Comandos via DOS :

Publicado: 5 de outubro de 2009 por kelldexholland em Comandos para o DOS
Tags:, ,

DOS

Provavelmente muitos comandos que serão apresentados aí tem que receber atenção pois só funcionam em determinada versão de S.O…

Por isso se não funcionar,não fique triste,é que realmente os comandos foram revisados.

*******************************************************************

Usando filtros

Usado em conjunto com o caractere de pipe de redirecionamento ( | ), um filtro de comando é um comando dentro de outro que lê a entrada do comando, transforma essa entrada e grava a saída. Os comandos de filtragem ajudam a classificar, exibir e selecionar partes da saída de um comando.

Os comandos de filtragem dividem ou reorganizam as informações que passam por eles ou extraem partes dessas informações. A tabela a seguir lista os comandos de filtragem disponíveis na família Windows Server 2003.

 

Comando Descrição
More Exibe o conteúdo de um arquivo ou a saída de um comando, em uma janela do prompt de comando por vez.
Localizar Procura por caracteres especificados em arquivos e saídas de comando.
Classificar Ordena alfabeticamente os arquivos e as saídas de comando.

Para enviar os dados de entrada de um arquivo para um comando de filtragem, utilize o sinal menor que (<). Se desejar que o comando de filtragem obtenha dados de outro comando, utilize o caractere de pipe ( | ).

Usando o comando more

O comando more exibe o conteúdo de um arquivo ou as saídas de um comando, uma janela do Prompt de Comando por vez. Por exemplo, para exibir o conteúdo de um arquivo chamado Lista.txt em uma janela do prompt de comando por vez, digite:

more < list.txt

É exibida uma janela de informações do prompt de comando com o prompt -- More -- na parte inferior da tela. Para exibir a janela seguinte, pressione qualquer tecla no teclado, exceto PAUSE. Para parar o comando sem exibir mais informações, pressione as teclas CTRL+C.

Você pode usar o comando more quando trabalhar com um comando que produza mais de uma janela de saída do Prompt de Comando. Por exemplo, suponha que você deseje exibir uma árvore de pastas do disco rígido. Se houver mais diretórios do que a janela possa exibir, você poderá utilizar o comando tree com um caractere de pipe ( | ) e o comando more, da seguinte maneira:

tree c:\ | more

A primeira janela de saída do comando tree é exibida, seguida do prompt -- More --. A saída fará uma pausa até que você pressione qualquer tecla no teclado, exceto a tecla PAUSE.

Usando o comando find

O comando find procura pelo texto especificado nos arquivos. O Cmd.exe exibe cada linha que corresponda ao texto que você especificar na janela do prompt de comando. Você pode usar o comando find como um comando de filtragem ou como um comando padrão. Para obter mais informações sobre o comando find como um comando padrão, consulte Localizar.

Para usar find como comando de filtragem, é necessário incluir o sinal de menor que (<) e a seqüência ou o texto a ser procurado. Por padrão, as pesquisas de find fazem distinção entre maiúsculas e minúsculas. Por exemplo, o comando a seguir localiza ocorrências da seqüência de caracteres “Costa do Pacífico” no arquivo Comerc.txt:

find “Costa do Pacífico” < trade.txt

A saída não inclui nenhuma ocorrência de “costa do pacífico”. Só inclui ocorrências de “Costa do Pacífico” com iniciais maiúsculas.

Para salvar a saída do comando find em vez de exibi-la na janela do prompt de comando, use o sinal maior que (>) e o nome do arquivo que deverá armazenar a saída. Por exemplo, o comando a seguir localiza ocorrências de “Costa do Pacífico” no arquivo Comerc.txt e as salva no arquivo Nvcomerc.txt:

find “Costa do Pacífico” < trade.txt > nwtrade.txt

Usando o comando sort

O comando sort coloca um arquivo de texto ou a saída de um comando em ordem alfabética. Por exemplo, o comando a seguir classifica o conteúdo de um arquivo denominado Lista.txt e exibe o resultado na janela do prompt de comando:

sort < list.txt

Neste exemplo, o comando sort classifica as linhas do arquivo Lista.txt em ordem alfabética e exibe os resultados sem alterar o arquivo. Para salvar a saída do comando sort em vez de exibi-la, digite o sinal maior que (>) e um nome de arquivo. Por exemplo, o comando a seguir colocar em ordem alfabética as linhas do arquivo Lista.txt e armazenar os resultados no arquivo Alfalista.txt:

sort < list.txt > alphlist.txt

Para classificar a saída de um comando, digite o comando, um caractere de pipe ( | ) e, em seguida, sort (ou seja, Comando | sort). Por exemplo, o comando a seguir classifica em ordem alfabética as linhas que incluem a seqüência de caracteres “Jones” (isto é, a saída do comando find).

find “Jorge” maladir.txt | sort

 

***

Ferramentas de linha de comando do serviço de diretório

Ferramentas de linha de comando de serviço de diretório

As ferramentas de linha de comando de serviço de diretório constituem um conjunto de ferramentas que pode ser utilizado para gerenciar os vários objetos do Active Directory e fazer consultas para obter informações no diretório. A lista a seguir fornece uma breve descrição de cada ferramenta de linha de comando e sua funcionalidade:

  • dsadd–Adiciona objetos ao diretório. Para obter mais informações, consulte Dsadd.
  • dsget–Exibe as propriedades dos objetos no diretório. Para obter mais informações, consulte Dsget.
  • dsmod–Modifica atributos selecionados de um objeto existente no diretório. Para obter mais informações, consulte Dsmod.
  • dsquery–Localiza objetos no diretório que correspondam a um critério de pesquisa especificado. Para obter mais informações, consulte Dsquery.
  • dsmove–Move um objeto de seu local atual para um novo local pai. Para obter mais informações, consulte Dsmove.
  • dsrm–Remove um objeto, a subárvore completa abaixo de um objeto no diretório ou ambos. Para obter mais informações, consulte Dsrm.

Tipos de objeto de destino

Todas as ferramentas de linha de comando podem operar em diversos tipos de objeto no diretório. Cada comando que aceita argumentos específicos de objeto permite a entrada de um tipo de objeto de destino como um argumento junto com a identidade do objeto de destino sobre o qual o comando irá atuar. O tipo de objeto de destino é especificado como uma sequência literal que representa a classe do objeto a partir de um conjunto pré-definido de seqüências literais. Por exemplo, no comando dsmod computer, computer é a sequência literal que especifica o tipo de objeto.

A identidade do objeto de destino é especificada a partir do tipo de objeto no formato de um nome distinto (o valor do atributo do nome distinto do objeto). Por exemplo, o nome distinto de um objeto de usuário pode ser CN=Jeff Smith,OU=Sales,DC=microsoft,DC=com.

No comando a seguir, computer especifica o tipo de objeto que está sendo modificado e CN=Jeff Smith,OU=Sales,DC=microsoft,DC=com identifica o objeto de destino a ser modificado:

Copiar Código

dsmod computador CN=Jeff Smith,OU=Sales,DC=microsoft,DC=com -disabled yes

Executando comandos na rede

Cada ferramenta dispõe de parâmetros que permitem especificar servidor, domínio, nome de usuário e senha a ser utilizado(a) quando o comando é executado. Por exemplo, a sintaxe para o comando dsadd computer é:

dsadd computer Objeto_DN

[-samid Nome_SAM]

[-desc Descrição]

[-loc Local]

[-memberof Grupo…]

[(-sServer |dDomain)]

[-u Nome_do_Usuário]

[-p (Senha|*)]

[-q]

Se esses parâmetros não forem inseridos, a ferramenta utilizará servidor, domínio, nome de usuário e senha locais.

Sintaxe de comandos

As seguintes convenções são utilizadas para documentar a sintaxe das ferramentas de linha de comando do serviço de diretório:

  • A opção para um atributo de nome distinto de objeto de destino é exibida como Objeto_ND ou Objeto_ND … quando for possível especificar vários objetos.
  • Um comando só realiza uma operação com um tipo de objeto, como computer, e com os parâmetros necessários ao tipo de objeto, como o nome distinto de um objeto de destino, ND_Objeto.
  • No caso de certos comandos, se o usuário não especificar um objeto de destino no prompt de comando, o objeto de destino será obtido a partir de uma entrada padrão. A obtenção de valores dessa forma permite seqüenciar a saída de um comando para outro.
  • As sintaxes de objeto de destino que utilizam o símbolo de “…” (reticências) indicam que é possível especificar uma lista de nomes distintos, sendo cada nome separado por um espaço, a menos que seja especificado de outra forma. Por exemplo, o parâmetro a seguir aceita vários nomes distintos:
    -memberofGrupo …
    Se os próprios nomes distintos contiverem espaços, eles deverão ser colocados entre aspas (” “).
    As vírgulas que não forem utilizadas como separadores em nomes distintos devem ser precedidas de barra invertida(\) (por exemplo, “CN=Companhia\, Ltda.,CN=Usuários,DC=microsoft,DC=com”). As barras invertidas utilizadas em nomes distintos devem ser precedidas de uma barra invertida (por exemplo, “CN=Vendas\\ América Latina,OU=Listas distribuição,DC=microsoft,DC=com”).

Entrada de comandos

  • nenhum parâmetro distingue maiúsculas de minúsculas;
  • os parâmetros de linha de comando podem ser especificados com um hífen () ou uma barra (/);
  • um parâmetro de linha de comando e e seus respectivos valores devem ser separados por pelo menos um espaço;
  • quando lidos a partir de uma entrada padrão, os caracteres de espaço e de nova linha são tratados como separadores de argumentos;
  • um valor de sequência vazio ou nulo pode ser especificado por aspas ( ) sem caracteres entre os sinais; um valor de sequência vazio especificado não é o mesmo que um valor ausente; um valor de parâmetro “” (sequência NULA) será tratado como uma solicitação para excluir valores de atributo do objeto de destino;
  • a Ajuda para qualquer comando pode ser requisitada através de /? (por exemplo, dsadd computer /?).

Saída de comandos

São as seguintes as convenções para exibição de dados, mensagens de status, erros e avisos oriundos da execução de comandos:

  • as mensagens de status de conclusão bem-sucedida de comandos são gravadas na saída padrão;
  • os dados exibidos por um comando são gravados na saída padrão;
  • as mensagens de aviso ou erro são gravadas no erro padrão;
  • os códigos de saída (níveis de erro) utilizam o 0 para indicar êxito. Se uma operação não for bem sucedida, o código de saída será um valor no formato HRESULT. Por exemplo, o valor para o HRESULT E_FAIL é 0x80004005.
  • se o modo silencioso for especificado para um comando (utilizando o parâmetro -q), tudo que for enviado para a saída padrão será eliminado. No entanto, as mensagens para erro padrão não serão eliminadas em decorrência do modo silencioso.

 

***

Visão geral sobre o shell de comandos

Visão geral sobre o shell de comando

O shell de comando é um software independente que oferece comunicação direta entre o usuário e o sistema operacional. A interface de usuário não gráfica do shell de comando é o ambiente propício para a execução de aplicativos e utilitários baseados em caracteres. O shell de comando executa programas e exibe os dados de saída em uma tela usando caracteres individuais de forma idêntica ao interpretador de comandos do MS-DOS, o Command.com. O shell de comando do sistema operacional de servidor Windows usa o interpretador de comandos Cmd.exe, que carrega aplicativos e direciona o fluxo de informações entre aplicativos, para transformar entradas de usuário em um formato que possa ser compreendido pelo sistema operacional.

Você pode usar o shell de comando para criar e editar arquivos em lotes (também denominados de scripts) e, assim, automatizar tarefas rotineiras. Por exemplo, você pode usar scripts para automatizar o gerenciamento de contas de usuários ou backups noturnos. Você também pode usar a versão de linha de comando do Host de scripts do Windows, CScript.exe, para executar scripts mais sofisticados no shell de comando. Para obter mais informações, consulte Executar host de scripts do Windows. O uso de arquivos em lotes possibilita a realização de operações mais eficientes do que através da interface do usuário. Os arquivos em lotes aceitam todos os comandos disponíveis na linha de comando. Para obter mais informações sobre arquivos em lotes, consulte Usando arquivos em lotes.

Você pode personalizar a janela do prompt de comando para obter uma melhor visualização e aumentar o controle sobre como são executados os programas. Para obter mais informações sobre a personalização da janela do prompt de comando, consulte Configurar o prompt de comando.

Usando a sintaxe dos comandos

A sintaxe indica a ordem na qual você deve digitar um comando e seus parâmetros. O exemplo a seguir do comando xcopy ilustra diversos formatos de texto de sintaxe:

xcopyOrigem [Destino] [/w] [/p] [/c] [/v] [/q] [/f] [/l] [/g] [/d[:MM-DD-AAAA]] [/u] [/i] [/s [/e]] [/t] [/k] [/r] [/h] [{/a | /m}] [/n] [/o] [/x] [/exclude:Arquivo1[+[Arquivo2]][+[Arquivo3]] [{/y | /-y}] [/z]

 

***********************************************

Legenda da formatação :

Formato Significado
Itálico Informações que o usuário deve fornecer
Negrito Elementos que o usuário deve digitar exatamente como é exibido
Reticências (…) Parâmetro que pode ser repetido várias vezes em uma linha de comando
Entre colchetes ([]) Itens opcionais
Entre chaves ({}); opções separadas por barra vertical (|). Exemplo: {even|odd} Conjunto de opções entre as quais o usuário deve escolher apenas uma
Courier font Saída de código ou de programa

*******************************************************************

A

Adprep

Prepara os domínios e florestas do Windows 2000 para uma atualização para o Windows Server 2003, Standard Edition, Windows Server 2003, Enterprise Edition ou Windows Server 2003, Datacenter Edition. Dentre suas tarefas, o adprep estende o esquema, atualiza os descritores de segurança padrão de objetos selecionados e adiciona novos objetos de diretórios conforme requerem alguns aplicativos.

Sintaxe

Adprep {/forestprep | /domainprep | /gpprep}

Observações

  • Quando você atualizar o Windows 2000 Server para o Windows Server 2003 sem um service pack instalado, prepare a floresta usando adprep /forestprep e cada domínio usando o adprep /domainprep. O Adprep /domainprep prepara o domínio para a atualização e adiciona ACEs (entradas de controle de acesso herdáveis) aos GPOs (objetos da Diretiva de Grupo) na pasta compartilhada SYSVOL, ocasionando a replicação em todo o domínio. A quantidade de tráfego de replicação gerada por essa operação pode afetar negativamente as condições de rede.
  • Quando você atualizar o Windows 2000 Server para o Windows Server 2003 com o Service Pack 1 (SP1), prepare a floresta usando adprep /forestprep e cada domínio usando adprep /domainprep. O Adprep /domainprep no Windows Server 2003 com o SP1 não adiciona ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL e não ocasiona a replicação em todo o domínio.
    Quando as condições de rede forem ótimas ou se uma sincronização total da pasta compartilhada SYSVOL não afetar negativamente uma largura de banda de rede, execute adprep /domainprep /gpprep para adicionar as ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL.

Parâmetros

/forestprep

Prepara a atualização de uma floresta do Windows 2000 para uma floresta do Windows Server 2003.

/domainprep

Prepara a atualização de uma domínio do Windows 2000 para um domínio do Windows Server 2003.

/domainprep /gpprep

Disponível apenas quando você prepara a atualização de um domínio do Windows 2000 para um domínio do Windows Server 2003 com o SP1. Adiciona as ACEs herdáveis aos GPOs localizados na pasta compartilhada SYSVOL, sincronizando-a com os controladores de domínio presentes no domínio.

/?

Exibe a Ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • O Adprep.exe pode ser encontrado na pasta \i386 nos CD-ROMs do Windows Server 2003, Standard Edition, Windows Server 2003, Enterprise Edition e Windows Server 2003, Datacenter Edition. Para obter informações sobre como usar o adprep, consulte os tópicos da seção “Consulte também”.
  • Para executar adprep /forestprep, você precisa ser membro dos grupos Administradores de Empresa e Administradores de Esquemas no Active Directory ou deve ter sido delegado a autoridade apropriada. Como uma prática recomendada de segurança, use a opção Executar como para executar esse comando. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão, Grupos padrão e Usando Executar como.
  • Para executar adprep /domainprep, você precisa ser membro do grupo Admins. do domínio ou do grupo Administração de Empresa no Active Directory ou precisa receber a delegação de autoridade apropriada. Como uma prática recomendada de segurança, use a opção Executar como para executar esse comando. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão, Grupos padrão e Usando Executar como.
  • Para executar adprep /domainprep /gpprep, é necessário ser membro do grupo Admins. do Domínio ou do grupo Administração de Empresa no Active Directory ou receber a delegação de autoridade apropriada. Como uma prática recomendada de segurança, use a opção Executar como para executar esse comando. Para obter mais informações, consulte Grupos locais padrão, Grupos padrão e Usando Executar como.
  • Execute adprep a partir da mídia de instalação do Windows Server 2003, como um CD-ROM ou um recurso de rede compartilhado.
  • Todos os controladores de domínio na floresta devem ser atualizados para o Windows 2000 Service Pack 2 ou posterior antes que a floresta seja preparada para uma atualização para a família Windows Server 2003.
  • O Adprep /forestprep deve ser executado no mestre de esquema.
  • O Adprep /domainprep deve ser executado em cada mestre de infra-estrutura em cada domínio, e somente depois que o adprep /forestprep tiver sido executado com êxito para a floresta.
  • O Adprep /domainprep /gpprep deve ser executado no mestre de infra-estrutura de cada domínio. Ele pode ser executado a qualquer momento depois da execução de adprep /forestprep e de adprep /domainprep, quando a largura de banda permitir a replicação de todos os GPOs entre os controladores de domínio presentes no domínio.
  • Será preciso aguardar que as alterações efetuadas pelo adprep /forestprep sejam replicadas do mestre de esquema para os mestres de infra-estrutura antes que o adprep /domainprep seja executado. Se você tentar executar o adprep /domainprep em um mestre de infra-estrutura antes que as alterações do adprep /forestprep tenham sido replicadas, receberá notificação informando que a preparação da floresta não foi concluída.
  • Depois de preparar as florestas e domínios com o adprep, você pode deixar os controladores de domínio executando o Windows 2000 por um período indefinido ou pode iniciar imediatamente a atualização dos controladores de domínio.
  • Depois de executar o adprep, os arquivos de log do aplicativo podem ser encontrados em raiz_do_sistema\System32\Debug\Adprep\Logs.
  • Para obter mais informações sobre os aprimoramentos do Adprep.exe no Windows Server 2003 com o SP1, consulte o artigo 324392, sobre “Aperfeiçoamentos ao Adprep.exe no Windows Server 2003 Service Pack 1 e no hotfix 324392,” no Microsoft Knowledge Base (site em inglês).
  • Para obter mais informações sobre como preparar a floresta e os domínios usando o Adprep.exe, consulte o item sobre “Visão geral: atualizando os controladores de domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003” no artigo 325379 e “Como atualizar os controladores de domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003,” no Microsoft Knowledge Base (site em inglês).

Exemplos

Para preparar a atualização de uma floresta do Windows 2000 para a família Windows Server 2003, digite:

adprep /forestprep

Para preparar a atualização de um domínio do Windows 2000 para a família Windows Server 2003, digite:

adprep /domainprep

Observação

  • Se estiver preparando a atualização de um domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003 sem o SP1, esse comando ocasionará a adição de ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL, que será sincronizada, podendo causar atrasos significativos na rede.

Para preparar a atualização de um domínio do Windows 2000 para o Windows Server 2003 com SP1, adicionando ACEs herdáveis aos GPOs na pasta compartilhada SYSVOL e sincronizando-a com os controladores de domínio presentes no domínio, digite:

adprep /domainprep /gpprep

***

Arp

Exibe e modifica entradas no cache do protocolo de resolução de endereços (ARP), que contém uma ou mais tabelas que são usadas para armazenar endereços IP e seus endereços físicos Ethernet ou Token Ring resolvidos. Há uma tabela separada para cada adaptador de rede Ethernet ou Token Ring instalado no computador. Quando utilizado sem parâmetros, arp exibe informações de ajuda.

Sintaxe

arp[-a [End_IP_da_rede] [-NEnd_da_interface]] [-g [End_IP_da_rede] [-NEnd_da_interface]] [-dEnd_IP_da_rede [End_da_interface]] [-sEnd_IP_da_rede End_Ether [End_da_interface]]

Parâmetros

-a[ End_IP_da_rede] [ -NEnd_da_interface]

Exibe as tabelas do cache ARP atual para todas as interfaces. Para exibir a entrada de cache ARP de um endereço IP específico, use arp -a com o parâmetro End_IP_Da_Rede, onde End_IP_Da_Rede é um endereço IP. Se End_IP_Da_Rede não for especificado, será utilizada a primeira interface aplicável. Para exibir a tabela de cache ARP de uma interface específica, use o parâmetro -NEnd_da_interface em conjunto com o parâmetro -a, onde End_da_interface é o endereço IP atribuído à interface. O parâmetro -N diferencia maiúsculas de minúsculas.

-g[ End_IP_da_rede] [ -NEnd_da_interface]

Idêntico a -a.

-dEnd_IP_da_rede [End_da_interface]

Exclui uma entrada com um endereço IP específico, onde End_IP_da_rede é o endereço IP. Para excluir uma entrada de uma tabela para uma interface específica, use o parâmetro End_da_interface onde End_da_interface é o endereço IP atribuído à interface. Para excluir todas as entradas, use o caractere curinga asterisco (*) em vez de End_IP_da_rede.

-sEnd_IP_da_rede End_Ether [End_da_interface]

Adiciona uma entrada estática ao cache ARP que resolve o endereço IP End_IP_da_rede para o endereço físico End_Ether. Para adicionar uma entrada estática do cache ARP à tabela para uma interface específica, use o parâmetro End_da_interface onde End_da_interface é um endereço IP atribuído à interface.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Os endereços IP de End_IP_da_rede e End_da_interface são expressos em notação decimal pontilhada.
  • O endereço físico de End_Ether consiste em seis bytes expressos em notação hexadecimal e separados por hífens (por exemplo, 00-AA-00-4F-2A-9C).
  • As entradas adicionadas com o parâmetro -s são estáticas e não atingem o tempo limite no cache ARP. As entradas serão removidas se o protocolo TCP/IP for interrompido e iniciado. Para criar entradas de cache ARP estáticas permanentes, coloque os comandos arp adequados em um arquivo em lotes e use Tarefas agendadas para executar esse arquivo na inicialização.

Exemplos

Para exibir as tabelas do cache ARP para todas as interfaces, digite:

arp -a

Para exibir a tabela do cache ARP para a interface a que está atribuído o endereço IP 10.0.0.99, digite:

arp -a -N 10.0.0.99

Para adicionar uma entrada estática do cache ARP que resolva o endereço IP 10.0.0.80 para o endereço físico 00-AA-00-4F-2A-9C, digite:

arp -s 10.0.0.80 00-AA-00-4F-2A-9C

***

Assoc

Exibe ou modifica as associações de extensão de nome de arquivo. Quando utilizado sem parâmetros, assoc exibe uma lista de todas as associações de extensão de nome de arquivo atuais.

Sintaxe

assoc [.ext[=[TipoDeArquivo]]]

Parâmetros

.ext

Especifica a extensão de nome de arquivo.

TipoDeArquivo

Especifica o tipo de arquivo ao qual você deseja associar a extensão de nome de arquivo especificada.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para excluir a associação de tipo de arquivo referente a uma extensão de nome de arquivo, crie um espaço em branco após o sinal de igual pressionando a BARRA DE ESPAÇOS.
  • Para exibir os tipos de arquivo atuais com seqüências de comando abertas definidas, use o comando ftype.
  • Para redirecionar a saída de assoc para uma arquivo de texto, use o operador de redirecionamento >.

Exemplos

Para exibir a associação de tipo de arquivo atual referente à extensão de nome de arquivo .txt, digite:

assoc .txt

Para excluir a associação de tipo de arquivo referente à extensão de nome de arquivo .txt, digite:

assoc .txt=

Para exibir as associações de tipo de arquivo tela a tela, digite:

assoc| more

Para enviar a saída de assoc para o arquivo Assoc.cfg, digite:

assoc>assoc.cfg

***

At

Agenda a execução de comandos e programas em um computador em uma data e hora especificadas. Você só poderá usar o comando at quando o serviço de agendamento estiver sendo executado. Quando utilizado sem parâmetros, at lista os comandos agendados.

Sintaxe

at [\Nome_do_Computador] [{[ID] [/delete] | /delete [/yes]}]

at [[\Nome_do_Computador] Horas:Minutos [/interactive] [{/every:Data[,…] | /next:Data[,…]}] Comando]

Parâmetros

\Nome_do_Computador

Especifica um computador remoto. Se esse parâmetro for omitido, at agendará os comandos e programas no computador local.

id

Especifica o número de identificação atribuído a um comando agendado.

/delete

Cancela um comando agendado. Se ID for omitido, todos os comandos agendados no computador serão cancelados.

/yes

Fornece uma resposta afirmativa a todas as consultas do sistema quando você excluir eventos agendados.

Horas:Minutos

Especifica a hora em que o comando deve ser executado. A hora é expressa como Horas:Minutos na notação de 24 horas (isto é, 00:00 [meia-noite] a 23:59).

/interactive

Permite a interação entre o Comando e a área de trabalho do usuário que estiver conectado durante a execução do Comando.

/every:

Executa o Comando em todos os dias especificados da semana ou do mês (por exemplo, todas as quintas-feiras ou no terceiro dia de cada mês).

Data

Especifica a hora em que o comando deve ser executado. Você pode especificar um ou mais dias da semana (isto é, digite seg,ter,qua,qui,sex,sáb,dom) ou um ou mais dias do mês (isto é, digite 1 a 31). Separe as várias entradas de data com vírgulas. Se você omitir Data, at usará o dia atual do mês.

/next:

Executa o Comando na próxima ocorrência do dia (por exemplo, na próxima quinta-feira).

Comando

Especifica o comando, programa (isto é, arquivo .exe ou .com) ou programa em lotes (isto é, arquivo .bat ou .cmd) do Windows que você deseja executar. Quando o comando exigir um caminho como argumento, utilize o caminho absoluto (isto é, o caminho completo, começando com a letra da unidade). Se o comando estiver em um computador remoto, especifique a notação da convenção universal de nomenclatura (UNC) referente ao nome do servidor e do compartilhamento, em vez de uma letra de unidade remota.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Schtasks é outra ferramenta de agendamento de linha de comando que pode ser utilizada para criar e gerenciar tarefas agendadas. Para obter mais informações sobre schtasks, consulte Tópicos Relacionados.
  • Usando at
    Para usar at, é necessário que você seja membro do grupo Administradores local.
  • Carregando Cmd.exe
    O comando at não carrega automaticamente Cmd.exe, o interpretador de comando, antes de executar comandos. Se não estiver executando um arquivo executável (.exe), você deverá carregar explicitamente Cmd.exe no início do comando da seguinte forma:
    cmd /c dir > c:\test.out
  • Exibindo comandos agendados
    Quando você usa at sem opções de linha de comando, as tarefas agendadas são exibidas em um formato de tabela semelhante ao formato a seguir:

Copiar Código

Status  ID   Dia        Hora        Linha de Comando
OK      1    Toda sex     4:30 PM     net send group leads status due
OK      2    Toda seg     12:00 AM    chkstor > check.file
OK      3    Toda sex     11:59 PM    backup2.bat
  • Incluindo o número de identificação (id)
    Quando você inclui o número de identificação (ID) com at em um prompt de comando, as informações referentes a uma única entrada são exibidas em um formato semelhante ao seguinte:

Copiar Código

ID da tarefa:      1
 
Status:       OK
 
Agenda:     Toda sex
 
Hora do dia:  4:30 PM
 
Comando:      net send group leads status due

Depois de agendar a execução de um comando com at, especialmente um comando que tenha opções de linha de comando, verifique se a sintaxe do comando está correta digitando at sem opções de linha de comando. Se as informações da coluna “Linha de comando” não estiverem corretas, exclua o comando e digite-o novamente. Se continuarem incorretas, redigite o comando com menos opções de linha de comando.

  • Exibindo resultados
    Os comandos agendados por meio de at são executados como processos em segundo plano. A saída não é exibida na tela do computador. Para redirecionar a saída para um arquivo, utilize o símbolo de redirecionamento (>). Se você redirecionar a saída para um arquivo, precisará usar o símbolo de escape (^) antes do símbolo de redirecionamento, independentemente de estar usando at na linha de comando ou em um arquivo em lotes. Por exemplo, para redirecionar a saída para Output.text, digite:
    at 14:45 c:\test.bat ^>c:\output.txt
    A pasta atual do comando que está sendo executado é a pasta systemroot.
  • Alterando a hora do sistema
    Se você alterar a hora do sistema em um computador depois de agendar um comando a ser executado com at, sincronize o agendador de at com a hora do sistema modificada digitando at sem opções de linha de comando.
  • Armazenando comandos
    Os comandos agendados são armazenados no Registro. Conseqüentemente, você não perderá tarefas agendadas se reiniciar o serviço de agendamento.
  • Conectando-se a unidades de rede
    Não use uma unidade redirecionada para tarefas agendadas que acessem a rede. É possível que o serviço de agendamento não consiga acessar a unidade redirecionada ou ela poderá estar ausente se outro usuário conectar-se quando a tarefa agendada estiver sendo executada. Em vez disso, use caminhos UNC para as tarefas agendadas. Por exemplo:
    at 1:00pm meu_backup \servidor\compartilhamento
    Não use a seguinte sintaxe, em que x: é uma conexão feita pelo usuário:
    at 1:00pm meu_backup x:
    Se você agendar um comando at que utilize a letra de uma unidade para conectar-se a uma pasta compartilhada, deverá incluir um comando at para desconectar a unidade quando terminar de usá-la. Se a unidade não for desconectada, a letra atribuída a ela não estará disponível no prompt de comando.
  • Tarefas a serem interrompidas depois de 72 horas
    Por padrão, as tarefas agendadas com o comando at são interrompidas após 72 horas. Esse valor pode ser alterado no Registro.
  1. Inicie o Editor do Registro (Regedit.exe).
  2. Localize e clique na seguinte chave do Registro: HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlSet\Services\Schedule
  3. No menu Editar, clique em <b>Adicionar valor</b> e forneça o seguinte valor de Registro: Nome do valor: AtTaskMaxHours Data type: REG_DWORD Radix: Decimal Value Data: 0. O valor de 0 no campo de dados de valor indica que não há limite, não há término. Valores de 1 a 99 indicam o número de horas.

Cuidado

  • A edição incorreta do Registro pode danificar gravemente o sistema. Antes de alterar o Registro, faça um backup de todos os dados importantes que estiverem no computador.
  • O Agendador de Tarefas e o comando at
    Você pode usar a pasta Tarefas Agendadas para exibir ou modificar as configurações de uma tarefa que tenha sido criada com o comandoat. Quando você agenda uma tarefa com o comando at, a tarefa é listada na pasta Tarefas Agendadas, com um nome semelhante a At3478. Entretanto, se você modificar uma tarefa através da pasta <b>Tarefas agendadas</b>, ela será atualizada para uma tarefa agendada normal. A tarefa não será mais visível para o comando at e a configuração de conta não se aplicará mais a ela. Será necessário digitar explicitamente uma conta de usuário e senha para a tarefa.

Exemplos

Para exibir uma lista de comandos agendados no servidor Marketing, digite:

at \marketing

Para saber mais sobre um comando com o número de identificação 3 no servidor Corp, digite:

at \corp 3

Para agendar a execução de um comando <b>net share</b> no servidor Corp às 8:00 A.M. e redirecionar a listagem para o servidor Manutenção, na pasta compartilhada <b>Relatórios</b>, e o arquivo Corp.txt, digite:

at \corp 08:00 cmd /c “net share reports=d:\marketing\reports >> \maintenance\reports\corp.txt”

Para fazer backup da unidade de disco rígido do servidor Marketing em uma unidade de fita à meia-noite, de cinco em cinco dias, criar um programa em lotes denominado Arquivo.cmd contendo os comandos de backup e depois agendar esse programa para ser executado, digite:

at \marketing 00:00 /every:5,10,15,20,25,30 arquivo

Para cancelar todos os comandos agendados no servidor atual, limpe a informação de agendamento de at digitando:

at /delete

Para executar um comando que não seja um arquivo executável (isto é, .exe), digite cmd /c antes do comando para carregar Cmd.exe conforme especificado a seguir:

cmd /c dir > c:\test.out

***

Atmadm

Monitora conexões e endereços registrados pelo <b>Gerenciador de chamadas ATM</b> em uma rede de modo de transferência assíncrona (ATM). Você pode usar o comando atmadm para exibir estatísticas de chamadas de entrada e de saída em adaptadores ATM. Quando usado sem parâmetros, atmadm exibe estatísticas para a monitoração do status das conexões ATM ativas.

Sintaxe

atmadm [/c][/a] [/s]

Parâmetros

/c

Exibe informações de chamadas referentes a todas as conexões atuais com o adaptador de rede ATM instalado neste computador.

/a

Exibe o endereço do ponto de acesso a serviços de rede (NSAP) ATM registrado para cada adaptador instalado nesse computador.

/s

Exibe estatísticas para a monitoração do status das conexões ATM ativas.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Exemplos

As tarefas a seguir ilustram como é possível usar o comando atmadm.

Para exibir informações de chamadas

Para exibir informações de chamadas referentes a todas as conexões atuais com o adaptador de rede ATM instalado neste computador, digite:

atmadm /c

A saída do comando atmadm /c é semelhante a esta:

Copiar Código

Estatísticas do Gerenciador de Chamadas ATM do Windows
 
Conexões ATM na interface: Adaptador [009] Olicom ATM PCI 155
 
   Connection   VPI/VCI   Remote Address/ Media Parameters (rates in bytes/sec) In  PMP SVC    0/193   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Out P-P SVC    0/192   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 In  PMP SVC    0/191   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Out P-P SVC    0/190   47000580FFE1000000F21A2E180020481A2E180B Tx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 1516 In  P-P SVC    0/475   47000580FFE1000000F21A2E180000C110081501 Tx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9188 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 9188 Out PMP SVC    0/194   47000580FFE1000000F21A2E180000C110081501 (0) Tx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9180 Rx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 0 Out P-P SVC    0/474   4700918100000000613E5BFE010000C110081500 Tx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9188 Rx:UBR,Peak 16953984,Avg 16953984,MaxSdu 9188 In  PMP SVC    0/195   47000580FFE1000000F21A2E180000C110081500 Tx:UBR,Peak 0,Avg 0,MaxSdu 0 Rx:UBR,Peak 16953936,Avg 16953936,MaxSdu 9180

A tabela a seguir contém as descrições de cada elemento no exemplo de saída de atmadm /c.

 

Tipo de dados Exibição na tela Descrição
Informações de conexão Entrada/Saída Direção da chamada. In é para o adaptador de rede ATM proveniente de outro dispositivo. In é proveniente do adaptador de rede ATM para outro dispositivo.
  PMP Chamada ponto a vários pontos.
  P-P Chamada ponto a ponto.
  SVC A conexão é em um circuito virtual comutado.
  PVC A conexão é em um circuito virtual permanente.
Informação VPI/VCI VPI/VCI Caminho virtual e canal virtual da chamada de entrada ou de saída.
Endereço remoto/Parâmetros de mídia 47000580FFE100

0000F21A2E1800

00C110081500

Endereço NSAP do dispositivo ATM que efetua a chamada (In) ou que recebe a chamada (Out).
  Tx O parâmetro Tx inclui os três elementos a seguir:

  • Tipo de taxa em bits padrão ou especificada (UBR, CBR, VBR ou ABR)
  • Velocidade de linha especificada ou padrão.
  • Tamanho da unidade de dados de serviço (SDU) especificada
  Rx O parâmetro Rx inclui os três elementos a seguir:

  • Tipo de taxa em bits padrão ou especificada (UBR, CBR, VBR ou ABR)
  • Velocidade de linha padrão ou especificada.
  • Tamanho de SDU especificado

Para listar todos os endereços registrados

Para exibir o endereço do ponto de acesso a serviços de rede (NSAP) ATM registrado para cada adaptador instalado neste computador, digite:

atmadm /a

A saída do comando atmadm /c é semelhante a esta:

Copiar Código

Estatísticas do Gerenciador de Chamadas ATM do Windows
 
Endereços ATM da interface: Adaptador [009] Olicom ATM PCI 155
 
47000580FFE1000000F21A2E180000C110081500

Para exibir estatísticas

Para exibir estatísticas para a monitoração do status das conexões ATM ativas, digite:

atmadm /s

A saída do comando atmadm /s é semelhante a esta:

Copiar Código

Estatísticas do Gerenciador de Chamadas ATM do Windows
 
Estatísticas do Gerenciador de chamadas ATM para a interface: Adaptador [009] Olicom ATM PCI 155
 
Current Active calls                        = 4 Total successful Incoming calls             = 1332 Total successful Outgoing calls             = 1297 Unsuccessful Incoming calls                 = 1 Unsuccessful Outgoing calls                 = 1 Calls Closed by Remote                      = 1302 Calls Closed Locally                        = 1323 Signalling and ILMI Packets Sent            = 33655 Signalling and ILMI Packets Received        = 34989

A tabela a seguir contém as descrições de cada elemento no exemplo de saída de atmadm /c.

 

Estatística do Gerenciador de chamadas Descrição
As chamadas ativas atuais As chamadas ativas no momento no adaptador ATM instalado no computador.
Total de chamadas recebidas com êxito As chamadas recebidas com êxito de outros dispositivos nesta rede ATM.
Total de chamadas enviadas com êxito As chamadas concluídas com êxito para outros dispositivos ATM nesta rede a partir deste computador.
Chamadas recebidas sem êxito As chamadas de entrada que não estabeleceram a conexão com este computador.
Chamadas enviadas sem êxito As chamadas de saída que não estabeleceram a conexão com outro dispositivo na rede.
Chamadas encerradas remotamente As chamadas encerradas por um dispositivo remoto na rede.
Chamadas encerradas localmente As chamadas encerradas por este computador.
Pacotes de sinal e ILMI enviados O número de pacotes de interface de gerenciamento local integrado (ILMI) enviados ao comutador ao qual esse computador está tentando se conectar.
Pacotes de sinal e ILMI recebidos O número de pacotes ILMI recebidos do comutador ATM.

***

Attrib

Este comando exibe, define ou remove os atributos somente leitura, arquivo morto, sistema e oculto atribuídos a arquivos ou pastas. Quando utilizado sem parâmetros, attrib exibe os atributos de todos os arquivos na pasta atual.

Sintaxe

attrib [{+r | -r}] [{+a | -a}] [{+s | -s}] [{+h | -h}] [[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo] [/s[/d]]

Parâmetros

+r

Define o atributo de arquivo somente leitura.

-r

Limpa o atributo de arquivo somente leitura.

+a

Define o atributo de arquivo morto.

-a

Limpa o atributo de arquivo morto.

+s

Define o atributo de arquivo de sistema.

-s

Limpa o atributo de arquivo de sistema.

+h

Define o atributo de arquivo oculto.

-h

Limpa o atributo de arquivo oculto.

[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo

Especifica o local e o nome da pasta, arquivo ou conjunto de arquivos cujos atributos você deseja exibir ou alterar. É possível utilizar caracteres curinga (isto é, ? e *) no parâmetro Nome_de_Arquivo para exibir ou alterar os atributos de um grupo de arquivos.

/s

Aplica attrib e quaisquer opções de linha de comando aos arquivos correspondentes na pasta atual e a todas as suas subpastas.

/d

Aplica attrib e quaisquer opções de linha de comando às pastas.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Trabalhando com grupos de arquivos
    É possível utilizar caracteres curinga (isto é, ? e *) com o parâmetro Nome_de_Arquivo para exibir ou alterar os atributos de um grupo de arquivos. Se o atributo de sistema ou oculto estiver definido para um arquivo, limpe esses atributos antes de alterar qualquer outro atributo do arquivo.
  • Usando o atributo de arquivo morto
    O atributo de arquivo morto (isto é, +a) marca os arquivos que foram alterados desde o último backup. O comando xcopy utiliza atributos de arquivo morto. Para obter informações sobre atributos de arquivo morto e xcopy, consulte Tópicos Relacionados.
  • O comando attrib, com diferentes parâmetros, está disponível no Console de Recuperação.

Exemplos

Para exibir os atributos de um arquivo denominado Infos86, localizado na unidade atual, digite:

attrib infos86

Para atribuir o atributo somente leitura ao arquivo Relatório.txt, digite:

attrib +r relatório.txt

Para remover o atributo somente leitura dos arquivos na pasta <b>\Público\Oliveira</b> de um disco na unidade B e dos arquivos de todas as subpastas dessa pasta, digite:

attrib -r b:\público\oliveira\*.* /s

Suponha que você queira dar a um colega um disco contendo todos os arquivos da pasta padrão de um disco na unidade A, com exceção dos arquivos com a extensão .bak. Como só é possível usar o comando xcopy para copiar os arquivos marcados com o atributo de arquivo morto, você deverá definir o atributo de arquivo morto para os arquivos a serem copiados. Primeiro, é necessário definir esse atributo para todos os arquivos contidos na unidade A. Depois, é necessário limpar esse atributo dos arquivos com a extensão .bak. Por exemplo, digite:

attrib +a a:*.* attrib -a a:*.bak

Em seguida, utilize o comando xcopy para copiar os arquivos do disco na unidade A para o disco da unidade B. A opção de linha de comando /a no comando a seguir faz com que xcopy copie somente os arquivos marcados com o atributo de arquivo morto: Por exemplo, digite:

xcopy a: b: /a

Para que xcopy limpe o atributo arquivo morto de cada arquivo depois de copiar os arquivos, utilize a opção de linha de comando /m em vez de /a. Por exemplo, digite:

xcopy a: b: /m

*******************************************************************

B

Bootcfg

Configura, consulta ou altera configurações do arquivo Boot.ini.

bootcfg addsw

Adiciona opções de carregamento do sistema operacional a uma entrada do sistema operacional especificada.

Sintaxe

bootcfg/addsw [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/mm RAM_Máxima] [/bv] [/so] [/ng]/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/mmRAM_Máxima

Especifica a quantidade máxima de RAM que pode ser utilizada pelo sistema operacional. O valor deve ser igual ou superior a 32 Megabytes.

/bv

Adiciona a opção /basevideo ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado, instruindo o sistema operacional a usar o modo VGA padrão para o driver de vídeo instalado.

/so

Adiciona a opção /sos ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado, instruindo o sistema operacional a exibir os nomes dos drivers de dispositivo enquanto estiverem sendo carregados.

/ng

Adiciona a opção /noguiboot ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado, desabilitando a barra de progresso do Windows XP Professional exibida antes do prompt de logon de CTRL+ALT+DEL.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, à qual as opções de carregamento do sistema operacional serão adicionadas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /addsw:

bootcfg /addsw /mm 64 /id 2

bootcfg /addsw /so /id 3

bootcfg /addsw /so /ng /s srvmain /u hiropln /id 2

bootcfg /addsw /ng /id 2

bootcfg /addsw /mm 96 /ng /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 2

bootcfg clone

Cria uma cópia de entrada de inicialização da Interface de Firmware Extensível (EFI) para ser usada em um volume de inicialização espelhado em computadores com base no Itanium .

Sintaxe

bootcfg /clone /tgGUID [/sgGUID | /idbootid [/ddescrição | /d+descrição]] [/upddrv]

Parâmetros

/clone

Cria uma entrada de inicialização da EFI para uma partição espelhada contendo um sistema operacional Windows.

/sgGUID

Especifica o identificador global exclusivo (GUID) da partição contendo o sistema operacional do qual a entrada de reinicialização está sendo copiada.

/tgGUID

Especifica o identificador global exclusivo (GUID) da partição contendo o sistema operacional para o qual a entrada de inicialização clonada está sendo criada.

/idbootid

Especifica a entrada de inicialização a ser copiada.

/ddescrição

Aplica o nome amigável especificado à entrada de inicialização clonada.

/d+descrição

Anexa o texto especificado ao nome amigável existente da entrada de inicialização definida com o parâmetro /id. Quando /d+ é usado com o parâmetro /sg, o texto especificado é anexado à seqüência (clone).

/upddrv

Atualiza o caminho do dispositivo para os drivers da EFI.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /clone:

bootcfg /clone /tgGUID/d+ test

Recomendado se quiser clonar uma partição da EFI. É melhor usar argumentos explícitos quando houver diversas partições da EFI com várias entradas de inicialização de partição da EFI para evitar confusões.

bootcfg /clone /sgGUID/tgGUID/d+ descrição

Recomendado se houver diversas partições da EFI com várias entradas de inicialização para cada partição.

bootcfg /clone /tgGUID/idbootid/d descrição

Clona somente a entrada do argumento /id. Essa opção é útil se você tiver uma partição da EFI com diversas entradas e quiser clonar apenas uma delas (e não todas). Para clonar todas as entradas de uma partição da EFI, use o exemplo 1 ou 2.

bootcfg /clone /upddrvGUID

Atualiza somente o driver de ponto flutuante. Nenhuma nova entrada de inicialização será adicionada como resultado do /upddrv. Essa opção é usada se você adicionar um novo driver de ponto flutuante a uma partição da EFI e quiser atualizá-lo em outra partição da EFI.

bootcfg copy

Faz uma cópia de uma entrada de inicialização existente, à qual podem ser adicionadas opções de linha de comando.

Sintaxe

bootcfg/copy [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/d Descrição] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/ddescrição

Especifica a descrição da nova entrada do sistema operacional.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será copiada na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /copy:

bootcfg /copy /d “\ABC Server\” /id 1

bootcfg /copy /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /d “ Windows XP ” /id 2

bootcfg /copy /u hiropln /p p@ssW23 /d “AB Ver 1.001” /id 2

bootcfg dbg1394

Configura a depuração de porta 1394 para uma entrada do sistema operacional especificada.

Sintaxe

bootcfg/dbg1394 {ON | OFF}[/s Computador[/u Domínio\Usuário/p Senha]] [/ch Canal] /id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op

Parâmetros

{ON | OFF}

Especifica o valor da depuração de porta 1394.

 

Valor descrição
ON Habilita o suporte à depuração remota adicionando a opção /dbg1394 ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.
OFF Desabilita o suporte à depuração remota removendo a opção /dbg1394 do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/chCanal

Especifica o canal a ser usado na depuração. Os valores válidos são números inteiros entre 1 e 64. Não use o parâmetro /chCanal se a depuração de porta 1394 estiver sendo desabilitada.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, à qual as opções de depuração de porta 1394 serão adicionadas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /dbg1394:

bootcfg /dbg1394 /id 2

bootcfg /dbg1394 on /ch 1 /id 3

bootcfg /dbg1394 edit /ch 8 /id 2

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /dbg1394 off /id 2

bootcfg debug

Adiciona ou altera as configurações de depuração de uma entrada do sistema operacional especificada.

Sintaxe

bootcfg/debug {ON | OFF | EDIT}[/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4}] [/baud {9600 | 19200 | 38400 | 57600 | 115200}] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

{ON | OFF | EDIT}

Especifica o valor da depuração.

 

Valor descrição
ON Habilita o suporte à depuração remota adicionando a opção /debug ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.
OFF Desabilita o suporte à depuração remota removendo a opção /debug do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado.
EDIT Permite modificações nas configurações de porta e taxa de transmissão por meio da alteração dos valores associados à opção /debug do valor especificado em Núm_Linha_Entrada_Sist_Op.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4}

Especifica a porta COM a ser usada na depuração. Não use o parâmetro /port se a depuração estiver sendo desabilitada.

/baud {9600| 19200| 38400| 57600| 115200}

Especifica a taxa de transmissão a ser usada na depuração. Não use o parâmetro /baud se a depuração estiver sendo desabilitada.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, à qual as opções de depuração serão adicionadas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Se a depuração de porta 1394 for necessária, use bootcfg /dbg1394.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /debug:

bootcfg /debug on /port com1 /id 2

bootcfg /debug edit /port com2 /baud 19200 /id 2

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /debug off /id 2

bootcfg default

Especifica a entrada do sistema operacional a ser designada como padrão.

Sintaxe

bootcfg/default [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será designada como padrão na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /default:

bootcfg /default /id 2

bootcfg /default /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 2

bootcfg delete

Exclui uma entrada do sistema operacional na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini.

Sintaxe

bootcfg/delete [/s Computador [/u Domain\Usuário /p Senha]] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será excluída na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /delete:

bootcfg /delete /id 1

bootcfg /delete /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 3

bootcfg ems

Permite que o usuário adicione ou altere configurações para redirecionar o console dos <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b> para um computador remoto. Ao habilitar os <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b>, você adiciona uma linha “redirect=Port#” à seção [boot loader] do arquivo Boot.ini e uma opção /redirect à linha da entrada do sistema operacional especificada. O recurso <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b> só é habilitado em servidores.

Sintaxe

bootcfg/ems {ON | OFF | EDIT} [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4 | BIOSSET}] [/baud {9600 | 19200 | 38400 | 57600 | 115200}] [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op]

Parâmetros

{ON | OFF | EDIT}

Especifica o valor do redirecionamento dos <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b>.

 

Valor descrição
ON Habilita a saída remota para o núm_linha_entrada_sist_op especificado. Adiciona uma opção /redirect ao valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado e uma configuração redirect=comX à seção [boot loader]. O valor de “comX“é definido pelo parâmetro /port.
OFF Desativa a saída de um computador remoto Remove a opção /redirect do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado e a configuração redirect=comX da seção [boot loader].
EDIT Permite modificações nas configurações de porta por meio da alteração da configuração redirect=comX na seção [boot loader]. O valor de “comX” é redefinido como o valor especificado pelo parâmetro /port.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/port {COM1 | COM2 | COM3 | COM4 | BIOSSET}

Especifica a porta COM a ser usada no redirecionamento. BIOSSET instrui os Serviços de Gerenciamento de Emergência a obterem as configurações do BIOS a fim de determinar a porta que deve ser usada no redirecionamento. Não use o parâmetro /port se a saída administrada remotamente for desabilitada.

/baud {9600| 19200| 38400| 57600| 115200}

Especifica a taxa de transmissão a ser usada no redirecionamento. Não use o parâmetro /baud se a saída administrada remotamente estiver sendo desabilitada.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional à qual a opção <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b> será adicionada na seção [operating systems] do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção [operating systems] é 1. Esse parâmetro será necessário quando o valor dos Serviços de Gerenciamento de Emergência estiver definido como ON ou OFF.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para obter mais informações sobre como usar os <b>Serviços de gerenciamento de emergência</b>, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando bootcfg /ems:

bootcfg /ems on /port com1 /baud 19200 /id 2

bootcfg /ems on /port biosset /id 3

bootcfg /s srvmain /ems off /id 2

bootcfg /ems edit /port com2 /baud 115200

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /ems off /id 2

bootcfg list

Lista as informações de partição para o disco especificado em computadores baseados no Itanium.

Sintaxe

bootcfg /list [número_do_disco]

Parâmetros

/listnúmero_do_disco

Lista as informações da partição para o disco especificado. Padrões para o disco 0.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /list:

bootcfg /list

bootcfg /list 1

bootcfg mirror

Adiciona uma entrada de inicialização para uma unidade espelhada em computadores baseados no Itanium.

Sintaxe

bootcfg /mirror /addGUID [/d] [/id]

Parâmetros

/addGUID

Adiciona uma nova entrada de inicialização para a partição espelhada com o GUID especificado.

/ddescrição

Especifica a descrição da entrada de inicialização sendo adicionada.

/idbootid

Especifica o caminho do carregador da entrada de inicialização. Padrões para a identificação de entrada de inicialização atual.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /mirror:

bootcfg /mirror /addGUID/d “Entrada de SO espelhada” /id 3

bootcfg /mirror /addGUID/id 2

bootcfg query

Consulta e exibe as entradas das seções do carregador de inicialização e de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini.

Sintaxe

bootcfg/query [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • A seguir, há um exemplo de saída do comando bootcfg /query:

Copiar Código

Configurações do carregador de inicialização
 
--------------------
 
Tempo limite: 30
 
padrão: multi(0)disk(0)rdisk(0)partition(1)\WINDOWS
 
 
 
Entradas de inicialização
 
------------
 
Identificação de entrada de inicialização:   1
 
Nome amigável:   ""
 
Caminho:            multi(0)disk(0)rdisk(0)partition(1)\WINDOWS
 
Opções de carregamento do sistema operacional: /fastdetect /debug /debugport=com1:
  • A parte referente às Configurações do Carregador de Inicialização da saída de bootcfg query exibe cada entrada na seção do carregador de inicialização do arquivo Boot.ini.
  • A parte referente às entradas de inicialização da saída de bootcfg query exibe os seguintes detalhes para cada entrada do sistema operacional na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini: Identificação de entrada de inicialização, Nome amigável, Caminho e Opções de carregamento do sistema operacional.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando bootcfg /query:

bootcfg/query

bootcfg /query /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23

bootcfg /query /u hiropln /p p@ssW23

bootcfg raw

Adiciona opções de carregamento do sistema operacional especificadas como uma seqüência para uma entrada do sistema operacional na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini.

Sintaxe

bootcfg/raw [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] Seq_Opções_Carreg_Sist_Op [/id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op] [/a]

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

seq_opções_carreg_sist_op

Especifica as opções de carregamento do sistema operacional a serem adicionadas à entrada do sistema operacional. Essas opções de carregamento substituirão quaisquer opções de carregamento existentes associadas à entrada do sistema operacional. Não será feita nenhuma validação de opções_carreg_sist_op.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional que será atualizada na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/a

Especifica que as opções de sistema operacional que estão sendo adicionadas devem ser acrescentadas a todas as opções de sistema operacional existentes.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Bootcfg raw é usado para adicionar texto ao final de uma entrada do sistema operacional, substituindo quaisquer opções de entrada do sistema operacional existentes. Esse texto deve conter Opções de Carregamento de SO válidas, como /debug, /fastdetect, /nodebug, /baudrate, /crashdebug e /sos. Por exemplo, o comando a seguir adiciona “/debug/fastdetect” ao final da primeira entrada do sistema operacional, substituindo quaisquer opções de entrada do sistema operacional anteriores:
    bootcfg /raw “/debug /fastdetect” /id 1
  • Para obter mais informações sobre opções facultativas de carregamento do sistema operacional e como o Windows utiliza o arquivo Boot.ini durante a inicialização, consulte o artigo Q170756, “Available Switch Options for Windows NT Boot.ini File”, no Microsoft Knowledge Base (site em inglês).

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como você pode usar o comando bootcfg /raw:

bootcfg /raw “/debug /sos” /id 2

bootcfg /raw /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 “/crashdebug ” /id 2

bootcfg rmsw

Remove opções de carregamento do sistema operacional de uma entrada especificada do sistema operacional.

Sintaxe

bootcfg/rmsw [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]] [/mm] [/bv] [/so] [/ng] /id Núm_Linha_Entrada_Sist_Op

Parâmetros

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/mm

Remove a opção /maxmem e seu valor de memória máximo associado do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. A opção /maxmem especifica a quantidade máxima de RAM que pode ser utilizada pelo sistema operacional.

/bv

Remove a opção /basevideo do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. A opção /basevideo instrui o sistema operacional a usar o modo VGA padrão do driver de vídeo instalado.

/so

Remove a opção /sos do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. Essa opção instrui o sistema operacional a exibir nomes de drivers de dispositivo enquanto estão sendo carregados.

/ng

Remove a opção /noguiboot do valor de Núm_Linha_Entrada_Sist_Op especificado. Essa opção desabilita a barra de progresso do Windows XP Professional exibida antes do prompt de logon de CTRL+ALT+DEL.

/idNúm_Linha_Entrada_Sist_Op

Especifica o número da linha da entrada do sistema operacional, na seção de sistemas operacionais do arquivo Boot.ini, da qual as opções de carregamento do sistema operacional serão removidas. A primeira linha depois do cabeçalho da seção de sistemas operacionais é 1.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg rmsw:

bootcfg /rmsw /mm 64 /id 2

bootcfg /rmsw /so /id 3

bootcfg /rmsw /so /ng /s srvmain /u hiropln /id 2

bootcfg /rmsw /ng /id 2

bootcfg /rmsw /mm 96 /ng /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /id 2

bootcfg timeout

Altera o valor do tempo limite do sistema operacional.

Sintaxe

bootcfg/timeoutValor_Do_Tempo_Limite [/s Computador [/u Domínio\Usuário /p Senha]]

Parâmetros

/timeoutValor_do_Tempo_Limite

Especifica o valor do tempo limite na seção do carregador de inicialização. O Valor_do_Tempo_Limite é o número de segundos de que o usuário dispõe para selecionar um sistema operacional na tela do carregador de inicialização antes de NTLDR carregar o sistema operacional padrão. O intervalo válido para Valor_do_Tempo_Limite é 0-999. Se o valor for 0, o NTLDR iniciará imediatamente o sistema operacional padrão sem exibir a tela do carregador de inicialização.

/sComputador

Especifica o nome ou endereço IP de um computador remoto (não use barras invertidas). O padrão é o computador local.

/uDomínio\Usuário

Executa o comando com as permissões de conta do usuário especificado por Usuário ou Domínio\Usuário. O padrão são as permissões do usuário conectado no momento no computador que emite o comando.

/pSenha

Especifica a senha da conta de usuário que é fornecida no parâmetro /u.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /timeout:

bootcfg /timeout 30

bootcfg /s srvmain /u maindom\hiropln /p p@ssW23 /timeout 50

bootcfg update

Atualiza as informações da entrada de inicialização em computadores baseados no Itanium.

Sintaxe

bootcfg /updateGUID

Parâmetros

/updateGUID

Modifica a entrada de inicialização com o identificador global exclusivo (GUID) e atualiza o número da partição na entrada da inicialização, se necessário.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Exemplos

Os exemplos a seguir mostram como é possível usar o comando bootcfg /update:

bootcfg /updateGUID

***

Break

Interrupção

O Windows XP e a família de produtos Windows Server 2003 não usam esse comando. Ele é incluído apenas para preservar a compatibilidade com arquivos do MS-DOS existentes, mas não tem qualquer efeito na linha de comando, pois a funcionalidade é automática.

*******************************************************************

C

 

Cacls

Cacls

Exibe ou modifica listas de controle de acesso discricional (DACLs) em arquivos especificados.

Sintaxe

caclsNome_do_Arquivo [/t] [/e [/rUsuário […]]] [/c] [/gUsuário:Permissão ] [/pUsuário:Permissão […]] [/dUsuário […]]

Parâmetros

nome_de_arquivo

Necessário. Exibe as DACLs dos arquivos especificados.

/t

Altera as DACLs dos arquivos especificados na pasta atual e em todas as subpastas.

/e

Edita uma DACL em vez de substituí-la.

/rUsuário

Revoga os direitos de acesso do usuário especificado. Não é valido sem /e.

/c

Continua a alterar as DACLs, ignorando os erros.

/gUsuário:Permissão

Concede direitos de acesso ao usuário especificado. A tabela a seguir lista os valores válidos para Permissão.

 

Valor Descrição
n Nenhum
r Ler
w Gravar
c Alteração (gravação)
f Controle total

/pUsuário:Permissão

Substitui os direitos de acesso do usuário especificado. A tabela a seguir lista os valores válidos para Permissão.

 

Valor Descrição
n Nenhum
r Ler
w Gravar
c Alteração (gravação)
f Controle total

/dusuário

Nega o acesso ao usuário especificado.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Use a tabela a seguir para interpretar os resultados.

 

Saída A ACE aplica-se a
OI Esta pasta e arquivos.
CI Esta pasta e subpastas.
IO A ACE não se aplica ao arquivo/pasta atual.
Nenhuma mensagem de saída Somente esta pasta.
(IO)(CI) Esta pasta, subpastas e arquivos.
(OI)(CI)(IO) Subpastas e arquivos somente.
(CI)(IO) Subpastas somente.
(OI)(IO) Arquivos somente.
  • Você pode utilizar caracteres curingas (isto é, ? e *) para especificar vários arquivos.
  • É possível especificar mais de um usuário.

***

Call

Chama um programa em lotes a partir de outro, sem interromper o programa em lotes pai. O comando call aceita rótulos como o destino da chamada. Call não tem efeito na linha de comando quando usado fora de um script ou arquivo em lotes.

Sintaxe

call [[Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo [Parâmetros_em_Lotes]] [:Rótulo [Argumentos]]

Parâmetros

[ Unidade:][Caminho] Nome_do_Arquivo

Especifica o local e o nome do programa em lotes a ser chamado. O parâmetro Nome_do_Arquivo deve ter uma extensão .bat ou .cmd.

parâmetros_em_lotes

Especifica qualquer informação de linha de comando exigida pelo programa em lotes, incluindo opções de linha de comando, nomes de arquivos, parâmetros em lotes (isto é, %0 a %9) ou variáveis (por exemplo, %taxa_de_transmissão%).

:Rótulo

Especifica o rótulo para o qual o controle do programa em lotes deverá saltar. O uso do comando call com esse parâmetro criará um novo contexto de arquivo em lotes e passará o controle para a instrução posterior ao rótulo especificado. Na primeira vez em que o final do arquivo em lotes for encontrado (isto é, após o controle saltar para o rótulo), o controle retornará para a instrução após a instrução call. Na segunda vez que o final do arquivo em lotes for encontrado, o script em lotes será finalizado. Para obter uma descrição da extensão de goto :eof que permite retornar de um script em lotes, consulte Tópicos Relacionados.

Argumentos

Especifica qualquer informação de linha de comando passada para a nova instância do programa em lotes que começa por :Rótulo, incluindo opções de linha de comando, nomes de arquivo, parâmetros em lotes (isto é, %1 a %9) ou variáveis (por exemplo, %taxa_de_transmissão%).

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando parâmetros em lotes
    Os parâmetros em lotes podem conter qualquer informação que pode ser passada para um programa em lotes, incluindo opções de linha de comando, nomes de arquivo, parâmetros em lotes (isto é, %0 a %9) ou variáveis (por exemplo, %taxa_de_transmissão%). Para obter mais informações sobre parâmetros em lotes, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.
  • Usando pipes e símbolos de redirecionamento
    Não utilize pipes e símbolos de redirecionamento com o comando call.
  • Fazendo uma chamada recursiva
    É possível criar um programa em lotes que chama a si mesmo, porém, é necessário fornecer uma condição de saída. Caso contrário, os programas em lotes pai e filho poderão permanecer em loop indefinidamente.
  • Trabalhando com extensões de comando
    Com as extensões de comando habilitadas (isto é, o padrão), o comando call aceita um Rótulo como destino da chamada. A sintaxe correta é a seguinte:
    call:Rótulo Argumentos
    Para obter mais informações sobre como habilitar e desabilitar extensões de comandos, consulte cmd em Tópicos Relacionados.

Exemplos

Para executar o programa Verifnov.bat a partir de outro programa em lotes, digite o comando a seguir no programa em lotes pai:

call verifnov

Se o programa em lotes pai aceitar dois parâmetros em lotes e você desejar passar esses parâmetros para o arquivo Verifnov.bat, use o comando a seguir no programa em lotes pai:

call verifnov %1 %2

***

Certreq

Solicita certificados de uma autoridade de certificação.

Para enviar uma solicitação para uma autoridade de certificação

Sintaxe

certreq[-submit] [-attrib Seqüência_de_Atributo] [-binary] [-config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA] [-crl] [-rpc] [Arquivo_de_Entrada_Solicitado [Arquivo_de_Saída_do_Certificado[Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados [Resposta_Completa_do_Arquivo_de_Saída]]]]

Parâmetros

-submit

Envia uma solicitação para uma autoridade de certificação.

-attrib Seqüência_de_Atributo

Especifica os pares de seqüências Nome e Valor, separados por dois-pontos. Separe os pares de seqüência de caracteres Nome e Valor com \n (por exemplo, Nome1:Valor1\nNome2:Valor2).

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-configCAMachineName\CAName

processa a operação usando a autoridade de certificação especificada na cadeia de caracteres de configuração (ou seja, Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA).

-crl

Inclui CRLs (listas de revogação de certificados) na saída para o arquivo PKCS #7 codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados ou para o arquivo codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_Solicitado.

-rpc

Instrui os Serviços de certificado a usarem uma conexão de servidor de chamada RPC (procedimento remoto) em vez de DCOM.

ArqSolicitEnt

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar. O arquivo pode ser uma solicitação de certificado PKCS #10, uma solicitação de renovação de certificado PKCS #7, uma solicitação de certificado de formato de marca KEYGEN ou um protocolo de gerenciamento de certificados usando a solicitação de sintaxe de mensagens criptográficas (CMS) (este protocolo também é conhecido como CMC).

ArqCertifSaída

Especifica o arquivo X.509 v3 binário ou codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqCadeiaCertifSaída

Especifica o arquivo PKCS #7 binário ou codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqRespComplSaída

Especifica o arquivo de resposta completa binário ou codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Comentários

  • Você deve especificar o Nome_do_Computador_da_CA ou o Nome_da_CA em -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA. Caso contrário, a caixa de diálogo Selecionar autoridade de certificação aparecerá e exibirá uma lista de todas as autoridades de certificação disponíveis.
  • Se você usar -config – em vez de -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA, a operação será processada usando a autoridade de certificação padrão.

Para recuperar uma resposta a uma solicitação anterior de uma autoridade de certificação

Sintaxe

certreq-retrieve[-binary] [-config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA] [-crl] [-rpc] Identificação_da_Solicitação[Arquivo_de_Saída_do_Certificado[Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados [Resposta_Completa_do_Arquivo_de_Saída]]]

Parâmetros

-retrieve

Recupera uma resposta.

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-configCAMachineName\CAName

processa a operação usando a autoridade de certificação especificada na cadeia de caracteres de configuração (ou seja, Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA). Sem essa opção, a autoridade de certificação padrão processará a solicitação.

-crl

Inclui CRLs (listas de revogação de certificados) na saída para o arquivo PKCS #7 codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados ou para o arquivo codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_Solicitado.

-rpc

Instrui os Serviços de certificado a usarem uma conexão de servidor de chamada RPC (procedimento remoto) em vez de DCOM.

IdDaSolicitação

Especifica a solicitação ou certificado que você deseja recuperar.

ArqCertifSaída

Especifica o arquivo X.509 v3 binário ou codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqCadeiaCertifSaída

Especifica o arquivo PKCS #7 binário ou codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArqRespComplSaída

Especifica o arquivo de resposta completa binário ou codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Comentários

  • Você deve especificar o Nome_do_Computador_da_CA ou o Nome_da_CA em -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA. Caso contrário, a caixa de diálogo Selecionar autoridade de certificação aparecerá e exibirá uma lista de todas as autoridades de certificação disponíveis.
  • Se você usar -config – em vez de -config Nome_do_Computador_da_CA\Nome_da_CA, a operação será processada usando a autoridade de certificação padrão.
  • Você pode usar certreq -retrieveIdentificação_da_Solicitação para recuperar o certificado depois que a autoridade de certificação for realmente emitida. Também pode ser usado para recuperar qualquer certificado que já foi emitido pela autoridade de certificação (mesmo certificados revogados ou expirados), independentemente de a solicitação do certificado ter estado pendente alguma vez.
  • Se você submeter uma solicitação à autoridade de certificação, o módulo de diretiva da autoridade de certificação poderá deixar a solicitação em um estado de pendência e retornar o ID_da_Solicitação ao chamador Certreq para exibição. Normalmente, o administrador da autoridade de certificação emitirá um certificado ou negará a solicitação.

Para criar uma nova solicitação de um arquivo .inf

Sintaxe

certreq-new[-attrib Seqüência_de_Atributo] [-binary] [-cert Identificação_do_Certificado] [Arquivo_de_Entrada_da_Diretiva [Arquivo_de_Saída_da_Solicitação]]

Parâmetros

-new

Cria uma nova solicitação.

-attribSeqAtrib

Especifica os pares de seqüências de Nome e Valor, separados por dois-pontos. Separe os pares de seqüência de caracteres Nome e Valor com \n (por exemplo, Nome1:Valor1\nNome2:Valor2).

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-certID_do_Certificado

Especifica o certificado de autenticação pelo nome comum, número de série, chave de algoritmo de hash seguro (SHA-1) ou hash de certificado.

ArqDiretEnt

Especifica o arquivo de entrada .inf que contém as definições de extensão que você deseja usar para qualificar uma solicitação.

ArqSolicitSaída

Especifica o arquivo codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Para aceitar e instalar uma resposta para uma nova solicitação anterior

Sintaxe

certreq-accept [{Arquivo_de_Entrada_da_Cadeia_de_Certificados | Resposta_Completa_do_Arquivo_de_Entrada | Arquivo_de_Entrada_do_Certificado}]

Parâmetros

-accept

Aceita e instala uma resposta.

ArquivoDeEntradaDaCadeiaDeCertificados

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar.

RespostaCompletaDoArquivoDeEntrada

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar.

ArquivoDeEntradaDoCertificado

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Para construir uma certificação cruzada ou solicitação de subordinação qualificada de um certificado de autoridade de certificação ou solicitação existente

Sintaxe

certreq-policy [-attrib Seqüência_de_Atributo] [-binary] [-cert Identificação_do_Certificado] [Arquivo_de_Entrada_da_Solicitação [Arquivo_de_Entrada_da_Diretiva[Arquivo_de_Saída_da_Solicitação [Arquivo_de_Saída_PKCS10]]]]

Parâmetros

-policy

Define a diretiva para uma solicitação.

-attribSeqAtrib

Especifica os pares de seqüências de Nome e Valor, separados por dois-pontos. Separe os pares de seqüência de caracteres Nome e Valor com \n (por exemplo, Nome1:Valor1\nNome2:Valor2).

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-certIdDoCertificado

Especifica o certificado de autenticação pelo nome comum, número de série, chave de algoritmo de hash seguro (SHA-1) ou hash de certificado.

ArqSolicitEnt

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar. O arquivo pode ser uma solicitação de certificado PKCS #10, uma solicitação de renovação de certificado PKCS #7, uma solicitação de certificado de formato de marca KEYGEN ou um protocolo de gerenciamento de certificados usando a solicitação de sintaxe de mensagens criptográficas (CMS) (este protocolo também é conhecido como CMC).\ ou um arquivo de certificado da autoridade de certificação que você deseja certificar de forma cruzada.

ArqDiretEnt

Especifica o arquivo de entrada .inf que contém as definições de extensão que você deseja usar para qualificar uma solicitação.

ArqSolicitSaída

Especifica o arquivo codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

ArquivoDeSaídaPKCS10

Especifica o arquivo PKCS #10 codificado na base64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

Para assinar uma solicitação de certificação cruzada ou de subordinação qualificada.

Sintaxe

certreq-sign [-binary] [-certIdentificação_do_Certificado] [-crl] [Arquivo_de_Solicitação_de_Entrada[Arquivo_de_Solicitação_de_Saída]]

Parâmetros

-sign

Assina uma solicitação de certificação cruzada ou de subordinação qualificada.

-binary

Formata os arquivos de saída como binários em vez de codificados em base 64.

-certID_do_Certificado

Especifica o certificado de autenticação pelo nome comum, número de série, chave de algoritmo de hash seguro (SHA-1) ou hash de certificado.

-crl

Inclui CRLs (listas de revogação de certificados) na saída para o arquivo PKCS #7 codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_da_Cadeia_de_Certificados ou para o arquivo codificado em base64 especificado por Arquivo_de_Saída_Solicitado.

ArqSolicitEnt

Especifica o arquivo de entrada binário ou codificado em base 64 que você deseja usar. O arquivo pode ser uma solicitação de certificado PKCS #10, uma solicitação de renovação de certificado PKCS #7, uma solicitação de certificado de formato de marca KEYGEN ou um protocolo de gerenciamento de certificados usando a CMS (solicitação de sintaxe de mensagens criptográficas). Este protocolo também é conhecido como CMC.

ArqSolicitSaída

Especifica o arquivo codificado em base 64 para o qual você deseja enviar a saída.

-?

Exibe uma lista de comandos certreq.

***

Certutil

Certutil.exe é um programa de linha de comando instalado como parte dos serviços de certificados na família Windows Server 2003.

Você também pode obter o Certutil.exe baixando e instalando o pacote de ferramentas de administração do Windows Server 2003 (http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkID=8136).

Você pode usar Certutil.exe para despejar e exibir informações sobre a autoridade de certificação, configurar serviços de certificado, fazer backup e restaurar componentes da autoridade de certificação e verificar certificados, pares de chaves e cadeias de certificados.

***

Comandos change de serviços de terminal

Para obter mais informações sobre os comandos change de serviços de terminal, consulte os seguintes tópicos:

Change logon

Ativa ou desativa logons de sessões de cliente ou exibe o status de logon atual. Este utilitário ajuda na manutenção do sistema.

Sintaxe

change logon {/enable | /disable | /query}

Parâmetros

/enable

Ativa logons de sessões de cliente, mas não do console.

/disable

Desativa logons subseqüentes de sessões de cliente, mas não do console. Os usuários conectados no momento não são afetados.

/query

Exibe o status de logon atual, ativado ou desativado.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Apenas os administradores podem usar o comando change logon.
  • Os logons são reativados quando você reinicia o sistema. Se você estiver conectado ao Terminal Server a partir de uma sessão de cliente, desativar os logons e, em seguida, fizer logoff antes de habilitá-los novamente, não poderá se reconectar à sua sessão. Para habilitar novamente os logons de sessões de clientes, faça logon no console.

Exemplos

Para exibir o status atual do logon, digite:

change logon /query

Para habilitar logons de sessões de clientes, digite:

change logon /enable

Para desativar logons de clientes, digite:

change logon /disable

\o/

Change port

Lista ou altera os mapeamentos da porta COM para serem compatíveis com os aplicativos MS-DOS.

Sintaxe

change port[{PortX=PortY | /dPortX | /query}]

Parâmetros

PortX=PortY

Mapeia COM PortX para PortY.

/dPortX

Exclui o mapeamento de COM PortX.

/query

Exibe os mapeamentos da porta atual.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • A maioria dos aplicativos MS-DOS oferece suporte apenas às portas seriais COM1 a COM4. O comando change port mapeia uma porta serial a um número de porta diferente, permitindo que os aplicativos que não ofereçam suporte a portas COM com números elevados acessem a porta serial. O remapeamento funciona apenas para a sessão atual e não será mantido se você fizer logoff a partir de uma sessão e depois fizer logon novamente.
  • Use change port sem qualquer parâmetro para exibir as portas COM disponíveis e seus mapeamentos atuais.

Exemplos

Para mapear COM12 para COM1 para uso por um aplicativo baseado em MS-DOS, digite:

change port com12=com1

Para exibir os mapeamentos de porta atuais, digite:

change port /query

\o/

Change user

Altera a configuração do mapeamento do arquivo .ini.

Sintaxe

change user{/execute | /install | /query}

Parâmetros

/execute

Ativa o mapeamento do arquivo .ini para a pasta base. Esta é a configuração padrão.

/install

Desativa o mapeamento do arquivo .ini para a pasta base. Todos os arquivos .ini são lidos e gravados na pasta do sistema. Desative o mapeamento do arquivo .ini ao instalar aplicativos em um Terminal Server.

/query

Exibe a configuração atual do mapeamento do arquivo .ini.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Use change user/install antes de instalar um aplicativo para criar arquivos .ini para o aplicativo na pasta do sistema. Esses arquivos são usados como cópias mestre para os arquivos .ini específicos de usuário. Após a instalação do aplicativo, use change user/execute para reverter ao mapeamento do arquivo .ini padrão.
  • Na primeira vez que você executar o aplicativo, ele procurará os arquivos .ini na pasta base. Se eles não forem localizados no diretório base, mas sim na pasta do sistema, os serviços de terminal copiarão os arquivos .ini para a pasta base, garantindo que cada usuário tenha uma cópia única dos arquivos .ini do aplicativo. Qualquer arquivo .ini novo é criado na pasta base.
  • Cada usuário deve ter uma cópia única dos arquivos .ini de um aplicativo. Isso evita casos em que usuários diferentes possam ter configurações de aplicativo incompatíveis (por exemplo, pastas padrão ou resoluções de tela diferentes).
  • Quando o sistema se encontra no modo de instalação (ou seja, change user/install), várias ações são executadas. Todas as entradas do Registro criadas são sombreadas em HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows NT\CurrentVersion\TerminalServer\Install. As chaves adicionadas a HKEY_CURRENT_USER são copiadas na chave \SOFTWARE e as chaves adicionadas a HKEY_LOCAL_MACHINE são copiadas em \MACHINE. Se o aplicativo consulta o diretório Windows usando chamadas de sistema, como GetWindowsDirectory, o Terminal Server retorna o diretório raiz_do_sistema. Se qualquer entrada do arquivo .ini for adicionada usando chamadas de sistema, como WritePrivateProfileString, ela é adicionada aos arquivos .ini no diretório raiz_do_sistema.
  • Quando o sistema volta para o modo de execução (ou seja, change user/execute) e o aplicativo tenta ler uma entrada de Registro inexistente em HKEY_CURRENT_USER, os serviços de terminal verificam se existe uma cópia da chave na chave \TerminalServer\Install. Se houver, as chaves serão copiadas para o local apropriado em HKEY_CURRENT_USER. Se o aplicativo tentar ler a partir de um arquivo .ini inexistente, os serviços de terminal procurarão aquele arquivo .ini na raiz do sistema. Se o arquivo .ini estiver na raiz do sistema, será copiado para a subpasta \Windows da pasta base do usuário. Se o aplicativo consultar o diretório <b>Windows</b>, o Terminal Server retornará o subdiretório \Windows do diretório base do usuário.
  • Quando você faz logon, os serviços de terminal verificam se os arquivos .ini do sistema são mais recentes do que os arquivos .ini do seu computador. Se a versão do sistema for mais recente, seu arquivo .ini será substituído pela versão mais recente ou será mesclado a ela. Isso depende de o bit INISYNC, 0x40, estar ou não configurado para esse arquivo .ini. Sua versão anterior do arquivo .ini é renomeada como Inifile.ctx. Se os valores de Registro do sistema na chave \TerminalServer\Install forem mais recentes do que a sua versão em HKEY_CURRENT_USER, sua versão das chaves será excluída e substituída pelas novas chaves em \TerminalServer\Install.

Exemplos

Para desativar o mapeamento do arquivo .ini no diretório base, digite:

change user /install

Para habilitar o mapeamento do arquivo .ini no diretório base, digite:

change user /execute

Para exibir a configuração atual do mapeamento do arquivo .ini, digite:

change user /query

***

Chcp

Exibe o número da página de códigos ativa do console ou altera essa página. Quando utilizado sem parâmetros, chcp exibe o número da página de códigos ativa do console.

Sintaxe

chcp [NNN]

Parâmetros

NNN

Especifica a página de códigos. A tabela a seguir lista todas as páginas de código às quais é oferecido suporte e seu país/região ou idioma:

 

Página de código País/região ou idioma
437 Estados Unidos
850 Multilíngüe (Latino I)
852 Eslavo (Latino II)
855 Cirílico (russo)
857 Turco
860 Português
861 Islandês
863 Francês canadense
865 Nórdico
866 Russo
869 Grego moderno

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Somente a página de códigos do OEM (fabricante original do equipamento) instalada com o Windows XP será exibida corretamente em uma janela do prompt de comando que utilize fontes de Varredura. As outras páginas de código serão exibidas corretamente em modo de tela inteira ou nas janelas de prompt de comando que utilizem fontes TrueType.
  • Não é necessário preparar as páginas de código, como no MS-DOS.
  • Os programas que são iniciados depois de uma nova página de códigos ser atribuída utilizarão a nova página. No entanto, os programas (com exceção de Cmd.exe) que tiverem sido iniciados antes da atribuição da nova página de códigos utilizarão a página de códigos original.

Exemplos

Para exibir a configuração da página de códigos ativa, digite:

chcp

Será exibida uma mensagem semelhante a esta:

Active code page: 437

Para alterar a página de códigos ativa para 850 (Multilíngüe), digite o comando a seguir:

chcp 850

Se a página de códigos especificada for inválida, será exibida a seguinte mensagem de erro:

Invalid code Page

***

Chdir – Não encontrado

***

Chkdsk

Verifica o sistema de arquivos e os metadados do mesmo à procura de erros e exibe um relatório de status com suas descobertas. Usado sem parâmetros, chkdsk exibe apenas o status do disco na unidade atual. Ele não corrige erros. Para corrigir erros, inclua o parâmetro /f.

Importante

  • Nos computadores executando o Windows Server 2003 com SP1 (Service Pack 1), chkdsk cria automaticamente uma cópia de sombra antes de verificar um volume, para que você possa verificar volumes utilizados por outro programa ou processo. Com o uso da cópia de sombra, chkdsk reporta com precisão os erros nos volumes em uso.
    Entretanto, nos computadores sem o Windows Server 2003 SP1, a execução de chkdsk sem parâmetros em um sistema ativo ou volume de inicialização, ou em um volume de dados que esteja em uso, pode gerar erros incorretamente mesmo quando não houver nenhum. Para evitar isso, feche todos os programas e processos que tenham aberto manipuladores para o volume.
    Ao reparar volumes (ou inspecionar volumes em computadores sem o Windows Server 2003 SP1), o chkdsk bloqueia o volume, tornando indisponíveis todos os dados nele contidos até concluir a execução do chkdsk. Via de regra, só execute o chkdsk se souber que o volume está corrompido. Em volumes marcados como “sujos”, o Windows executa automaticamente o chkdsk quando o computador é reinicializado.
    Em servidores que são reiniciados com pouca freqüência, use os comandos chkntfs ou fsutil dirty query para determinar se o bit incorreto do volume foi definido antes de executar o chkdsk.
  • A interrupção de chkdsk não é recomendável. Entretanto, o cancelamento ou a interrupção de chkdsk não deverá danificar mais o volume do que antes da execução de chkdsk. Execute chkdsk novamente para reparar os danos restantes no volume.

Sintaxe

chkdsk [Volume:][[Caminho] NomeDoArquivo] [/f] [/v] [/r] [/x] [/i] [/c] [/l[:Tamanho]]

Parâmetros

Volume:

Especifica a letra da unidade (seguida de dois-pontos), o ponto de montagem ou o nome do volume.

[Caminho] NomeDoArquivo

Use somente com tabela de alocação de arquivos (FAT) e FAT32. Especifica o local e o nome de um arquivo ou conjunto de arquivos que chkdsk deve verificar para determinar se há fragmentação. Você pode utilizar caracteres curinga (isto é, * e ?) para especificar vários arquivos.

/f

Corrige erros no disco. O disco deve ser bloqueado. Se chkdsk não puder bloquear a unidade, será exibida uma mensagem perguntando se você deseja verificar a unidade na próxima vez que reiniciar o computador.

/v

Exibe o nome de todos os arquivos contidos em cada pasta à medida que o disco é verificado.

/r

Localiza setores defeituosos e recupera informações legíveis. O disco deve ser bloqueado.

/x

Ela força primeiro a desmontagem do volume, se necessário. Todos os manipuladores abertos para a unidade serão invalidados. A opção /x também inclui a funcionalidade da opção /f.

/i

Use esta opção somente com o NTFS. Efetua uma verificação menos rígida das entradas de índice, reduzindo o tempo necessário para a execução de chkdsk.

/c

Use esta opção somente com o NTFS. Ela ignora a verificação de ciclos dentro da estrutura de pastas, reduzindo o tempo necessário para a execução de chkdsk.

/l[:Tamanho]

Use esta opção somente com o NTFS. Ela utilizará o tamanho digitado por você em vez do tamanho do arquivo de log. Se você omitir o parâmetro de tamanho, /l exibirá o tamanho atual.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Executando chkdsk
    Para executar o comando chkdsk em um disco fixo, é necessário ser membro do grupo Administradores.
  • Verificando uma unidade bloqueada durante a reinicialização
    Para que chkdsk corrija erros no disco, os arquivos não podem estar abertos na unidade. Se os arquivos estiverem abertos, a seguinte mensagem de erro será exibida:
    Chkdsk cannot run because the volume is in use by another process. Would you like to schedule this volume to be checked the next time the system restarts? (Y/N)
    Se você optar pela verificação da unidade na próxima vez que o computador for reiniciado, chkdsk verificará a unidade e corrigirá os erros automaticamente quando o computador for reiniciado. Se a partição da unidade for uma partição de inicialização, chkdsk reiniciará automaticamente o computador depois de verificar a unidade.
    Também é possível usar o comando chkntfs /c para programar a verificação do volume para a próxima reinicialização do computador. Use o comando fsutil dirty set para definir o bit incorreto do volume (indicando corrupção) de forma que o Windows execute o chkdsk quando o computador for reiniciado.
  • Reportando erros de disco
    O Chkdsk examina o espaço em disco e a utilização do disco pelos sistemas de arquivo FAT e NTFS. Chkdsk fornece informações específicas de cada sistema de arquivos em um relatório de status. O relatório de status exibe os erros encontrados no sistema de arquivos. Se chkdsk for executado sem a opção de linha de comando /f em uma partição ativa, ele poderá reportar erros indesejáveis, pois não conseguirá bloquear a unidade. Você deve utilizar o comando chkdsk em cada disco periodicamente para verificar se há erros.
  • Corrigindo erros de disco
    O comando chkdsk só corrigirá erros de disco se você especificar a opção de linha de comando /f. É necessário que Chkdsk possa bloquear a unidade para corrigir os erros.
    Como a reparação em sistemas de arquivos FAT geralmente altera a tabela de alocação de arquivos de um disco e, às vezes, causa perda de dados, chkdsk poderá exibir uma mensagem de confirmação semelhante a esta:
    10 lost allocation units found in 3 chains.
    Convert lost chains to files?
    Se você pressionar S, o Windows salvará cada cadeia perdida na pasta raiz como um arquivo com um nome no formato de arquivo nnnn.chk. Depois de concluído o chkdsk, você poderá verificar esses arquivos para ver se contêm algum dado necessário. Se você pressionar N, o Windows corrigirá o disco, mas não salvará o conteúdo das unidades de alocação perdidas.
    Se você não usar a opção de linha de comando /f, chkdsk exibirá uma mensagem se for necessário corrigir algum arquivo, mas não corrigirá nenhum erro.
    Se você utilizar chkdsk /f em um disco muito grande (por exemplo, 70 GB) ou em um disco com um número muito grande de arquivos (por exemplo, milhões de arquivos), o chkdsk/f poderá levar muito tempo para ser concluído. O computador não ficará disponível durante esse tempo porque chkdsk /f manterá o controle do disco até terminar os reparos.
  • Verificar um disco FAT
    O Windows exibe relatórios de status de chkdsk referentes a um disco FAT no seguinte formato:
    Volume Serial Number is B1AF-AFBF
    72214528 bytes total disk space
    73728 bytes in 3 hidden files
    30720 bytes in 12 directories
    11493376 bytes in 386 user files
    61440 bytes in bad sectors
    60555264 bytes available on disk2048 bytes in each allocation unit
    35261 total allocation units on disk
    29568 available allocation units on disk
  • Verificando um disco NTFS
    O Windows exibe relatórios de status de chkdsk referentes a um disco NTFS no seguinte formato:
    The type of the file system is NTFS.
    CHKDSK is verifying files...File verification completed.CHKDSK is verifying indexes...
    Index verification completed.
    CHKDSK is verifying security descriptors...
    Security descriptor verification completed.
    12372 kilobytes total disk space.
    3 kilobytes in 1 user files.
    2 kilobytes in 1 indexes.
    4217 kilobytes in use by the system.
    8150 kilobytes available on disk.
    512 bytes in each allocation unit.
    24745 total allocation units on disk.
    16301 allocation units available on disk.
  • Usando chkdsk com arquivos abertos
    Se você especificar a opção de linha de comando /f, chkdsk exibirá uma mensagem de erro se forem encontrados arquivos abertos no disco. Se você não especificar a opção de linha de comando /f e existirem arquivos abertos, chkdsk poderá reportar a existência de unidades de alocação perdidas no disco. Isso poderá acontecer se os arquivos abertos ainda não tiverem sido gravados na tabela de alocação de arquivos. Se chkdsk reportar a perda de uma grande quantidade de unidades de alocação, á aconselhável reparar o disco.
  • Usando chkdsk com Cópias de Sombra para Pastas Compartilhadas em computadores sem o Windows Server 2003 SP1
    Como o volume de origem Cópias de Sombra para Pastas Compartilhadas não pode ser bloqueado enquanto essa opção está habilitada, a execução de chkdsk no volume de origem pode gerar erros falsos ou causar o encerramento inesperado de chkdsk. Entretanto, você pode verificar se há erros nas cópias de sombra executando chkdsk no modo somente leitura (sem parâmetros) para determinar o volume de armazenamento de Cópias de Sombra para Pastas Compartilhadas.
  • Localizando erros de disco físicos
    Utilize a opção de linha de comando /r para localizar erros de disco físicos no sistema de arquivos. Para obter informações sobre como recuperar arquivos fisicamente danificados com o comando recover, consulte Tópicos Relacionados.
  • Reportando a existência de setores de disco defeituosos
    Os setores defeituosos reportados pelo chkdsk foram marcados como defeituosos quando o disco foi preparado para ser utilizado pela primeira vez. Eles não oferecem perigo.
  • Noções básicas sobre códigos de saída
    A tabela a seguir lista os códigos de saída reportados pelo chkdsk após sua conclusão.

 

Código de saída Descrição
0 Não foram encontrados erros.
1 Foram encontrados erros e corrigidos.
2 A limpeza de disco, como a coleta de lixo, foi efetuada, ou a limpeza não foi efetuada porque /f não foi especificado.
3 Não foi possível verificar o disco, não foi possível corrigir os erros ou os erros não foram corrigidos porque a opção /f não foi especificada.
  • O comando chkdsk, com diferentes parâmetros, está disponível no Console de recuperação.

Exemplos

Para verificar o disco na unidade D e fazer com que o Windows corrija os erros, digite:

chkdsk d: /f

Chkdsk fará uma pausa e exibirá mensagens, se encontrar erros. Chkdsk será concluído exibindo um relatório que lista o status do disco. Você só poderá abrir qualquer arquivo na unidade especificada depois que chkdsk for concluído.

Para verificar se há blocos não contíguos em todos os arquivos de um disco FAT na pasta atual, digite:

chkdsk *.*

Chkdsk exibe um relatório de status e lista os arquivos que correspondem à especificação de arquivo que tenha blocos não contíguos.

***

Chkntfs

Exibe ou especifica se a verificação automática do sistema está agendada para ser executada em um volume FAT, FAT32 ou NTFS quando o computador for iniciado.

Sintaxe

ChkntfsVolume:[…]

chkntfs [/d]

chkntfs [/t[:Tempo]]

chkntfs [/xVolume:[…]]

chkntfs [/cVolume:[…]]

Parâmetros

volume:[…]

Necessário. Especifica a letra da unidade (seguida de dois-pontos), o ponto de montagem ou o nome do volume. Exibe uma mensagem que identifica o sistema de arquivos do volume especificado. Se a verificação automática de arquivos estiver agendada para ser executada, o parâmetro exibirá uma mensagem indicando se o volume foi ou não corrompido, o que exigirá que o comando chkdsk seja executado.

/d

Restaura todas as configurações padrão de chkntfs, com exceção do tempo de contagem regressiva para a verificação automática de arquivos. O comportamento padrão é verificar todos os volumes quando o computador é iniciado.

/t[:Tempo]

Altera o tempo de contagem regressiva inicial de Autochk.exe para o tempo especificado em segundos. Se você não especificar :Tempo, /t exibirá o tempo de contagem regressiva atual.

/xVolume:[…]

Exclui o volume especificado da verificação quando o computador é iniciado, mesmo se o volume estiver marcado para que chkdsk seja executado.

/cVolume:[…]

Agenda a verificação do volume especificado para quando o computador for iniciado.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Para executar chkntfs, você deve ser membro do grupo Administradores.
  • Embora você possa definir o tempo de contagem regressiva inicial de Autochk.exe como zero, não será possível cancelar uma verificação automática de arquivos que levará provavelmente muito tempo se você defini-lo como zero.

Exemplos

Para exibir o tempo de contagem regressiva inicial de Autochk.exe, digite:

chkntfs /t

Ao alterar o tempo de contagem regressiva inicial de Autochk.exe, digite-o em segundos. Por exemplo, para alterá-lo para 30 segundos, digite:

chkntfs /t:30

A opção de linha de comando /x não é cumulativa. Se você digitá-la mais de uma vez, a entrada mais nova substituirá a entrada anterior. Para excluir vários volumes, liste todos eles em um comando. Por exemplo, para excluir os volumes E: e F:, digite:

chkntfs /x e: f:

Para excluir apenas o volume F:, digite:

chkntfs /x e:

chkntfs /x f:

A opção de linha de comando /c é cumulativa. Para que somente o volume especificado seja verificado, redefina os padrões para limpar os comandos anteriores, exclua todos os volumes da verificação e agende a verificação automática de arquivos no volume desejado.

Por exemplo, para agendar a verificação automática de arquivos apenas no volume D:, digite:

chkntfs /d

chkntfs /x c: d: e:

chkntfs /c d:

***

Choice – Não encontrado

***

Cipher

Displays or alters the encryption of folders and files on NTFS volumes. Exibe ou altera a criptografia de pastas e arquivos em volumes NTFS. Used without parameters, cipher displays the encryption state of the current folder and any files it contains. Usado sem parâmetros, cipher exibe o estado de criptografia da pasta atual e quaisquer arquivos que ela contém.

Syntax Sintaxe

cipher [{ /e | /d }] [ /s: Folder ] [ /a ] [ /i ] [ /f ] [ /q ] [ /h ] [ /k ] [ /u [ /n ]] [{ PathName […]] | /r: PathNameWithoutExtension | /w: PathName | /x [ : PathName ] PathNameWithoutExtension }] cipher [(/ E | / d)] [/ s: pasta] [/ a] [/ i] [/ b] [/ q] [/ h] [k] [/ u [/ n]] [( PathName […]] | / r: PathNameWithoutExtension | w: PathName | / x [Caminho:] PathNameWithoutExtension)]

Parameters Parâmetros

/e / E

Encrypts the specified folders. Criptografa as pastas especificadas. Folders are marked so that files that are added to the folder later are encrypted too. As pastas são marcadas para que os arquivos que são adicionados à pasta mais tarde serão criptografados também.

/d / d

Decrypts the specified folders. Descriptografa as pastas especificadas. Folders are marked so that files that are added to the folder later are encrypted too. As pastas são marcadas para que os arquivos que são adicionados à pasta mais tarde serão criptografados também.

/s: Folder / s: pasta

Performs the selected operation in the specified folder and all subfolders. Executa a operação selecionada na pasta especificada e todas as subpastas.

/a / a

Performs the operation for files and directories. Executa a operação para os arquivos e diretórios.

/i / i

Continues performing the specified operation even after errors occur. Continua a executar a operação especificada mesmo depois de ocorrerem erros. By default, cipher stops when it encounters an error. Por padrão, cipher é interrompido quando ele encontra um erro.

/f / f

Forces the encryption or decryption of all specified objects. Força a criptografia ou descriptografia de todos os objetos especificados. By default, cipher skips files that have been encrypted or decrypted already. Por padrão, arquivos salta cifra que foram criptografado ou descriptografado já.

/q / q

Reports only the most essential information. Relatórios apenas as informações mais essenciais.

/h / h

Displays files with hidden or system attributes. Exibe arquivos com atributos ocultos ou de sistema. By default, these files are not encrypted or decrypted. Por padrão, esses arquivos não são criptografados ou descriptografado.

/k / k

Creates a new file encryption key for the user running cipher . Cria uma nova chave de criptografia de arquivo para o usuário que executa cifra. If you use this option, cipher ignores all of the other options. Se você usar esta opção, cipher ignora todas as outras opções.

/u / u

Updates the user’s file encryption key or recovery agent’s key to the current ones in all of the encrypted files on local drives (that is, if the keys have been changed). Atualizações do usuário da chave de criptografia de arquivo ou agente de recuperação para os atuais em todos os arquivos criptografados nas unidades locais (isto é, se as chaves foram alteradas). This option only works with /n . Esta opção só funciona com / n.

/n / n

Prevents keys from being updated. Impede que as teclas sejam atualizados. Use this option to find all of the encrypted files on the local drives. Utilize esta opção para encontrar todos os arquivos criptografados nas unidades locais. This option only works with /u . Esta opção só funciona com o / u.

PathName PathName

Specifies a pattern, file, or folder. Especifica um padrão, um arquivo ou pasta.

/r: PathNameWithoutExtension / r: PathNameWithoutExtension

Generates a new recovery agent certificate and private key, and then writes them to files with the file name specified in PathNameWithoutExtension . Gera um novo certificado de agente de recuperação ea chave privada e, em seguida, grava-los em arquivos com o nome de arquivo especificado no PathNameWithoutExtension. If you use this option, cipher ignores all of the other options. Se você usar esta opção, cipher ignora todas as outras opções.

/w: PathName / w: PathName

Removes data on unused portions of a volume. PathName can indicate any directory on the desired volume. Remove os dados sobre as parcelas não utilizadas de um volume. PathName pode indicar qualquer pasta no volume desejado. If you use this option, cipher ignores all of the other options. Se você usar esta opção, cipher ignora todas as outras opções.

/x [ : PathName ] PathNameWithoutExtension / x [Caminho:] PathNameWithoutExtension

Identifies the certificates and private keys used by EFS for the currently logged on user and backs them up to a file. Identifica os certificados e chaves privadas utilizadas pelo EFS para o usuário conectado no momento e apoia-los para um arquivo. If PathName is provided, the certificate used to encrypt the file specified are backed up. Se PathName é fornecido, o certificado usado para criptografar o arquivo especificado são apoiados. Otherwise, the user’s current EFS certificate and keys will be backed up. Caso contrário, o certificado EFS do usuário atual e as chaves será feito backup. The certificates and private keys are written to a file name specified by PathNameWithoutExtension and are given the file name extension .pfx. Os certificados e chaves privadas são gravados para um nome de arquivo especificado por PathNameWithoutExtension e dada a extensão de nome de arquivo. Pfx. If you use this option, cipher ignores all of the other options. Se você usar esta opção, cipher ignora todas as outras opções.

/? /?

Displays help at the command prompt. Exibe ajuda no prompt de comando.

Remarks Observações
  • Using /w Usando / w/w removes data from portions of the volume it can access and have not been allocated to files or directories. / w remove os dados de partes do volume que pode acessar e não foram atribuídos a arquivos ou diretórios. It does not lock the drive, so other programs can obtain space on the drive, which cipher cannot erase. Não bloquear a unidade, para que outros programas podem obter espaço no disco, que cifra não pode apagar. Because this option writes to a large portion of the hard volume, it might take a long time to complete and should only be used when necessary. Como esta opção grava para uma grande parcela do volume de disco rígido, ele pode levar um longo tempo para ser concluído e deve ser utilizado apenas quando necessário.
  • Encrypting or decrypting files Criptografar ou descriptografar arquivosTo prevent an encrypted file from becoming decrypted when it is modified, it is recommended that you encrypt both the file and the folder in which it resides. Para impedir que um arquivo criptografado de se tornar descodificada quando é modificado, é recomendável que você quer criptografar o arquivo ea pasta em que reside.
  • Using read-only files and folders Usando arquivos somente leitura e pastasCipher cannot encrypt files that are marked as read-only. Cipher não pode criptografar os arquivos que estão marcados como somente leitura.
  • Using multiple folder names Usando vários nomes de pastaYou can use multiple folder names and wildcard characters. Você pode usar nomes de pasta e caracteres curinga.
  • Using multiple parameters Usando vários parâmetrosYou must separate multiple parameters by at least one space. Você deve separar vários parâmetros, pelo menos, um espaço.
Examples Exemplos

To back up the certificate and private key currently used to encrypt and decrypt EFS files to a file named c:\myefsbackup.pfx, type: Para fazer backup do certificado ea chave privada atualmente usado para criptografar e descriptografar arquivos EFS para um arquivo chamado c: \ tipo myefsbackup.pfx,:

cipher /xc:\myefsbackup cipher / xc: \ myefsbackup

To encrypt the MonthlyReports folder and all subfolders, type: Para criptografar a pasta MonthlyReports e todas as subpastas, escreva:

cipher /e /s:monthlyreports cipher / e / s: MonthlyReports

To encrypt only the Marketing.xls file in the May subfolder, type: Para criptografar somente o arquivo Marketing.xls na subpasta de Maio, digite:

cipher /e /a monthlyreports\may\marketing.xls cipher / e / a MonthlyReports \ podem \ marketing.xls

To determine which files in the May folder are encrypted, type: Para determinar quais arquivos na pasta de Maio são criptografados, digite:

cipher monthlyreports\may\* MonthlyReports cifra \ podem \ *

***

Clip

Atualizado: 21 de janeiro de 2005

Aplica-se a: Windows Server 2003, Windows Server 2003 R2, Windows Server 2003 com SP1, Windows Server 2003 com SP2

Clip

Redireciona saída do comando da linha de comando para a área de transferência.

Sintaxe

clip

Parâmetros

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Observações
  • Você pode usar clip para copiar os dados diretamente em qualquer aplicativo, como o Word, que pode receber o texto da área.
Exemplos

Para copiar a lista de conteúdo na pasta C: \ Windows para a área de transferência, na pasta C: \ Windows, digite:

dir | clipe

Para colar o que você tem copiado para um documento do WordPad, iniciar o WordPad (ou um editor de texto semelhante), clique em Editar, Clique e Colar (ou clique no botão direito do mouse e clique em Colar). O seguinte texto aparece:

Copiar Código

  O volume na unidade C não tem rótulo.
   Volume Serial Number is 4F14-B446
  
   Directory of C: \ Windows
  
 05/22/2001 11:00 AM <DIR>.
 05/22/2001 11:00 AM <DIR> ..
 05/22/2001 11:14 AM <DIR> NTSD
               Bytes 0 arquivo (s) 0
   3 Dir (s) 1.292.802.048 bytes free

Para copiar o conteúdo de Readme.txt para a área de transferência, tipo:

clip <readme.txt

Para copiar a saída do programa Generic.awk para a área de transferência, tipo:

awk-F input.txt generic.awk | clip

***

Cls

Comando para limpar a tela do DOS e seus comandos usados no momento.

***

Cluadmin

O comando cluadmin é usado para estabelecer uma conexão com um cluster de servidor. Quando usado sem parâmetros, cluadmin inicia o Administrador de cluster, a ferramenta usada para configurar e gerenciar clusters de servidor.

Sintaxe

cluadmin[/norecon[nect]] [Endereço_IP] [.] [{Nome_do_Cluster | Nome_do_Nó}]

Parâmetros

/norecon[nect]

Inicia o <b>Administrador de cluster</b> sem restaurar todas as conexões anteriores do cluster que permaneceram abertas quando você fechou a sessão anterior.

IP Address

Estabelece uma conexão com um nó no cluster ou com o cluster utilizando o endereço IP.

[ .]

Estabelece uma conexão com o nó local.

{Nome_do_Cluster | Nome_do_Nó}

Estabelece uma conexão com o cluster utilizando um nome NetBIOS. Você pode usar um dos nomes de nó ou o nome do cluster.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando a opção /norecon[nect]
    Se você usar este parâmetro, deverá inserir o nome do cluster ao qual deseja se conectar.
  • Usando a opção [.]
    Se o nome ou o endereço IP do cluster não ficar online, use este parâmetro para estabelecer uma conexão com o cluster.
  • Usando a opção {NomeDoCluster | NomeDoNó}
    Para usar este parâmetro, o serviço de resolução de nome deverá estar funcionando corretamente.

Exemplos

Para estabelecer uma conexão com o nó de cluster NODE1, digite:

cluadmin NODE1

Para iniciar o <b>Administrador de cluster</b> sem abrir conexões antigas do cluster, digite:

cluadmin /norecon

***

Cluster – Não encontrado

***

Cmd

Inicia uma nova instância do interpretador de comandos Cmd.exe. Quando for utilizado sem parâmetros, cmd exibirá informações sobre os direitos autorais e a versão do sistema operacional.

Sintaxe

cmd [{/c | /k}] [/s] [/q] [/d] [{/a | /u}] [/t:FG] [/e:{on | off}] [/f:{on | off}] [/v:{on | off}] [Seqüência]

Parâmetros

/c

Executa o comando especificado por Seqüência e pára.

/k

Executa o comando especificado por Seqüência e continua.

/s

Modifica o tratamento de Seqüência depois de /c ou /k.

/q

Desativa o eco.

/d

Desativa a execução de comandos AutoRun.

/a

Formata a saída do comando interno para um pipe ou um arquivo, como ANSI (American National Standards Institute).

/u

Formata a saída do comando interno para um pipe ou um arquivo, como Unicode.

/t:PF

Define as cores de primeiro plano P e plano de fundo F. A tabela a seguir lista os dígitos hexadecimais válidos que podem ser usados como valores para P e F.

 

Valor Cor
0 Preto
1 Azul
2 Verde
3 Azul-piscina
4 Vermelho
5 Roxo
6 Amarelo
7 Branco
8 Cinza
9 Azul claro
A Verde claro
B Azul-piscina claro
C Vermelho claro
D Lilás
E Amarelo claro
F Branco brilhante

/e:on

Ativa extensões de comando.

/e:off

Desativa extensões de comando.

/f:on

Ativa a conclusão de nome de arquivo e pasta.

/f:off

Desativa a conclusão de nome de arquivo e pasta.

/v:on

Ativa a expansão atrasada de variáveis de ambiente.

/v:off

Desativa a expansão atrasada de variáveis de ambiente.

Seqüência

Especifica o comando a ser executado.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Usando vários comandos
    Você pode usar vários comandos separados pelo separador de comando && para Seqüência, mas será necessário colocá-los entre aspas (por exemplo, Comando&&Comando&&Comando).
  • Processando aspas
    Se você especificar /c ou /k, o comando cmd processará o restante da Seqüência e as aspas só serão preservadas se todas as condições a seguir forem atendidas:
  • Não use /s.
  • Use exatamente um par de aspas.
  • Não use nenhum caractere especial dentro das aspas ( como, por exemplo: &<>( ) @ ^ |).
  • Use um ou mais caracteres de espaço em branco dentro das aspas.
  • A Seqüência entre aspas deve corresponder ao nome de um arquivo executável.

Se as condições anteriores não forem atendidas, a Seqüência será processada examinando-se o primeiro caractere para verificar se é ou não o caractere de abertura de aspas. Em caso negativo, ele será eliminado juntamente com o caractere de fechamento de aspas. Qualquer texto depois do caractere de fechamento de aspas será preservado.

  • Executando subchaves do Registro
    Se você não especificar /d em Seqüência, Cmd.exe procurará pelas seguintes subchaves do Registro:
    HKEY_LOCAL_MACHINE\Software\Microsoft\Command Processor\AutoRun\REG_SZ
    HKEY_CURRENT_USER\Software\Microsoft\Command Processor\AutoRun\REG_EXPAND_SZ
    Se uma ou as duas subchaves estiverem presentes, elas serão executadas antes de todas as outras variáveis.
    Cuidado
  • A edição incorreta do Registro pode causar danos graves ao sistema. Antes de alterar o Registro, faça um backup de todos os dados importantes que estiverem no computador.
  • A edição incorreta do Registro pode causar danos graves ao sistema. Antes de alterar o Registro, faça um backup de todos os dados importantes que estiverem no computador.
  • Ativando e desativando extensões de comando
    As extensões de comando são habilitadas por padrão no Windows XP. É possível desabilitá-las para um processo específico por meio de /e:off. É possível habilitar ou desabilitar extensões para todas as opções de linha de comando de cmd em um computador ou sessão de usuário definindo os seguintes valores de REG_DWORD:
    HKEY_LOCAL_MACHINE\Software\Microsoft\Command Processor\EnableExtensions\REG_DWORD
    HKEY_CURRENT_USER\Software\Microsoft\Command Processor\EnableExtensions\REG_DWORD
    Defina o valor REG_DWORD como 0×1 (isto é, habilitado) ou 0×0 (isto é, desabilitado) no Registro usando o Regedit.exe. As configurações especificadas pelo usuário têm precedência sobre as configurações do computador, da mesma maneira que as opções de linha de comando têm precedência sobre as configurações do Registro.
    Cuidado

Quando você ativar extensões de comando, os seguintes comandos serão afetados:

  • assoc
  • call
  • chdir (cd)
  • color
  • del (erase)
  • endlocal
  • for
  • ftype
  • goto
  • if
  • mkdir (md)
  • popd
  • prompt
  • pushd
  • set
  • setlocal
  • shift
  • start (também inclui alterações nos processos de comandos externos)

Para obter mais informações sobre esses comandos, consulte <b>Tópicos Relacionados</b>.

  • Ativando a expansão atrasada de variáveis de ambiente.
    Se ativar a expansão atrasada de variáveis de ambiente, você poderá usar o caractere de exclamação para substituir o valor de uma variável de ambiente em tempo de execução.
  • Ativando a conclusão de nome de arquivo e pasta.
    A conclusão de nome de arquivo e pasta não está ativada por padrão. Você pode habilitar ou desabilitar o preenchimento de nome de arquivo de um processo específico do comando cmd com /f:{on | off}. É possível habilitar ou desabilitar a conclusão de nome de arquivo e pasta para todos os processos do comando cmd em um computador ou sessão de logon de usuário definindo os seguintes valores REG_DWORD:
    HKEY_LOCAL_MACHINE\Software\Microsoft\Command Processor\CompletionChar\REG_DWORD
    HKEY_LOCAL_MACHINE\Software\Microsoft\Command Processor\PathCompletionChar\REG_DWORD
    HKEY_CURRENT_USER\Software\Microsoft\Command Processor\CompletionChar\REG_DWORD
    HKEY_CURRENT_USER\Software\Microsoft\Command Processor\PathCompletionChar\REG_DWORD
    Para definir o valor REG_DWORD, execute o Regedit.exe e use o valor hexadecimal de um caractere de controle para uma função específica (por exemplo, 0×9 corresponde a TAB e 0×08 corresponde a BACKSPACE). As configurações especificadas pelo usuário têm precedência sobre as configurações do computador, da mesma maneira que as opções de linha de comando têm precedência sobre as configurações do Registro.
    Cuidado
  • A edição incorreta do Registro pode causar danos graves ao sistema. Antes de alterar o Registro, faça um backup de todos os dados importantes que estiverem no computador.

Se você habilitar a conclusão de nome de arquivo e pasta usando /f:on, utilize CTRL+D para a conclusão de nome de pasta e CTRL+F para a conclusão de nome de arquivo. Para desabilitar um caractere de conclusão específico no Registro, use o valor para espaço em branco [0×20] porque esse não é um caractere de controle válido.
Quando você pressiona CTRL+D ou CTRL+F, o comando cmd processa a conclusão de nome de arquivo e pasta. Essas funções de combinação de teclas acrescentam um caractere curinga à Seqüência (isto é, caso não exista um), criam uma lista de caminhos correspondentes e, em seguida, exibem o primeiro caminho correspondente. Se nenhum caminho corresponder ao que se especificou, a função de conclusão de nome de arquivo e de pasta emitirá um aviso sonoro e não alterará a exibição. Para deslocar-se pela lista de caminhos correspondentes, pressione CTRL+D ou CTRL+F repetidamente. Para deslocar-se para trás na lista, pressione a tecla SHIFT e CTRL+D ou CTRL+F simultaneamente. Para descartar a lista salva de caminhos correspondentes e gerar uma nova lista, edite a Seqüência e pressione CTRL+D ou CTRL+F. Se você alternar entre CTRL+D e CTRL+F, a lista salva de caminhos correspondentes será descartada e será gerada uma nova lista. A única diferença entre as combinações de teclas CTRL+D e CTRL+F é que a primeira só localiza nomes de pasta enquanto a segunda localiza nomes de pasta e de arquivo. Se você usar a conclusão de nome de arquivo e de pasta em qualquer comando de pasta interno (isto é, CD, MD ou RD), presume-se que a conclusão de pasta será efetuada.
A conclusão de nome de arquivo e de pasta processará corretamente os nomes de arquivo que contêm caracteres especiais ou de espaço em branco se você colocar o caminho correspondente entre aspas.
Os seguintes caracteres especiais necessitam de aspas: & < > [ ] { } ^ = ; ! ‘ + , ` ~ [espaço em branco]
Se as informações que você fornecer contiverem espaços, use aspas para delimitar o texto (por exemplo, Nome_do_Computador).
Se você processar o preenchimento de nome de arquivo e de diretório a partir da Seqüência, qualquer parte do [Caminho] à direita do cursor será descartada (isto é, no ponto em Seqüência em que o preenchimento foi processado).

***

Cmdkey

Updated: January 21, 2005

Applies To: Windows Server 2003, Windows Server 2003 R2, Windows Server 2003 with SP1, Windows Server 2003 with SP2

Cmdkey

Creates, lists and deletes stored user names and passwords or credentials.

Syntax

cmdkey [{/add:TargetName | /generic:TargetName}] [/smartcard] [/user:UserName [/pass[:Password]] [/delete{:TargetName | /ras}] [/list[:TargetName]]

Parameters

/add

Adds a user name and password to the list.

TargetName

The computer or domain name that this entry will be associated with.

/generic

Adds generic credentials to the list.

/smartcard

Retrieves the credential from a smart card.

/user: UserName

Specifies the user or account name to store with this entry. If UserName is not supplied, it will be requested.

/pass: Password

Specifies the password to store with this entry. If Password is not supplied, it will be requested.

/delete {:TargetName | /ras}

Deletes a user name and password from the list. If TargetName is specified, that entry will be deleted. If /ras is specified, the stored remote access entry will be deleted.

/list: TargetName

Displays the list of stored user names and credentials. If TargetName is not specified, all stored user names and credentials will be listed.

/?

Displays help at the command prompt.

Remarks
  • If more than one smart card is found on the system when the /smartcard option is used, cmdkey will display information about all available smart cards and then prompt the user to specify which one to use.
  • Passwords will not be displayed once they are stored.
Examples

To use cmdkey to display a list of all user names and credentials that are stored, type:

cmdkey /list

To use cmdkey to add a user name and password for user Mikedan to access computer Server01 with the password Kleo, type:

cmdkey /add:server /user:mikedan /pass:Kleo

To use cmdkey to add a user name and password for user Mikedan to access computer Server01 and prompt for the password whenever Server01 is accessed, type:

cmdkey /add:server /user:mikedan

To delete the credential that remote access has stored, type:

cmdkey /delete /ras

***

Cmstp – Não encontrado

***

Color  – Não encontrado

***

Comp

Compara o conteúdo de dois arquivos ou conjuntos de arquivos byte a byte. Comp pode comparar arquivos na mesma unidade ou em unidades diferentes, e na mesma pasta ou em pastas diferentes. Quando o comando comp compara os arquivos, ele exibe seus locais e nomes. Quando utilizado sem parâmetros, esse comando solicita que você especifique os arquivos a serem comparados.

Sintaxe

comp [Dados1] [Dados2] [/d] [/a] [/l] [/n=Número] [/c]

Parâmetros

Dados1

Especifica o local e o nome do primeiro arquivo ou conjunto de arquivos a ser comparado. Você pode utilizar caracteres curinga (* e ?) para especificar vários arquivos.

Dados2

Especifica o local e o nome do segundo arquivo ou conjunto de arquivos a ser comparado. Você pode utilizar caracteres curinga (* e ?) para especificar vários arquivos.

/d

Exibe as diferenças em formato decimal. (O formato padrão é o hexadecimal.)

/a

Exibe as diferenças como caracteres.

/l

Exibe o número da linha em que ocorre uma diferença, em vez de exibir o deslocamento dos bytes.

/n=Número

Compara o primeiro Número de linhas dos dois arquivos, mesmo que os arquivos sejam de tamanhos diferentes.

/c

Efetua uma comparação que não diferencia maiúsculas de minúsculas.

/?

Exibe informações de ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • Comparando arquivos com o mesmo nome
    Os arquivos a serem comparados podem ter o mesmo nome, contanto que estejam em pastas ou em unidades diferentes. Se você não especificar um nome de arquivo para Dados_2, o nome padrão de Dados_2 será o nome de arquivo em Dados_1. Você pode utilizar caracteres curinga (isto é, * e ?) para especificar nomes de arquivo.
  • Casos especiais de Dados_1 e Dados_2
    Se você omitir componentes necessários de Dados_1 ou Dados_2 ou se omitir Dados_2, comp solicitará que você forneça as informações necessárias. Se Dados_1 tiver somente uma letra de unidade ou um nome de diretório e nenhum nome de arquivo, comp comparará todos os arquivos no diretório especificado com o arquivo especificado em Dados_2. Se Dados_2 tiver somente uma letra de unidade ou um nome de diretório, o nome de arquivo padrão de Dados_2 será o mesmo de Dados_1.
  • Como o comando comp identifica informações não correspondentes
    Durante a comparação, comp exibe mensagens para identificar os locais das informações desiguais nos dois arquivos. Cada mensagem indica o endereço de memória de deslocamento dos bytes desiguais e o conteúdo dos bytes propriamente ditos (isto é, em notação hexadecimal, a não ser que você especifique a opção de linha de comando /a ou /d. A mensagem é exibida no seguinte formato:
    Compare error at OFFSET xxxxxxxx
    file1 = xx
    file2 = xx
    Após dez comparações desiguais, comp concluirá a comparação dos arquivos e exibirá a mensagem a seguir:
    10 Mismatches - ending compare
  • Comparar arquivos de tamanhos diferentes
    Não é possível comparar arquivos de tamanhos diferentes, a não ser que você especifique a opção de linha de comando /n. Se os tamanhos de arquivo forem diferentes, comp exibirá a mensagem a seguir:
    Files are different sizes
    Compare more files (Y/N)?
    Pressione S para comparar outro par de arquivos. Pressione N para concluir o comando comp.
    Se você pressionar S em resposta à mensagem, comp incluirá todas as opções de linha de comando especificadas na linha de comando em todas as comparações que fizer, até você pressionar N ou digitar o comando novamente.
    Ao comparar arquivos de tamanhos diferentes, utilize a opção de linha de comando /n para comparar somente a primeira parte de cada arquivo.
  • Comparando arquivos seqüencialmente
    Se você utilizar caracteres curinga (* e ?) para especificar vários arquivos, comp localizará o primeiro arquivo correspondente a Dados_1 e comparará esse arquivo com o arquivo correspondente em Dados_2, se houver. O comando comp informa o resultado da comparação e, em seguida, repete o mesmo processo para cada arquivo correspondente a Dados_1. Ao terminar, comp exibirá a mensagem a seguir:
    Compare more files (Y/N)?
    Para comparar mais arquivos, pressione S. O comando comp solicita que você especifique os locais e nomes dos novos arquivos. Para concluir as comparações, pressione N. Quando você pressionar S, comp solicitará que você especifique opções de linha de comando. Se você não especificar opções de linha de comando, comp utilizará as especificadas anteriormente.
  • Se <b>comp</b> não conseguir localizar os arquivos
    Se comp não conseguir localizar os arquivos especificados, emitirá uma mensagem solicitando que você determine se deseja comparar mais arquivos.

Exemplos

Para comparar o conteúdo da pasta <b>C:\Relatórios</b> com a pasta de backup <b>\Vendas\Backup\Abril</b>, digite

comp c:\relatórios \vendas\backup\abril

Para comparar as dez primeiras linhas dos arquivos de texto da pasta <b>\Fatura</b> e exibir o resultado no formato decimal, digite:

comp \fatura\*.txt \fatura\backup\*.txt /n=10 /d

***

Compact – Não encontrado

***

Convert

Converte volumes FAT (file allocation table) e FAT32 no sistema de arquivos NTFS, deixando intactos os arquivos e pastas existentes. Os volumes convertidos ao sistema de arquivos NTFS não poderão ser convertidos de volta em FAT ou FAT32.

Sintaxe

convert [Volume] /fs:ntfs [/v] [/cvtarea:Nome_do_Arquivo] [/nosecurity] [/x]

Parâmetros

Volume

Especifica a letra da unidade (seguida de dois-pontos), o ponto de montagem ou o nome do volume a ser convertido em NTFS.

/fs:ntfs

Necessário. Converte o volume em NTFS.

/v

Especifica o modo de detalhe, isto é, todas as mensagens serão exibidas durante a conversão.

/cvtarea:Nome_do_Arquivo

Apenas para usuários avançados. Especifica que a Tabela de Arquivos Mestre (MFT) e outros arquivos de metadados NTFS serão gravados em um arquivo existente de espaço reservado contíguo. O arquivo deve estar localizado na pasta raiz do sistema de arquivos a ser convertido. O uso do parâmetro /CVTAREA poderá resultar em um sistema de arquivos menos fragmentado após a conversão. Para obter melhores resultados, o tamanho do arquivo deve ser 1 KB multiplicado pelo número de arquivos e pastas contidos no sistema de arquivos, no entanto, o utilitário de conversão aceita arquivos de qualquer tamanho. Importante

  • É necessário criar o arquivo de espaço reservado usando o comando fsutil file createnew antes de executar o comando convert. Convert não cria esse arquivo. Convert substitui esse arquivo com metadados NTFS. Depois da conversão, qualquer espaço não utilizado nesse arquivo será liberado. Para obter mais informações sobre o comando fsutil file, consulte Tópicos Relacionados.

/nosecurity

Especifica que as configurações de segurança das pastas e arquivos convertidos poderão ser acessadas por qualquer pessoa.

/x

Desmonta o volume, se necessário, antes de ser convertido. Os identificadores abertos para o volume não serão mais válidos.

Comentários

  • Se convert não puder bloquear a unidade (por exemplo, o volume do sistema ou a unidade atual), ele sugerirá que ela seja convertida na próxima vez em que o computador for reiniciado. Se você não puder reiniciar o computador imediatamente para concluir a conversão, planeje o momento de reiniciar o computador e reserve um tempo adicional para o processo de conversão.
  • No caso de volumes convertidos de FAT ou FAT32 em NTFS, devido à utilização de disco já existente, a MFT é criada em um local diferente, em comparação a um volume originalmente formatado com NTFS. Devido a isso, o desempenho do volume pode não ser tão bom quanto em volumes originalmente formatados com NTFS. Para obter o desempenho ideal, considere a possibilidade de recriar esses volumes e formatá-los com o sistema de arquivos NTFS.
  • Os volumes convertidos de FAT em NTFS deixam os arquivos intactos, porém, poderão não dispor de alguns benefícios de desempenho se comparados a volumes inicialmente formatados com NTFS. Em volumes convertidos, por exemplo, a MFT pode ficar fragmentada. Além disso, em volumes de inicialização convertidos, o convert aplica a mesma segurança padrão que é aplicada durante a Instalação do Windows. Para obter mais informações sobre as configurações de segurança aplicadas a volumes de inicialização convertidos, consulte o artigo 237399, “The Default NTFS Permissions Are Not Applied to a Converted Boot Partition”, na Microsoft Knowledge Base.
  • Para obter mais informações sobre como usar o parâmetro /cvtarea, consulte File Systems no site Microsoft Resource Kits.

Exemplos

Para converter o volume na unidade E em NTFS e exibir todas as mensagens, digite:

convert e: /fs:ntfs /v

***

Copy

Copia um ou mais arquivos de um local para outro.

Sintaxe

copy [/d] [/v] [/n] [{/y | /-y}] [/z] [{/a | /b}] Origem [{/a | /b}] [+Origem [{/a | /b}] [+ …]] [Destino [{/a | /b}]]

Parâmetros

/d

Permite que os arquivos criptografados que estão sendo copiados sejam salvos como arquivos descriptografados no destino.

/v

Verifica se os novos arquivos foram gravados corretamente.

/n

Utiliza um nome de arquivo curto, se disponível, ao copiar um arquivo cujo nome tenha mais de oito caracteres ou cuja extensão do nome de arquivo tenha mais de três caracteres.

/y

Suprime a solicitação para confirmar se você deseja substituir um arquivo de destino existente.

/-y

Solicita que você confirme se deseja substituir um arquivo de destino existente.

/z

Copia arquivos de rede no modo reiniciável.

/a

Indica um arquivo de texto ASCII.

/b

Indica um arquivo binário.

origem

Necessário. Especifica o local do qual você deseja copiar um arquivo ou conjunto de arquivos. Origem pode consistir em uma letra de unidade seguida de dois-pontos, um nome de pasta, um nome de arquivo ou uma combinação dos mesmos.

destino

Necessário. Especifica o local para o qual você deseja copiar um arquivo ou conjunto de arquivos. Destino pode consistir em uma letra de unidade seguida de dois-pontos, um nome de pasta, um nome de arquivo ou uma combinação dos mesmos.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Comentários

  • É possível copiar um arquivo de texto ASCII que utilize um caractere de final de arquivo (CTRL+Z) para indicar o final do arquivo.
  • Usando /a
    Quando a opção /a anteceder uma lista de arquivos na linha de comando, ela se aplicará a todos os arquivos listados até copy encontrar /b. Nesse caso, /b se aplicará ao arquivo que antecede /b.
    Quando a opção /a estiver depois de uma lista de arquivos na linha de comando, ela se aplicará a todos os arquivos listados até copy encontrar /b. Nesse caso, /b se aplicará ao arquivo que antecede /b.
    O efeito da opção /a depende de sua posição na seqüência da linha de comando. Quando a Origem for seguida de /a, copy tratará o arquivo como um arquivo ASCII e copiará os dados que antecederem o primeiro caractere de final de arquivo (CTRL+Z).
    Quando o Destino for seguido de /a, copy adicionará um caractere de final de arquivo (CTRL+Z) como o último caractere do arquivo.
  • Usando /b
    A opção /b instrui o interpretador de comandos a ler o número de bytes especificado pelo tamanho do arquivo na pasta. /b é o valor padrão de copy, a menos que copy combine arquivos.
    Quando a opção /b anteceder uma lista de arquivos na linha de comando, ela se aplicará a todos os arquivos listados até copy encontrar /a. Nesse caso, /a se aplicará ao arquivo que antecede /a.
    Quando a opção /b estiver depois de uma lista de arquivos na linha de comando, ela se aplicará a todos os arquivos listados até copy encontrar /a. Nesse caso, /a se aplicará ao arquivo que antecede /a.
    O efeito da opção /b depende de sua posição na seqüência da linha de comando. Quando a Origem for seguida de /b, copy copiará todo o arquivo, incluindo todos caracteres de final de arquivo (CTRL+Z).
    Quando o Destino for seguido de /b, copy não adicionará um caractere de final de arquivo (CTRL+Z).
  • Usando /v
    Se uma operação de gravação não puder ser verificada, será exibida uma mensagem de erro. Embora raramente ocorram erros de gravação com o comando copy, você pode usar a opção /v para verificar se dados importantes foram gravados corretamente. A opção de linha de comando /v também torna mais lento o comando copy, porque cada setor gravado no disco deve ser verificado.
  • Usando /y e /-y
    Se a opção /y estiver predefinida na variável de ambiente COPYCMD, você poderá substituir essa configuração usando a opção /-y na linha de comando. Por padrão, você será avisado quando substituir essa configuração, a não ser que o comando copy seja executado em um script em lotes.
  • Acrescentando arquivos
    Para acrescentar arquivos, especifique um único arquivo em Destino, mas vários arquivos em Origem (usando caracteres curinga ou o formato Arquivo1+Arquivo2+Arquivo3).
  • Usando /z
    Se a conexão for perdida durante a fase de cópia (por exemplo, se o servidor da conexão ficar offline), copy /z reiniciará essa fase após a conexão ser restabelecida. A opção /z também exibe a porcentagem da operação de cópia que está concluída para cada arquivo.
  • Copiando de e para dispositivos
    Você pode substituir uma ou mais ocorrências de origem ou destino pelo nome de um dispositivo.
  • Usando ou omitindo a opção /b ao copiar para um dispositivo
    Quando destino for um dispositivo (por exemplo, Com1 ou Lpt1), a opção /b copiará os dados para o dispositivo no modo binário. No modo binário, copy /b copiará como dados todos os caracteres (isto é, incluindo os caracteres especiais, como CTRL+C, CTRL+S, CTRL+Z e de retorno de carro) para o dispositivo. No entanto, se você omitir a opção /b, os dados serão copiados para o dispositivo no modo ASCII. No modo ASCII, os caracteres especiais poderão fazer com que o Windows XP combine arquivos durante o processo de cópia. Para obter mais informações, consulte o item “Combinando arquivos” neste tópico.
  • Usando o arquivo de destino padrão
    Se você não especificar um arquivo de destino, será criada uma cópia com o mesmo nome, data e hora de modificação do arquivo original, colocando a nova cópia no diretório atual da unidade atual. Se o arquivo de origem estiver na unidade e pasta atuais e você não especificar outra unidade ou pasta para o arquivo de destino, o comando copy será interrompido e exibirá a mensagem a seguir:
    File cannot be copied onto itself
    0 File(s) copied
  • Combinando arquivos
    Se você especificar mais de uma Origem, separando as entradas com um sinal de mais (+), copy combinará os arquivos em um único arquivo. Se você usar caracteres curinga (isto é, * ou ?) em Origem, mas especificar um único nome de arquivo em Destino, copy combinará todos os arquivos que correspondam ao nome de arquivo em Origem e criará um único arquivo com o nome de arquivo especificado em Destino. Nos dois casos, copy supõe que os arquivos combinados são arquivos ASCII, a menos que você use a opção /b.
  • Copiando arquivos de comprimento nulo
    Copy não copia arquivos de 0 byte. Utilize xcopy para copiar esses arquivos.
  • Alterando a data e hora de um arquivo
    Se você desejar atribuir a data e hora atuais a um arquivo sem modificá-lo, utilize a sintaxe a seguir:
    copy /bOrigem+,,
    As vírgulas indicam a omissão do parâmetro Destino.
  • Copiando arquivos em subpastas
    Para copiar todos os arquivos e subpastas de uma pasta, utilize o comando xcopy. Para obter informações sobre xcopy, consulte Tópicos Relacionados.
  • O comando copy, com diferentes parâmetros, está disponível no Console de Recuperação.

Exemplos

Para copiar um arquivo denominado Memo.doc para a unidade atual, passar a denominá-lo Carta.doc e assegurar a presença de um caractere de final de arquivo (CTRL+Z) no final do arquivo copiado:

copy memo.doc carta.doc /a

Para copiar um arquivo denominado Tucano.typ da unidade e pasta atuais para uma pasta existente denominada Aves, localizada na unidade C, digite:

copy tucano.typ c:\aves

Se a pasta Aves não existir, o arquivo Tucano.typ será copiado para um arquivo denominado Aves que se encontra na pasta raiz no disco da unidade C.

Para copiar vários arquivos para um arquivo, liste vários arquivos em origem, separe seus nomes com um sinal de mais (+) e especifique um arquivo em destino que você deseja que contenha o arquivo combinado resultante. Por exemplo, para combinar Mar89.rpt, Abr89.rpt e Maio89.rpt, que se encontram na unidade e pasta atuais, e substituí-los por um arquivo denominado Relatório na unidade e pasta atuais, digite:

copy mar89.rpt + abr89.rpt + maio89.rpt relatório

Quando os arquivos são combinados, o comando copy marca o arquivo de destino com a data e hora atuais. Se Destino for omitido, os arquivos serão combinados e armazenados com o mesmo nome do arquivo especificado primeiro. Por exemplo, para combinar todos os quatro arquivos em Relatório quando um arquivo denominado Relatório já existir, digite:

copy relatório + mar89.rpt + abr89.rpt + maio89.rpt

Você também pode combinar vários arquivos em um arquivo usando caracteres curingas (isto é, * ou ?). Por exemplo, para combinar todos os arquivos com a extensão .txt, localizados na pasta atual na unidade atual, em um arquivo denominado Combon.doc, digite:

copy *.txt combin.doc

Para combinar vários arquivos binários em um arquivo utilizando caracteres curinga, inclua a opção /b. Isso impede que o Windows XP trate CTRL+Z como um caractere de final de arquivo. Por exemplo, digite:

copy /b *.exe combin.exe

Cuidado

  • Se você combinar arquivos binários, o arquivo resultante poderá não ser utilizável, devido à formatação interna.

No exemplo a seguir, copy combina cada arquivo que possui a extensão .txt com o arquivo .ref correspondente. O resultado é um arquivo com o mesmo nome, mas com extensão .doc. O comando copy combina Arquivo1.txt com Arquivo1.ref para formar Arquivo1.doc; depois, copy combina Arquivo2.txt com Arquivo2.ref para formar Arquivo2.doc e assim por diante. Por exemplo, digite:

copy *.txt + *.ref *.doc

Para combinar todos os arquivos com a extensão .txt e, depois, todos os arquivos com a extensão .ref em um arquivo denominado Combin.doc, digite:

copy *.txt + *.ref combin.doc

***

Cprofile

Limpa espaço perdido de perfis especificados e, se as associações de arquivos específicas de usuários estão desativadas, remove essas associações do Registro. Os perfis em uso no momento não são modificados.

Sintaxe

cprofile [/l] [/i] [/v] [Lista_de_Arquivos]

cprofile [/i] [/v] Lista_de_Arquivos

Parâmetros

/l

Limpa todos os perfis locais. Você também pode especificar uma lista de perfis adicionais no parâmetro Lista_de_Arquivos.

/i

Avisa interativamente o usuário a cada perfil.

/v

Exibe informações sobre as ações executadas.

lista_de_arquivos

Uma lista de arquivos dos quais você deseja remover associações de arquivos específicas de usuário. Separe cada arquivo da lista com um espaço. Os nomes de arquivo podem conter caracteres curinga.

/?

Exibe ajuda no prompt de comando.

Cuidado

  • A edição incorreta do Registro pode causar danos graves ao sistema. Antes de alterar o Registro, faça backup de todos os dados importantes do computador.

Comentários

  • Apenas os administradores podem executar cprofile.
  • Um Terminal Server usa associações de arquivos para determinar que aplicativo usar para acessar arquivos de vários tipos. Os tipos de arquivos são registrados usando o Windows Explorer.
  • As associações de arquivos por usuário permitem que cada usuário tenha um aplicativo diferente associado a um tipo de arquivo específico. Por exemplo, um usuário pode ter arquivos .doc associados ao Microsoft Word e outro usuário pode ter os arquivos .doc associados ao Windows WordPad.
  • Se as associações de arquivo específicas de usuário estiverem habilitadas, cprofile removerá apenas o espaço não utilizado do perfil do usuário. Se estiverem desabilitadas, cprofile também removerá as entradas de Registro correspondentes.

Exemplos

Para limpar todos os perfis locais sem receber uma confirmação sobre cada um, digite:

cprofile /l

Para limpar os perfis locais e receber uma confirmação sobre cada um, digite:

cprofile /l /i

***

CScript

Executar o host de scripts do Windows

Clique na tarefa que deseja executar.

Iniciar um script para que ele seja executado em um ambiente Windows

  1. Abra o Prompt de Comando.
  2. Digite: wscript[Nome_do_Script] [//B] [//D] [//E:Mecanismo] [//H:CScript | //H:WScript] [//I] [//Job:Identificador] [//Logo | //NoLogo] [//S] [//T:Número] [//X] [//?] [Argumentos_de_Script]

Parâmetros

Nome_do_Script

Especifica o caminho e o nome do arquivo de script.

//B

Especifica o modo em lotes, que não exibe alertas, erros de script ou prompts de entrada.

//D

Inicia o depurador.

//E:Mecanismo

Especifica o mecanismo usado para executar o script.

//H:cscript

Registra o Cscript.exe como host de script padrão para a execução de scripts.

//H:wscript

Registra o Wscript.exe como host de script padrão para a execução de scripts. Este é o padrão.

//I

Especifica o modo interativo, que exibe alertas, erros de script e prompts de entrada. Este é o padrão e o oposto de //B.

//Job:identificadores

Executa o trabalho identificado pelo Identificador em um arquivo de script .wsf.

//Logo

Especifica se a faixa do host de scripts do Windows é exibida no console antes de o script ser executado. Este é o padrão e o oposto de //Nologo.

//Nologo

Especifica se a faixa do host de scripts do Windows não é exibida antes de o script ser executado.

//S

Salva as opções atuais do prompt de comando para esse usuário.

//T:número

Especifica o tempo máximo que o script pode levar para ser executado (em segundos). Você pode especificar até 32.767 segundos. O padrão é “sem limite”.

//X

Inicia o script no depurador.

//?

Exibe os parâmetros de comandos disponíveis e fornece ajuda para usá-los.

ScriptArguments

Especifica os argumentos transmitidos para o script. Cada argumento de script deve ser antecedido por uma barra (/).

Comentários

  • A execução dessa tarefa não requer que você tenha credenciais administrativas. Portanto, como uma prática recomendada de segurança, é aconselhável executar essa tarefa como usuário sem credenciais administrativas.
  • Para abrir um prompt de comando, clique em Iniciar, aponte para Todos os programas, Acessórios e clique em Prompt de comando.
  • Cada parâmetro é opcional. No entanto, você não pode especificar argumentos de script sem especificar um script. Se você não especificar um script nem argumentos de scripts, o Wscript.exe exibirá a caixa de diálogo Configurações do Host de Scripts do Windows, que você pode usar para definir propriedades de scripts globais para todos os scripts que o Wscript.exe executar no computador local.
  • O parâmetro //T evita a execução excessiva de scripts por meio da configuração de um timer. Quando o tempo excede o valor especificado, o WScript interrompe o mecanismo de script e pára o processo.
  • Os arquivos de script do Windows têm as seguintes extensões de nome de arquivo: .wsf, .vbs, .js.
  • Se você clicar duas vezes em um arquivo de script com uma extensão que não tenha associação, a caixa de diálogo Abrir com será exibida. Selecione Wscript ou Cscript e selecione Sempre usar este programa para abrir este tipo de arquivo. O arquivo Wscript.exe ou Cscript será registrado como o host de script padrão para arquivos desse tipo.
  • Você pode definir propriedades para scripts individuais Para obter mais informações, consulte Tópicos Relacionados.
  • O host de scripts do Windows pode usar arquivos de script .wsf. Cada arquivo .wsf pode usar diversos mecanismos de script e executar diversos trabalhos.

Iniciar um script para que ele seja executado em um ambiente de linha de comando

  1. Abra o Prompt de Comando.
  2. Digite: cscript[Nome_de_Script] [//B] [//D] [//E:Mecanismo] [//H:CScript | //H:WScript] [//I] [//Job:Identificador] [//Logo | //NoLogo] [//S] [//T:Número] [//X] [//U] [//?] [Argumentos_de_Script]

Parâmetros

Nome_do_Script

Especifica o caminho e o nome do arquivo de script.

//B

Especifica o modo em lotes, que não exibe alertas, erros de script ou prompts de entrada.

//D

Inicia o depurador.

//E:Mecanismo

Especifica o mecanismo usado para executar o script.

//H:cscript

Registra o Cscript.exe como host de script padrão para a execução de scripts.

//H:wscript

Registra o Wscript.exe como host de script padrão para a execução de scripts. Este é o padrão.

//I

Especifica o modo interativo, que exibe alertas, erros de script e prompts de entrada. Este é o padrão e o oposto de //B.

//Job:identificadores

Executa o trabalho identificado pelo Identificador em um arquivo de script .wsf.

//Logo

Especifica se a faixa do host de scripts do Windows é exibida no console antes de o script ser executado. Este é o padrão e o oposto de //Nologo.

//Nologo

Especifica se a faixa do host de scripts do Windows não é exibida antes de o script ser executado.

//S

Salva as opções atuais do prompt de comando para esse usuário.

//T:número

Especifica o tempo máximo que o script pode levar para ser executado (em segundos). Você pode especificar até 32.767 segundos. O padrão é “sem limite”.

//U

Especifica o Unicode para entrada e saída, ou seja, é redirecionado a partir do console.

//X

Inicia o script no depurador.

//?

Exibe os parâmetros de comandos disponíveis e fornece ajuda para usá-los. É o mesmo que digitar Cscript.exe sem parâmetros e sem script.

Argumentos_de_Script

Especifica os argumentos transmitidos para o script. Cada argumento de script deve ser antecedido por uma barra (/).

Comentários

  • A execução dessa tarefa não requer que você tenha credenciais administrativas. Portanto, como uma prática recomendada de segurança, é aconselhável executar essa tarefa como usuário sem credenciais administrativas.
  • Para abrir um prompt de comando, clique em Iniciar, aponte para Todos os programas, Acessórios e clique em Prompt de comando.
  • Cada parâmetro é opcional. No entanto, você não pode especificar argumentos de script sem especificar um script. Se você não especificar um script ou argumentos de script, Cscript.exe exibirá a sintaxe do Cscript.exe e as opções de host válidas.
  • O parâmetro //T evita a execução excessiva de scripts por meio da configuração de um timer. Quando o tempo de execução excede o valor especificado, o CScript interrompe o mecanismo de script e finaliza o processo.
  • Os arquivos de script do Windows têm as seguintes extensões de nome de arquivo: .wsf, .vbs, .js.
  • Você pode definir propriedades para scripts individuais Para obter mais informações, consulte Tópicos Relacionados.
  • O host de scripts do Windows pode usar arquivos de script .wsf. Cada arquivo .wsf pode usar diversos mecanismos de script e executar diversos trabalhos.
  • Se você clicar duas vezes em um arquivo de script com uma extensão que não tenha associação, a caixa de diálogo Abrir com será exibida. Selecione Wscript ou Cscript e selecione Sempre usar este programa para abrir este tipo de arquivo. O arquivo Wscript.exe ou Cscript será registrado como o host de script padrão para arquivos desse tipo.
  • Você pode definir propriedades para scripts individuais Para obter mais informações, consulte Tópicos Relacionados.
  • O host de scripts do Windows pode usar arquivos de script .wsf. Cada arquivo .wsf pode usar diversos mecanismos de script e executar diversos trabalhos.

***

Csvde

Importa e exporta dados do Active Directory usando arquivos que armazenam dados no formato CSV (valores separados por vírgula). Você também pode oferecer suporte a operações em lotes no padrão do formato de arquivo CSV.

Csvde é uma ferramenta de linha de comando instalada por padrão na pasta %windir%/system32 do Windows Server 2003. Para executar o csvde em um computador com o Windows Server 2003, abra um prompt de comando, digite csvde com os parâmetros adequados e pressione ENTER.

Também é possível executar csvde em um computador com o Windows XP Professional se o Active Directory Application Mode (ADAM) estiver instalado nele. A ferramenta Csvde estará localizada na pasta %windir%/ADAM. Para baixar o ADAM, consulte Active Directory Application Mode (ADAM) no Centro de Download (http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkID=29359).

Sintaxe

Csvde [-i] [-f Nome_do_Arquivo] [-s Nome_do_Servidor] [-c Seqüência1 Seqüência2] [-v] [-j Caminho] [-t Número_da_Porta] [-d Nome_Exclusivo_da_Base] [-r Filtro_LDAP] [-p Escopo] [-l Lista_de_Atributos_LDAP] [-o Lista_de_Atributos_LDAP] [-g] [-m] [-n] [-k] [-a Nome_Distinto_do_Usuário Senha] [-b Nome_do_Usuário Domínio Senha]

Parâmetros

-i

Especifica o modo de importação. Se não for especificado, o modo padrão será o de exportação.

-f Nome_do_arquivo

Identifica o nome do arquivo de importação ou de exportação.

-s Nome_do_servidor

Especifica o controlador de domínio que executará a operação de importação ou de exportação.

-c Seqüência1 Seqüência2

Substitui todas as ocorrências de Seqüência1 por Seqüência2. Em geral, é usado quando os dados são importados de um domínio para outro e o nome distinto do domínio de exportação (Seqüência1) precisa ser substituído pelo do domínio de importação (Seqüência2).

-v

Define o modo detalhado.

-j Caminho

Define o local do arquivo de log. O padrão é o caminho atual.

-t Número_da_porta

Especifica um número de porta LDAP. A porta LDAP padrão é 389. A porta de catálogo global é 3268.

-d Nome_distinto_da_base

Define o nome distinto da base de pesquisa para exportar dados.

-r Filtro_LDAP

Cria um filtro de pesquisa LDAP para exportar dados.

-p Escopo

Define o escopo da pesquisa. As opções de escopo de pesquisa são Base, OneLevel (um nível) ou SubTree (subárvore).

-l Lista_de_atributos_LDAP

Define a lista de atributos a serem apresentados nos resultados de uma consulta de exportação. Os atributos podem ser retornados pelo LDAP em qualquer ordem, e o CSVDE não tenta impor nenhuma classificação das colunas. Se esse parâmetro for omitido, serão apresentados todos os atributos.

-o Lista_de_atributos_LDAP

Define a lista de atributos a serem omitidos dos resultados de uma consulta de exportação. Normalmente, essa opção é usada quando os objetos são exportados do Active Directory e, em seguida, importados para outro diretório compatível com LDAP. Se não houver suporte a atributos em outro diretório, você poderá omiti-los do conjunto de resultados usando essa opção.

-g

Omite pesquisas paginadas.

-m

Omite os atributos que se aplicam somente aos objetos do Active Directory como, por exemplo, os atributos ObjectGUID, objectSID, pwdLastSet e samAccountType.

-n

Omite a exportação de valores binários.

-k

Ignora erros durante a operação de importação e continua o processamento. São os seguintes os erros ignorados: “Objeto já existe,” “Violação de restrição” e “Atributo ou valor já existe”.

-a Nome_distinto_do_usuário Senha

Define o comando a ser executado usando o Nome_Distinto_do_Usuário e a Senha fornecidos. Por padrão, o comando será executado usando as credenciais do usuário conectado à rede no momento. Executa uma ligação LDAP simples com o nome de usuário e a senha.

-b Nome_do_usuário Domínio Senha

Define que o comando seja executado como Nome_do_UsuárioDomínioSenha. Por padrão, o comando será executado usando as credenciais do usuário conectado à rede no momento. Executa uma ligação LDAP segura com o método de autenticação NEGOTIATE.

-?

Exibe o menu de comandos.

Comentários

  • Não é possível importar senhas de usuário utilizando a ferramenta csvde porque as senhas devem ser enviadas através de um canal criptografado. A ferramenta Csvde não dá suporte a SSL nem à comunicação LDAP criptografada. As referências anteriores a senhas se relacionam a credenciais do usuário que está executando o comando csvde. Elas não se relacionam à configuração de senhas para usuários.
  • Aplicativos como o Microsoft Excel são capazes de ler e salvar dados no formato CSV. Você também pode criar arquivos CSV usando o Bloco de Notas. Assegure-se de separar os valores adicionados ao arquivo com vírgulas. Além disso, as ferramentas de administração do Microsoft Exchange Server também podem importar e exportar dados usando o formato CSV, assim como outras ferramentas que não foram desenvolvidas pela Microsoft.
    O formato CSV consiste em uma ou mais linhas de dados, com cada valor separado por uma vírgula e sem espaços entre a vírgula e a próxima entrada. A primeira linha (algumas vezes chamada de cabeçalho) do arquivo CSV deve conter os nomes de cada atributo na mesma ordem que os dados de todas as linhas seguintes à primeira. Por exemplo:
    CN,Nome,Sobrenome,Descrição
    Nome_de_Logon_do_Primeiro_Usuário,Nome_do_Primeiro_Usuário,Sobrenome_do_Primeiro_Usuário,Gerente
    Nome_de_Logon_do_Segundo_Usuário,Nome_do_Segundo_Usuário,Sobrenome_do_Segundo_Usuário,Presidente
  • Para ver uma lista de propriedades que podem ser atualizadas pelo csvde, consulte as interfaces de suporte apropriadas no tópico sobre Objetos ADSI para LDAP (http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=91123). Por exemplo, para ver as propriedades que podem ser definidas para objetos do usuário do Active Directory, clique no link do IADsUser (http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=91124) e consulte a tabela sobre propriedades.
  • Você pode usar csvde -r para criar um filtro de pesquisa LDAP para exportar dados. Por exemplo, o filtro a seguir exporta todos os usuários com determinado sobrenome:
    csvde -r (&(objectClass=Usuário)(sn=Sobrenome))

Exemplos

O conteúdo do arquivo de exemplo a seguir é de um domínio denominado Cpandl.com com unidades organizacionais denominadas SW Dev, Acct e AP. A unidade organizacional AP é subordinada à Acct. A primeira linha do arquivo define as propriedades do objeto do Active Directory para contas do usuário que serão criadas pelas entradas no restante do arquivo. As linhas restantes são usadas para criar as contas do usuário. A primeira conta do usuário é criada no recipiente Usuários padrão, e o restante das contas de usuário são criadas nas unidades organizacionais SW Dev, Acct e AP, respectivamente:

Copiar Código

objectClass,dn,sAMAccountName,userPrincipalName,userAccountControl
user,"CN=KMyer,CN=Users,DC=cpandl,DC=com",KenM,KenM@cpandl.com,514
user,"CN=WYu,OU=SW Dev,DC=cpandl,DC=com",WeiY,WeiY@cpandl.com,514
user,"CN=JMorris,OU=Acct,DC=cpandl,DC=com",JonM,JonM@cpandl.com,514
user,"CN=YXu,OU=AP,OU=Acct,DC=cpandl,DC=com",YeX,YeX@cpandl.com,514
 Observação
A configuração de userAccountControl como 514 desabilita a conta do usuário. Isso é recomendável porque o CSVDE não pode definir senhas.

A opção -d indica a raiz (principal) de uma consulta específica. Por exemplo, se você deseja exportar todos os objetos na unidade organizacional de nível superior de Marketing do domínio Contoso.com para um arquivo denominado marketingobjects.csv, pode usar o seguinte comando:

csvde -d “ou=marketing,dc=contoso,dc=com” -f marketingobjects.csv

A opção -r é um filtro para exportar informações do diretório. Essa opção filtra a saída produzida por uma solicitação de exportação. Por exemplo, se você desejar exportar somente os atributos de objeto da conta do usuário de um domínio para um arquivo denominado usersonly.csv, poderá usar este comando:

csvde -r objectClass=usuário -f usersonly.csv

O seguinte exemplo exporta dados do Active Directory para um arquivo denominado search.txt, define o escopo da pesquisa como subárvore e lista os atributos sAMAccountName, CN e distinguished name de cada objeto encontrado na pesquisa:

csvde -f search.txt -p subtree -l SamAccountName,CN,Distinguishname

O seguinte exemplo importa os dados do domínio atual (o domínio ao qual você está conectado) de um arquivo chamado input.csv:

csvde -i -f input.csv

O seguinte exemplo exporta os dados do domínio atual (o domínio ao qual você está conectado) para um arquivo chamado output.csv:

csvde -f output.csv

Para obter outros exemplos usando o CSVDE, consulte o artigo 327620 da Base de Dados de Conhecimento Microsoft (http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=91125).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s