
4 Windows Server 2003, Enterprise Edition
5 Windows Server 2003, Datacenter Edition
6 Windows Server 2003, Web Edition

Gettype determina a função do sistema operacional consultando o Registro para obter o tipo de instalação e, em seguida, definindo o valor do erro conforme a tabela a seguir.

 

ERRORLEVEL Descrição
1 Controlador de domínio
2 Servidor membro
3 Grupo de trabalho
  • No caso de um erro, gettype apresenta um errorlevel de 255.
  • Caso não haja service pack instalado, o ERRORLEVEL será 0. Se o service pack 1 estiver instalado, o ERRORLEVEL será 1. Se o service pack 2 estiver instalado, o ERRORLEVEL será 2, e assim por diante.
  • Se o Windows XP estiver instalado, a versão principal será a 5 e o ERRORLEVEL será interpretado como 5000. Se a versão secundária for 1, o ERRORLEVEL será interpretado como 100. Para obter as versões secundária e principal juntas, o ERRORLEVEL será interpretado como 5100. Se ocorrer uma condição de erro, o ERRORLEVEL será definido como 255.

Exemplos

Com o uso de gettype em um arquivo em lotes, você poderá criar scripts que só serão executados se for detectada uma plataforma específica. Por exemplo, o arquivo em lotes a seguir detecta o tipo de sistema operacional se você estiver executando o Windows NT. Ele sairá do script se você não estiver executando o Windows NT.

Copiar Código

@echo off REM Batch file to detect operating system REM ---------------------------------- if Windows_NT == %OS% goto WINNT echo You are NOT running Windows NT (Windows 95/98 perhaps?) goto END
 
 
 
:WINNT gettype.exe
 
 
 
if errorlevel=255 goto ARQNAOENCONTRADO
 
 
 
echo O Windows NT está em operação. echo Mais especificamente: echo.
 
 
 
if ERRORLEVEL=5 goto FIVE if ERRORLEVEL=4 goto FOUR if ERRORLEVEL=3 goto THREE if ERRORLEVEL=2 goto TWO if ERRORLEVEL=1 goto ONE
 
 
 
:FILENOTFOUND echo. echo Gettype not found. echo. goto END
 
 
 
:FIVE echo . goto END
 
 
 
:FOUR echo . goto END
 
 
 
:THREE echo . goto END
 
 
 
:TWO echo . goto END
 
 
 
:ONE echo . goto END
 
 
 
:END pause

 

***

Goto

Em um programa em lotes, direciona o processamento de comandos para uma linha identificada por um rótulo. Quando o rótulo é localizado, o processamento continua a partir dos comandos iniciados na linha a seguir.

Sintaxe

gotoRótulo

Parâmetros

Rótulo

Especifica a linha para onde ir em um arquivo em lotes.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Trabalhando com extensões de comando
    Se as extensões de comando estiverem habilitadas (isto é, o padrão) e você usar o comando goto com um rótulo de destino :EOF, você transferirá o controle para o fim do arquivo de script em lotes atual e sairá dele sem definir um rótulo. Ao usar goto com o rótulo :EOF, você deve inserir um sinal de dois-pontos antes do rótulo. Por exemplo:
    goto :EOF
    Para obter uma descrição das extensões do comando call que tornam esse recurso útil, consulte cmd em Tópicos Relacionados.
  • Usando valores de Rótulo válidos
    Você pode usar espaços no parâmetro Rótulo, mas não pode incluir outros separadores (por exemplo, um ponto-e-vírgula ou sinal de igualdade). O comando goto utiliza somente os oito primeiros caracteres de um rótulo. Por exemplo, os rótulos a seguir são equivalentes e resolvidos como :hithere0:
    :hithere0
    :hithere01
    :hithere02
  • Fazendo a correspondência do Rótulo com o rótulo no programa em lotes
    O valor de Rótulo especificado por você deve corresponder a um rótulo no programa em lotes. O rótulo no programa em lotes deve começar por dois-pontos (:). A família Windows Server 2003 reconhece uma linha de programa em lotes que começa por dois pontos (:) como um rótulo e não a processa como um comando. Se uma linha começar com dois-pontos, todos os comandos dessa linha serão ignorados. Se o programa em lotes não tiver o rótulo que você especificar, esse programa será interrompido e a seguinte mensagem será exibida:

Copiar Código

             Rótulo não encontrado           
  • Usando goto para operações condicionais
    É possível usar goto com outros comandos para realizar operações condicionais. Para obter mais informações sobre o uso do comando goto para operações condicionais, consulte if em Tópicos Relacionados.

Exemplos

O programa em lotes a seguir formata um disco na unidade A como disco do sistema. Se a operação for bem-sucedida, o comando goto direcionará o processamento para o rótulo :end:

Copiar Código

echo off format a: /s if not errorlevel 1 goto end echo Ocorreu um erro durante a formatação. :end echo Fim do programa em lotes.

 

***

Gpresult

Exibe as configurações da diretiva de grupo e do conjunto de diretivas resultante (RSOP) para um usuário ou computador.

Sintaxe

Gpresult [/s computador [/u domínio\usuário/p senha]][/user nome_do_usuário_de_destino][/scope {user | computer}][{/v | /z}]

Parâmetros

/scomputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto. Não use barras invertidas. O padrão é o computador local.

/uDomínio\usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/usernome_do_usuário_de_destino

Especifica o nome de usuário relativo ao usuário cujos dados RSOP devem ser exibidos.

/scope {user | computer}

Exibe os resultados de user ou computer. Os valores válidos para o parâmetro /scope são user ou computer. Se o parâmetro /scope for omitido, gpresult exibirá as configurações de user e computer.

/v

Especifica que a saída exiba informações de diretivas detalhadas.

/z

Especifica que a saída exiba todas as informações disponíveis sobre a diretiva de grupo. Como esse parâmetro produz mais informações do que o parâmetro /v, redirecione a saída para um arquivo de texto quando usar esse parâmetro (por exemplo, gpresult /z >diretiva.txt).

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • A diretiva de grupo é a principal ferramenta administrativa para definir e controlar como os programas, recursos de rede e o sistema operacional operam para usuários e computadores em uma organização. Em um ambiente do Active Directory, a diretiva de grupo é aplicada a usuários ou computadores com base na sua participação em sites, domínios ou unidades organizacionais.
  • Como é possível aplicar níveis sobrepostos de diretivas a qualquer computador ou usuário, o recurso de diretiva de grupo gera um conjunto resultante de diretivas no logon. Gpresult exibe o conjunto resultante de diretivas que foi aplicado no computador para o usuário especificado no logon.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar o comando gpresult:

gpresult /user nome_do_usuário_de_destino /scope computer

gpresult /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /user nome_do_usuário_de_destino /scope USER

gpresult /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /user nome_do_usuário_de_destino /z >policy.txt

gpresult /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23

***

Gpupdate

Atualiza as configurações de Diretiva de Grupo locais e as configurações de Diretiva de Grupo que estão armazenadas no Active Directory, incluindo as configurações de segurança. Este comando substitui a opção agora obsoleta /refreshpolicy do comando secedit.

Sintaxe

gpupdate [/target:{computer | user}] [/force] [/wait:Valor] [/logoff] [/boot]

Parâmetros

/target:{computer | user}

Processa somente as configurações do Computador ou as configurações atuais do Usuário. Por padrão, as configurações do computador e do usuário são processadas.

/force

Ignora todas as otimizações de processamento e reaplica todas as configurações.

/wait:Valor

Número de segundos durante o qual o processamento de diretivas espera pela conclusão. O padrão é 600 segundos. 0 significa sem espera e -1 significa esperar indefinidamente.

/logoff

Faz logoff depois que a atualização é concluída. Isso é necessário para as extensões do cliente de Diretivas de Grupo que não processam em um ciclo de atualização em segundo plano, mas sim quando o usuário faz logon, como instalação de software de Diretiva de Grupo e redirecionamento de pastas pelo usuário. Esta opção não apresenta nenhum efeito se não há extensões chamadas que necessitem de logoff por parte do usuário.

/boot

Reinicia o computador depois que a atualização é concluída. Isso é necessário para as extensões do cliente de Diretivas de Grupo que não processam em um ciclo de atualização em segundo plano, mas sim quando o computador é inicializado, como instalação de software de Diretiva de Grupo no computador. Esta opção não apresenta nenhum efeito se não há extensões chamadas que exijam a reinicialização do computador.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando gpupdate:

gpupdate

gpupdate /target:computer

gpupdate /force /wait:100

gpupdate /boot

***

Graftabl

Habilita a capacidade de exibir um conjunto de caracteres estendidos no modo gráfico.

Importante

  • Essa ferramenta não está disponível em versões baseadas em Itanium dos sistemas operacionais Windows.
  • Essa ferramenta não está disponível em versões baseadas em x64 dos sistemas operacionais Windows.

Sintaxe

graftabl [xxx] [/status]

Parâmetros

xxx

Especifica a página de código cuja aparência dos caracteres estendidos no modo gráfico você deseja definir. A tabela a seguir lista os números de identificação de página de código válidos e o país ou idioma correspondente:

 

Valor País / Região
437 Estados Unidos
850 Multilíngüe (Latino 1)
852 Eslavo (Latino 2)
855 Cirílico (russo)
857 Turco
860 Português
861 Islandês
863 Francês (Canadá)
865 Nórdico
866 Russo
869 Grego moderno

/status

Identifica a página de código usada por graftabl.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para obter informações sobre como usar páginas de código, consulte chcp ou mode (definir páginas de código de dispositivo) em Tópicos Relacionados.
  • Graftabl não altera a página de código de entrada do console. Graftabl só afeta a exibição no monitor dos caracteres estendidos da página de código especificada. Para alterar a página de código que você está utilizando, use o comando mode ou chcp.
  • Noções básicas sobre códigos de saída de graftabl
    A tabela a seguir lista cada código de saída e uma descrição resumida.

 

Código de saída Descrição
0 O conjunto de caracteres foi carregado com êxito. Nenhuma página de código anterior foi carregada.
1 Um parâmetro incorreto foi especificado. Nenhuma ação foi realizada.
2 Ocorreu um erro no arquivo.
  • Em um programa em lotes, você pode usar o parâmetro Nível_do_Erro na linha de comando if para processar códigos de saída fornecidos por graftabl.

Exemplos

Para carregar na memória o conjunto de caracteres gráficos da página de código 437 (Estados Unidos), digite:

graftabl 437

Para carregar na memória o conjunto de caracteres gráficos da página de código 850 (multilíngüe), digite:

graftabl 850

***********************************************************************************

“H”

Help

Ajuda

Fornece informações online sobre comandos do sistema (ou seja, comandos que não sejam da rede). Utilizado sem parâmetros, o comando help lista e descreve resumidamente todos os comandos do sistema.

Sintaxe

{help [Comando] | [Comando]/?}

Parâmetros

Comando

Especifica o nome do comando sobre o qual você deseja obter informações.

Comentários

  • Há duas maneiras de se obter ajuda online sobre um comando. Você pode digitar help Comando ou Comando /?. /? é ligeiramente mais rápido.
  • Para obter informações sobre comandos de rede, clique em net help em Tópicos Relacionados.

Exemplos

Para obter informações sobre o comando xcopy , digite uma das opções a seguir:

help xcopy

xcopy /?

***

Helpctr

Inicia o <b>Centro de ajuda e suporte</b>. Quando usado sem parâmetros, helpctr exibe a home page do Centro de ajuda e suporte.

Sintaxe

%raiz_do_sistema%\PCHealth\HelpCtr\Binaries\helpctr [/url [URL]] [/mode [URL]] [/hidden] [/fromstarthelp]

Parâmetros

/url [URL]

Especifica o localizador de recursos uniforme (URL) que você deseja exibir dentro do <b>Centro de ajuda e suporte</b>.

/mode [URL]

Especifica um arquivo de definição de linguagem de marcação extensível (XML) que compila o esquema descrição_da_inicialização.dtd, que controla o contexto, layout e conteúdo do <b>Centro de ajuda e suporte</b>.

/hidden

Inicia o <b>Centro de ajuda e suporte</b> sem exibir a interface do usuário. Esse comando pode carregar um tópico. Esse comando é usado na execução de scripts administrada remotamente.

/fromstarthelp

Inicia uma nova instância do <b>Centro de ajuda e suporte</b>.

Comentários

  • Usando URL
    Quando utilizar /url ou /mode, você pode delimitar com aspas o URL (isto é, URL). Se existir algum espaço dentro do URL, substitua-o por %20 (isto é, Endereço%20do URL).
  • Para executar helpctr a partir de uma linha de comando, inclua o caminho. Por padrão, o caminho até helpctr.exe é %raiz_do_sistema%\PCHealth\HelpCtr\Binaries\.

Exemplos

Para utilizar helpctr para iniciar uma sessão de assistência remota usando um arquivo .msrincident criado por você, digite:

%raiz_do_sistema%\PCHealth\HelpCtr\Binaries\HelpCtr /mode “hcp://system/Remote Assistance/RAClientLayout.xml” /url “hcp://system/Remote%20Assistance/Interaction/Client/rctoolScreen1.htm?IncidentFile=rahelp.msrincident”

***

Hostname 

Exibe a porção do nome do host contida no nome completo do computador.

Sintaxe

hostname

Parâmetros

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para obter mais informações sobre como especificar o nome completo do computador, consulte <b>Tópicos relacionados</b>.
  • Este comando só estará disponível se o Protocolo de Internet (TCP/IP) estiver instalado como um componente nas propriedades de um adaptador de rede em Conexões de rede.

Exemplos

Para exibir o nome do computador, digite:

hostname

***********************************************************************************

“I”

IF

Realiza processamento condicional em programas em lotes.

Sintaxe

if [not] errorlevel Número Comando [else Expressão]

if [not] Seqüência1==Comando da Seqüência2 [else Expressão]

if [not] exist Nome_de_Arquivo Comando [else Expressão]

Se as extensões de comando estiverem ativadas, use a seguinte sintaxe:

if [/i] Seqüência1 Operador_de_Comparação Seqüência2 Comando [else Expressão]

ifcmdextversionNúmeroComando [else Expressão]

ifdefinedVariávelComando [else Expressão]

Parâmetros

not

Especifica que o comando só deve ser executado se a condição anterior for falsa.

errorlevelNúmero

Especifica uma condição verdadeira somente se o programa executado anteriormente por Cmd.exe tiver apresentado um código de saída igual ou superior a Número.

Comando

Especifica o comando que deve ser executado se a condição anterior for atendida.

Seqüência1==Seqüência2

Especifica uma condição verdadeira somente se Seqüência1 e Seqüência2 forem iguais. Esses valores podem ser seqüências literais ou variáveis em lotes (%1, por exemplo). Não é necessário delimitar as seqüências de caracteres literais com aspas.

existNome_do_Arquivo

Especifica uma condição verdadeira, se Nome_do_Arquivo existir.

operador_de_comparação

Especifica um operador de comparação com três letras. A tabela a seguir lista os valores válidos para Operador_de_Comparação.

 

Operador Descrição
EQU igual a
NEQ diferente de
LSS menor que
LEQ menor ou igual a
GTR maior que
GEQ maior ou igual a

/i

Força as comparações de seqüências de caracteres a ignorar maiúsculas e minúsculas. Você pode usar /i na forma Seqüência1==Seqüência2 de if. Essas comparações são genéricas, ou seja, se tanto Seqüência1 quanto Seqüência2 forem constituídas de dígitos numéricos, as seqüências serão convertidas em números e uma comparação numérica será realizada.

cmdextversionNúmero

Especifica uma condição verdadeira somente se o número da versão interna associado ao recurso de Extensões de Comando do Cmd.exe for igual ou superior a Número. A primeira versão é 1. Ela é incrementada de um quando melhorias significantes são adicionadas às extensões de comando. A condicional cmdextversion nunca é verdadeira quando as extensões de comandos estão desabilitadas (por padrão, as extensões de comando estão habilitadas).

definedVariável

Especifica uma condição verdadeira, se Variável estiver definida.

Expressão

Especifica um comando e parâmetros de linha de comando a serem passados ao comando em uma cláusula else.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Se a condição especificada em um comando if for verdadeira, o comando seguinte à condição será executado. Se a condição for falsa, o comando na cláusula if será ignorado e o comando executará qualquer comando na cláusula else (caso o comando tenha sido especificado na cláusula else).
  • Quando um programa pára, ele retorna um código de saída. Para usar códigos de saída como condições, use errorlevel.
  • Usando definedVariável
    Se você usar definedVariável, as três variáveis a seguir serão adicionadas: %errorlevel%, %cmdcmdline% e %cmdextversion%.
    %errorlevel% é expandida em uma representação de seqüências do valor atual de errorlevel, desde que não haja uma variável de ambiente com o nome ERRORLEVEL; nesse caso, você obteria o valor dessa variável. O exemplo a seguir ilustra como você pode usar errorlevel depois de executar um programa em lotes:

Copiar Código

goto answer%errorlevel%
 
:answer0
 
echo Programa apresentou código 0
 
:answer1
 
echo Programa apresentou código 1
 
goto End
 
:end
 
echo done!

Você também pode usar os operadores de comparação Operador_de_Comparação da seguinte forma:

Copiar Código

if %errorlevel% LEQ 1 goto okay

%cmdcmdline% é expandido na linha de comando original passada para Cmd.exe antes de qualquer processamento do aplicativo, desde que não haja uma variável de ambiente com o nome CMDCMDLINE; nesse caso, você obteria o valor dessa variável.
% cmdextversion % é expandido em uma representação de seqüências do valor atual de cmdextversion, desde que não haja uma variável de ambiente com o nome CMDEXTVERSION; nesse caso, você obteria o valor de dessa variável.

  • Usando a cláusula else
    A cláusula else deve ser usada na mesma do comando após if. Por exemplo:

Copiar Código

IF EXIST Nome_do_Arquivo. (
 
del Nome_do_Arquivo.
 
) ELSE (
 
echo Nome_do_Arquivo. ausente.
 
)

O código a seguir não funciona porque o comando del deve ser finalizado com uma nova linha:

Copiar Código

IF EXIST Nome_do_Arquivo. del Nome_do_Arquivo. ELSE echo Nome_do_Arquivo. ausente

O código a seguir não funciona porque a cláusula else deve estar na mesma linha que o final do comando if:

Copiar Código

IF EXIST Nome_do_Arquivo. del Nome_do_Arquivo.
 
ELSE echo Nome_do_Arquivo. ausente

Se desejar formatar tudo em uma única linha, use a seguinte forma da instrução original:

Copiar Código

IF EXIST Nome_do_Arquivo. (del Nome_do_Arquivo.) ELSE echo Nome_do_Arquivo. ausente

Exemplos

Para exibir a mensagem “Impossível localizar arquivo de dados” caso o arquivo Produto.dat não seja encontrado, digite:

Copiar Código

if not exist produto.dat echo Impossível localizar arquivo de dados

O exemplo a seguir ilustra uma mensagem de erro caso ocorra um erro durante a formatação de um disco na unidade A:

Copiar Código

:begin
 
@echo off
 
format a: /s
 
if not errorlevel 1 goto end
 
echo Ocorreu um erro durante a formatação.
 
:end
 
echo Fim do programa em lotes.

Se não houver erro, a mensagem de erro não será exibida.

***

Iisapp.vbs: script de consulta de aplicativo do IIS

Iisapp.vbs: script de consulta de aplicativo do IIS

Relata os identificadores de processo (PIDs) dos processos de w3pwp.exe em execução no momento que atendem a um pool de aplicativos específico.

Sintaxe

iisapp [a/ Nome_do_Pool_de_Aplicativos | /p ID_do_Pool_de_Aplicativos]

Parâmetros

/a Nome_do_Pool_de_Aplicativos

Especifica o nome de um determinado pool de aplicativos. (Opcional)

/p ID_do_Pool_de_Aplicativos

Especifica um pool de aplicativos pelo seu número de identificação. (Opcional)

Comentários

  • Se não forem especificados um nome ou uma identificação de pool de aplicativos, o iisapp listará todos os aplicativos em execução.
  • As opções de linha de comando /u e /p estão disponíveis somente quando você utiliza /s. É necessário utilizar /p com /u para fornecer a senha do usuário.
  • O iisext.vbs executa as mesmas operações disponíveis no <b>Gerenciador do IIS</b>. Você poderá usar qualquer uma dessas ferramentas para administrar sites do IIS.
  • O computador que emitir o comando deverá estar executando o Windows XP ou um sistema operacional Windows Server 2003. É necessário que o usuário seja membro do grupo <b>Administradores</b> em qualquer computador afetado pelo comando.
  • É necessário que o computador afetado pelo comando seja um servidor que executa o Windows Server 2003 com os Serviços de Informações da Internet (IIS) 6.0.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iisapp em situações específicas.

Exibir todos os aplicativos em execução

O exemplo a seguir exibe todos os pools de aplicativos em execução no computador local, especificados pela identificação do processo (PID) e a identificação do pool de aplicativos (AppPoolID). O comando omite todos os parâmetros opcionais e aceita os valores padrão.

iisapp

Iisapp responde da seguinte maneira:

Copiar Código

Conectando-se ao servidor ...Concluído. W3WP.exe PID: 2232   AppPoolID: Pool_de_Aplicativos_Padrão W3WP.exe PID: 2608   ID_Pool_de_Aplicativos: Meu_Pool_de_Aplicativos

Exibir os aplicativos em execução pela identificação do processo

Se conhecer a PID de um aplicativo específico, você poderá verificar o seu status usando o comando a seguir.

iisapp /p 2608

Iisapp responde da seguinte maneira:

Copiar Código

Conectando-se ao servidor ...Concluído. W3WP.exe PID: 2608   ID_Pool_de_Aplicativos: Meu_Pool_de_Aplicativos

 

***

Iisback.vbs: script de gerenciamento de backup do IIS

Iisback.vbs: script de gerenciamento de backup do IIS

Cria e gerencia backups da configuração (metabase e esquema) dos Serviços de Informações da Internet (IIS) de um computador local ou remoto. Os administradores podem usar essa ferramenta de script para criar um backup da configuração do IIS, para restaurar uma configuração do IIS de um backup, e para listar e excluir backups.

Para exibir a sintaxe do comando, clique em um comando:

iisback /backup

Cria um backup da configuração (metabase e esquema) dos Serviços de Informações da Internet (IIS) de um computador local ou remoto.

Sintaxe

iisback[.vbs] /backup [/b Nome_do_Backup] [/v {Inteiro | NEXT_VERSION | HIGHEST_VERSION}] [/overwrite] [/e Senha_de_Criptografia] [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/bNome_do_Backup

Especifica o nome do backup. SampleBackup é o padrão.

/v {Inteiro | NEXT_VERSION | HIGHEST_VERSION}

Especifica o número da versão do backup. NEXT_VERSION é o padrão.

 

Valor Descrição
Inteiro Especifica o número da versão do backup.
NEXT_VERSION Especifica o maior número de versão mais 1. NEXT_VERSION é o padrão.
HIGHEST_VERSION Reutiliza o maior número de versão. Como essa opção substitui um backup, o parâmetro /overwrite é obrigatório quando esse valor é usado.

/overwrite

Permite que o iisback.vbs substitua o backup existente pelo backup recém-criado. Sem esse parâmetro, os comandos para criar um backup com o mesmo nome e número de versão que o backup existente falharão.

/eSenha_de_Criptografia

Criptografa o backup com a senha especificada. É possível usar qualquer seqüência de caracteres como senha. O parâmetro /e cria um backup seguro criptografando a chave de sessão e as propriedades seguras com a senha especificada. Os administradores devem fornecer a senha para usar o backup em uma operação /restore. Se esse parâmetro, ou o argumento de senha, for omitido, o backup será criptografado com uma senha em branco. Como conseqüência, apenas as propriedades seguras são criptografadas e qualquer administrador poderá usar o backup para restaurar a metabase.

/sComputador

Executa o script no computador remoto especificado. Digite o nome do computador ou o endereço IP sem barras invertidas. Por padrão, o script é executado no computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador remoto. Por padrão, o script é executado com as permissões do usuário atual do computador local.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se você omitir esse parâmetro, o script solicitará que você forneça a senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • O parâmetro /v HIGHEST_VERSION é válido apenas quando as versões anteriores do arquivo estão armazenadas no computador. Caso contrário, o iisback.vbs retornará um erro explicando que não é possível localizar um arquivo a ser substituído.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iisback /backup em situações específicas.

Fazer backup da configuração do IIS

O comando a seguir cria um backup da configuração do IIS no computador local. O parâmetro /b é usado para atribuir o nome ReskitBkp ao arquivo.

iisback /backup/b ReskitBkp

Como resposta, o iisback.vbs exibe a mensagem de êxito a seguir indicando que o backup foi criado e que o valor de versão padrão, NEXT_VERSION, foi atribuído ao arquivo. Como esse é o primeiro backup chamado ReskitBkp, o iisback.vbs atribuirá o número de versão 0 ao backup.

Backup ReskitBkp version NEXT_VERSION has been CREATED.

O novo backup é exibido na seguinte lista de backups contidos no servidor.

Copiar Código

Backup Name                        Version #      Date/Time ======================================================================== ReskitBkp                          0              1/9/2001 5:00:04 AM

O backup ReskitBkp consiste em dois arquivos, ReskitBkp.MD0, que contém a metabase, e ReskitBkp.SC0, que contém o esquema. Os dois arquivos são armazenados no diretório Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBack do computador.

Criar um backup criptografado de uma configuração do IIS remota

O comando a seguir cria um backup da configuração do IIS no servidor remoto \\Svr01.

Esse comando usa o parâmetro /b para atribuir o nome do arquivo, Svr01bkp, ao backup e o parâmetro /v para especificar o número de versão (15) do novo backup. Para criptografar a chave de sessão no backup, o comando usa o parâmetro /e e a senha 7W*48Hv6#.

O comando também usa o parâmetro /s para fornecer o nome do computador remoto e os parâmetros /u e /p para executar a ferramenta de script com as permissões da conta de administrador do usuário.

iisback /backup/b Svr01bkp/v 15/e 7W*48Hv6#/s svr01/u admin21/p Rrr3Qv7s

Como resposta, o iisback.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Backup Svr01bkp version 15 has been CREATED.

Esse comando criou o backup Svr01bkp versão 15 da configuração do IIS do \\Svr01, e armazenou os dados nos arquivos Svr01bkp.MD15 e Svr01bkp.SC15 no diretório Raiz_do_Sistema\System32\inetsvr\MetaBack do computador remoto.

A operação list mostra os backups armazenados no servidor remoto. O comando backup criou a entrada final da lista.

Copiar Código

 
 
 
Backup Name                        Version #      Date/Time ======================================================================== Asiasvr                              1          1/8/2001 9:18:25 PM Svr01bkp                            11          1/3/2001 3:00:42 AM Svr01bkp                            12          1/4/2001 3:00:12 AM Svr01bkp                            13          1/5/2001 3:01:00 AM Svr01bkp                            14          1/6/2001 3:00:00 AM Svr01bkp                            15          1/9/2001 5:18:04 AM

Embora não esteja evidente na lista, a chave de sessão contida no backup foi criptografada e você deverá fornecer a senha do backup, 7W*48Hv6#, para usá-lo em uma operação restore.

Além disso, observe que as datas e horas listadas estão em UTC e não, na hora local do servidor IIS.

Substituir um backup

O comando a seguir substitui o backup mais recente da configuração do IIS local por um novo backup. Esse formato de comando pode ser usado para atualizar o backup mantido no servidor.

O comando usa o parâmetro /b para especificar o nome do backup. O parâmetro /v HIGHEST_VERSION é usado para instruir o iisback.vbs a substituir a última versão do backup chamada Backup_Atual em vez de criar uma nova versão. O comando também usa o parâmetro /overwrite, necessário para que /v HIGHEST_VERSION permita que o iisback.vbs substitua um backup existente.

iisback /backup/b CurrentBackup/v HIGHEST_VERSION/overwrite

Como resposta, o iisback exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Backup CurrentBackup version 0 has been CREATED.

O comando criou novas versões dos arquivos BackupAtual.md0 e BackupAtual.sc0, que substituíram os arquivos com nomes iguais.

iisback /restore

Substitui as configurações (metabase e esquema) do Serviços de Informações da Internet (IIS) em um computador local ou remoto pelas configurações armazenadas em um backup.

Sintaxe

iisback[.vbs] /restore /b Nome_do_Backup [/v {Inteiro | HIGHEST_VERSION}] [/e Senha_de_Criptografia] [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/bNome_do_Backup

Obrigatório. Especifica o nome do arquivo de backup usado na operação restore.

/v {Inteiro | HIGHEST_VERSION}

Especifica a versão do backup usada na operação restore. HIGHEST_VERSION é o padrão.

 

Valor Descrição
Inteiro Especifica o número da versão do backup.
HIGHEST_VERSION Especifica o backup com o maior número de versão.

/e:Senha_de_Criptografia

Fornece a senha para um backup criptografado. Quando a chave de sessão de um backup é criptografada, você deverá fornecer sua senha para usá-lo em uma operação restore.

/sComputador

Executa o script no computador remoto especificado. Digite o nome do computador ou o endereço IP sem barras invertidas. Por padrão, o script é executado no computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador remoto. Por padrão, o script é executado com as permissões do usuário atual do computador local.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se você omitir esse parâmetro, o script solicitará que você forneça a senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • Restore é uma operação complexa que pode levar alguns minutos para ser concluída. Uma pequena demora é normal para essa operação.
  • Durante a operação restore, páginas da Web, sites FTP, e serviços SMTP e NNTP são temporariamente interrompidos. Eles serão reiniciados automaticamente quando a operação for concluída.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iisback /restore em situações específicas.

Restaurar uma configuração do IIS

O comando a seguir restaura a configuração do IIS do backup Testebkp, versão 3. Ele usa o parâmetro /b para especificar o nome do backup e o parâmetro /v para especificar a versão.

iisback /restore/b Testbkp/v 3

Como resposta, o iisback.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito indicando que a configuração do IIS foi restaurada:

Backup Testbkp version 3 has been RESTORED.

Para verificar se a configuração foi restaurada, compare a configuração atual, armazenada em Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBase.xml e MBSchema.xml, com os arquivos de backup Testebkp.MD3 e Testebkp.SC3 no diretório Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBack.

Restaurar uma configuração do IIS de um backup criptografado

O comando a seguir restaura a configuração do IIS do backup Svr01bkp, versão 15. O parâmetro /b é obrigatório para especificar o nome do backup. Esse comando omite o parâmetro /v e usa o valor padrão, HIGHEST_VERSION.

iisback /restore/b Svr01bkp

Como resposta, o iisback.vbs exibirá a mensagem de erro a seguir, indicando que a chave de sessão no backup especificado está criptografada e que o comando não forneceu a senha de backup necessária para a operação restore. Essa mensagem é exibida quando a senha necessária está ausente ou incorreta.

Copiar Código

Conectando-se ao servidor ...Concluído. a senha especificada está incorreta.      

A versão a seguir do comando adiciona o parâmetro /e e a senha de backup 7W*48Hv6#:

iisback /restore/b Svr01bkp/e 7W*48Hv6#

Como resposta, o iisback.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito indicando que a configuração do IIS foi restaurada:

Backup Svr01bkp version HIGHEST_VERSION has been RESTORED.

iisback /delete

Exclui um backup da configuração (metabase e esquema) dos Serviços de Informações da Internet (IIS) de um computador local ou remoto.

Sintaxe

iisback[.vbs] /delete /b Nome_do_Backup /v {Inteiro | HIGHEST_VERSION} [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/bNome_do_Backup

Obrigatório. Especifica o nome do arquivo de backup.

/v {Inteiro | HIGHEST_VERSION}

Obrigatório. Especifica a versão do backup.

 

Valor Descrição
Inteiro Especifica o número da versão do backup.
HIGHEST_VERSION Indica o backup com o maior número de versão.

/sComputador

Executa o script no computador remoto especificado. Digite o nome do computador ou o endereço IP sem barras invertidas. Por padrão, o script é executado no computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador remoto. Por padrão, o script é executado com as permissões do usuário atual do computador local.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se você omitir esse parâmetro, o script solicitará que você forneça a senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • As opções de linha de comando /u e /p estão disponíveis somente quando você utiliza /s. É necessário utilizar /p com /u para fornecer a senha do usuário.
  • A operação delete move os arquivos de backup especificados do diretório Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBack para a Lixeira. Essa operação não afeta o diretório Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBack\Histórico.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iisback /delete em situações específicas.

Excluir um backup de configuração do IIS

O comando a seguir exclui o backup Svr01bkp, versão 0. Ele usa o parâmetro /b para especificar a seqüência Srv01bkp e o parâmetro /v para especificar o número da versão. Os dois parâmetros são obrigatórios para identificar o backup.

iisback /delete/b Svr01bkp/v 0

Como resposta, o iisback.vbs exibirá a seguinte mensagem indicando que a configuração do IIS foi excluída:

Copiar Código

Backup Svr01bkp version 0 has been DELETED.

Excluir vários de backups

Este exemplo demonstra o uso de um comando de arquivo em lotes simples para excluir uma seqüência de backups de configuração do IIS. Você pode usar esse comando para excluir arquivos antigos do seu arquivamento. Você pode digitar o comando na linha de comando ou salvá-lo em um arquivo em lotes.

For /L %%i in (0, 1, 15) do iisback /delete /b Svr01bkp /v %%i

Esse comando em lotes exclui as versões 1 a 15 de Svr01bkp emitindo o comando iisback /delete 15 vezes, uma vez para cada versão.

Para obter uma aplicação mais prática, torne o nome do backup e os números de versão variáveis. Ou utilize um comando dir ou iisback /list para detectar o backup com o menor número de versão e, em seguida, anexe um comando que exclui o backup mais antigo (menor número de versão) a cada comando que cria um novo backup.

iisback /list

Exibe backups da configuração (metabase e esquema) dos Serviços de Informações da Internet (IIS) armazenados em um computador local ou remoto.

Sintaxe

iisback[.vbs] /list [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/sComputador

Executa o script no computador remoto especificado. Digite o nome do computador ou o endereço IP sem barras invertidas. Por padrão, o script é executado no computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador remoto. Por padrão, o script é executado com as permissões do usuário atual do computador local.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se você omitir esse parâmetro, o script solicitará que você forneça a senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • As opções de linha de comando /u e /p estão disponíveis somente quando você utiliza /s. É necessário utilizar /p com /u para fornecer a senha do usuário.
  • A operação list lista apenas os backups armazenados no local padrão, Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBack. Se os arquivos de backup forem movidos para um diretório diferente, o backup não será exibido na lista.

Exemplos

O comando a seguir lista os backups armazenados no servidor remoto Svr16. Ele usa o parâmetro /s para especificar o nome do servidor, o parâmetro /u para especificar a conta de administrador do usuário e o parâmetro/p para especificar a senha da conta de administrador.

Sem os parâmetros, o comando iisback /list listará todos os backups armazenados no computador local.

iisback /list/s Svr16/u Domain06\User1 /p R34*9W@4b

Como resposta, o iisback.vbs exibirá todos os backups em Svr16. A data e hora exibidas estarão no formato UTC.

Copiar Código

Backup Name                        Version #      Date/Time ======================================================================== Asiasvr                            0         12/8/2001 9:18:25 PM Asiasvr                            1         1/14/2001 9:02:33 PM Svr01bkp                            11          1/3/2001 3:00:42 AM Svr01bkp                            12          1/4/2001 3:00:12 AM Svr01bkp                            13          1/5/2001 3:01:00 AM Svr01bkp                            14          1/6/2001 3:00:00 AM Svr01bkp                            15          1/9/2001 5:18:04 AM

Comentários

  • O iisback.vbs executa as mesmas operações disponíveis no <b>Gerenciador do IIS</b>. É possível usar qualquer uma das duas ferramentas para exibir e gerenciar backups.
  • Os bakups armazenam apenas a configuração da metabase e o esquema. Eles não armazenam e não podem ser usados para restaurar conteúdo de site.
  • Requisitos do iisback
  • O computador que emitir o comando deverá estar executando o Windows XP ou um sistema operacional Windows Server 2003. É necessário que o usuário seja membro do grupo <b>Administradores</b> em qualquer computador afetado pelo comando.
  • O computador afetado pelo comando deve ser um servidor que executa o Windows Server 2003 com os Serviços de Informações da Internet (IIS) 6.0 ou mais recente.
  • Cada operação backup cria dois arquivos, um arquivo .MDX para armazenar a metabase e um arquqivo .SCX para armazenar o esquema, onde X é o número da versão do backup. O IIS e o iisback.vbs armazenam os arquivos de backup no diretório Raiz_do_Sistema\System32\inetsrv\MetaBack.
  • A metabase e o esquema da configuração de um IIS contêm propriedades específicas do sistema e da sessão. Não copie ou importe a metabase e o esquema de um servidor ISS para outro servidor IIS sem modificações. Para obter informações sobre a importação e exportação de um arquivo de configuração de metabase, procure por Metabase Import/Export na Ajuda do IIS 6.0.
  • Para copiar parte da configuração de uma metabase de um sistema para outro, use Iiscnfg.vbs: script de configuração do IIS.
  • O iisback.vbs exibirá uma mensagem “Conectando-se ao servidor” enquanto ele se conecta ao serviço IIS no computador especificado. Essa mensagem será exibida sempre que você usar o iisback.vbs, independentemente de ser em um computador local ou remoto.
  • Para impedir o uso não autorizado de backups, o IIS versões 5.1 e 6.0, e o IISback.vbs permitem criptografar o backup com uma senha. A senha criptografa a chave da sessão que, por sua vez, criptografa todas as propriedades cujo atributo de segurança foi definido.
    É possível ler uma cópia criptografada (apenas a chave de sessão e as propriedades seguras são criptografadas), bem como excluir os arquivos. No entanto, não é possível usar o backup em uma operação restore a menos que seja fornecida a senha de criptografia. Aém disso, você não poderá remover a criptografia de senha de um backup nem alterar a senha de criptografia.
    Se você não usar a criptografia de senha, a chave de sessão e as propriedades seguras serão criptografadas com uma senha em branco, o que o impedirá de ler esses valores, mas permitirá que qualquer membro do grupo <b>Administradores</b> restaure a metabase a partir do backup. Nem o IIS 5.1 nem o 6.0. dão suporte para criptografia de chave de computador de backups.
  • O iisback.vbs exibe a data e hora na hora universal coordenada (UTC) e não, na hora local do servidor IIS.

***

Iiscnfg.vbs: script de configuração do IIS

Iiscnfg.vbs: script de configuração do IIS

Importa e exporta alguns ou todos os elementos de uma metabase do IIS (Serviços de Informações da Internet) em um computador local ou remoto, ou copia toda a configuração do IIS (metabase e esquema) em outro computador para replicar uma configuração. O iiscnfg executa estas funções:

Para exibir a sintaxe do comando, clique em um comando:

iiscnfg /export

Copia uma metabase do IIS, toda ou parte dela, para um arquivo XML, em um formato criptografado ou não. O arquivo XML poderá, então, ser usado em uma operação import para copiar toda ou parte da metabase para outra configuração de IIS.

Sintaxe

iiscnfg[.vbs] /export /f [Caminho\]Nome_do_Arquivo.xml /sp Caminho_da_Metabase [/d Senha_de_Criptografia] [/inherited] [/children] [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/f [Caminho\]Nome_do_Arquivo.xml

Obrigatório. Especifica um nome exclusivo e o local para o arquivo de exportação. Se for especificado um arquivo existente ou se os diretórios do caminho não existirem, o comando falhará. O caminho do arquivo deve ser local. Durante a exportação de um arquivo de um computador remoto, o parâmetro /f refere-se a um caminho no computador remoto.

/spCaminho_da_Metabase

Obrigatório. Especifica as chaves de metabase a serem exportadas. Digite o caminho de uma metabase para identificar as chaves selecionadas.

/dSenha_de_Criptografia

Criptografa o arquivo de exportação com a senha especificada. É possível usar qualquer seqüência de caracteres como senha. O parâmetro /d cria um arquivo de exportação seguro criptografando a chave de sessão e as propriedades seguras com a senha especificada. Você deve fornecer a senha para usar o arquivo em uma operação import. Se esse parâmetro, ou o argumento de senha, for omitido, o arquivo de exportação será criptografado com uma senha em branco. Como conseqüência, apenas as propriedades seguras serão criptografadas e qualquer administrador poderá usar o arquivo de exportação para importar a configuração de metabase.

/inherited

Adiciona as propriedades herdadas das chaves exportadas para o arquivo de exportação. Sem esse parâmetro, o arquivo de exportação não incluirá as propriedades herdadas das chaves de nível mais alto.

/children

Adiciona, de modo recursivo, as subchaves da chave especificada ao arquivo de exportação.

/sComputador

Executa o script no computador remoto especificado. Digite o nome do computador ou o endereço IP sem barras invertidas. Por padrão, o script é executado no computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador remoto. Por padrão, o script é executado com as permissões do usuário atual do computador local.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se você omitir esse parâmetro, o script solicitará o fornecimento da senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • Coloque entre aspas os elementos do caminho da metabase que contêm espaços. Coloque entre aspas apenas o elemento com espaços e não, o caminho inteiro. Por exemplo, digite “Site FTP Padrão”/IISAdmin em vez de “Site FTP Padrão/IISAdmin”.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iiscnfg /export em situações específicas.

Exportar a configuração de um site

O comando a seguir exporta a configuração do site Finanças para o arquivo C:\Finanças\Finanças.xml. O comando usa o parâmetro /sp para especificar o caminho da metabase do site, /lm/W3SVC/2, e o parâmetro /children para exportar todas as subchaves da configuração. Ele também usa o parâmetro /inherited para incluir as propriedades herdadas no arquivo de exportação. Isso assegura que a configuração do site retenha essas propriedades, mesmo quando importada para um sistema diferente.

iiscnfg /export /f c:\finanças\finanças.xml /sp /lm/w3svc/2 /children /inherited

Como resposta, o iiscnfg.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Configuration exported from /lm/w3svc/2 to file c:\finance\finance.xml

O arquivo resultante incluirá todas as chaves e subchaves dentro do caminho /lm/w3svc/2. Incluirá também uma chave IisInheritedProperties que contém os valores de todas as propriedades herdadas.

Exportar toda a configuração do IIS do computador local

O comando a seguir exporta a configuração do IIS do computador local para o arquivo D:\IIStest\Config.xml. Ele usa o parâmetro /f para especificar o nome do arquivo e o local, e o parâmetro /sp para especificar a chave raiz (/) da metabase. O parâmetro /children adiciona todas as subchaves da chave raiz, recursivamente, ao arquivo de exportação. (Sem o parâmetro /children, apenas a chave raiz será exportada.) Por fim, o comando usa o parâmetro /d e uma senha para criptografar o arquivo de exportação.

iiscnfg /export /f d:\iistest\config.xml /sp / /children /d p@sswoRd61

Como resposta, o iiscnfg.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Path / has been exported to d:\iistest\config.xml

Observe que mesmo uma exportação completa da configuração não é idêntica ao arquivo Metabase.xml do sistema. A chave de sessão, as ACLs (listas de controle de acesso) e as senhas diferem.

Além disso, não é possível saber se o arquivo de exportação está criptografado só olhando para ele. No entanto, se comparar uma versão criptografada com uma não criptografada do mesmo arquivo, você poderá ver que os valores das propriedades seguras mudaram na versão criptografada. Portanto, o arquivo não poderá ser usado em um comando import sem a senha.

iiscnfg /import

Adiciona as configurações de um arquivo de exportação de metabase XML à metabase de um servidor IIS.

Sintaxe

iiscnfg[.vbs] /import /f [Caminho\]Nome_do_Arquivo /sp Caminho_de_Origem /dp Caminho_de_Destino [/d Senha_de_Criptografia] [/children] [/inherited] [/merge] [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/f [Caminho\]Nome_do_Arquivo

Obrigatório. Especifica o caminho e o nome do arquivo de origem XML. O caminho do arquivo deve ser local. Durante a importação de um arquivo para um computador remoto, o parâmetro /f refere-se a um caminho no computador remoto.

/spCaminho_da_Origem

Obrigatório. Especifica o local no arquivo XML das chaves que estão sendo importadas. Digite o caminho da metabase como ele é exibido no arquivo XML. Para importar todas as chaves do arquivo de origem, digite o caminho da metabase da chave raiz.

/dpCaminho_de_Destino

Obrigatório. Especifica onde, na metabase, serão colocadas as chaves importadas. Digite o caminho de uma metabase. Se você especificar um caminho que já existe na metabase, as chaves importadas substituirão as chaves atuais naquele caminho de metabase sem aviso.

/dSenha_de_Criptografia

Especifica a senha que foi usada para criptografar os dados da configuração. Este parâmetro é obrigatório quando o arquivo de configuração está criptografado. Se não for fornecida a senha para um arquivo criptografado ou, se a senha fornecida estiver incorreta, o comando falhará.

/children

Importa, recursivamente, as subchaves da chave especificada.

/inherited

Importa as propriedades herdadas das chaves. Este parâmetro só terá efeito quando o arquivo de origem contiver propriedades herdadas.

/merge

Combina as chaves do arquivo XML com as existentes na metabase. Sem este parâmetro, as chaves do arquivo XML substituirão as existentes no mesmo caminho de metabase. O parâmetro /merge adiciona chaves à metabase existente apenas no arquivo XML, retém na metabase as chaves que não estão no arquivo XML, e aplica os valores contidos no arquivo XML quando uma chave aparece tanto no arquivo XML quanto na metabase.

/sComputador

Executa o script no computador remoto especificado. Digite o nome do computador ou o endereço IP sem barras invertidas. Por padrão, o script é executado no computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador remoto. Por padrão, o script é executado com as permissões do usuário atual do computador local.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se você omitir esse parâmetro, o script solicitará o fornecimento da senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • Coloque entre aspas os elementos do caminho da metabase que contêm espaços. Coloque entre aspas apenas o elemento com espaços e não o caminho inteiro. Por exemplo, digite “Site FTP Padrão”/IISAdmin em vez de “Site FTP Padrão/IISAdmin”.
  • A chave importada deve ser do tipo esperado na sua nova posição no caminho da metabase. Se a chave não for do tipo esperado, a configuração não funcionará corretamente. Por exemplo, não importe a configuração de log de eventos (/LM/Logging) para um caminho da configuração de site, como /LM/W3SVC/3.
  • As alterações feitas pelo iiscnfg.vbs entram em vigor imediatamente. O arquivo MetaBase.xml refletirá essas alterações quando ele for atualizado (a cada cinco minutos ou a cada 50 alterações).

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iiscnfg /import em situações específicas.

Importar um site de um arquivo de exportação

O comando a seguir importa a configuração do site Novo_Site do arquivo C:\Config.xml para a metabase.

O comando usa o parâmetro /f para especificar o nome e o local do arquivo de origem. Ele usa o parâmetro /sp (caminho de origem) para indicar o local no arquivo Config.xml das chaves que você deseja importar. Neste caso, a configuração de Novo_Site localiza-se no caminho /lm/w3svc/5 do arquivo Config.xml. Em seguida, ele usa o parâmetro /dp (caminho de destino) para especificar o local da metabase onde devem ser colocadas as chaves importadas. Neste caso, as chaves de configuração de Novo_Site devem ser importadas para o local /lm/w3svc/3 da metabase. Por fim, o parâmetro /children é usado para incluir as chaves filhas de /lm/w3svc/5 na operação import. Sem o parâmetro /children, apenas a raiz do site seria importada.

Lembre-se de que a operação /import substitui sem aviso. Se a metabase já tiver chaves na posição /lm/w3svc/3, elas serão substituídas pelas chaves importadas.

iiscnfg.vbs /import /f c:\config.xml /sp /lm/w3svc/5/Raiz/Novo_Site /dp /lm/w3svc/3 /children

Como resposta, o iiscnfg.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Configuration imported from /lm/w3svc/5 in c:\config.xml to /lm/w3svc/3 in the Metabase.

Como resultado desse comando, a configuração de Novo_Site será exibida no IIS como o terceiro site, com o caminho de metabase /lm/W3SVC/3.

Importar uma configuração de log para um computador remoto

O procedimento a seguir importa a configuração de log de C:\IISLog.xml para a metabase do IIS de um computador remoto. É possível usar este método, ou uma extensão dele, para propagar uma configuração para um grupo de servidores.

O procedimento de importação de uma configuração de log para um computador remoto tem duas etapas:

  1. Copiar o arquivo de origem para um computador remoto. (O iiscnfg.vbs não permite caminhos remotos no parâmetro /f.)
  2. Importar a configuração para o IIS.

O primeiro comando copia o arquivo iislog.xml para o servidor remoto, Svr126:

copy IISLog.xml \\Svr126\c$

O segundo comando importa iislog.xml para a configuração do IIS de Svr126. O parâmetro /f é usado para identificar o arquivo de origem; o parâmetro /sp, para especificar o caminho da metabase /LM/Logging/Log Personalizado a ser importada; e o parâmetro /dp, para colocar as chaves importadas no mesmo local na configuração de destino, /LM/Logging/Log Personalizado. (Coloque entre aspas os elementos de caminho que incluem espaços.) O parâmetro /children é usado para importar todas as subchaves da chave Logging.

Para funcionar em Svr126, o parâmetro /s é utilizado para especificar o servidor, e os parâmetros /u e /p são utilizados para executar o script com as permissões da conta de administrador do usuário no computador remoto.

iiscnfg /import /f C:\IISLog.xml /sp “/lm/logging/log personalizado” /dp “/lm/logging/log personalizado” /children /s Svr126 /u Svr126\Administrator /p p@ssword1#

Como resposta, o iiscnfg.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Copiar Código

Conectando-se ao servidor ... Concluído. Configuração importada de /lm/logging/custom logging no arquivo C:\IISLogging.xml para /lm/logging/custom efetuando login na Metabase.

Como resultado, a chave /LM/Logging/Log Personalizado e suas subchaves foram copiadas da metabase local para a metabase do servidor Svr126.

Mesclar um diretório virtual com um site

Este exemplo demonstra como o parâmetro /merge funciona comparando uma operação import padrão com uma operação import que utiliza o parâmetro /merge.

Os dois comandos atualizam as propriedades do diretório virtual Investimentos de um site usando o mesmo arquivo de importação, Invest_dirv.xml.

O exemplo a seguir mostra como a chave da metabase Investimentos é executada antes das operações import. (Este exemplo foi tomado de um backup da metabase criado com Iisback.vbs: script de gerenciamento de backup do IIS).

Metabase antes da importação

Copiar Código

<IIsWebVirtualDirLocation ="/LM/W3SVC/1509060625/root/Investimentos" AccessFlags="AccessRead | AccessScript" AppFriendlyName="Investimentos" AppIsolated="2" AppRoot="/LM/W3SVC/1509060625/Root/Investimentos" DirBrowseFlags="DirBrowseShowDate | DirBrowseShowTime | DirBrowseShowSize | DirBrowseShowExtension | DirBrowseShowLongDate | EnableDefaultDoc" Caminho="E:\public\Download" > </IIsWebVirtualDir>

O exemplo a seguir mostra o conteúdo do arquivo Invest_dirv.xml que será usado nas operações import. (Este exemplo foi criado exportando a chave da metabase Investimentos e editando o arquivo de exportação.)

Observe que as seguintes propriedades da chave Investimentos foram alteradas no arquivo XML:

  • O valor da propriedade AccessFlags foi alterado.
  • A propriedade AuthFlags foi adicionada.
  • A propriedade DirBrowseFlags foi omitida.

Conteúdo do arquivo de importação

Copiar Código

<IIsWebVirtualDirLocation ="/LM/W3SVC/1509060625/root/Investimentos" AccessFlags="AccessRead" AuthFlags="AuthAnonymous | AuthNTLM" AppFriendlyName="Investimentos" AppIsolated="2" AppRoot="/LM/W3SVC/1509060625/Root/Investimentos" Caminho="E:\public\Download" > </IIsWebVirtualDir>

Comando 1: importação padrão

O comando a seguir importa o arquivo Invest_dirv.xml para a metabase sem usar o parâmetro /merge. O comando instrui o IIS a substituir a chave Investimentos contida na metabase pela chave Investimentos contida no arquivo XML.

O comando utiliza o parâmetro /f para especificar o arquivo de importação e utiliza o mesmo caminho de metabase nos parâmetros do caminho de origem (/sp) e do caminho de destino (/dp).

iiscnfg /import /f e:\iistest\Invest_dirv.xml /sp /LM/W3SVC/1509060625/raiz/Investimentos /dp /LM/W3SVC/1509060625/raiz/Investimentos

Como resultado do comando, a chave Investimentos contida na metabase é agora idêntica à chave Investimentos contida no arquivo de importação Invest_dirv.xml.

Comando 2: importar e mesclar

O comando a seguir mescla a chave Investimentos contida no arquivo Invest_dirv.xml na metabase. O parâmetro /merge instrui o IIS a adicionar as novas propriedades do arquivo de importação à metabase, a deixar inalteradas as propriedades da metabase que não estão no arquivo de importação, e a aplicar o valor do arquivo de importação quando uma propriedade aparecer tanto no arquivo de importação quanto na metabase.

O comando é idêntico ao Comando 1, excetuando o parâmetro /merge que foi adicionado.

iiscnfg /import /f e:\iistest\Invest_dirv.xml /sp /LM/W3SVC/1509060625/raiz/Investimentos /dp /LM/W3SVC/1509060625/raiz/Investimentos /merge

Como resultado do comando, o conteúdo da chave Investimentos contida na metabase será uma combinação das suas origens, como é mostrado no exemplo a seguir.

Observe que as seguintes propriedades da chave Investimentos da metabase foram alteradas:

  • O valor da propriedade AccessFlags, que aparecia na metabase e no arquivo XML, foi alterado. O valor contido no arquivo XML aparece agora na metabase.
  • A propriedade AuthFlags, que aparecia apenas no arquivo XML, foi adicionada.
  • A propriedade DirBrowseFlags, que aparecia apenas na metabase, não foi alterado.

Copiar Código

<IIsWebVirtualDirLocation ="/LM/W3SVC/1509060625/root/Investimentos" AccessFlags="AccessRead" AppFriendlyName="Investimentos" AppIsolated="2" AppRoot="/LM/W3SVC/1509060625/Root/Investimentos" AuthFlags="AuthAnonymous | AuthNTLM" DirBrowseFlags="DirBrowseShowDate | DirBrowseShowTime | DirBrowseShowSize | DirBrowseShowExtension | DirBrowseShowLongDate | EnableDefaultDoc" Caminho="E:\public\Download" > </IIsWebVirtualDir>

iiscnfg /copy

Copia a metabase e o esquema do IIS de um computador para outro.

Sintaxe

iiscnfg[.vbs] /copy /ts Computador_de_Destino /tu Usuário_de_Destino /tp Senha_de_Destino [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/tsComputador_de_Destino

Obrigatório. Copia a metabase do IIS para o computador especificado. Digite o endereço IP ou o nome do computador sem barras invertidas.

/tuUsuário_de_Destino

Obrigatório. Especifica a conta usada para se conectar ao computador de destino. Digite uma conta de usuário no formato [Domínio]\Usuário. É necessário que essa conta faça parte do grupo Administradores no computador de destino. Esse parâmetro é obrigatório, mesmo quando o usuário atual do computador local é um administrador do computador de destino.

/tpSenha_de_Destino

Obrigatório. Especifica a senha da conta definida pelo parâmetro /tu.

/sComputador

Copia a metabase do IIS do computador remoto especificado para o computador de destino. Esse parâmetro executa o script no computador remoto. Digite o nome ou o endereço IP de um computador remoto sem barras invertidas. O padrão é o computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. O padrão é o usuário atual do computador local. Esse parâmetro é obrigatório quando o usuário atual não é administrador do computador remoto.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se ele for omitido, o IISCnfg solicitará que você forneça a senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • Por padrão, o IISCnfg copia a metabase do computador local para o computador de destino especificado pelo parâmetro /ts. Contudo, é possível usar o parâmetro /s para copiar a metabase de outro computador para o computador de destino.
  • A operação de cópia usa Iisback.vbs: script de gerenciamento de backup do IIS para fazer um backup da metabase de origem e do esquema. Em seguida, ela copia os arquivos de backup (.MDX e .SCX) para o computador de destino e usa Iisback.vbs: script de gerenciamento de backup do IIS para substituir a metabase e o esquema do computador de destino por um cópia de backup. Embora essas operações possam ser feitas manualmente, a operação copy do IISCnfg oferece um método conveniente e único para replicar a configuração do IIS.
  • A operação copy não copia o conteúdo do servidor associado à configuração do IIS, como páginas da Web e arquivos FTP.
  • A operação copy altera as propriedades específicas do computador e do sistema na metabase para que elas sejam válidas no computador de destino. Contudo, os caminhos de diretórios ou arquivos não são alterados. Como resultado, os caminhos da configuração talvez não sejam válidos no computador de destino.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iiscnfg /copy em situações específicas.

Copiar a configuração do IIS do computador local

O comando a seguir copia a configuração do IIS do computador local para o servidor SVR01. O comando utiliza o parâmetro /ts para identificar o servidor de destino e os parâmetros /tu e tp para fornecer a conta de administrador e senha do usuário no servidor SVR01.

iiscnfg /copy /ts SVR01 /tu SVR01\Admin06 /tp P@ssWord6

Como resposta, o iiscnfg.vbs exibirá a seguinte mensagem de êxito:

Copiar Código

Fazendo backup do servidor 127.0.0.1 Backup concluído.

O endereço IP, 127.0.0.1, é o endereço de auto-retorno e faz referência genérica ao computador local. Esse endereço é usado apenas ao copiar a configuração do computador local.

Copiar a configuração do IIS de um computador remoto

O comando a seguir copia a configuração do IIS de um computador remoto, SRV06, para o servidor MAINBKP. O comando utiliza o parâmetro /s para identificar o computador remoto e o parâmetro /u para fornecer a senha de administrador do usuário no computador SRV06. Ele também utiliza o parâmetro /ts para identificar o servidor de destino e os parâmetros /tu e tp para fornecer a conta de administrador e senha do usuário no servidor MAINBKP.

Ao contrário do parâmetro /p, que é opcional, o parâmetro /tp é obrigatório. Se ele for omitido, o comando falhará.

iiscnfg /copy /s SRV06 /u Domain01\Admin01 /ts MAINBKP /tu MAINBKP\Admin01 /tp P@ssWord6

Como resposta, o iiscnfg.vbs solicitará a senha da conta especificada pelo parâmetro /u. (Ele não ecoa os caracteres da senha digitados.) Então, após confirmar a senha, ele copia a configuração e exibe uma mensagem indicando que a operação copy obteve êxito.

Copiar Código

Digite a senha: Processando... Fazendo backup do servidor SRV06 Backup concluído.

iiscnfg /save

Salva a metabase e o esquema do IIS em disco.

Sintaxe

iiscnfg[.vbs] /save [/s Computador [/u [Domínio\]Usuário [/p Senha]]]

Parâmetros

/sComputador

Copia a metabase do IIS do computador remoto especificado para o computador de destino. Esse parâmetro executa o script no computador remoto. Digite o nome ou o endereço IP de um computador remoto sem barras invertidas. O padrão é o computador local.

/u [Domínio\]Usuário

Executa o script com as permissões da conta de usuário especificada. O padrão é o usuário atual do computador local. Esse parâmetro é obrigatório quando o usuário atual não é administrador do computador remoto.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário especificada no parâmetro /u. Se ele for omitido, o IISCnfg solicitará que você forneça a senha e obscurecerá o texto digitado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar este procedimento, você deve ser membro do grupo Administradores no computador local ou deve ter recebido a autoridade adequada. Se o computador fizer parte de um domínio, é possível que os membros do grupo Administradores de domínio possam executar esse procedimento. Como prática recomendada de segurança, considere o uso de Executar como para executar este procedimento.
  • As alterações feitas na metabase, usando scripts ou o <b>Gerenciador do IIS</b>, são gravadas na memória primeiro e em disco na próxima atualização agendada, que pode ser alguns minutos mais tarde. Como resultado, um administrador fazer alterações na metabase e, em seguida, abrir metabase.xml e verificar que não há sinais das alterações. O comando /save no iiscnfg.vbs resolve o problema salvando as alterações no disco imediatamente.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como usar iiscnfg /save em situações específicas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s